Anúncios

Archive for março \31\UTC 2016

Ex-CEO do São Paulo diz ao Ministério Público que Aidar desviou dinheiro

março 31, 2016

Carlos Miguel Aidar e Cinira Maturana

“O ex-CEO do São Paulo Alex Bourgeois afirmou ao Ministério Público que presenciou uma série de fatos durante a gestão de Carlos Miguel Aidar que consistem em desvios de dinheiro do clube.”

“De acordo com o executivo, ouvido no dia 23 de março, empresários de jogadores diziam que havia a necessidade de se pagar propina ao então presidente,por meio de sua namorada, Cinira Maturana, conforme consta no inquérito ao qual a Folha teve acesso.”

Do UOL

Por CAMILA MATTOSO

“O declarante presenciou vários fatos durante a gestão de Carlos Miguel Aidar que consistem em desvios de valores do clube”, diz o documento com a transcrição do depoimento do ex-CEO.

Bourgeois não levou nenhuma prova concreta ou documento que comprove as acusações.

O órgão abriu a investigação no fim de janeiro, após receber denúncias de conselheiros, para apurar supostos crimes durante a gestão de Aidar, com foco particular na compra do zagueiro Iago Maidana, uma das polêmicas que culminou na queda do então presidente.

Bruno Poletti – 29.jan.2013/Folhapress
são Paulo, 29.01.2013 - SP - Brasil - Juliana Carreira e Alex Bourgeois, empresários - Jantar no apartamento da Cila, O jantar teve uma apresentação do projeto Sonho Brasileiro. (Foto: Bruno Poletti/Folhapress - FSP Mônica Bergamo)
Alexandre Bourgeois, ex-CEO do São Paulo, durante evento

O ex-CEO –demitido por Aidar e depois pela atual presidente Carlos Augusto de Barros e Silva afirma ter visto a namorada do na época mandatário sentada em um café da capital paulista em uma conversa com um dos intermediários do jovem jogador, que veio do Criciúma por R$ 2 milhões.

Ele também diz que Cinira viajou a Madri para negociar o zagueiro Rodrigo Caio, transferência que acabou não dando certo.

“O declarante presenciou Cinira sentada em volta de uma mesa no Octávio Café com Odoaldo Junior, que era o empresário de Maidana. O declarante imaginou que Odoaldo estava tratando com Cinira a aquisição de Maidana”, consta no depoimento de Bourgeois.

“Cinira viajou para Madri para negociar Rodrigo Caio. O declarante sabe dizer que Cinira constituiu empresa através da qual, segundo comentários, deposita valores correspondentes as comissões. Não se lembra do nome da empresa”.

Para o ex-CEO, a compra de Maidana foi superfaturada.

“O declarante não acredita que houvesse sentido em pagar R$ 2 milhões para um jogador que havia acabado de rescindir o contrato. Na opinião do declarante, o valor pago foi superfaturado”.

A transferência do zagueiro para o São Paulo se deu por uma triangulação. Ele rescindiu com o Criciúma, foi para um clube da terceira divisão do Goiano, oMonte Cristo, e então, foi para o time do Morumbi.

Ele ainda diz que existiam comentários de pagamento de comissão também para o vice-presidente, Ataíde Gil Guerreiro, mas não aponta nenhum exemplo concreto, porém.

“Muitos empresários de jogadores diziam que no São Paulo havia a necessidade de se pagar propina para o presidente, por meio de Cinira, namorada do Carlos Miguel Aidar. Existiram comentários no sentido de haver pagamento de comissão também para o vice-presidente, Ataíde Gil Guerreiro”, disse Bourgeois, ao Ministério Público.

Procurado, Ataíde Gil Guerreiro afirmou que “quem acompanha as declarações do Alex sabe que ele atribui – erradamente – a mim sua saída do clube e desde então fez o possível para ter sua revanche. Lamento profundamente que ele tenha ficado cego a ponto de fazer ilações seríssimas a um órgão público sem qualquer tipo indícios e com base no “ouvi dizer” apenas para me prejudicar pessoalmente, e essas declarações mentirosas certamente trazem prejuízos profissionais não só a mim como aos meus sócios. Caráter e honra são valores que carrego comigo desde sempre e jamais fui questionado até mesmo por aqueles que não gostam de mim. Ele responderá civil e criminalmente pelo que declarou, só por falso testemunho a autoridade a pena é de dois a quatro anos de prisão”.

Já Carlos Miguel Aidar se pronunciou por meio de seu advogado.

“Esse senhor conseguiu a proeza de em 30 dias ser demitido por duas diretorias opostas. Ele é um desafeto conhecido do ex-presidente Carlos Miguel Aidar, portanto todas as suas colocações devem ser analisadas com muita reserva. Além disso, o seu depoimento permanece isolado diante dos outros testemunhos que foram apresentados. Vou analisar a possibilidade de interpela-lo judicialmente a respeito de tais afirmações”, afirmou José Luis Oliveira Lima.

Cinira Maturana não atendeu às ligações e Odoaldo Junior não foi localizado.

Procurado pela Folha, Alex Bourgeois disse que não falaria sobre o caso.

Anúncios

Pacaembu será palco do “silêncio dos marginais”

março 31, 2016

porcosesgoto

As facções criminosas Mancha Verde, TUP e Savóia, promiscuas entre si, decidiram comparecer ao Pacaembu, local em que o Palmeiras enfrentará o Rio Claro, na luta para não ser rebaixado no Campeonato Paulista.

Mas, para felicidade dos torcedores que trabalham, permanecerão mudas, sem ofender os demais presentes com suas baixarias.

O protesto se dará contra o presidente Paulo Nobre, que, acertadamente, denunciou a bandidagem à Federação Paulista de Futebol e ao Ministério Público de São Paulo.

Em consequencia, a Mancha foi proibida de frequentar estádio durante o paulistinha.

Nobre deveria orientar os operadores do Pacaembu a filmarem os marginais, que, mesmo punidos, se farão presentes, covardemente disfarçados sem a indumentária da facção, enviando as imagens aos órgãos competentes.

ATUALIZAÇÃO –  RESPOSTA DA SAVÓIA:

A Torcida Acadêmicos da Savóia vem, por intermédio dessa carta, responder a um comentário infeliz que o jornalista responsável pelo Blog do Paulinho fez em publicação no dia de hoje (31/03/2016).

No post em questão, o jornalista nomeia a Savóia, entre outras torcidas organizadas da Sociedade Esportiva Palmeiras, de FACÇÃO CRIMINOSA e MARGINAIS.

Queremos esclarecer ao Paulinho que facção criminosa é o nome que se dá a um grupo de indivíduos que se organizam de forma paramilitar para a prática de um crime. Sendo assim, como a Torcida Acadêmicos da Savóia JAMAIS cometeu crime algum, exigimos que nossa instituição não seja tratada como tal.

Na mesma publicação, ele fala ainda que a maneira que escolhemos para protestar (em silêncio) causaria a felicidade dos “torcedores que trabalham”, insinuando, dessa forma, que nossa torcida é composta por marginais (outra palavra citada no texto de autoria dele). Viemos esclarecer que somos uma torcida organizada com 11 anos de fundação, que se orgulha de ter entre seus associados estudantes, mães e pais de família com seus filhos, empresários e profissionais (sejam eles autônomos ou não) das mais diversas áreas, portanto, chamar a todos de maneira generalizada de “marginais” não se aplica a nossa instituição, que inclusive pode se vangloriar de uma trajetória honesta dentro de um meio tão “sujo” como o futebol.

Aproveitamos para esclarecer que vivemos em uma democracia, portanto o PROTESTO é DIREITO de todos os cidadãos. Sendo ele feito de maneira pacífica, não há porque haver críticas. Também reforçamos que não nos agrada essa segregação que o presidente Paulo Nobre e alguns de seus discípulos fazem com a torcida. Uniformizados ou não, somos todos palmeirenses, cidadãos de bem e MERECEMOS RESPEITO.

No mais, já declaramos nossa posição sobre o fato ocorrido no CT do clube, conforme consta em nota oficial em nossas redes sociais.

Corinthians cria comissão para investigar verdadeiro preço do estádio em Itaquera

março 31, 2016

flavio adauto

O Corinthians criou, ontem, Comissão de Conselheiros que será responsável por verificar documentos e avaliar se houve desvios de conduta na construção do estádio em Itaquera.

Terá como função, também, analisar se o valor cobrado pela ODEBRECHT não está superfaturado.

Há boa pluralidade na escolha dos nomes: Roque Citadini e Carlos Luqui são oposicionistas, Emerson Piovesan é o diretor financeiro, Newton Ferrari, conselheiro das antigas, eleitor da atual gestão.

Finaliza a lista o complicado jornalista Flavio Adauto (foto), ligado a Edgard Soares, que já esteve nos dois (três ou quatro) lados políticos alvinegros.

Sempre há a necessidade de se ter alguém para servir o cafezinho.

Os trabalhos devem iniciar-se em breve, espera-se, com autonomia necessária para que o Corinthians, em encontrando problemas, possa comunicá-los de maneira espontânea (inclusive possíveis nomes de infratores) à Polícia Federal, evitando assim ser tratado pela Lava-Jato como conivente em práticas criminosas.

Assessor de Andres Sanches (PT), preso na Lava-Jato, será (?) investigado pelo Comitê de Ética do Corinthians

março 31, 2016

alvarengaobsessivos2

Motivado por manifestação pública da oposição do Corinthians, o Conselho Deliberativo decidiu enviar para o Comitê de ética alvinegro pedido de investigação sobre o episódio da prisão do vice-presidente André Negão, também assessor parlamentar do Deputado Federal Andres Sanches (PT), pela Operação Lava-Jato, da Polícia Federal.

O dirigente foi acusado de receber R$ 500 mil, indevidos, da ODEBRECHT, construtora do estádio em Itaquera.

O responsável por gerir os trabalhos será o advogado Sérgio Alvarenga (foto- 1º à esq.), do mesmo grupo político de Negão, apesar de ambos nunca terem se bicado.

Em contrapartida, Alvarenga já advogou para Sanches (além de defendê-lo politicamente no Parque São Jorge), que, em tese, é tratado como verdadeiro destinatário dos recursos que a Polícia Federal enxerga como pagamento propina.

Governo Dilma Rousseff fecha com “chave de ouro” desasatrosa gestão no Ministério do Esporte

março 31, 2016

ricardo leyser

Respirando por aparelhos, o governo petista de Dilma Rousseff (PT) fechou com “chave de ouro” seus últimos dias de administração no Ministério do Esporte.

O nome escolhido, de Ricardo Leyser (investigado em diversas acusações de corrupção – entre as quais a do Pan do Rio), assemelha-se moralmente ao dos anteriores.

Orlando Silva Junior e Agnelo Queiroz (governo Lula); Aldo Rebelo e George Hilton (Governo Dilma).

Por sorte, nos dois meses (se tanto) que restam para exercer a função, Leyer terá pouco tempo para desatinos, apesar de que as Olimpíadas (que estão chegando) possam permitir, se “trabalhar” rápido, algumas vantagens.

Troca de mensagens entre tucanos expõe nível da política nacional

março 31, 2016

doria e dunga

A FOLHA de hoje publica trecho de conversa de whatsapp envolvendo políticos tucanos, entre os quais o candidato a Prefeito, João Doria Jr.

Todos confirmaram a veracidade.

O nível é de colegial.

Excetuando-se a irônica intervenção de Alberto Goldman, ex-governador de São Paulo, que, em ironia, atingiu, com requintes de crueldade, a Doria Jur., que, limítrofe, sequer se deu conta do ataque.

Vale a pena conferir e analisar:

João Doria: 

“E agora Andrea Matarazzo?

Qual será o seu choro?

O choro das mentiras

O choro das maldades

O choro dos vinhos

O choro dos charutos

O choro do desprezo pelos pobres

O choro da arrogância

O choro da incapacidade

O choro do Conde

O choro do derrotado”

Antonio Carlos Pannunzio, ex-prefeito de Sorocaba: 

“Não posso acreditar que a ladainha acima seja coisa de tucano. Deplorável!”

Alberto Goldman, ex-governador de São Paulo:  

“Pannunzio, meu amigo prefeito e deputado, os tempos são outros. Hoje, o PSDB comporta grandes “empresários e gestores” que abominam os políticos.  Inflados por ambição, dinheiro e suporte do poder público mostram seu verdadeiro caráter, sem pudor.”

João Doria:

“Deplorável é a covardia.

Deplorável é ofender

Deplorável é a covardia

Deplorável é fugir

Deplorável é abandonar o PSDB

Deplorável é ir pro colo do Kassab

Deplorável é ir pra base da Dilma

Deplorável é não ter caráter”

Antonio Carlos Pannunzio:

“Primeiro, apresente-se. E, quando tiver biografia dentro do partido, talvez possa ensinar aos demais.”

João Doria: 

“Eu tenho o que muitos de vocês não têm: coragem e caráter”.

Por “rolo” de Leco, São Paulo terá que pagar R$ 4 milhões de comissão a empresa que agenciava Jorginho Paulista

março 30, 2016

leco

(Publicado originalmente em 16 de abril de 2015)

Em março de 2002, durante a triste gestão Paulo Amaral, o São Paulo contratou um lateral esquerdo de nome Jorginho Paulista, tratado como ‘promissor”, mas que conseguiu, no ano em que prestou serviços ao Tricolor, esquentar o banco para Gustavo Nery.

Os registros oficiais indicam que a transferência teria sido ‘gratuita”, porém, estranho documento assinado por Carlos Augusto de Barros e Silva, vulgo Leco, em 11 de julho do mesmo ano, quatro meses após a troca de gestão, segundo defesa do clube na Justiça, sem consentimento não apenas do São Paulo, mas também do novo presidente, Marcelo Portugal Gouveia, concedia R$ 732 mil (R$ 4 milhões atualizados) de comissão a intermediários.

Um “rolo” difícil de ser explicado, do qual o Tricolor perdeu em todas as instâncias, e que, a partir de agora, com a ação de execução nº 1035850-70.2015.8.26.0100, impetrada pela Prazan Comercial Ltda (que, no contrato social, tem como objeto: vendas de máquinas e imobiliária (!!!)), na 11ª Vara Cívil, terá que ser, finalmente, honrada.

Trechos da sentença indicam detalhes da operação:

“(…) o clube réu (SPFC), pretendendo a reforma do julgado. Alega, de início, que o contrato de prestação de serviços não foi assinado pelo representante da autora nem pelo Presidente do clube, mas tão somente por um diretor deste (…)”.

“Trata-se de ação de cobrança movida pela cessionária do crédito, com base em contrato no qual a contratada, na qualidade de procuradora do jogador de futebol Jorge Henrique Amaral de Castro, conhecido como “Jorginho Paulista “, obrigou-se a “realizar todos os atos necessários, de sua parte, para evolução de negociação^ entre o clube réu e o jogador, fazendo jus a receber determinada remuneração caso o jogador fosse contratado.”

“Consta dos autos que o atleta firmou contrato com o São Paulo Futebol Clube em 04/07/02, com previsão de término em 31/12/2003.”

“A pretensão da autora (…) foi fortemente resistida pelo réu, principalmente sob o argumento de que o documento juntado aos autos não foi assinado pelo seu Presidente, mas tão-somente por um de seus diretores.”

“A principal controvérsia, portanto, reside na apreciação da prova documental apresentada pela autora: um contrato para pagamento de comissão pela contratação do jogador, assinado exclusivamente por um dos Diretores do réu, assinatura veraz e reconhecida pelo réu em suas manifestações.”

“Está claro nos autos e é plausível que as partes queriam o negócio de intermediação. Do contrário, qual seria a razão para o conhecido Diretor de Futebol do tradicional clube, Dr. CARLOS AUGUSTO DE BARROS E SILVA, assinar o contrato e apor, de próprio punho, verdadeiro adendo, escrevendo uma observação ao final do instrumento, conforme se infere do documento de fls. 14/15 ?”

“É justamente da leitura desse adendo, escrito pelo punho do Diretor de Futebol, que se pode concluir pela vontade inequívoca do clube em remunerar os serviços prestados que possibilitaram a assinatura do contrato pelo atleta profissional conhecido por Jorginho Paulista.”

“Eis o teor:”

leco contrato

“Verifica-se que, ao assumir, em nome do clube, a obrigação de remunerar a prestação de serviços, a transferência do atleta na verdade já se consumara e o contrato correspondente já fora assinado; ainda assim, o Diretor de Futebol do clube assumiu, em nome deste (é o que consta em dizeres grafados por seu punho escritor) a obrigação de pagar pelos serviços de intermediação. Não há como afastar, desta feita, a obrigação que se mostra muito clara. Os serviços foram prestados, tanto assim que o atleta se apresentou, assinou contrato com o clube e ficou à disposição do treinador.”

“Há farta prova documental apresentada que demonstra a autonomia com que o Diretor de Futebol, Dr. Carlos Augusto de Barros e Silva, que assinou o contrato, representava o clube”

“E plenamente possível, nesse contexto, que se reconheça a força obrigatória do acordo entabulado entre autora e ré, o que basta à solução da causa e condenação da requerida ao pagamento contratado.”

“A autora efetuou os seus cálculos com base no câmbio da época do vencimento antecipado da obrigação (5/10/2002), apurando o valor de R$ 732.000,00 (R$ 4 milhões atualizados)”

“A sentença fica reformada, portanto, no ponto em que aprovou os cálculos da credora, que novos deverá apresentar, levando em conta a cotação da data do ajuizamento.”

É de conhecimento público que agentes de futebol tem por hábito dividir comissionamento com dirigentes, o que, por razões óbvias, torna o prejuízo, mais do que dolorido, suspeito.

Triste verificar, também, que o São Paulo tem como ápices de seus poderes, um presidente de diretoria como Carlos Miguel Aidar (o homem dos 20%) e de um de Conselho, justamente o Leco, com histórias paralelas no mundo da bola de fazer ex-presidente, honesto, rolar no túmulo, tamanho o desgosto.

E que o adversário dessa gente, nas últimas eleições, Kalil Rocha Abdala, teve sigilos fiscais, bancários e telefônicos quebrados, ontem, pelo MP, por enormes suspeitas de ter surrupiado milhões das contas da Santa Casa de Misericórdia, roubo este que, se comprovado, Edir Macedo, o mais imoral do brasileiros, assinaria embaixo.

leco contrato 2

A “Lava-Jato” no Corinthians não existe para os comentaristas esportivos da BAND

março 30, 2016

Neto, Ronaldo e André

Não são apenas as “organizadas” do Corinthians, comandadas pela facção criminosa Gaviões da Fiel, que estão ignorando a prisão do vice-presidente do clube, André Negão, no âmbito da Operação Lava-Jato da Polícia Federal.

Vale lembrar que o dirigente foi acusado de receber R$ 500 mil, indevidos, da ODEBRECHT, construtora do estádio em Itaquera.

É constrangedor o silêncio dos comentaristas esportivos da BAND, ligados umbilicalmente à atual gestão alvinegra, eleitos, inclusive, conselheiros do clube, em apoio explícito aos desmandos ocorridos no Parque São Jorge.

Nenhum deles toca no assunto, que, convenhamos, é até mais grave do que os desvios de conduta que derrubaram o ex-presidente alvinegro Alberto Dualib, à época execrado pelos referidos profissionais da emissora.

Aprovação das contas (inclusive as de Aidar) e aval para novos empréstimos afundam ainda mais o São Paulo

março 30, 2016

ceni spfc

Mesmo com novo acúmulo de deficit (mais de R$ 70 milhões, contra R$ 90 milhões do ano anterior), as contas do São Paulo (incluindo período da gestão Aidar), foram aprovadas, por incrível unanimidade, em reunião do Conselho Deliberativo tricolor.

Os conselheiros deram aval, ainda, para renovação de empréstimos existentes (e não honrados), além da formalização de novos contratos.

Sob pretexto de garantir a governabilidade do clube, situação e oposição, de braços dados, tornaram-se coniventes com a ampliação do caos financeiro, além de jogar para debaixo do tapete os desvios de conduta e atos de incompetência de gestões anteriores.

Talvez porque a atual diretoria também esteja perdida, e possua temor pelo que possa vir a ocorrer quando for a sua vez de ser julgada.

Daí uma mão passa a lavar a outra, sem dissipar a sujeira que acaba por impregnar cada vez mais os caminhos de quem procura mascarar a verdade, sem a coragem de assumir os erros e trabalhar para corrigi-los.

Dono de veículo utilizado para ameaçar Juca Kfouri recebeu R$ 253,6 mil do Governo de São Paulo

março 30, 2016

alckmin

Em decreto nº 58.209, de 12 de julho de 2012, assinado pelo Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, o Sr. Mordekhai Moas, proprietário, por intermédio de sua empresa, do veículo utilizado por marginais para atacar o jornalista Juca Kfouri à porta de sua residência, foi beneficiado com a desapropriação de 903,42 m² de um terreno que era puro mato, sob pretexto de incorporá-lo às obras da Rodovia Ayrton Senna.

Recebeu R$ 253.698,40 em indenização.

A chance de conseguir vender o imóvel (localizado em Guarulhos), segundo profissionais de mercado ouvidos pelo blog. recebendo, ainda, o preço pago pelo Governo, seria absolutamente lotérica.

“Quase nula”, foi o termo utilizado.

Pode ser coincidência, talvez, ou não, assim como o fato do jornalista ser crítico a diversas ações do atual Governo Paulista e também ao impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).

moas

Nuzman delira em sabatina da FOLHA, mas trabalha por indicação ao Ministério do Esporte no Governo Temer

março 30, 2016

nuzman e temer

“O importante é que estamos trabalhando com o Ministério do Esporte e as confederações de uma maneira intensa para o crescimento do esporte no Brasil. O resultado final não é uma questão de vida ou morte. O importante no fim é que o Brasil vai se transformar após a Olimpíada”.

—————————————————————————————————————-

O presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, participou ontem de sabatina na sede do jornal FOLHA DE S.PAULO, em que, como de costume, desandou a falar inverdades, delirou e distribuiu obviedades.

Nem mesmo o mais incauto brasileiro suporta mais escutar a milésima versão da promessa do dirigente de que “o Brasil vai se transformar”, desta vez inserida no contexto das Olimpíadas.

Há anos Nuzman vem com a mesma lorota (sempre intercalando torneios em que o COB participou da organização, como o PAN do Rio), sem que a referida transformação tenha evoluído por um período sequer.

Aliás, não há uma ação do dirigente que pode ser elogiada ou que ocasione esperanças, em toda a sua administração, o que não é pouca coisa.

O Brasil continua parado no tempo no que diz respeito à inclusão social no Esporte, não revela talentos na proporção que deveria (quando o faz, quase sempre, ocorre de maneira fortuita, por dedicação individual) e desconhece qualquer plano eficiente de gestão nas preparações que envolvem atletas de rendimento.

Ainda assim, aproveitando-se da instabilidade política nacional, informações de bastidores dão conta que Nuzman, auxiliado por lobby oriundo do Rio de Janeiro, estaria oferecendo sua “competência” para a pasta do Ministério do Esporte no Governo Temer, em vias de ser empossado.

Seria, se aceita a sugestão, o mesmo que condenar o desporto nacional à inoperância comprovada através de uma gestão caótica do COB, marcada não somente pela óbvia incompetência do dirigente, mas também por frequentes denúncias de corrupção.

Marginais em ação

março 30, 2016

edinho, lula e dilma

EDITORIAL DO ESTADÃO

Lula é o Partido dos Trabalhadores. Sem ele o PT não existe. Para os petistas, a palavra de Lula é lei, mandamento supremo que, como tal, se sobrepõe a qualquer preceito legal, inclusive os estabelecidos pela Constituição federal.

Em 2012, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) condenou por corrupção a cúpula dirigente do PT no rumoroso processo do mensalão, Lula decidiu que as sentenças foram ditadas “sem provas”, por pressão da opinião pública e da mídia. Sua palavra de ordem foi rigorosamente acatada pela manada petista, que, para compensar a “injustiça” praticada contra seus ex-dirigentes, elevou-os à categoria de “guerreiros do povo brasileiro”. A partir de então ficou estabelecido para o lulopetismo o princípio à luz do qual as leis devem ou não ser respeitadas: o interesse de Lula. A partir de então, do ponto de vista legal – e não se trata, neste caso, de nada relacionado com a Lava Jato – Luiz Inácio Lula da Silva optou claramente pela marginalidade, para a qual arrasta todo o seu séquito, inclusive a presidente da República.

Hoje, a grande questão legal em jogo é o processo de impeachment de Dilma Rousseff. Vários ministros do STF já declararam que o impeachment é um instituto legal previsto pela Constituição federal. Com base nesse princípio, a própria Suprema Corte recentemente estabeleceu os procedimentos a serem observados pelo Congresso Nacional para o julgamento do impeachment da chefe do Executivo. Mas Lula, Dilma e os petistas não querem saber. Para eles, impeachment é golpe. Repetem isso incansavelmente, como um mantra. E é lamentável verificar que pessoas supostamente bem informadas, a pretexto de defender “as instituições democráticas” que Lula demoliu, não se pejam de engrossar o coro.

Em torno do interesse maior de Lula, que é sua própria sobrevivência política, e sob sua coordenação, está em curso uma ampla e agressiva campanha para combater o “golpe” e, a partir do desembarque do PMDB do governo, para tentar desmoralizar Michel Temer, sucessor natural da presidente, cujo mandato está agora por um fio. Essa campanha tem dois focos distintos. No âmbito do Congresso, destina-se a comprar, literalmente, o apoio de parlamentares em número suficiente para barrar o processo de impeachment. Trata-se de uma compra pura e simples, porque a mercadoria à venda é o cargo público a ser pago com um voto contra o impeachment.

No âmbito mais amplo da opinião pública, a estratégia cumprida por determinação de Lula envolve ações que variam das ameaças verbais a investidas no melhor estilo black bloc, como a realizada na segunda-feira na Câmara dos Deputados, e ainda a mobilização dos movimentos sociais que giram na órbita lulista para manifestações de rua, como as programadas pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

O episódio de guerrilha urbana promovido na Câmara dos Deputados teve o patrocínio de juristas e advogados militantes ou simpatizantes do PT e destinava-se a impedir – o termo, por absurdo que pareça, é exatamente este – que o presidente e outros membros da direção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) protocolassem o pedido de impeachment de Dilma Rousseff que foi aprovado por 26 votos contra 2 pelo Conselho Federal da entidade. Aos berros, empurrões e tapas, os quadrilheiros de Lula procuraram, em vão, impedir que o documento da OAB fosse entregue. É assim que a turma de Lula defende a democracia.

No plenário do Senado, o líder do PT, Humberto Costa, ameaçou Michel Temer de ser “o próximo a cair” depois de Dilma e garantiu: “Não haverá trégua a esse movimento golpista, nem antes, nem depois, caso ele venha, vergonhosamente, a se materializar”. Por sua vez, um dos coordenadores do MST, Alexandre Conceição, em ato pró-Dilma na Câmara repetiu a palavra de ordem ditada por Lula: “Está ocorrendo uma manobra inconstitucional, um golpe”. E acrescentou que Eduardo Cunha e Michel Temer doravante “não vão ter paz”, para concluir com uma proclamação de enorme alienação: “Para manter os ganhos sociais só há uma saída: manter Dilma na Presidência”. Alguém precisa explicar ao moço quem é que está pondo a perder os “ganhos sociais”.

Deu pena de ver a Seleção Brasileira jogar

março 30, 2016

daniel alves

Com sorte, muita luta, mas pouquíssima competência, a Seleção Brasileira conseguiu a proeza de empatar com uma das mais fracas seleções paraguaias dos últimos tempos, em dois a dois.

Escapou de ser goleado, quando perdeu a primeira etapa por apenas um a zero, fruto de uma atuação inspirada do goleiro Alysson.

Logo no início do tempo final, a defesa brasileira se viu humilhada por um Roque Santa Cruz no epílogo da carreira, e tomou o segundo gol.

O desastre estava escrito e só não se configurou totalmente porque o Paraguai desistiu de jogar.

O Brasil, praticando futebol deplorável, apesar da vontade, sequer conseguia finalizar.

Por sorte, no primeiro chute que acertou, Hulk fez o goleiro rebater nos pés de Ricardo Oliveira, que diminuiu e, talvez pela anotação do gol, foi punido por Dunga, menos de um minuto depois, com a substituição.

Somente no final, quando Lucas Lima tentava criar o que a equipe inteira não havia feito do no jogo, o Brasil, em jogada individual de Daniel Alves, empatou, já nos acréscimos.

Por pouco não fez o terceiro, mas ai seria bem mais do que poderia se imaginar.

Deu pena ver uma Seleção Brasileira, de tantos craques, história e tradição desempenhar papel tão lamentável dentro de campo, guiada por um treinador de reconhecida incompetência, uma gestão desonesta e jogadores de absoluta mediocridade.

Blog do Paulinho #40

março 29, 2016

Pepper: agência que mascarava propina do PT enviou quase R$ 6 milhões ao Exterior, segundo Banco Central

março 29, 2016

dilma bolada

Envolvida no escândalo do “Petrolão”, a agência Pepper, que vem delatando os pagamentos indevidos de empreiteiras ao PT, segundo relatório oficial do Banco Central, obtido pelo blog, enviou. de 2009 a 2015, US$ 1.481.433 ao exterior.

Quase R$ 6 milhões.

Destes, US$ 1.267.068, por intermédio do Banco Rendimento, à parceira Blue State Digital, contratada para fazer a campanha da presidente Dilma Rousseff (PT), na internet.

https://www.bluestatedigital.com/news/entry/dilma-rousseff-becomes-brazils-first-female-president

Saltam aos olhos, porém, duas transferências (as únicas não enviadas aos EUA), de US$ 4 mil cada (US$ 8 mil no total), para uma consultoria da Suiça, a Polis Consulting GMBH, nos dias 19/05/2015 e 22/06/2015.

CLIQUE NO LINK ABAIXO PARA TER ACESSO À ÍNTEGRA DO RELATÓRIO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL, DETALHANDO TODAS AS TRANSFERÊNCIAS

https://blogdopaulinho.files.wordpress.com/2016/03/operac3a7c3b5es-de-cambio-da-pepper.pdf


%d blogueiros gostam disto: