Anúncios

Justiça recoloca Citadini na disputa eleitoral do Corinthians

janeiro 22, 2018

O TJ-SP acaba de conceder liminar a Roque Citadini, obstando decisão da Comissão Eleitoral alvinegra, que, em contrariedade ao que prevê o Estatuto, tentava impedi-lo de ser candidato à presidência do Corinthians.

Despacho do Desembargador J.L. Mônaco da Silva, 5ª Câmara de Direito Privado, ordenou:

“Presentes os requisitos legais, defiro a antecipação da tutela recursal para o fim de permitir a participação do agravante na eleição do dia 3 de fevereiro.

Com efeito, o art. 31 da Constituição do Estado de São Paulo, dispondo sobre o Tribunal de Contas do Estado, estabelece que se aplicam aos Conselheiros os impedimentos dos Desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado, de sorte que os conselheiros estão impedidos de exercer concomitantemente outro cargo de
direção. Ou seja, o exercício de outro cargo é expressamente vedado pelo ordenamento jurídico.”

“No caso dos autos, porém, a situação é bastante diversa.”

“Tanto a Constituição Federal quanto a Lei Orgânica da Magistrutura empregam expressamente o verbo “exercer”, numa demonstração de que somente o efetivo exercício impede a cumulatividade de cargos.”

““Exercer”, segundo o Dicionário Eletrônico Houaiss, significa:

1) por em ação ou em atividade; praticar;

2) cumprir os deveres ou obrigações inerentes a (cargo, ofício etc.).

“Ocorre que o agravante não está a exercer cargo de direção, o que afasta de pronto a declaração de inelegibilidade. Cuida-se de mera postulação pleiteada pelo agravante e pelos demais integrantes da Chapa “Corinthians Mais Forte”, que formalizaram o registro em dezembro de 2017 (fls. 21/22 dos autos de 1º grau).”

“A bem da verdade, não se sabe sequer se a chapa sairá vitoriosa na eleição que ocorrerá brevemente (3 de fevereiro de 2018).”

“Assim, não pode prevalecer a decisão que declarou inelegível o agravante, impedindo-o de disputar o cargo de Presidente da Diretoria do clube.”

“Intime-se a parte agravada para fins de contraminuta.”

Citadini volta à disputa, em primeiro lugar nas pesquisas eleitorais do clube, com grandes chances de vencer a chapa “Renovação e Transparência”, que há dez anos ocupa o poder no Parque São Jorge.

Anúncios

Em 2015, Tuma Junior dizia que Tite e Cássio derrubariam o Corinthians para segunda divisão

janeiro 22, 2018

“Diretoria do Corinthians… Tite e Cássio continuam trabalhando para derrubar o clube para a segundona!!!”

(ROMEU TUMA JUNIOR, em 2015, ano que o Corinthians sagrou-se Campeão Brasileiro)


Candidato a presidente do Corinthians, Romeu Tuma Junior faltou com a verdade, distorceu e exagerou ao referir-se à sua curta passagem no cargo de diretor de futebol alvinegro nos anos 90.

Foram apenas oito meses, entre 1994 e 1995, que o ex-delegado tentava passar por dois anos.

Neste período, tentou entregar o cargo quatro vezes (provavelmente um recorde mundial), protagonizando um dos maiores vexames da história alvinegra, a eliminação da Copa CONMEBOL (equivalente à Sul-Americana atual) para o “Expressinho” do São Paulo, equipe B do Tricolor.

Os mais relevantes títulos que Tuma gabava-se de ter conquistado, o Paulista de 1995 e a Copa do Brasil do mesmo ano, em verdade, aconteceram quando o ex-colaborador do DOPS, em tempos de Ditadura, já havia deixado a diretoria do Corinthians sob condições suspeitas, gerando R$ 200 mil de prejuízo ao clube (valor que, corrigido, atingiria R$ 1 milhão).

Para saber mais detalhes sobre ambas as informações, vale a pena visitar os links a seguir, com farta documentação comprobatória:

https://blogdopaulinho.com.br/2017/12/17/as-mentiras-de-romeu-tuma-junior-sobre-sua-atuacao-como-vice-de-futebol-do-corinthians/

https://blogdopaulinho.com.br/2017/12/28/a-obscura-demissao-de-tuma-junior-como-vice-de-futebol-do-corinthians/

Passados mais de vinte anos, esperava-se que Tuma Junior tivesse melhorado a percepção sobre futebol, mas, em 03 de junho 2015, às 22h42m, mensagem postada em seu twitter tratou de revelar que o entendimento do ex-delegado sobre o assunto não é, ainda, dos melhores:

“Diretoria do Corinthians… Tite e Cássio continuam trabalhando para derrubar o clube para a segundona!!!”

Neste mesmo ano, o Timão sagrou-se Campeão Brasileiro pela sexta vez, com Tite premiado como melhor treinador do Brasil e Cássio ganhando o Prêmio de Craque do Brasileirão.

Justiça rejeita recurso do MP-SP exigindo condenação do São Paulo por queda de grade no Morumbi

janeiro 22, 2018

Em abril de 2017, o MP-SP moveu Ação Civil Coletiva contra o São Paulo com objetivo de condenar o clube a indenizar trinta torcedores, duma só vez, no famoso episódio da queda da grade em partida contra o Atlético/MG.

O pleito foi negado, em primeira instância, sob argumentação de que apenas três torcedores, entre todos os vitimados, estimularam-se a contrapor-se ao Tricolor judicialmente, o que, em tese, evidenciaria desinteresse público.

A Justiça estabeleceu, ainda, que as vítimas, caso a caso, poderiam defender-se, sem a necessidade de intervenção do MP-SP.

A Promotoria recorreu, mas, no último dia 11, o TJ-SP manteve a decisão anterior.

Na última sexta-feira (19), o Blog do Paulinho publicou que um dos torcedores, individualmente, conseguiu, por meio judicial, indenização do Tricolor no referido episódio, fortalecendo ainda mais a decisão da 2ª Vara Civel, assinada pelo juiz Renato Acacio de Azevedo Borsanelli:

https://blogdopaulinho.com.br/2018/01/19/sao-paulo-tera-que-indenizar-torcedor-por-queda-de-grade-no-morumbi/

As estranhas quedas de energia do Pacaembu

janeiro 22, 2018

Nos dois últimos jogos realizados no estádio do Pacaembu, pela Copa São Paulo e no Campeonato Paulista, ambos transmitidos pela televisão, a energia do estádio do Pacaembu acabou, por alguns minutos, suficientes para gerar má-impressão popular.

É estranho, porém, que o fato não tenha se repetido, segundo soubemos, noutros eventos recentes, realizados no estádio, sem o mesmo apelo midiático, assim como o fato de, na região, somente o Paulo Machado de Carvalho ter sido afetado pelo problema.

O Prefeito João Doria batalha para privatizar o estádio e encontra grande resistência em diversos setores da sociedade.

Coincidência ?

Quem conhece Dória diz que o Prefeito é capaz de tudo para atingir objetivos.

CBF, clubes e a carteira assinada

janeiro 22, 2018

A CBF estabeleceu como regra que os clubes somente poderão inscrever jogadores em seus torneios se estes estiverem sob regime de CLT, ou seja, com Carteira de Trabalho assinada.

Uma decisão correta.

Porém, a realidade indica que os grandes clubes seguirão sonegando ou facilitando este crime, ao colocar em carteira percentual menor dos vencimentos dos atletas, simulando contratos de imagens que, em verdade, são os salários ocultados.

A regra deveria ser 100% de todos os pagamentos na CLT.

Do contrário, dificulta-se a vida das equipes menores, apesar de favorecer, de fato, os jogadores, mas não se atinge as maiores – que já utilizam a CLT, porém, quase sempre, ocultando a verdade.

A intervenção do Bahia e a democratização do futebol

janeiro 22, 2018

Resultado de imagem para bahia

Por ASSIS RIBEIRO

O Bahia viveu nos últimos anos a maior crise da sua história. O clube que é bicampeão nacional, condição obtida por poucos, caiu para a terceira divisão, alcançou altos índices de endividamento, perdeu vários dos seus jogadores da divisão de base por falta de recolhimento de FGTS e por vendas suspeitas pelo baixo valor das transações, a contratação de 103 jogadores em cerca de três anos, o que dava para armar quase dez times de futebol! Em sua maioria, jogadores que nem mereciam vestir a camisa do Bahia, alguns já no ocaso ou ultrapassados, pagos a peso de ouro.

A reação da torcida veio com o movimento democrático “Bahia da Torcida” que visa abrir a grande “caixa preta” que é o futebol, fato pioneiro no Brasil.

A torcida reage e se mobiliza, suas manifestações alcançam o Brasil e o mundo. A sociedade igualmente se movimenta preocupada com a situação do clube, com a abertura de uma CPI na Assembleia Legislativa, Ações Judiciais que pedem o esclarecimento das suspeitas manipulações das condições de sócios eleitores. O então presidente Marcelo Guimarães Filho montou um esquema de mando que desconhece oposição, calando a voz dos dissidentes. Na relação de votantes estão sócios que não são sócios, conselheiros que não são sócios, caracterizando fraudes, intimidação, falta de transparência, negociatas, transações escusas, desrespeito ao torcedor, à sociedade, à Justiça.

Se a CPI na Assembleia Legislativa reuniu 24 assinaturas de parlamentares – o mínimo para a instalação é de 21 – fracassou com a retirada de assinaturas de deputados ligados ao governo logo após as chantagens do presidente do EC Bahia, Marcelo Guimarães Filho, ameaçando o governo em denunciar supostas irregularidades nas suas ligações com os times de futebol do estado, as Ações Judiciais foram julgadas procedentes e foi determinada a intervenção no clube, com a destituição do seu presidente e de toda a sua diretoria.

A principal Ação Judicial pedia a intervenção, com a destituição do presidente e seus diretores por irregularidades nas eleições indiretas. A peso de ouro o então presidente do ECBahia, Marcelo Guimarães Filho, contratou em nome do clube o advogado mais caro do país o conhecido “Kakai”, Antônio Carlos de Almeida Castro, valores a serem pagos pelo já falido clube.

A justiça reconheceu a ilegalidade nas eleições tanto do Conselho que elege quanto a do presidente eleito MGF.

Do processo e das baixarias do advogado Kakai

“Kakai” tenta desqualificar o juiz do processo: “Dr. Paulo Albiani é o interventor de fato, ele é atrevido, é inacreditável isso, não tem lógica“.

Tenta pressionar o interventor do Bahia quando afirma que ele tem que ser “coerente” quanto à solicitação do juiz Paulo Albiani que determinou que o interventor Carlos Rátis, em um prazo de 24h, se manifestasse sobre a contratação de Kakay pelo Bahia, já que este tinha afirmado que era advogado do Bahia e não de Marcelo Guimarães.

Kakai ainda tenta chantagear a comunidade do futebol quando afirmou que o caso poderia ser considerado“uma ofensa ao futebol”. “Se isso se alastra, nós temos uma insegurança. Empresário algum vai investir, por exemplo, em um clube sabendo que o poder judiciário pode fazer uma intervenção no Bahia”.

No dia 6 de dezembro de 2011, durante o pleito, a oficial de justiça Cláudia Morais chegou com uma liminar do juiz Paulo Albiani, da 28ª Vara Cível de Salvador, determinando a suspensão das eleições e a intervenção do Bahia, designando o jurista Carlos Rátis como administrador do clube.

Na madrugada de 7 de dezembro, o plantão judiciário do TJ-BA anulou a intervenção no Esporte Clube Bahia, acatando uma liminar de Marcelo Guimarães Filho.

Em março de 2012, foi decretada nova intervenção, e mais uma liminar suspende a sentença. Pelo Twitter,  o presidente Marcelo Guimarães Filho respondeu com um deboche e um achincalhe contra a torcida, a sociedade e a Justiça. MGF zombou: “Ôoooo, a CPU voltou, ôoooo!”, em uma referência direta ao sumiço do computador e das listas dos sócios do Bahia, que ele havia escondido do interventor Carlos Rátis.globoesporte.globo.com/…/presidente-do-bahia-festeja-volta-ao-cargo-e-…17/03/2012 – Através do Twitter, Marcelo Guimarães Filho brinca com sumiço do computador que contém a lista de sócios do Bahia Ôoooo a CPU voltouôoooo!

Finalmente no mês passado por unanimidade os desembargadores Lisbete Maria de Almeida, Edmilson Jataí e Edinalva Pimentel confirmam a sentença do juiz Paulo Albiani.

Doutor Kakay mais uma vez tenta melar a decisão da justiça da Bahia e ingressa com um pedido de liminar no STJ que foi indeferida pelo ministro Marco Aurélio Buzzi.

Na prática, significa que tudo segue como está no Novo Bahia, bem dentro e se reestruturando fora dos campos. Prevalecem as decisões do Judiciário baiano. Inclusive a auditoria, tão temida por eles.

Os efeitos imediatos da intervenção

O interventor Carlos Rátis abriu uma campanha para a associação em massa e no período de apenas vinte e quatro horas se associaram nove mil novos sócios e 15 mil sócios acumulados em uma semana.

O Bahia nestas dez primeiras rodadas após vitorias históricas de virada contra o líder Botafogo e contra o Internacional em Porto Alegre se colocou em terceiro lugar no campeonato nacional a apenas um ponto do líder.

O Bahia voltou a contar com bons públicos após a intervenção, como no último jogo na Fonte Nova em que venceu o Flamengo por 3X0 onde colocou 26.030 pagantes, ainda muito pequeno para a sua força e que o coloca na tímida 7º posição entre as maiores médias com 16.368 pagantes por partida. Público pequeno para quem em 2011 ficou em segundo lugar no total de público que compareceram aos estádios com 432.087 torcedores e média de 22.741 por partida, perdendo apenas para o Corinthians com média de 29.424 torcedores. Tudo isso no ano em que o Bahia lutou até a última rodada para não ser mais uma vez rebaixado.

O Bahia em apenas poucos meses de intervenção conseguiu pagar boa parte dos salários dos jogadores e funcionários que estavam atrasados.

Das dificuldades do interventor e as manobras do ex-presidente para dificultar o cumprimento da determinação da justiça

Cofres trancados e computadores bloqueados que obrigaram ao interventor Carlos Rátis a recorrer à justiça e à Polícia Técnica para abrir o acesso às CPUs e arrombar os cofres, funcionários que se recusaram a ir trabalhar mesmo após convocação oficial do interventor e muito mais manobras para evitar o cumprimento da Sentença Judicial.

Do blog: http://www.ecbahia.com/imprensa/noticia.asp?nid=25560:

O interventor Carlos Rátis deu nova entrevista nesta quarta-feira. Desta vez, ao jornalista André Uzêda, do jornal A Tarde. E nela ele deixa evidente o estado periclitante em que o Esquadrão se encontra, contrariando o ufanismo dos dirigentes depostos. Confira o texto:

“A interventoria que administra os trabalhos no Bahia terá dificuldades para quitar a folha salarial do próximo mês, que vence na quinta-feira, dia 8 de agosto. Em visita à redação de A Tarde, o interventor Carlos Rátis definiu a situação financeira do clube como “caótica e preocupante”.

Três são, segundo Rátis, os principais problemas que inviabilizam as contas do Tricolor. A mais preocupante delas é uma antecipação de receitas tomadas pela gestão do presidente destituído Marcelo Guimarães Filho,que compromete o orçamento administrativo do Bahia em até 36 meses.

Embora o interventor não tenha informado os números da cota adiantada e nem quais foram as empresas que a realizaram, a reportagem apurou que as parcelas são referentes ao contrato de televisão com a Rede Globo, firmado em R$ 35 milhões por temporada.

Quando a intervenção assumiu o controle do clube, encontrou as contas bancárias zeradas e credores com data de cobrança próximas ou já vencidas.

“Tivemos que fazer um esforço para viabilizar a realização do Ba-Vi, por exemplo. Estávamos com dificuldades em áreas como alimentação, pagamento da agência de turismo e até da empresa que de manutenção da grama”, afirmou o interventor.

Só de alimentação, a dívida do clube era de R$ 400 mil –apenas R$ 100 foram quitadas– e o restante negociado. “Não pagamos nenhuma dívida completa por enquanto. A situação é tão crítica que todo dinheiro que vamos recebendo pagamos algo pendente”.

CONTAS BLOQUEADAS

Um outro problema é de ordem trabalhista. O Bahia tem um passivo de 20 reclamantes distintos na Justiça do Trabalho do Estado. O valor ultrapassa cifras milionárias e foi preciso fazer, ainda na gestão anterior, um arranjo jurídico chamado conciliação global para incluir todas as ações em conjunto.

O problema é que o Bahia deixou duas parcelas desta conciliação sem serem pagas, o que pode barrar as contas do clube, além de penhorar renda dos futuros jogos na Fonte Nova.

“A prioridade é o pagamento destes valores. Só assim podemos administrar o clube sem sustos futuros”, disse Cristiano Possídio, advogado trabalhista constituído pela interventoria.

Segundo Rátis, a primeira parcela deste valor –não informado pelo interventor por questões éticas– serão pagos até sexta-feira. “A segunda parcela vamos tentar negociar com a Justiça, explicando que o clube está sob uma intervenção”, diz.

O último dos grandes problemas para equilibrar o financeiro do Bahia é obter fontes de receitas para arcar com as demandas. A própria intervenção, embora não confirme as empresas, pediu adiantamento de verba com a Arena Fonte Nova e uma sobra de dinheiro de TV para sanar o clube. São estes valores que têm possibilitado pagar salários de jogadores e demais funcionários. Até aqui o interventor quitou três meses de dívidas salariais.

Para pagar a próxima folha, Rátis conta com o montante amealhado dos valores dos sócios patrimoniais que se recentemente filiaram ao clube (aproximadamente R$ 750 mil).

Procurado para comentar o assunto, o ex-presidente Marcelo Guimarães Filho não atendeu as chamadas da reportagem.

PROGRAMA DE SÓCIOS

Carlos Rátis não especificou o que será feito, mas revelou que representantes da Arena Fonte Nova, impressionados com os 15 mil sócios acumulados na última semana, já iniciaram conversas para que esses associados possam ter vantagens em relação ao uso do estádio.

Por fim, Rátis anunciou que o prazo do recadastramento de sócios foi adiado do dia 2 para o dia 7 de agosto. “Estamos publicando isso num edital no A Tarde e em outros meios de comunicação”, finalizou.”

Pelo visto, a situação financeira do clube é bem pior que o déficit de R$ 2 milhões anunciados antes da intervenção. O torcedor mais uma vez pode ajudar o clube, regularizando-se por meio do recadastramento ou se associando e se mantendo adimplente.

O que oferece o populismo?

janeiro 22, 2018

Do ESTADÃO

Por JOSE ROBERTO MENDONÇA DE BARROS

Duas candidaturas populistas, à direita e à esquerda, polarizam as pesquisas eleitorais

Os dados atuais mostram que duas candidaturas populistas, à direita e à esquerda, polarizam as pesquisas eleitorais.

Independentemente das possibilidades de manutenção deste quadro até a época da eleição, o que não acredito, é útil pensar no que elas oferecem ao distinto público.

À direita, Bolsonaro mostra uma carreira parlamentar de pouco brilho e muitas frases ofensivas. Em meio a esse quadro, porém, emerge claramente alguém adepto do Estado grande, forte e intervencionista, com vários traços militares. Parece acreditar em soluções tão bombásticas quanto superficiais. Curiosamente, mais recentemente está indicando um programa econômico liberal, que não casa com suas convicções e sua história. O que afinal oferece ao País? Dá para confiar no seu alegado liberalismo ou o que temos é o mais puro populismo, do tipo “confiem em mim e eu salvarei o País”.

Definitivamente, não acredito que sua postulação vá manter a força que aparenta ter hoje.

Por outro lado, temos a candidatura Lula que, antes de mais nada, tem que ser avaliada à luz de todo o período petista no poder, mais de treze anos. Não dá para apagar da história o governo Dilma, como se tenta.

Olhado desta forma, não deixa de ser surpreendente que se chegou a acreditar (e até a escrever teses) de que havia sido descoberto um novo modelo de crescimento. Na verdade, tratou-se de mais um experimento latino americano de populismo, alavancado a partir de um período de ganhos com preços de commodities, que naufragou gerando uma gigantesca crise a partir de 2014 e da qual só estamos saindo agora.

Todas as estratégias utilizadas se revelaram equivocadas, a começar do fato que a liderança ativa do governo, em aliança com os campeões nacionais, não resultou num crescimento sustentável. Os ditos campeões quebraram ou estão com severos problemas legais, que comprometem seu futuro. Essas empresas não têm agora maior relevância no cenário econômico.

As principais empresas estatais (e seus fornecedores) foram levadas à quase destruição pela proposição de projetos megalômanos (Petrobrás/refinarias) ou por regulações inadequadas, como o congelamento de preços de combustíveis e a MP 579, que arrasou o setor elétrico.

A indústria encolheu, apesar da utilização de todo o instrumental de políticas de proteção. Talvez o melhor exemplo disso tenha sido o caso da indústria naval. A partir de um gigantesco programa de investimentos da Petrobrás e de reserva de mercado criou-se grande demanda por embarcações, que seriam construídas no Brasil, por novos estaleiros geridos por empreiteiras fornecedoras do setor público. Nenhuma das empresas tinha qualquer experiência industrial. Algumas sequer tinham o terreno para construir o estaleiro!

Em meio à revolução tecnológica atual, caracterizada antes de tudo pelo avanço do conhecimento e das tecnologias da informação e digitais, o objetivo era fazer casco de navio, sem sequer dispor de soldadores e engenheiros experientes! Não podia mesmo dar certo.

A utilização de grandes eventos esportivos, como alavanca de crescimento, gerou muita corrupção, vários elefantes brancos e um humilhante 7×1.

Na política externa nos fechamos ao mundo e nos abraçamos à Venezuela e Angola, exemplos de progresso.

Tudo isso ocorreu junto com a destruição das finanças públicas (que vai levar muitos anos para ser consertada), a volta da inflação elevada e a implantação de uma governança pública que terminou num mar de processos, cíveis e criminais. Tudo culminando com a imposição da então ministra Dilma como candidata a presidente. Uma escolha estratégica mais infeliz é impossível.

Ademais, o ex-presidente Lula mostrou ao longo dos anos que não tem apego à ideia nenhuma pois, como se auto definiu, é uma metamorfose ambulante. Mostrou que, dependendo da plateia, pode ter uma fala de esquerda pela manhã e uma liberal à tarde.

Então, o que propõe para o País: uma agenda de esquerda, mais populismo e inflação, uma nova carta aos brasileiros?

Dá para acreditar em qualquer coisa que seja escrita ou prometida?

Assine o canal do Blog do Paulinho no YouTube ! Vídeos inéditos diariamente !

janeiro 22, 2018

Pra ter acesso a conteúdos exclusivos do Blog do Paulinho assine nosso canal do YouTube:

https://www.youtube.com/paulinhonet

Outras mídias sociais do blog:

Twitter: @blogdopaulinho

Facebook: http://www.facebook.com/blogdopaulinho.com.br/

Instagram: http://www.instagram.com/blogdopaulinhooficial

WhatsApp: (11) 98402-3121

Calote do Corinthians ao Arena Fundo permanece em R$ 50,9 milhões

janeiro 21, 2018

Informe mensal protocolado pela BRL TRUST na CVM (Comissão de Valores Mobiliários), detalhando movimentação do “Arena Fundo”, gestor financeiro do estádio de Itaquera, indica redução da dívida com a Odebrecht, de R$ 335,5 milhões para R$ 332,9 milhões.

Apesar disso, a dívida do Corinthians com o Fundo manteve-se em 50,9 milhões, após sucessivos acréscimos: em setembro era de R$ 34,6 milhões, em outubro foi de R$ 40,3 milhões, depois R$ 43,8 milhões em novembro e R$ 50,9 milhões em dezembro.

A BRL TRUST, no documento, segue ocultando a origem da dívida, mas o Blog do Paulinho soube tratar-se de calote da renda das partidas disputadas no estádio, que, obrigatoriamente, por previsão contratual, deveriam ser repassadas ao Fundo.

Ou seja, nos últimos meses, os valores que estão reduzindo a despesa do Corinthians com a Odebrecht estariam, em tese, sendo quitados pelo Fundo, sem que este recebesse o devido repasse, o que, em consequência, incidirá em cobrança de juros, ampliando ainda mais a dívida do Timão.

O procedimento, irregular, além de lesivo, a longo prazo, aos caixas alvinegros, pode resultar em sanções graves, se os “parceiros” resolverem levar o caso para a esfera judicial, entre as quais, inclusive, execução imediata da dívida total do estádio.

Confira, no link abaixo, a íntegra do Informe Mensal do Arena Fundo, protocolado em janeiro de 2018 na CVM, referentes às contas de dezembro de 2017:

Informe Mensal – Arena Fundo – janeiro 2018

Morumbi ou esgoto a céu aberto ?

janeiro 21, 2018

O torcedor do São Paulo, que ontem retornou ao Morumbi após 48 dias de saudades, não ficou nervoso apenas com a má-produção da equipe, que, na estréia de Diego Souza, empatou com o modesto Novorizontino, em zero a zero.

Lamentavelmente, o estádio parecia esgoto a céu aberto.

Muitas foram as reclamações de cheiro ruim e desconforto com ataques de mosquitos.

Água parada, latas e copos de cerveja expostos… um caos.

Se em passado recente o São Paulo jogava seu lixo em córrego ao lado do clube, prática que somente foi abolida após ação judicial, movida pelo Movimento Morumbi Total, escancará-la, no presente a atual gestão parece dar de ombros para a higiene necessária num palco de futebol profissional.

A imagem fala por si:

(Foto: Julio Prieto)

Nem advogado de Tuma Junior vota no ex-delegado nas eleições do Corinthians

janeiro 21, 2018

“(…) quem não conhece, que te compre”

(Provérbio popular)


Publicamos, ontem, bate-papo em que ex-chefe de gabinete de Romeu Tuma Junior na Assembléia Legislativa de São Paulo, ao ser questionado sobre as razões de não votar no ex-delegado para presidente do Corinthians, respondeu:

“Exatamente por isso, porque eu o conheço”.

https://blogdopaulinho.com.br/2018/01/20/a-conversa-sobre-tuma-junior/

Não é o único.

Atual advogado de Tuma Junior, o conselheiro alvinegro Herói Vicente já havia declarado que votaria, nas eleições do Corinthians, em Roque Citadini, adversário de seu cliente.

Não se trata de traição, mas de escolha política, feita às claras, que não interfere, desde que em entendimento mútuo, no exercício da profissão.

Ontem, vídeo gravado por Osmar Stabile, registrou apoio do advogado a Citadini, em evento de desagravo, com cerca de 300 participantes, à tentativa de impugnação de sua candidatura.

Tuma Junior vive a inusitada situação de ser desapoiado por quem, de fato, o conhece, recebendo adesão única da chapa “Lava-Jato”, ainda assim, não em toda a sua totalidade.

OUTRO LADO

Resposta de Herói Vicente:

Bom dia, Paulo.
Recebi logo cedo a manifestação justa de inconformismo do Tuma com o seu post que cita que nem eu voto nele.
Bem, prestei solidariedade à chapa do Roque, sim, afastada do pleito eleitoral de forma que reputo inadequada, sob o ponto de vista democrático. O Corinthians é que perde com esse afastamento, pois é certo que essa candidatura é respaldada por um número maciço de eleitores.
Mas isso não pode ser usado como arma para atacar o Tuma. Primeiro porque esse não era o propósito e falando francamente, se eu imaginasse que isso ocorreria, não teria assentido com nenhuma gravação. Ademais, não existe conteúdo jornalístico nenhum na minha fala.
Sou totalmente contrário a qualquer ação direta ou indireta que fomente ainda mais separação e divergência na oposição Corinthiana. O ambiente político atual deveria ser de união e não embate, aliás ideal que sempre defendi e que infelizmente se revela cada vez mais utópico.
Peço, pois, que retire do ar. Caso entenda que não deve, que publique minha resposta.
Cordiais saudações.

NOTA DO BLOG: o Blog do Paulinho respeita a manifestação de Herói Vicente, mantendo a informação (que é o relevante matéria), notória no Parque São Jorge, de que ele, em se confirmando a candidatura de Roque Citadini, não votará em Tuma Junior. 

Romário e Ronaldo

janeiro 21, 2018

Resultado de imagem para romario e ronaldo

(trecho da coluna de TOSTÃO, na FOLHA)

Ronaldo e Romário, talvez os dois maiores centroavantes da história do futebol mundial, uniam enorme talento para jogar fora e dentro da área.

Romário era mais genial nos pequenos espaços, na antevisão do lance.

Dava dois passos para o lado, recebia a bola antes do zagueiro e finalizava.

Ronaldo era mais espetacular nas arrancadas com a bola, da intermediária para o gol.

Os dois eram também magistrais na penetração, no momento certo, para receber a bola na frente.

Momento loucura: mãe de Junior Tavares detona Sheik e Zinho

janeiro 21, 2018

Qual o patamar de Ronaldinho Gaúcho na história do futebol mundial?

janeiro 21, 2018

Da FOLHA

Por JUCA KFOURI

Ronaldinho Gaúcho anunciou que parou com a bola depois de já ter parado há algum tempo.

Nenhum superlativo que se use para defini-lo no auge de sua carreira, quando foi eleito o número 1 do mundo em 2004 e 2005, será exagerado.

Então, aqui, foi escrito: “Ronaldinho Gaúcho está no patamar de Mané Garrincha e Diego Maradona”.

Para afirmação que até beirava a heresia, havia o aval de Mestre Tostão, que havia, antes, escrito: “Ronaldinho já está, no meu conceito, só abaixo de Pelé–e no nível do Maradona e Garrincha. Em um esporte coletivo, seria injusto não colocá-lo neste nível, mesmo se ele não tiver atuações espetaculares no Mundial da Alemanha. Além disso, Ronaldinho já foi espetacular na Copa de 2002″.

Desgastado na Copa alemã, assim como Zinédine Zidane, outro número 1, esteve na da Ásia, o Gaúcho não foi mesmo espetacular.

Nada que tornasse menos verdadeiras as afirmações anteriores.

A seguir, e apesar de ainda repetir atuações de sonho, mágicas como poucos fizeram pelos gramados do mundo, o gênio sucumbiu diante das delícias da vida mundana.

Continuou se divertindo em campo, mas preferiu a diversão das baladas, de resto direito dele, milionário e na plenitude da idade, com prejuízo dos treinamentos e de seu aperfeiçoamento.

Entre o ofício que lhe fez famoso e a vida de popstar fez a opção preferencial pelo prazer.

Aí, Tostão diverge. Ele acha que as noitadas podem ter contribuído, mas o estilo de Ronaldinho é que foi determinante: “Com tantos efeitos especiais, sem ter sido um artilheiro, em uma época de supervalorização dos números e dos resultados, ele teria pouquíssima chance de se manter no topo por longo tempo.”

E Tostão perguntou em coluna em 25 de dezembro de 2016: “Não seria mais sensato pensar que os dois anos espetaculares foram exceções e que sua real capacidade técnica era a que mostrou nos outros dez anos de esporádicos mágicos lances?”.

Importante dizer que as referências a Garrincha e Maradona foram feitas antes de Lionel Messi aparecer.

Hoje Tostão coloca Messi acima de Ronaldinho.

Importante também dizer que ser escolhido como o melhor do mundo pela Fifa nem sempre garante o eleito no panteão dos imortais, casos do alemão Lothar Matthaus, do italiano Cannavaro ou do brasileiro Kaká.

Todos excelentes, com uma temporada excepcional, mas não comparáveis a Pelé e àqueles que mais perto chegaram do Rei, digamos, a dois degraus dele.

Não é o caso de Ronaldinho Gaúcho, porque, de fato, ele excedeu em genialidade, olho para um lado, bola para o outro, outro olho no telão do estádio.

Como o lusitano Cristiano Ronaldo, o brasileiro adorava se ver, mas, diferentemente do português, detestava treinar.

Em resumo: Ronaldinho parou deixando gosto de quero mais, como fez Pelé, com a diferença de que o Rei evitou a decadência e o Gaúcho não se preocupou com isso, foi gigante e poderia ser mais.

Causou, como Garrincha, gargalhadas pelos gramados do mundo, algo que jamais será esquecido.

Entre ele, Romário e Ronaldo Fenômeno, quem você escolheria no par ou ímpar antes da pelada?

E-mails para a redação.

Assine o canal do Blog do Paulinho no YouTube ! Vídeos inéditos diariamente !

janeiro 21, 2018

Pra ter acesso a conteúdos exclusivos do Blog do Paulinho assine nosso canal do YouTube:

https://www.youtube.com/paulinhonet

Outras mídias sociais do blog:

Twitter: @blogdopaulinho

Facebook: http://www.facebook.com/blogdopaulinho.com.br/

Instagram: http://www.instagram.com/blogdopaulinhooficial

WhatsApp: (11) 98402-3121


%d blogueiros gostam disto: