Archive for novembro \30\UTC 2016

Colombianos emocionam o Brasil em linda homenagem a Chapecoense

novembro 30, 2016

Conluio entre Corinthians e Odebrecht fraudou relatórios do estádio em Itaquera

novembro 30, 2016

frederico barbosa andres sanches

Em 03 de setembro de 2011, Corinthians e Odebrecht assinaram “Contrato de Engenharia, Fornecimento e Construção das obras civis de estádio de futebol em Itaquera – São Paulo”, o único com a rubrica do deputado federal Andres Sanches, então presidente do clube.

Entre diversas clausulas, a 15ª, em seu item 15.4, deixava clara a obrigatoriedade da construtora em, mês a mês (no máximo até o trigésimo dia), encaminhar ao clube o Boletim de Avanço das obras, com todas as descrições, detalhadas, da construção, sob pena do clube não realizar os pagamentos previstos no acordo.

Porém, o item 15.5 diz que o Corinthians deverá, no máximo, em até dez dias após o recebimento do referido documento, aprová-lo ou recusá-lo.

Em não se manifestando, o clube terá aceitado, tacitamente, os dados enviados pela Odebrecht, obrigando-se, em consequencia, a pagá-la pelo serviço.

Foi desta maneira, não se posicionado sobre o Boletim de Avanço de nº 39 (o último), que Corinthians e Arena Fundo deram aceite à conclusão da obra, com construtora emitindo a Nota Fiscal, encerrando os trabalhos, discurso que mantém, amparada em contrato, até os dias atuais, mesmo estando ciente de que trata-se de uma fraude, e que o estádio está longe de ser concluído.

Recentemente, o TCM requereu a documentação para avaliação que poderia resultar, em constatadas irregularidades, o impedimento da liberação de R$ 420 milhões em CIDs da Prefeitura, levando a construtora ao desespero, conforme comprovou matéria do Blog do Juca, dias atrás:

http://blogdojuca.uol.com.br/2016/11/por-que-a-odebrecht-nao-entrega-os-documentos-sobre-a-arena-corinthians/

Evidencia-se, assim, o epílogo do “Golpe de Estádio”, um conluio entre dirigentes de Odebrecht e Corinthians para preencher bolsos intermediários às custas de recursos do clube.

corinthians-odebrecht-capa-03-09-11

clausula-decima-quinta

corinthians-odebrecht-assinaturas-03-09-11

SETE BOLETINS DE AVANÇO FRAUDADOS POR ROBERTO ANDRADE, SOB ORDENS DE ANDRES SANCHES

andres-roberto-e-gobbi

Observa-se, de cara, no primeiro Boletim de Avanço emitido pela Odebrecht, que as obras do estádio iniciaram-se dois meses antes da assinatura do compromisso entre a construtora e o clube, o que revela, além de procedimento estranho (uma empreiteira colocar dinheiro na frente sem ter garantias de recebê-lo, no futuro), alguma temeridade nos procedimentos.

Trata-se do nº 1 compreendendo o período de obras entre 30/05/2011 a 25/06/2011.

Porém, este “Boletim” e os outros seis para frente (totalizando sete), avalizando todos os trabalhos da Odebrecht no estádio até o dia 25/12/2011, somente foram entregues ao Corinthians para que fossem aprovados no dia 30 de janeiro de 2012, em flagrante irregularidade contratual.

Mas, pior do que isso, conforme comprovaremos com documentos a seguir, todos foram assinados não pelo presidente Andres Sanches (que, safo, preferiu se ocultar), mas sob suas ordens, pelo então vice, Roberto “da Nova” Andrade, em datas retroativas, sete meses após o limite legal.

É prova inequívoca não apenas de novas fraudes do agora presidente alvinegro (em conluio com Andres Sanches e a Odebrecht), mas de que o Corinthians, há tempos, vem sendo lesado por essa gente em favorecimento a interesses diversos.

Nenhum deles age sozinho e todos sabem, em detalhes, tudo que está acontecendo.

Os documentos da Fraude

Confira abaixo, sete cartas assinadas pelo engenheiro da Odebrecht, Antonio Roberto Gavioli (investigado pela Lava-Jato), todas em 30 de janeiro de 2012, enviadas à BRL TRUST, para a construtora, com cópia ao vice-presidente Roberto Andrade e para Luis Paulo Rosenberg (representantes do Corinthians), citando a necessidade da assinatura dos Boletins de Avanço para que se possa “cumprir” a referida “Clausula 15”.

Em anexo às correspondências, todos os Boletins de Avanço, com datas retroativas, assinados em fraude por Roberto Andrade:

fraude-1 fraude-2 fraude-3 fraude-4 fraude-5 fraude-6 fraude-7 fraude-8 fraude-9 fraude-10 fraude-11 fraude-12

fraude-13 fraude-14

BOLETINS DE AVANÇO PASSAM A SER RECEBIDOS PELA BRL TRUST

Depois do envio pela Odebrecht do BOLETIM DE AVANÇO de nº 7, o último assinado pelo Corinthians, todos os outros passaram a ser recebidos pela BRL TRUST, gestora do ARENA FUNDO, responsável pela administração do estádio em Itaquera, com cópia agora ao delegado Mario Gobbi e também a Luis Paulo Rosenberg (que só deixa de ser copiado a partir do nº 20, datado de 07 de fevereiro de 2013).

Todos, do nº 8 ao famoso nº 39 (o que dá por finalizada a obra), aprovados, alguns por assinatura, outros (estranhamente sem rubrica) tacitamente (como previsto em contrato).

CONFIRA, NOS LINKS ABAIXO, 33 DOS 39 BOLETINS DE AVANÇO ENVIADOS PELA ODEBRECHT DETALHANDO OS PROCEDIMENTOS DAS OBRAS DO ESTÁDIO EM ITAQUERA

Boletins nº 1 até nº 14

boletim-de-avanco-1

Boletim nº 15

boletim-de-avanco-2

Boletim nº 16

boletim-de-avanco-3

Boletim nº 17

boletim-de-avanco-4

Boletim nº 18

boletim-de-avanco-5

Boletim nº 19

boletim-de-avanco-6

Boletim nº 20

boletim-de-avanco-7

Boletim nº 21

boletim-de-avanco-8

Boletim nº 22

boletim-de-avanco-9

Boletim nº 23

boletim-de-avanco-10

Boletim nº 24

boletim-de-avanco-11

Boletim nº 25

boletim-de-avanco-12

Boletim nº 26 até 31 (não tivemos acesso)

Boletim nº 32 até nº 37

boletim-de-avanco-13

Boletim nº 38

boletim-de-avanco-14

Boletim nº 39

boletim-de-avanco-15

O doce Deva

novembro 30, 2016

deva-1

Conheci Deva Pascovicci nos estúdios da rádio CBN, entre 2007/2008, período em que tinha por hábito frequentar a redação, visitando amigos queridos que trabalhavam no local.

Um amor de pessoa, em diversas concepções que se possa ter da colocação, desde o jeito carinhoso de tratar seus colegas de trabalho e os ouvintes, até a decência de comportamento enquanto profissional.

Em algumas oportunidades, ainda no início do blog (que já era conhecido), Deva permitiu que eu permanecesse nas cabines de transmissão da CBN, nos diversos estádio em que, por vezes, nos encontrávamos (quase sempre Pacaembu e Morumbi).

De lá, quieto para não atrapalhar, mas sempre atento, observei (aprendendo) sua maneira ímpar de narrar as partidas (apelidado que era de Pavarotti) e a generosidade com os companheiros de transmissão (em regra, o Vitor Birner).

Impossível esquecer o dia em que permitiu minha participação, ao vivo, nas cabines do Pacaembu, ocasião em que teci rasgados elogios ao então estreante Lulinha, que todos acreditavam seria um fenômeno pelo Corinthians.

Para a sorte de minha reputação, esta gravação nunca circulou, mas jamais sumiu e deixou de ser importante em minha memória.

Por conta do destino, e de nossos afazeres (distintos) poucas vezes nos cruzamos, mas, sempre que podíamos, mantivemos contato através das mais diversas mídias sociais.

Com o carinho e respeito habitual, assim que saí de Tremembé, vítima que fui da vingança daqueles que denunciei, Deva, pelo wathsaapp, expressou sua solidariedade e angústia pelo período em que fiquei longe do trabalho e da família.

Reiterou que estava sempre lendo o blog (o que orgulhava-me) e, em consequencia, preocupava-se com minha segurança.

Trocamos mensagens outras vezes, algumas após suas participações em transmissões pela Fox.

Ontem Deva acessou o wathsapp, pela última vez, exatamente às 16h15:

deva-waths

Não sei se manteríamos contato, mas, certamente, se sim, seria após a partida da Chapecoense, pela final da Sul-Americana.

Fica a lembrança, o agradecimento pelo carinho, pela paciência e o desejo de que sua família receba todo o amparo necessário para seguir adiante após esta irreparável perda.

Eurico Miranda e Carlos Leite

novembro 30, 2016

cristovao

O Vasco da Gama, por lobby do empresário Carlos Leite, contratou o treinador Cristovão, iniciando, antecipadamente, o projeto para disputar à Série B em 2018.

É evidente o roteiro que será seguido: contratações para beneficiar o agente, “grande desempenho” no Campeonato Estadual (se possível com título), ilusão após ter ganhado de diversos “três tetas FC”, necessidade de novos reforços (afinal, é o Brasileirão) e a dura realidade no segundo semestre, amparada em elenco de esquema e técnico ultrapassado.

Ninguém discute o amor de Eurico Miranda pelo Vasco, mas, até por isso, deveria entender que sua gestão, apesar de recuperadora administrativamente (após a passagem do furacão “Roubamite”), tem sido desastrosa no departamento de futebol.

Tomara apenas por conceitos equivocados.

É inadmissível que um gestor tarimbado como Eurico desconheça os hábitos de Carlos Leite, o que torna estranho que abra, sob qualquer argumentação, as portas de São Januário para seus negócios.

Confira abaixo o que o presidente vascaíno pensava sobre o referido empresário, em 2010, a quem tratava como “frouxo”, antes da estranha mudança de opinião atual:

Criciuma demite Roberto Cavalo após denúncia do Blog do Paulinho. Jogador se arrepende

novembro 30, 2016
Cavalinho e Roberto Cavalo

Cavalinho e Roberto Cavalo

Publicamos, ontem, provas robustas de um esquema movimentado pelo então treinador do Criciuma, Roberto Cavalo (com a ajuda do irmão seu ex-auxiliar, Cavalinho), para embolsar dinheiro (sem conhecimento do clube) com a promessa de escalar jogadores de futebol.

https://blogdopaulinho.com.br/2016/11/29/esquema-de-roberto-cavalo-embolsou-r-130-mil-de-empresario-para-esquentar-jogador-no-criciuma/

Daniel Bacan foi o atleta citado na matéria.

Horas depois da publicação, o equipe catarinense anunciou que Roberto Cavalo pediu demissão “por problemas pessoais que poderiam manchar o nome do clube” e que o contrato do diretor de futebol, Paulo Pelaipe, não seria renovado.

Fontes garantem que, em verdade, o então dirigente, com a página do blog impressa, teria partido para as vias de fato com Cavalo, tratando-o com os mais desairosos “elogios”, razão pela qual o presidente do Criciuma se viu obrigado a também afastá-lo.

Em sequencia, o jogador envolvido no rolo, Daniel Bacan (que pode ser ouvido em áudio inserido na referida reportagem), deixou a seguinte mensagem para o Blog:

“Boa noite amigo, sou o Daniel. Gostaria apenas de dizer que nao sabia o que se passava!”

“Quando soube eu mesmo fui ao Emerson Almeida e rescindi meu contrato”

“Se soubesse no inicio sequer assinaria pelo Criciuma!”

“Acabei por dizer aquilo (na gravação) num momento de cabeca quente.”

“acredite…fui vitima também.”

Cicinha e Deva Pascovicci

novembro 30, 2016

deva-cbn

Por MARISE CATHARINE

Sempre fui apaixonada por futebol e por rádio, aprendi com meu avô essas duas paixões, junto com a terceira: o São Paulo Futebol Clube.

Antes do meu avô ir embora, ele me ensinou a ouvir a Rádio Globo/AM.

Lá pelos meus 16 anos, eu já era muito ligada à Internet e ouvindo jogos On-line, descobri que a Rádio CBN além de transmitir os jogos, tinha um chat. Pronto, juntei o amor ao rádio a oportunidade de conversar com outras pessoas sobre a partida.

Foi assim que começou meu ROMANCE com a CBN. Todos os jogos estava lá, no Chat CBN, era a única mulher no meio de um monte de marmanjo, mas nunca fui desrespeitada ou deixaram de ler meus comentários futebolísticos por ser mulher.

Por estar sempre ali, acabei fazendo amizade com os jornalistas, comentaristas e narradores da rádio. Conversava com a maioria deles fora dos horários de jogos.

Foi assim que por Skype conversei muitas vezes com Deva Pascovicci.

Ele até me adotou como sobrinha e eu o chamava de Tio Deva.

Ele sempre me dava dicas de futebol, me falava do amor pela sua esposa Rosana e suas filhas Mariana e Carol, me contava sobre as vitórias que já tinha conquistado na vida em cima de doenças e principalmente me apoiava a estudar Jornalismo e trabalhar com isso.

Sempre foi um querido. Sempre super atencioso.

Então, a vida foi me distanciando do futebol. A faculdade ocupando muito meu tempo e eu não entrava tanto mais no chat nem conversava com aquelas pessoas queridas. Mas sempre tive um carinho enorme por todos eles e sei que eles também sempre tiveram um carinho por mim.

Lembro que encontrei há pouco um amigo daquela época e ele me disse: “Nossa, todos sempre gostaram muito de você na CBN. O Deva sempre te elogiava e falava com muito carinho de você”.

Apesar da distância e os acontecimentos da vida, nunca esqueci essas pessoas especiais. Principalmente o tio Deva.

Acompanhei sua saída da CBN. Sua contratação na Fox Sports e sempre estava, mesmo de longe, feliz por ele nos presentear com sua voz maravilhosa narrando os jogos.

Hoje, a hora que vi as pessoas que estavam a bordo do avião, meu coração apertou. Quando houve a confirmação dos mortos, eu chorei muito. Chorei por todas as perdas. Por grandes talentos perdidos. Chorei por saber que não teremos mais muitos profissionais maravilhosos que se foram. Chorei por saber que o Deva estava nesse vôo. Chorei por saber o quanto ele amava sua família e era apegado a ela. Chorei por não ouvir nunca mais nessa vida seus elogios e ele me chamando de Cicinha. Chorei, pois não tive tempo de despedidas, de agradecer por ele ter me ajudado e me aconselhado. Chorei, porque a vida é tão frágil.

É difícil entender e aceitar. Mas sabemos que as missões de todos que estavam naquele vôo, foi cumprida e era hora deles partirem. Eles deixaram um sentimento de impotência no país inteiro. Mas temos que aprender com tudo isso a amar mais o próximo, a mandar aquela mensagem quando sentimos vontade de mandar, a perdoar as pessoas, a abraçá-las, a sempre dar um jeito de vê-las, a nós unir….

Hoje, ouvindo novamente meus áudios com o Deva e sabendo o quanto ele foi especial, só tenho que agradecer a ele. E pedir que o Pai Celestial o conforte. O proteja. O leve para um lugar maravilhoso, assim como todos os outros que estavam nesse vôo.

Ensaiei o dia inteiro desabafar aqui, aguentei até agora, mas tem hora que não dá. Precisamos escrever o que sentimos pra nos sentirmos melhor.

Vá em PAZ, PAVAROTTI do Rádio Brasileiro! Vá em Paz Deva Pascovicci. Que Deus cuide e conforte toda a família Paschoalon.

Coluna do Fiori: nota sobre a tragédia da Chapecoense

novembro 30, 2016

fiori - dicunto

FUTEBOL: POLÍTICA, ARBITRAGEM E VERDADE

Fiori é ex-árbitro da Federação Paulista de Futebol, investigador de Polícia e autor do Livro “A República do Apito” onde relata a verdade sobre os bastidores do futebol paulista e nacional.

http://www.navegareditora.com.brEmail:caminhodasideias@superig.com.br

apito limpo

Consternação

chapecoense-aviao

Na condição cidadão, ex-árbitro e responsável por tudo que é inserido na “Coluna do Fiori” publicada aos sábados no Blog do Paulinho, como também, da pagina Facebook “No intervalo do Esporte”, externo meus sinceros sentimentos aos familiares dos falecidos no ocorrido com a aeronave que transportava os respeitosos futebolistas da Associação Chapecoense de Futebol, estendo-o, aos esportistas e população do estado de Santa Catarina, em especial; aos habitantes da cidade de Chapecó

Finalizando

“Mesmo sabendo que um dia a vida acaba, a gente nunca está preparado para perder alguém”

Nicholas Sparks – é um escritor, roteirista e produtor estadunidense

O maravilhoso Cisco Kid, Mário Sérgio

novembro 30, 2016

mario-sergio

Por JOSE RENATO SATIRO SANTIAGO

Mário Sérgio Pontes de Paiva nasceu em 7 de setembro de 1950 na cidade do Rio de Janeiro. De família muito humilde foi criado no bairro das Laranjeiras, próximo ao Fluminense, clube do qual seu pai era sócio, e onde jogou futebol de salão por cerca de sete anos. Eram tempos dificeis e embora tenha se destacado, a necessidade de colocar dinheiro em casa o fez largar as quadras em troca do trabalho em uma empresa de processamento de dados.

O amor pelo futebol, no entanto, era maior, e em 1969, foi levado para fazer testes no Flamengo, que logo o contratou. Sua grande habilidade de driblar chegou a ser motivo de preocupação para a comissão técnica rubro negra, sobretudo do técnico Yustrich, que achava que ele segurava muito a bola, em outras palavras, ‘um fominha’. Dono de uma personalidade forte, Mário Sérgio também não perdia a oportunidade de mostrar, fora de campo, como ele era. Aproveitava, como poucos, a vida, sempre com seus cabelos longos e roupas muito coloridas. Isso não passou em vão para Yustrich. Autoritário, o técnico não demorou a bater de frente com ele, e não perdia a chance de chamá-lo de boneca. Mário Sérgio também não deixava por menos e costumava aprontar das suas com o técnico. Depois de muitas brigas, no entanto, Yustrich levou a melhor, ao convencer a diretoria da equipe carioca para que cedesse Mário Sérgio ao Vitória da Bahia.

Em um tempo quando o futebol brasileiro era, mais que nunca, concentrado no eixo Rio-São Paulo, Mário Sérgio surpreendeu a todos ganhando destaque nacional ao defender as cores do rubro negro baiano. Campeão estadual em 1972, ganhou a Bola de Prata, premiação promovida pela Revista Placar, como melhor de sua posição nos campeonatos brasileiros de 1973 e 1974. Suas grandes atuações levaram Francisco Horta, presidente do Fluminense, a trazê-lo de volta ao Rio, mais precisamente para atuar na “ A Máquina”, como ficou conhecida uma das maiores equipes da história do clube. De volta onde tudo começou para ele, ganhou um novo apelido, Vesgo, por conta do hábito de “olhar para um lado e tocar a bola para o outro”. Ainda que tenha sido campeão carioca em 1975, em um time cheio de craques, não costumava aceitar ser sacado do clube, o que sempre foi um grande problema. Acabou sendo cedido ao Botafogo.

Entre os anos de 1976 e 1979 fez parte do time do camburão, apelido dado pelo jornalista botafoguense Roberto Porto, por conta da presença de jogadores polêmicos, todos com a ‘chave da cadeia’, como o próprio Mário Sérgio, Dé, Paulo César Lima, Renê, Perivaldo e tantos outros. No meio de tantos amigos, sobrou pouco tempo para jogar bola e não brilhou de forma tão intensa com a camisa do alvinegro da Estrela Solitária. Foi para o Rosário Central da Argentina, onde foi sozinho, sem a esposa, que acabara de começar seus estudos na faculdade, o que fez sua estadia em terras portenhas ser muito breve, apesar de cheia de atos de indisciplina. Ficou por muito pouco tempo, apenas 4 meses, e logo voltou ao Brasil, a pedido de Paulo Roberto Falcão, para atuar no Internacional. Aliás, para o Rei de Roma, Mário Sérgio foi o jogador mais técnico com quem jogou.

No Colorado, comandado pelo técnico Enio Andrade, Mário Sérgio renasceu. Foi um dos grandes responsáveis pela conquista do único título brasileiro invicto, em 1979. Atacante inteligente, com habilidade única para atuar no meio campo e colocar o bola onde queria, voltou a ganhar a Bola de Prata em 1980 e 1981, o que proporcionou sua contratação pelo São Paulo, outra equipe que tinha como apelido, “A Máquina”. Chegou no Morumbi e conseguiu o que seria improvável, ganhar a posição de um dos maiores atacantes do clube, Zé Sérgio, até então titular da seleção brasileira do técnico Telê Santana.

No tricolor paulista, foi um do grandes nomes da equipe campeã paulista daquele ano. Cracaço de bola em campo, temperamental fora dele. Na final do segundo turno do campeonato paulista, na partida frente ao São José, no Vale do Paraíba, após a torcida local cercar o onibus da equipe, ele abriu a janela e sacou alguns tiros para cima. Dispersão desfeita, a delegação tricolor pode sair das cercanias do estádio Martins Pereira. O episódio fez com que o jornalista Silvio Luiz o desse o apelido de ‘Cisco Kid’. Seu bom futebol o levou a vestir a camisa canarinha. No entanto, sua fama de indisciplinado, fez com que Telê não o levasse para a Copa do Mundo de 1982. No Morumbi também teve atritos com José Poy e foi cedido a Ponte Preta.

Após um curto período na equipe campineira, a pedido do técnico Valdir Espinosa foi contratado pelo Grêmio para atuar na final do Mundial Interclubes de 1983. Foi o cérebro daquela equipe que conquistou o título mundial diante a equipe alemã do Hamburgo, com uma épica vitória por 2 a 1, com gols de Renato Gaúcho. Logo no ano seguinte estaria de volta ao Beira Rio para defender o Internacional. Desta vez ficou por pouco tempo e ainda naquele ano foi contratado pelo Palmeiras, onde viveu uma grande fase. Jogou demais com a camisa alviverde e foi o grande comandante da equipe que liderou boa parte do campeonato paulista daquele ano. Voltou, até mesmo, a ser, novamente, convocado para a seleção brasileira. Tudo ia muito bem, até que acabou sendo pego no exame anti-doping no clássico diante o São Paulo em 9 de setembro de 1984. Suspenso, o fato também afetou a performance do Palmeiras, que perdeu fôlego na competição. Deixou o Parque Antarctica em 1985.

Passou pelo Botafogo de Ribeirão Preto e pela equipe suíça do Bellinzona, até chegar ao tricolor da Boa Terra, o Bahia, em 1987. Se despediu do futebol no meio de muita polêmica, algo tão natural para ele. No dia 4 de outubro, no intervalo da partida diante o Goiás, válida pelo campeonato brasileiro, entrou no vestiário, trocou de roupa e disse que encerraria ali sua carreira. Anos depois, já com a camisa da seleção brasileira de Master, mostrou que poderia ter desfilado seu talento pelos gramados ainda por muito tempo.

Mário Sérgio foi um jogador brilhante, um dos maiores do seu tempo. Espetacular como atacante e meio campista. Dono de seus pensamentos e de suas palavras, o que, certamente impediu que muitos técnicos soubessem utilizar o seu melhor. Azar deles, sorte dos torcedores.

Blog do Paulinho #88

novembro 29, 2016

Mauro Beting diz que viagem fatal seria a última de Mario Sergio antes de demitir-se da Fox

novembro 29, 2016

Resgate do jogador Neto da Chapecoense

novembro 29, 2016

(a feliz e esperançosa imagem do jogador Neto sendo resgatado com vida da terrível tragédia envolvendo a Chapecoense)

Vídeo do jogador Filipe Machado no início da trágica viagem para a Colômbia

novembro 29, 2016

(Filipe Machado, lamentavelmente, perdeu a vida no acidente)

Cai avião da Chapecoense com jogadores, dirigentes e jornalistas

novembro 29, 2016

chapecoense-aviao

Lamentável tragédia ocorreu, nas proximidades de Medellin (Colômbia), por volta da uma hora da madrugada: caiu o avião que levava 81 pessoas (passageiros e tripulantes), entre os quais toda a equipe da Chapecoense (e comissão técnica), que disputaria o título da Sul-Americana contra o Atlético Nacional, além de dirigentes (entre os quais Delfim Peixoto, opositor a Marco Polo Del Nero) e alguns jornalistas (destes, soubemos de Vitorino Chermont, Mario Sergio, Paulo Julio Clement, Deva Pascovicci, Rodrigo Santana e Júnior Lilacio).

O jogo, por razões óbvias, já foi cancelado.

A lista de atletas a bordo é formada por: Goleiros: Danilo e Follmann; Laterais: Gimenez, Dener, Alan Ruschel e Caramelo; Zagueiros: Marcelo, Filipe Machado, Thiego e Neto; Volantes: Josimar, Gil, Sérgio Manoel, Matheus Biteco, Cleber Santana e Arthur Maia; Atacantes: Kempes, Ananias, Lucas Gomes, Tiaguinho, Bruno Rangel e Canela, além do técnico Caio Júnior.

Seis passageiros sobreviveram.

75 são os mortos confirmados (a aeronáutica da Colômbia confirmou a morte do goleiro Danilo).

O time brasileiro, que fazia história pela alegria do futebol, dela fará parte, também, pela tristeza do acaso.

Nossa solidariedade aos parentes das vítimas, e torcida para que as melhores notícias possam atingi-los nas horas aflitas que estão por vir.

ATUALIZAÇÃO DE SOBREVIVENTES (até o momento): Follmann – que teve uma perna amputada, Neto e Alan Ruschel (jogadores), Rafael Henzel (jornalista – rádio Oeste de Chapecó), a comissária de voo Ximena Suárez e o técnico da aeronave Erwin Tumirie.

O Grêmio acaba de anunciar, independentemente de decisão da CBF, que, em solidariedade às vítimas, não entrará em campo amanhã para disputar a final da Copa do Brasil, contra o Atlético/MG.

A CBF transferiu, oficialmente, a segunda partida final da Copa do Brasil para o dia 07 de dezembro e a última rodada do Brasileirão para 11 de dezembro.

Informações dão conta de que o Atlético Nacional abrirá mão do título da Sul-Americana em favor da Chapecoense, solidários à tragédia.

A CONMEBOL informa que no dia 21 de dezembro realizará uma reunião para definir o futuro da Copa Sul-Americana 2016, em consequência, as partidas finais previstas estão canceladas.

chapecoense-aviao-2

chapecoense-aviao-4

chapecoense-aviao-5

chapecoense-aviao-3

EM TEMPO: a postagem está sendo atualizada diversas vezes ao dia (com pequenas alterações) de acordo com as informações apuradas, que se modificam, por razões óbvias.

“Peça de Marketing”: tese de mestrado diz que Relatório de Sustentabilidade do Corinthians não é transparente

novembro 29, 2016

raul-correa-da-silva.jpg

“Por esta razão, é possível afirmar que o clube não foi totalmente transparente e não prestou contas com total equilíbrio por meio de seus Relatórios de Sustentabilidade, os quais não apresentavam, de forma clara e convincente, o posicionamento do Corinthians em relação aos assuntos analisados.”

“Utilizados com esta finalidade, os Relatórios de Sustentabilidade, não passam de uma grande peça de marketing, cuja finalidade é apenas divulgar de forma eufórica as ações e atividades da organização.”

“(…) o relatório poderia ser feito em poucas páginas, somente com a publicação e o acompanhamento dos indicadores GRI”

(trecho da tese de mestrado “GLÓRIA E TRAGÉDIA: A DUALIDADE DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DO SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA EM SEUS RELATÓRIOS DE SUSTENTABILIDADE – 2015)


Motivo de orgulho do contador Raul Corrêa da Silva enquanto diretor financeiro do Corinthians, o Relatório de Sustentabilidade (abolido pela atual gestão), sempre foi motivo de críticas no Parque São Jorge, acusado de maquiar a contabilidade alvinegra para esconder desvios de conduta, entendimento que ampliou-se após o indiciamento não apenas do dirigente, mas também doutros diretores (Andres Sanches, Roberto “da Nova” Andrade e André Negão) em três ações que tramitam no STF por crimes fiscais.

Corrêa sempre se defendeu com o manjado discurso de “intriga da oposição”.

Porém, em 2015, estudo assinado pela Mestre Roberta Ferreira Brondani (sem ligação alguma com o clube), sob orientação do Professor Doutor José Carlos Marques, para Tese de Mestrado da UNESP – Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho – Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, com título “GLÓRIA E TRAGÉDIA: A DUALIDADE DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DO SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA EM SEUS RELATÓRIOS DE SUSTENTABILIDADE”, obrigará o dirigente a renovar as habituais desculpas.

O trabalho foi aprovado pela banca composta pelos Professores Doutores: José Carlos Marques, Maximiliano Martin Vicente e Ary José Rocco Junior.

unesp-aprovacao

A conclusão é arrasadora:

“Por esta razão, é possível afirmar que o clube não foi totalmente transparente e não prestou contas com total equilíbrio por meio de seus Relatórios de Sustentabilidade, os quais não apresentavam, de forma clara e convincente, o posicionamento do Corinthians em relação aos assuntos analisados.”

“Utilizados com esta finalidade, os Relatórios de Sustentabilidade, não passam de uma grande peça de marketing, cuja finalidade é apenas divulgar de forma eufórica as ações e atividades da organização.”

Selecionamos outros trechos:

“Este trabalho tem como objetivo analisar como o Sport Club Corinthians Paulista, tradicional clube esportivo fundado em 1910 na cidade de São Paulo (SP), apresenta a prestação de contas e a transparência em seus Relatórios de Sustentabilidade, publicados desde 2009.”

“O estudo pretende verificar as intenções do Corinthians em publicar tais relatórios, tendo em vista que esta é uma prática de organizações com fins lucrativos, especialmente as empresas com ações em bolsa (como as Sociedades Anônimas – S/A), e algo incomum entre associações desportivas.”

“A hipótese que se levanta é que o Corinthians aproveita a credibilidade dos Relatórios de Sustentabilidade para vender a imagem de uma empresa moderna, organizada, transparente e socialmente responsável, enfatizando pontos positivos mesmo quando os fatos demonstram o contrário, além de utilizá-los como uma peça de divulgação para atrair novos patrocinadores e investidores.”

“As informações divulgadas nos Relatórios de Sustentabilidade do Corinthians não são suficientes para afirmar que o clube, de fato, aplica os conceitos da Governança Corporativa em sua plenitude.”

“O fato dos Relatórios de Sustentabilidade serem produzidos por “corinthianos, com paixão e profissionalismo”, como relatado no expediente das publicações também merece atenção. Esta afirmação, leva ao questionamento de como seria possível fazer um relatório transparente e equilibrado se todos os envolvidos em sua produção possuem uma relação emocional com o clube. Esta proximidade, pode dificultar o processo de equilíbrio e imparcialidade e reforçar a hipótese do uso do relatório como uma peça de marketing, que faz parte de todo um processo de fortalecimento e de internacionalização da marca Corinthians (…)”

“No entanto, muitas vezes são encontradas publicações (Relatórios de Sustentabilidade) que mais se parecem com um catálogo promocional do que com um relatório equilibrado e transparente das ações de uma empresa. Ou ainda, relatórios que visam cumprir qualquer objetivo, menos o de prestar contas através da apresentação de aspectos positivos e negativos, os quais podem ter impactado a organização no ano anterior.”

“O objetivo, àquela altura, era o de divulgar as práticas de Governança Corporativa e o novo modelo de gestão que estavam sendo implantados no clube, após a desastrosa parceria com a empresa MSI – Licenciamentos e Administração Ltda, representada pelo iraniano Kia Joorabchian, que fez com que o Corinthians visse seu nome migrar das páginas de esporte para as páginas policiais e seu time de futebol cair da primeira para a segunda divisão do campeonato brasileiro.”

“Embora o fato de o Corinthians publicar um Relatório de Sustentabilidade merecer reconhecimento, pois, demonstra que o clube, de certo modo, teve a intenção de ser transparente e de prestar contas para seus públicos de interesse, esta decisão leva ao questionamento das suas reais intenções. Será que realmente a publicação do relatório de sustentabilidade fazia parte do novo modelo de gestão, ou apenas de uma das estratégias de marketing com o objetivo de melhorar sua imagem?”

“Sabe-se que, enquanto instrumento de gestão, o relatório poderia ser feito em poucas páginas, somente com a publicação e o acompanhamento dos indicadores GRI. No entanto, os Relatórios de Sustentabilidade do Corinthians são bem diagramados, repletos de imagens, com frases de efeito e figuras de linguagem. Apresentam ainda o clube como vitorioso, guerreiro, modelo de gestão profissionalizada, e silenciam ou minimizam os acontecimentos negativos que tiveram repercussão na mídia.”

“(…) ao escolher o modelo GRI – Global Reporting Initiative, o clube assumiu implicitamente o compromisso com a prestação de contas com a transparência e com equilíbrio, ou seja, com princípios que fazem com que os relatórios GRI tenham credibilidade e sejam referência em todo o mundo. Estes elementos, porém, não foram identificados com clareza, na íntegra, nas publicações do Sport Club Corinthians Paulista.”

“(…) ao escolher o modelo GRI – Global Reporting Initiative, o clube assumiu implicitamente o compromisso com a prestação de contas com a transparência e com equilíbrio, ou seja, com princípios que fazem com que os relatórios GRI tenham credibilidade e sejam referência em todo o mundo. Estes elementos, porém, não foram identificados com clareza, na íntegra, nas publicações do Sport Club Corinthians Paulista.”

“Usados com propósitos que estão longe de serem considerados socialmente responsáveis, estes relatórios utilizam a credibilidade do modelo GRI com a clara intenção de aumentar os investimentos e o lucro das empresas que os utilizam. Mas, será que é errado utilizar o Relatório de Sustentabilidade com esta finalidade? Acreditamos que sim, pois o modelo GRI também deveria ser utilizado como um instrumento de gestão e não apenas como uma peça de propaganda.”

“Neste sentido, confirmou-se a hípotese de que o Corinthians aproveitou a credibilidade dos Relatórios de Sustentabilidade para transmitir a imagem de uma empresa moderna, organizada, transparente e socialmente responsável, enfatizando pontos positivos e minimizando pontos negativos (…)”

“Por esta razão, é possível afirmar que o clube não foi totalmente transparente e não prestou contas com total equilíbrio por meio de seus Relatórios de Sustentabilidade, os quais não apresentavam, de forma clara e convincente, o posicionamento do Corinthians em relação aos assuntos analisados. Utilizados com esta finalidade, os Relatórios de Sustentabilidade, não passam de uma grande peça de marketing, cuja finalidade é apenas divulgar de forma eufórica as ações e atividades da organização.”

Clique no link abaixo para ter acesso à Integra do Estudo sobre os Relatórios de Sustentabilidade do Corinthians:

analise-sobre-os-relatorios-de-sustentabilidade-do-corinthians

Futebol e Aviões

novembro 29, 2016

aviao-torino

Por ROBERTO VEIRA

Não existiria futebol moderno sem aviões.

A primeira Copa do Mundo foi disputada de barco – assim como a segunda, a terceira e a quarta.

A quarta já tinha aviões.

A Inglaterra chegou pelo ares ao Brasil.

Mas a Itália veio pelo Atlântico.

Porque a Itália acabara de conhecer os perigos da aviação.

O supertime do Torino desaparecendo em Superga.

Foi a primeira vez que os aviões decidiram uma Copa do Mundo.

A Itália veio desgovernada para a Copa de 50.

Foi desclassificada pela Suécia.

E deixou de conquistar a Jules Rimet em definitivo.

Quase dez anos depois.

Os aviões quase aniquilam o Manchester United.

Jóia da Coroa inglesa saída da II Guerra Mundial.

Duncan Edwards e Tommy Taylor se vão.

Bobby Charlton se salva por milagre.

A Inglaterra chega capenga na Copa de 58.

Empata com o Brasil sem Pelé e Garrincha.

Brasil que ela goleara em 1956.

Atrasa seu projeto de ser campeã mundial até 1966 – com Charlton.

Em 1987, chegou a vez do Alianza de Lima.

O time desparece no mar de Ventanilla.

Para sempre.

E os aviões voltaram a assombrar na noite da Chapecoense.

Porque não existiria futebol moderno sem aviões.

Pelé e Messi passaram mais tempo neles que dentro de campo.

Porém, Gerson, Berman e Bergkamp não eram loucos afinal.

Tudo que é sólido corre o risco de desmanchar no ar…


%d blogueiros gostam disto: