Anúncios

De Ronaldo “Fenõmeno” a Lula… as lorotas do “naming-rights’ de Itaquera em período eleitoral

julho 22, 2017

Sempre que aproxima-se o período eleitoral no Corinthians, acentuam-se boatos, quase sempre plantado por dirigentes, de que o clube está “muito próximo” de fechar os “naming-rights” do estádio de Itaquera, ou de contratar um novo Ronaldo “Fenômeno”.

Basta rápida busca pela internet para listar dezenas de “acordos” dados como concluídos.

O último Ronaldo foi “Alexandre Pato”, que gerou prejuízo, somados investimento oficial, comissionamentos e demais despesas (salários, etc) próximos de R$ 100 milhões.

Até o “Fenômeno”, três anos atrás, foi apontado como interlocutor junto a grandes empresas para dar nome ao estádio.

Agora, a revista Veja revela que o ex-presidente Lula, condenado a nove anos e seis meses de prisão por corrupção, absolutamente preocupado com sua defesa jurídica, além da campanha eleitoral presidencial, “atendeu a pedidos e se pôs à disposição do Corinthians para se reunir com Chefes de Estado da Ásia e Oriente Médio na tentativa de achar investidores interessados em batizar o Itaquerão com nome de sua marca”.

E tem quem acredite…

Anúncios

Ricardo Teixeira foi informado que prisão preventiva estaria sendo avaliada

julho 22, 2017

Promotores amigos de Ricardo Teixeira, há dois dias, informaram-no que é grande a possibilidade, diante da documentação recebida por MPF e PF, oriunda da Justiça Espanhola, que apontam crimes do dirigente cometidos também no Brasil, de que, em breve, possa ser decretada prisão preventiva do ex-presidente da CBF.

Ontem, advogados reuniram-se com o cartola para estudar o caso.

Em conversa com fonte do MPF, o Blog do Paulinho soube que estuda-se, também, a possibilidade de uma ação policial contra Marco Polo Del Nero, que poderia, talvez, resultar em mandado, se não de prisão, de condução coercitiva:

“Se houve favorecimento noutras oportunidades, desconfio mas não posso comprovar… mas tive acesso à documentação atual, da Espanha, e considero impossível que medidas drásticas não sejam tomadas para evitar não somente a sequencia da atividade criminosa, mas também a ocultação de provas e intimidação de testemunhas”.

Dos três últimos presidentes da CBF, José Maria Marin está em prisão domiciliar nos EUA e aguarda julgamento nos próximos meses; Teixeira e Del Nero não podem deixar o Brasil, o primeiro com prisão internacional decretada, o segundo, por medo de ser encarcerado pelo FBI.

OMNI cobra defesa de parceria da diretoria do Corinthians

julho 22, 2017

A empresa OMNI, que nos últimos anos detém a administração dos principais contratos do Corinthians, desde a lucrativa venda de ingressos, em que permanece com 50% da arrecadação, passando pelo Teatro do clube, que leva seu nome, até a gestão do estacionamento na Arena de Itaquera, incomodou-se com matéria publicada pelo UOL, em que o candidato oposicionista à presidência alvinegra, Roque Citadini, explicitou:

“Tudo o que diz respeito à gestão [da Arena] está sendo muito questionado. Você ouve questionamentos sobre ingressos, sobre acesso, sobre a Omni, sobre tudo”

“A Omni ampliou tanto as atividades dela que não sabe bem onde isso começa e onde termina. É uma questão que precisa ser resolvida. A ideia que o clube colocou na construção do estádio é que seria gerido por empresa de grande relevância. Citaram empresas americanas que administram estádios. No fim, essa parte acabou esquecida e ficou com a Omni, uma empresa até onde sei só trabalha com o Corinthians. Não sabemos porque ela segue no estacionamento”

Dirigentes da empresa, que tem estreito relacionamento com o deputado federal Andres Sanches (PT), entraram em contato, ainda ontem, com dirigentes do Timão, cobrando declarações que justifiquem (e defendam) a parceria mantida com o clube.

Receberam como resposta que é melhor não tocar no assunto, diante da rejeição à OMNI no Parque São Jorge, e a possibilidade de ampliação do debate, que traria à luz o que funciona, para determinado grupo, melhor na escuridão.

No início de 2017, Roberto Andrade, presidente do Corinthians, então em litígio com Andres Sanches, anunciou rompimento do contrato com a OMNI da questão da gestão do estacionamento, chegando até, em Nota Oficial no site alvinegro, a indicar nova parceira, a “Índigo”, que teria assinado contrato por quatro anos.

http://www.corinthians.com.br/noticias/ver/61900#.WXMILYjyuUl

Hoje não se fala mais nisso.

Ninguém sabe por quais razões a OMNI permaneceu, nem se o clube, em sendo verdadeira a assinatura do vínculo com a “Índigo”, onerou-se para desfazê-lo.

Andrade disse também, em reunião do Conselho, que a taxa de 50% cobrada pela OMNI seria reduzida, por se tratar de “abusiva”.

Nada mudou, também, nesta operação.

A seus pares, no Parque São Jorge, Citadini tem deixado a entender, como insinuou na entrevista, que se vencer as eleições no Corinthians, seu grupo entrará por uma porta e a OMNI sairá pela outra.

Talvez o distanciamento político, histórico, que o oposicionista mantém do deputado federal Andres Sanches, dizem, sócio oculto da empresa, facilite uma tomada de decisão que os recentes presidentes alvinegros, Roberto Andrade e Mario Gobbi, ambos alçados ao poder pelo parlamentar, não ousaram cometer.

Outros grupos que se contrapõem, explicitamente, à parceria são o “Inteligência Corinthiana” e a “Lava-Jato”, que concorrerão ao Conselho Alvinegro nas próximas eleições.

Ambos formados por dissidentes da gestão, além de notórios oposicionistas.

Ciente do desafio, a OMNI, como se fosse organização criminosa, intimida dirigentes, coopta defensores, patrocina associados, distribui ingressos e facilita acessos a camarotes na Arena de Itaquera.

Marco Aurélio Cunha é zoado por corinthiano, mas rebate atacando o Palmeiras

julho 22, 2017

(Marcos Ninzoli, torcedor do Corinthians, entrega passaporte a Marco Aurélio Cunha que diz “o nosso time tem Mundial, tem time que não tem”)

Falta de interesse do público não justifica o pouco investimento no feminino

julho 22, 2017

Torcida do Santos lota a Vila Belmiro para o primeiro jogo da final do Brasileiro feminino entre Santos e Corinthians

Da FOLHA

Por MARILIZ PEREIRA JORGE

Já escrevi isso e reafirmo: é justo que alguns atletas homens ganhem mais do que as mulheres, porque dão mais retorno financeiro a seus patrocinadores e porque despertam mais interesse do público. Uma coisa leva a outra.

A questão é que o Campeonato Brasileiro feminino de futebol de 2017 coloca em xeque justamente a quantidade de gente interessada em ver mulheres jogando futebol. E isso merece aplauso, reflexão e, sim, mais investimento.

A Arena da Amazônia, um dos elefantes brancos que a Copa de 2014 nos deixou de legado, voltou ao noticiário, mas por uma ótima razão. Somando o público das quartas de final e o da semifinal do Campeonato Brasileiro feminino, o estádio recebeu 40 mil pessoas. Para você ter uma ideia, a média de torcedores em uma partida masculina no estádio é de 8.000.

O Iranduba, time local, tem conseguido um feito que nem o campeonato masculino foi capaz, o de afastar as moscas da arena, que vinha servindo até como local para cerimônias de casamento para diminuir o rombo que sua manutenção deixa.

Mas isso não aconteceu por milagre. O time feminino tem recebido apoio do governo do Estado e, no ano passado, contratou um dirigente experiente e jogadoras competitivas para profissionalizar a equipe. Logo de cara, as garotas chegaram à fase do mata-mata. Agora foram mais longe, disputaram a semifinal com o Santos, que acabou de ser campeão contra o Corinthians, jogando numa Vila Belmiro lo-ta-da.

No ano passado, o diretor de futebol do Iranduba, Lauro Tentardini, disse numa entrevista ao site Dibradoras, especializado em futebol feminino, que o projeto é ser o maior clube de futebol feminino em cinco anos. Percebe-se que ele –e elas– estão levando o desafio a sério.

O sucesso de público do Brasileiro feminino, com destaque para a façanha do Iranduba de encher a casa para ver mulheres jogando bola, deveria despertar em dirigentes e patrocinadores uma importante reflexão. A falta de interesse do público, neste caso, não justifica mais o pouco investimento e menores salários para as mulheres. Já ouvi inclusive jornalistas dizerem que futebol feminino é chato. Não é o que parece para os torcedores que lotaram os jogos do Brasileiro.

O que seria ideal, então? Esperar o reconhecimento da torcida e depois investir ou o contrário, como fez o inglês Lewes FC? A Folha publicou na sexta (21) a decisão do time de igualar os salários de mulheres e homens. A motivação não tem a ver com o interesse da plateia. Os jogos femininos costumam atrair menos da metade de torcedores, apesar de estarem na terceira divisão, enquanto os homens disputam a oitava. Os dirigentes explicam que a ideia é gerar discussão sobre a disparidade entre salários e que a iniciativa também sirva para melhorar as condições do futebol feminino.

Não é uma necessidade apenas do futebol. A lista dos atletas mais bem pagos do mundo, divulgada neste ano pela revista “Forbes”, tem jogadores de futebol, de basquete, tenistas, corredores de F-1. São computados salários, bônus e contratos publicitários. Cristiano Ronaldo é o primeiro pelo segundo ano consecutivo. Não há dúvida de que ele mereça cada euro que ganha. Mas nesse ranking há uma única mulher citada, na 51ª posição: Serena Williams. É para pensar ou não?

Coluna do Fiori

julho 22, 2017

fiori - dicunto

FUTEBOL: POLÍTICA, ARBITRAGEM E VERDADE

Fiori é ex-árbitro da Federação Paulista de Futebol, investigador de Polícia e autor do Livro “A República do Apito” onde relata a verdade sobre os bastidores do futebol paulista e nacional.

http://www.navegareditora.com.brEmail:caminhodasideias@superig.com.br

apito limpo

“Os insensatos, que acreditam serem sábios, são inimigos de si mesmos; fazem más ações, das quais, por fim, só colhem frutos amargos”

Textos Budistas

————————————————————–

Cruciante  

O nível do trabalho dos árbitros desde o inicio do Brasileirão aborrece e muito aos amantes do futebol, vez que: nada assumem, sobretudo, quando dos lances ocorridos dentro da grande e pequena área; mesmo que os veja, se faz de migué, alguns deles, na vaselina e cara de pau, empurram a responsa para o assistente ou árbitro adicional

Movimentação

Desde muito tenho observado que os árbitros não fazem a antiga e famosa diagonal, passagem que lhes faculta o total domínio dos lances, vez que estão de frente para o assistente e atrás da linha da disputa pela bola

Injunção

Certamente a responsabilidade dos árbitros não exercitarem a diagonal deve ser do politiqueiro e todo poderoso Sérgio Correa da Silva e sua patota de sabidões

Sabujos

Os botos-brancos do apito são conhecedores que a diagonal continua sendo a melhor opção para o bom desenvolvimento do trabalho, no entanto, para não desgostar seus superiores, dobram seus corpos para garantirem futuras escalas

———————————————————————-

14ª e 15ª Rodadas da Série A do Brasileirão – 2017

Sábado 15/07

Corinthians 2 x 2 Atlético-PR

Árbitro: Sandro Meira Ricci (FIFA-SC)

Item Técnico

Prejudicou a equipe atleticana por não ter marcado a claríssima penalidade máxima no momento em que o corintiano Moisés pisou no peito do pé direito do oponente Jonathan, travando sua movimentação

Ressaltando

O acima ocorreu em espaço aberto, na linha do poste de trabalho do adicional, como também sob as vistas do árbitro, que, deveria ter chamado pra si a decisão, em não o fazendo, sutil e lamentavelmente, passou a responsa pro adicional

Item Disciplinar

Neste item Sandro Meira Ricci dominou e bem, por este motivo: zero de cartões

Domingo 16/07

Palmeiras 4 x 2 Vitória

Árbitro: Bruno Arleu de Araujo (RJ)

Item Técnico

Para ser ruim, este boto-branco do apito tem que melhorar e muito; explico:

– No momento em que o placar apontava 1×0 para a equipe visitante, em uma disputa pela bola o defensor palmeirense Mina estando dentro da área defensiva do Vitória, cometeu falta no oponente Wallace; na cara dura, o assoprador marcou penalidade máxima pro alviverde, batida por Roger Guedes, convertida no empate de 1×1

Pouco a frente conseguiu agredir as leis do jogo por duas vezes:

1ª – Deixou de marcar a penalidade máxima do atleta Wallace, defensor do Vitória no palmeirense William

2ª – Não marcou a penalidade máxima cometida por Egídio, defensor do Palmeiras, no oponente Patrick

Fora os acima o boto-branco do apito não teve nenhum critério na interpretação e aplicação das leis do jogo

Item Disciplinar

Aceitável as advertências para os 02 palmeirenses e 03 dos defensores do Vitória

15ª Rodada – Quarta Feira 19/07

Avaí x Corinthians

Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (FIFA-GO)

Item Técnico

Não influenciou no resultado, no entanto, inverteu e deixou de marcar faltas

Item Disciplinar

Meia boca

Recaída

Nas duas ultimas arbitragens Wilton Pereira Sampaio esteve bem; nesta, me fez lembrar suas antigas apresentações, ou seja:

–  fosse jogo nervoso o bicho iria pegar

Flamengo x Palmeiras

Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA)

Item Técnico

Como sempre Jailson Macedo de Freitas deixou de marcar e inverteu faltas, para confirmar a fraquíssima atuação, cometeu dois erros capitais:

1º – No lance que antecedeu a jogada findada no primeiro gol da equipe alviverde, o assoprador de apito deixou de marcar falta do palmeirense Mina no flamenguista Guerreiro

2º – Não sinalizou a penalidade máxima do palmeirense Mina, no instante que deslocou o flamenguista Guerreiro

Acertou

Por ter marcado penalidade máxima cometida por Michel Bastos defensor palmeirense, no oponente Geuvânio; infração cobrada por Diego, defendia Jailson, goleiro da equipe alviverde

Item Disciplinar

09 amarelos para palmeirenses e 02 para flamenguista

Defino

Rir é melhor que chorar

Politica

Reforma política só vale a pena se for profunda

O Brasil precisa de uma reforma política, mas o Congresso pode não estar à altura do trabalho

A comissão parlamentar que discute a reforma política começará a avaliar no início de agosto a proposta do deputado Vicente Cândido (PT-SP). A percepção geral é de que o Congresso aprovará mudanças no sistema eleitoral e partidário, mas não está claro se este é o momento ideal, nem se o resultado será produtivo.

Não há questionamentos quanto ao fato de que o Brasil precisa reformar seu sistema político. Sintomas dessa necessidade não faltam. Há no país uma profusão de partidos, muitos deles considerados de “aluguel”, sempre de olho no fundo partidário e no tempo de tevê. O sistema de votação para o Legislativo, com eleição proporcional em lista aberta, pode evoluir. Temas como as coligações e o financiamento das campanhas precisam ser revistos, assim como uma cláusula de barreira deveria ser estipulada.

Se a necessidade é inegável, é preciso avaliar o momento político. O atual Congresso poderia aproveitar seu último ano para deixar como legado um novo sistema eleitoral para as eleições municipais de 2020 e, mais importante, para as eleições nacionais de 2022. Quanto antes as mudanças são discutidas e informadas à sociedade, maiores as chances de serem bem compreendidas – principalmente quando se trata de alterações na forma de votação.

A realidade, no entanto, é mais complexa. O atual Congresso convive com denúncias de corrupção que estão intimamente ligadas ao processo eleitoral e pensa em uma reforma para o curto prazo. O instinto de sobrevivência dos congressistas tende a se sobrepor às necessidades de longo prazo do país. Não é por acaso que o ponto central da discussão hoje é a criação do Fundo para o Financiamento da Democracia (FFD), que em 2018 adicionaria R$ 3,6 bilhões ao caixa dos partidos políticos.

Outra demonstração do oportunismo que ronda o debate é a absurda

“Emenda Lula”, uma ideia acatada pelo relator da reforma que parece ter sido desenhada para beneficiar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A proposta é que seja proibida a prisão de candidatos até oito meses antes das eleições – prazo que atualmente é de 15 dias. De acordo com o texto, o postulante a cargos públicos teria de se habilitar na Justiça Eleitoral em fevereiro do ano eleitoral como pré-cadidato e a confirmação do salvo-conduto teria de ser feita até o fim de abril. Na prática, sua aceitação pelo Congresso pode colocar uma limitação importante à eficácia da Lei da Ficha Limpa.

Se fosse capaz de se livrar do interesse de autopreservação, o Congresso teria condições de entregar uma reforma produtiva. Um sinal disso é que o relatório em debate traz pela primeira vez a possibilidade de o Brasil adotar o sistema do voto distrital misto nas eleições legislativas. Esse é o melhor modelo de votação porque combina a representação de grupos dispersos – que não formam a maioria em uma determinada região – com a eleição de legisladores que realmente representam a vontade de uma maioria em uma área, criando-se laço muito forte entre o eleitorado e representantes. É também um sistema que permite campanhas mais baratas.

A visão sobre financiamento das eleições, porém, teria de amadurecer. A tendência atual é de se erguerem ainda mais barreiras ao financiamento privado, com a manutenção do veto às doações de empresas e um teto bastante limitado às pessoas físicas. Expulsar as contribuições privadas acarreta o risco de não se permitir o surgimento de novas forças políticas fora dos partidos tradicionais, os maiores beneficiados com o superfundo eleitoral em debate no Congresso. E nada garante que o famigerado caixa dois será extinto com isso.

Também parece haver pouca disposição no Congresso em mexer nas estruturas partidárias, para torná-las mais democráticas. O fim das coligações e a revisão das cláusulas de barreira, temas extensamente discutidos e sobre os quais seria possível construir uma proposta de consenso em pouco tempo, seriam medidas nessa direção. Nada disso é contemplado diretamente pelos relatórios que serão colocados em debate. A maior nos textos é dividir o dinheiro vindo do Tesouro de forma a beneficiar as grandes legendas.

O desafio de uma boa reforma política é encontrar uma fórmula que estimule a abertura à maior participação do eleitorado e delimite o funcionamento dos partidos. Nosso sistema atual é disfuncional por dar demasiado poder aos caciques das legendas e não criar laços entre o eleitorado e seus representantes. O momento para a elaboração das mudanças seria bom, não estivesse o Congresso concentrado em apenas conseguir mais dinheiro para as campanhas.

Editorial do Jornal Gazeta do Povo publicado no dia 21/07/2017

——————————————————————

Finalizando

“A sociedade de hoje respira política, então se o sinônimo de política for corrupção, prefiro morrer”

George Aguiar – pensador

——————————————————————-

Chega de Corruptos e Corruptores

Se liga São Paulo

Acorda Brasil

SP-22/07/2017

Ouça abaixo os programas “COLUNA DO FIORI”, desta semana, que foram ao ar pela rádio Rock n’ Gol:

*A coluna é também publicada na pagina Facebook:  “No intervalo do Esporte”

*Não serão liberados comentários na Coluna do Fiori devido a ataques gratuitos e pessoais de gente que se sente incomodada com as verdades colocadas pelo colunista, e sequer possuem coragem de se identificar, embora saibamos bem a quais grupos representam.

Vergonha sem fim… Ministro da Fazenda dorme em discurso de Temer na Argentina

julho 21, 2017

Ex-executivo da Globo, investigado pelo FBI, trabalhará para CBF e Corinthians no exterior

julho 21, 2017

Marcelo Campos Pinto (Globo), Andres Sanches e Ricardo Teixeira

Revelamos, ontem, acordo firmado pelo Corinthians com a CBF, para que esta, a partir de 2019, com exclusividade, comercialize os direitos de televisão e internet de jogos do clube para o mercado exterior.

https://blogdopaulinho.com.br/2017/07/20/acordo-do-corinthians-com-a-cbf-para-venda-de-direitos-de-tv-e-indecente/

O agente responsável pela intermediação, trabalhando pelo Timão em representação da Casa Bandida, será o ex-executivo da Globo, Marcelo Campos Pinto, investigado pelo FBI como agente pagador de propina, enquanto dirigente da emissora.

Teriam sido beneficiados, entre os mais graúdos, os ex-presidentes da CBF, Ricardo Teixeira e José Maria Marin, além do atual, Marco Polo Del Nero.

Foi o ex-global que negociou, recentemente, as transmissões dos jogos da Seleção Brasileira para emissoras locais e também pela internet.

No Corinthians, apenas o ex-presidente Andres Sanches e seu braço direito Luis Paulo Rosenberg, ambos atuantes no marketing alvinegro após acordo que resultou no fim do processo de impeachment do atual mandatário, Roberto Andrade, teriam proximidade suficiente com Marcelo Campos Pinto para alinhavar esse tipo de negócio.

Enrolado nas investigações da “Operação Lava-Jato” por conta de atos ilícitos de seus dirigentes, o clube, neste acordo, será levado ao centro do furacão das investigações do FBI, que, se delações prometidas forem levadas à cabo, poderão resultar em prisão, e consequentes novas revelações, do ex-executivo global e seus recebedores diversos de vantagens indevidas.

Ouça a rádio Rock n’ Gol ao vivo !

julho 21, 2017

Blog do Paulinho

Coluna do Fiori

Por que Lula depositou R$ 9 milhões num único dia em sua aposentadoria privada ?

julho 21, 2017

Foi amplamente noticiado, no dia de ontem, que o ex-presidente Lula, além dos R$ 606 mil em contas bancárias, quatro imóveis e dois carros, que já não seriam pouca coisa, teve bloqueados, ainda, cerca de R$ 9 milhões em planos de previdência privada.

Especulou-se, então, de que maneira o petista justificaria tamanha soma em comparação com seus rendimentos comprováveis.

Mas pouco se falou de um procedimento ainda mais suspeito: segundo ofício da BRASIL/PREV, enviado ao gabinete do juíz Sérgio Moro, a milionária quantia foi aportada num único dia, em 06 de junho de 2014, data próxima do início da “Lava-Jato”, do período da Copa do Mundo, coincidindo, também, com a delação da ODEBRECHT, que diz ter repassado R$ 4 milhões a Lula neste exercício.

Ou seja, não se trata, aparentemente, de saldo final de uma vida inteira de poupança, mas, tudo indica, de escape visando ocultação de valores.

Clique no link a seguir para ter acesso ao ofício enviado pela BRASIL/PREV ao juíz Sérgio Moro, indicando aporte único de valores, com saldo atualizado de R$ 7.190.963,75 para o VGBL nº 097522910, em nome da LILS Participações, empresa de palestras do ex-presidente, e R$ R$ 1.848.331,34, no VGBL nº 097401684, na pessoa física de Luis Inácio Lula da Silva, que, somados, perfazem R$ 9.039.295,09.

Previdência Privada de Lula – BRASIL-PREV

Políticos brasileiros beijando as mãos de José Maria Marin

julho 21, 2017

Em fevereiro de 2014, pouco antes da Copa do Mundo no Brasil, com a habitual falta de vergonha, vários dos principais políticos brasileiros gravaram vídeo de “beija-mão” ao bandido internacional José Maria Marin, ex-presidente da CBF, preso nos Estados Unidos, acusado de corrupção.

Os bajuladores foram: Marcio Lacerda, Marconi Perillo, Jaques Wagner, Renan Calheiros, Ronaldo Caiado, Geraldo Alckmin, Henrique Alves e ao atual presidente da República, Michel Temer.

Todos acreditando que o material, gravado para o mercado exterior, não chegaria ao conhecimento da população brasileira.

Erro de principiante, cometidos por raposas experientes, em tempos de internet.

Pai de Neymar trabalha para cooptar agentes brasileiros

julho 21, 2017

Neymar pai, que agora, oficialmente, após conseguir registro na CBF, pode fazer o que já executava na informalidade, ou seja, agenciar jogadores de futebol, tem se reunido, nas últimas semanas, com grandes, médios e até pequenos prepostos brasileiros do setor.

Oferece mundos e fundos, ostenta dinheiro (do filho), apresentando-se como influente nas equipes europeias.

O pai de Neymar analisa, também, clubes “barrigas de aluguel” a serem utilizados em suas operações comerciais.

Tão mal-afamado por conta de agentes complicados, o mercado da bola tende a piorar com a entrada no ramo de quem, antes da fama e do dinheiro do filho, fazia o que até Deus duvida, e, segundo dizem, o Diabo ficaria receoso, na cidade de Santos para sobreviver.

Lula diz que Itaquerão foi resolvido por Andres Sanches e Emílio Odebrecht

julho 20, 2017

“Eu tentei ligar para o “doutor” Emílio (Odebrecht) e ele estava de férias… eu falei: Emílio, por favor, eu estou indo à Bahia, eu estou indo à Comandatuba… o Andres (Sanches) não vai querer mais o estádio porque ele disse que a Odebrecht está roubando ele… então não vai querer mais…”

“O Andres foi comigo no avião…chegou lá o Andres se reuniu… eu não participei da reunião… e eles voltaram a fazer o mesmo preço que tinha sido prometido pro Andres…”

“E eu falei: pra mim está resolvido o problema”

(LULA em entrevista ao programa “Na sala do Zé”, do canal de youtube “Ultrajano”, de José Trajano, respondendo a questionamento de Juca Kfouri)

Acordo do Corinthians com a CBF para venda de direitos de TV é indecente

julho 20, 2017

Sem consultar o Conselho Deliberativo, o presidente do Corinthians, Roberto Andrade, formalizou com a CBF, liderada por um Marco Polo Del Nero que não pode viajar, acossado que está pelo FBI, contrato cedendo à entidade, sob comissionamento, exclusividade para negociar direitos de TV de jogos do clube para o exterior, incluindo no pacote as transmissões pela internet.

O vínculo inicia-se a partir de 2019.

A parceria é indecente por diversos ângulos de análise:

  • Roberto Andrade amarrou o próximo presidente do Corinthians (não será ele porque o estatuto impede a reeleição), que assumirá o clube no início de 2018, a um negócio que poderia ser tocado pelo próprio clube, sem intermediários, ou por parceiros outros, escolhidos pela melhor proposta;
  • Não existiu concorrência no negócio, feito às sombras;
  • É inadequada a relação comercial, fora do assunto “Futebol”, entre uma Confederação e seu filiado, podendo gerar promiscuidades diversas, inclusive eleitorais.
  • Estar ligado comercialmente à CBF sem que outros clubes também estejam é desastroso, esportivamente, para a imagem do Corinthians, que pode influenciar, mesmo que nada ocorra, na opinião pública sobre eventuais erros de arbitragem que venham a favorecê-lo;
  • Entre os árbitros, também, fica o receio, evidente, de errar contra o parceiro do “patrão”.

O comissionamento é vinculado ao sucesso das transações, mas o acordo concede exclusividade à CBF (que é acusada, pelas Justiça de EUA, Suiça e Espanha, de participar de transações ilícitas, com pagamento de propina, em vendas de direitos de transmissão), sem que, pelo menos o Corinthians, tenha recebido qualquer valor para impossibilitar a concorrência do negócio.

Ouça a rádio Rock n’ Gol ao vivo !

julho 20, 2017

Blog do Paulinho

Por Fora do Campo

(19h)


%d blogueiros gostam disto: