Cássio critica torcedores do Corinthians e elogia “organizadas”

julho 24, 2016

cassio ramos

O goleiro Cássio, do Corinthians, que escapou de ser expulso após entrada criminosa no empate contra o Figueirense, segundo o próprio (em coletiva), porque “explicou a regra” para a arbitragem (do atacante não estar em direção ao gol), mais uma vez jogou a culpa da má-atuação de sua equipe em terceiros.

Desta vez na torcida do Corinthians, que, inconformada com o futebol ruim, vaiou o “espetáculo”.

Não bastasse, elogiou as “organizadas”, dizendo que “eles não vaiam a equipe”, mesmo diante de desempenho abaixo da crítica.

Omitiu, evidentemente, as razões financeiras do apoio irrestrito, que evidentemente conhece, safo de bastidores que é.

Em tempos de combate a integrantes de facções e apoio aos torcedores “comuns”, aqueles que verdadeiramente pagam ingressos, compram produtos do clube, e não dele se utilizam para sobreviver, Cássio foi tremendamente infeliz, o que, lamentavelmente, não se trata de novidade.

cassio falta

Para que tumultuar ? Conselheiro critica comissão técnica do Palmeiras

julho 24, 2016

cuca e eudes pedro

PARA QUE TUMULTUAR ?

Por GILTO AVALLONE*

Estamos voando nesse Brasileirão “em céu de brigadeiro”.

O que mais nessa hora necessitamos é de tranquilidade, calma e paz de espirito e sobretudo muito trabalho.

Auxiliar técnico do técnico Cuca, divulga em seu Twitter que a comissão técnica não está satisfeita devido a não contratações de reforços.

Esse cidadão de nome Eudes Pedro é de uma irresponsabilidade total ao afirmar as redes sociais da insatisfação da comissão técnica.

Primeiro: se a mesma não está contente deveria tratar desse assunto internamente sem noticiar ao público.

Segundo: se foi a mando do técnico é ele mais irresponsável ainda e acima de tudo “moleque”, pois não tem a capacidade e autoridade de se reunir com quem de direito para tratar do assunto.

Vão acabar conseguindo tumultuar o ambiente, os jogadores que estão fazendo parte do grupo estão todos sem exceção saindo a contento sem necessidade de qualquer reforço, quando chamados a entrarem campo.

Isso tudo é o que sempre estamos cansados de afirmar esses técnicos cada dia aparecem com um problema, tudo para justificar na derrota sua incapacidade.

*GILTO AVALLONE é conselheiro e membro do COF do Palmeiras

Corinthians Fashion Week: o ridículo sem limites

julho 24, 2016
andres fashion 1

Desfile de cartolas, ontem, no famoso “Senadinho” do Corinthians

Pato, Leandro Damião, cartolas e empresários

julho 24, 2016

Conselho do Palmeiras lava as mãos e Justiça deve decidir sobre desvio de dinheiro

(trechos da coluna de TOSTÃO, na FOLHA)

“Não entendo por que insistem em dizer que Pato tem muito talento e que só não é craque porque não quer. Como alguém não vai querer ser craque? Ele é um bom atacante, tem tudo para ser um bom reforço para o Corinthians, mas não tem a lucidez de um craque. É confuso e, geralmente, toma decisões erradas.”

“Não entendo por que o Flamengo contrata o bom centroavante Guerrero e paga a ele como se fosse um Suárez. Pior, contrata outro centroavante, Leandro Damião, pior do que Guerrero, e paga a ele como se fosse Ibrahimovic. Pior, atrapalha a carreira de um promissor jovem centroavante, Vizeu.”

“Não entendo por que os clubes, com tantos técnicos competentes e com analistas de desempenho, atividade da moda, um avanço científico, costumam contratar muito, e mal. Trazem jogadores caríssimos, bons, e pagam como se fossem craques, ou contratam dezenas de jogadores medianos, medíocres.

Melhor do que três ruins é um bom. Um dos motivos seria a dependência e as relações promíscuas de alguns clubes com empresários.”

Guaratinguetá pedirá anulação dos Paulistas da A-3 (2016) e A-2 (2015)

julho 24, 2016
Arthur Eugênio Mathias

Arthur Eugênio Mathias

Sentindo-se prejudicado pela compra (comprovada) de resultados nos Campeonatos Paulista de divisões menores, que resultou em diversas prisões pela Polícia Federal, o Guarantinguetá ingressará na Justiça pedindo anulação dos torneios da A3 deste ano e A2 de 2015.

João Telê, responsável pelo clube, que desde o ano passado denuncia a prática (foi o primeiro a fazê-lo), já exigiu providências da FPF e da CBF, mas, até o momento, vem sendo ignorado.

Segundo o treinador, um dos aliados da Máfia das Apostas seria Arthur Eugênio Mathias, sócio do publicitário Edgard Soares, no site “Futebol Interior”:

“Ele disse que o Guaratinguetá não ia ganhar um jogo na série a 3, e eu Denunciei , disse que iriamos cair  para a série B e que iria comprar os árbitros de futebol para isso acontecer. Ele gastou muito, se juntou com a máfia das apostas e com o árbitro chamado Leomar, que apitou nosso jogo contra o Sertãozinho e que nos roubou a mando da máfia das apostas, na qual Arthur Eugênio Mathias “propina” está envolvido e é o maior manda chuva dessa vergonha e de máfia de vagabundo que há no futebol.”

“O maior participador e manipulador de resultados  do futebol, ele foi preso na CPI do narco-tráfico, preso na CPI do roubo de cargas, vagabundo maior não há, ele está envolvido na operação game over do futebol , ele tem mundo obscuro no jornalismo, a população e o futebol tem que se ver livre desse maior delinquente que a crônica esportiva tem, Artur Eugênio Mathias”

O Guará promete ir até as últimas consequências para a preservação de seus direitos, seja no âmbito da Justiça Esportiva ou até, se necessário for, mesmo sob risco de punição da FIFA, na esfera comum.

A Folha errou e persistiu no erro

julho 24, 2016

folha

Por PAULA CESARINO COSTA

OMBUDSMAN DA FOLHA 

Fundado em 1983, o instituto de pesquisas Datafolha, pertencente ao Grupo Folha, acumulou um patrimônio de qualidade técnica, arrojo de abordagem e interpretação de dados isenta. Sua credibilidade foi construída em trabalho conjunto com a Redação. Introjetou-se de tal forma no jornal que uma crítica antiga à Folha é a de ser um jornal “data-dependente”.

Dito isso, é preciso reconhecer que a semana que passou foi amarga para o Datafolha e para a Folha.

Desde que assumi o mandato, nenhum assunto mobilizou tanto os leitores. Do total de mensagens recebidas desde quarta-feira, 62% foram críticas e acusações ao jornal.

Variavam de fraude jornalística e manipulação de resultados a pura e simples má-fé, passando por sonegação de informação e interpretação tendenciosa.

A questão central está na acusação de o jornal ter omitido, deliberadamente, que a maioria dos entrevistados (62%) pelo Datafolha se disseram favoráveis a novas eleições presidenciais, em cenário provocado pela renúncia de Dilma Rousseff e Michel Temer.

Optou por destacar que 50% preferiam a permanência de Temer à volta de Dilma, em questão que, mesmo sem haver essa hipótese, 3% disseram defender novas eleições.

As perguntas 11, 13 e 14 do questionário do Datafolha (leia a seguir) tornaram-se objeto de vigorosa controvérsia.

Os sites The Intercept, do jornalista Glenn Greenwald, e Tijolaço, do jornalista Fernando Brito, acusaram a Folha de “fraude jornalística com pesquisa manipulada visando alavancar Temer”.

Em trabalho complementar, comprovaram que o jornal omitira da reportagem e do questionário divulgado no site do Datafolha questão proposta aos entrevistados sobre a convocação de novas eleições.

Outra pergunta também foi omitida. Esta pedia aos entrevistados que avaliassem se o processo de impeachment está seguindo as regras democráticas e a Constituição: 49% disseram que sim; 37% que não.

Para alimentar teorias conspiratórias, revelou-se que o Datafolha colocou em seu site mais de uma versão do relatório da pesquisa polêmica, sendo que em só uma delas constavam as duas perguntas. O instituto explica que faz um relatório completo para a Redação, mas divulga no site apenas o que saiu no jornal. No caso, o primeiro documento continha, por falha, título sobre a pergunta 14, ausente do relatório por não ter sido usada.

Diante da polêmica, Folha e Datafolha optaram por divulgar link para o relatório completo.

Reveladas as omissões e estabelecida a confusão, o editor-executivo do jornal, Sérgio Dávila, disse que o resultado da questão sobre a dupla renúncia de Dilma e Temer não pareceu especialmente noticioso, por repetir uma tendência, além de o jornal considerar tratar-se de cenário político pouco provável.

Leitores discordaram: “A Folha me pareceu escapar pela tangente, com respostas vagas”, disse Eduardo Ottoni. “Os argumentos chegam a ser até um insulto à inteligência do leitor”, afirmou Márcia Meireles. “A Folha errou, é tão grave assumir seus erros?”, questionou.

A ombudsman resumiu as críticas dos leitores ao editor-executivo. Dávila argumentou que “o único cenário concreto à frente é o Senado decidir se Dilma Rousseff volta a exercer o cargo de presidente da República ou se Michel Temer continua a exercê-lo. Não há terceira opção além dos dois desfechos possíveis. (…) Faz parte da boa prática jornalística não publicar o que é pouco relevante”.

Dávila lembrou que a Folha frequentemente publica uma fração das pesquisas, “nunca sua íntegra”.

Discordo em muitos pontos do editor-executivo. Quando a Folha, em editorial de Primeira Página em 3 de abril, defendeu a renúncia de Dilma e de Temer e a convocação de nova eleição, também esse não era um cenário provável.

Se a possibilidade de dupla renúncia não era mais levada em conta, por que então a questão foi incluída na pesquisa? O questionário já foi elaborado nesse cenário. A repetição de tendência como argumento para não publicar o resultado é incoerente com a prática do jornal por anos a fio.

Quando secretária de Redação e editora de Política, participei da elaboração de incontáveis questionários de pesquisas Datafolha. Com a limitação técnica de quantidade de perguntas, cada uma precisa ser muito bem pensada e escolhida. Não há justificativa para colocar uma pergunta e depois ignorá-la.

Na crítica que circula diariamente na Redação, questionei a abordagem da pesquisa, feita pelo jornal, subaproveitando temas políticos, ao destacar em manchete o otimismo com a economia. Reveladas as omissões, lamentei a forma como o jornal enfrentou a polêmica. Sugeri que reconhecesse seu erro editorial e destacasse os números ausentes da pesquisa em nova reportagem.

A meu ver, o jornal cometeu grave erro de avaliação. Não se preocupou em explorar os diversos pontos de vista que o material permitia, de modo a manter postura jornalística equidistante das paixões políticas. Tendo a chance de reparar o erro, encastelou-se na lógica da praxe e da suposta falta de apelo noticioso.

A reação pouco transparente, lenta e de quase desprezo às falhas e omissões apontadas maculou a imagem da Folha e de seu instituto de pesquisas. AFolha errou e persistiu no erro.

O Blog do Paulinho precisa da sua colaboração

julho 24, 2016

doação blog

O jornalismo independente precisa da colaboração do público para sobreviver.
 
PARA AJUDAR O BLOG DO PAULINHO ACESSE:

Corinthians passou a semana tentando negociar Alexandre Pato

julho 23, 2016

pato

O discurso do diretor de futebol do Corinthians, Eduardo Ferreira, o Gaguinho, de que o clube conta com Alexandre Pato até o final do contrato e sua não atuação na próxima partida contra o Figueirense se dará apenas pela falta de condição física trata-se de uma meia verdade.

Durante toda a semana, dirigentes do Timão esforçaram-se para se livrar do jogador.

Ao menos dois empresários garantiram ao blog que as tratativas ocorreram, uma delas com o Flamengo, mas nenhum dos procurados demonstrou grande interesse.

“Quem vai pegar o Pato agora, sabendo que poderá fazê-lo daqui cinco meses, sem pagar nada, negociando, ainda, uma expressiva redução salarial ?”, explicou um dos agentes.

Para tentar reaproximar o jogador da torcida, o Corinthians tratou de inscrevê-lo no Brasileirão com a camisa nº 77, em alusão à raçuda equipe que quebrou o jejum de 23 anos sem títulos do alvinegro, digamos, imagens que, por razões óbvias, não se completam.

São Paulo: a areia movediça e o precipício

julho 23, 2016

kalil macCarlos Miguel Aidar e Cinira Maturana

Recente eleição à presidência do São Paulo foi disputada por dois candidatos: Carlos Miguel Aidar e Kalil Rocha Abdala.

Vencedor do pleito, o primeiro, pouco tempo depois, foi expulso do clube, acusado de corrupção.

Enquanto isso, o perdedor, que à época era investigado por desvios de conduta na Santa Casa, da qual era provedor, acaba de ser condenado a devolver R$ 56 milhões aos cofres públicos, frutos de novos “rolos”, envolvendo repasse de administração da Feirinha da Madrugada, no Brás (de responsabilidade do Hospital) para terceiros.

Difícil saber que opção era a pior para o clube.

Fica claro que a política Tricolor precisa, com urgência, de novos nomes, novos pensamentos, evitando, assim, a triste situação de ter que optar, para se salvar, entre pisar na areia movediça ou pular do precipício.

Carta aberta ao Edu Gaspar sobre a Psicologia do Esporte

julho 23, 2016

balão asno

Prof. Dr. JOÃO RICARDO COZAC

Prezado Edu Gaspar,

Acompanhei suas declarações essa semana sobre a não participação de psicólogos do esporte na Comissão Técnica da Seleção Brasileira. Até aí, nada de muito novo. Afinal, o futebol nesse país insiste em andar para trás. O que mais me assustou, no entanto, foram as declarações de que “não temos psicólogos com ênfase no esporte no Brasil”. E aí, Edu, foi uma “bola fora” tremenda da sua parte.

Já escrevemos juntos, aqui mesmo na GE.Net – quando você atuava no Arsenal e, certamente, conheceu o trabalho de diversos psicólogos esportivos europeus. Devo te dizer que, no Brasil, temos excelentes profissionais na área.

Aqui na Associação Paulista da Psicologia do Esporte, já formei mais de mil profissionais nessa área. Dezenas deles atuam – com sucesso – em clubes de diversas modalidades esportivas. Temos também a ABRAPESP (Associação Brasileira da Psicologia do Esporte) com diversos profissionais capacitados para assumir o posto de psicólogo esportivo na Seleção Brasileira.

A SOBRAPE (Sociedade Brasileira de Psicologia do Esporte) contribui igualmente com brilhantes profissionais que poderiam muito bem assumir um trabalho sério, ético e científico na entidade. No Norte e Nordeste, temos profissionais absolutamente brilhantes na área – inclusive ministrando cursos de pós graduação na área. No Sul e Sudeste do país, também há cientistas, pesquisadores e profissionais atuantes no esporte.

Enfim, caro Edu, a gente sabe (eu, você e mais um monte de gente por aqui) que o futebol só sairá do lugar se todos nós trabalharmos juntos numa mesma direção. Para isso, o futebol precisa de gente que pense para frente, de forma moderna e atualizada e você sempre foi um cara que primou por isso. Desde os tempos em que era jogador na Inglaterra – até seu retorno ao Brasil como jogador e, posteriormente, como gestor do Corinthians. Não posso acreditar que você não se atualizou diante da necessidade de se atuar com as emoções de forma apropriada no futebol.

Creio que até conheceu nosso laboratório de alto rendimento mental na USP – onde atuamos com vários jogadores de futebol. Há a ciência e a tecnologia a serviço da Psicologia do Esporte. Técnicas como treinamento de realidade virtual, biofeedback e neurofeeback são amplamente utilizadas em nosso laboratório – bem como em diversos países do mundo em que o futebol não tem esse apelo todo que possui por aqui.

Por fim, Edu, desejo de coração que você comece uma vida longa na Seleção junto com o Tite que é uma liderança fundamental que tanto precisamos para reerguer o futebol brasileiro.

Se faltou informação nas suas declarações sobre a área –  agora não falta mais.

Boa sorte!

Atenciosamente,

Prof. Dr. João Ricardo Cozac

Santos é notificado por calotes no DETRAN

julho 23, 2016

Advogados dispensam Romário após calote

A Delegacia Regional Tributária do Litoral notificou o Santos Futebol Clube, por meio de publicação oficial, a pagar, em 30 dias, impostos devidos pela utilização de serviços solicitados pelo clube ao DETRAN.

O auto de infração e imposição de multa por infração à legislação tributária – taxa de fiscalização de serviços diversos (TFSD) está registrado no processo nº 4.081.552-3 de 18/07/2016.

A não quitação da pendência levará o clube a ser indiciado por crimes contra a ordem tributária, com a consequente inclusão em Dívida Ativa do Estado e notificação ao Ministério Público.

Além disso, o Peixe ficará impossibilitado de realizar diversas negociações com o Estado, entre as quais possíveis financiamentos ou reparcelamentos de impostos.

Coluna do Fiori

julho 23, 2016

fiori - dicunto

FUTEBOL: POLÍTICA, ARBITRAGEM E VERDADE

Fiori é ex-árbitro da Federação Paulista de Futebol, investigador de Polícia e autor do Livro “A República do Apito” onde relata a verdade sobre os bastidores do futebol paulista e nacional.

http://www.navegareditora.com.brEmail:caminhodasideias@superig.com.br

apito limpo

“A ambição é o último recurso do fracassado”

Oscar Wilde – foi um escritor, poeta e dramaturgo irlandês

————————————————————–

Conduta dos árbitros

árbitro ladrão

O árbitro deve ser o fiel representante das leis do jogo, desde minha entrada na escola de árbitros, compreendi que, por serem contumazes frequentadores das viciosas salas dos dirigentes da CBF e federações, assim como, o habito de buscar direta ou indiretamente o apoio de políticos, juízes, promotores, delegados da PC ou latinhas esculpidas da “puliça fardada” envolvidos com administração das entidades futebolísticas, maioria é sabujo e traidor

Abjeta

A participação dos componentes de todas as hierarquias do judiciário, do MP, como também, de policiais de todos os escalões na administração destas instituições, nos tempos que Eduardo José Farah presidiu a FPF, levou-me a duvidar de muitas investigações, sequencialmente, de sua absolvição na esfera jurídica. Por estes e atuais desmandos na administração da CBF, FPF e Clubes, sou convicto que é Urgente e Urgentíssimo uma operação Lava Jato no Futebol

———————————————————————–

15ª Rodada da Serie A do Brasileirão – 2016

Sábado 16/07

Santos 3 x 0 Ponte Preta

Árbitro: Marielson Alves da Silva (ASP-FIFA-BA)

Item Técnico

O primeiro gol da equipe santista surgiu após não marcação do impedimento, seguido da falta cavada por Ricardo Oliveira, com árbitro em cima do fato

Item Disciplinar

03 defensores santistas e 02 da Ponte Preta, receberam o amarelo corretamente

Domingo 17/07

Corinthians 1 x 1 São Paulo

Árbitro: Péricles Balssols Pegado Cortez (FIFA-PE)

Item Técnico

A penalidade máxima cometida por Yago, defensor corintiano no oponente Cueva, existiu; pós-cobrança, foi convertida no gol são-paulino

Item Disciplinar

Por mais uma vez; para garantir futuras escalas e conservar o nada merecido escudo FIFA, Péricles Balssols Pegado Cortez, evidenciou seu agradar aos pedidos da CA-CBF, principalmente, por ter advertido com cartão amarelo o são-paulino Cueva, quando comemorava o gol que abriu a contagem em favor de sua equipe. Durante a refrega, contestado por alguns dos litigantes, o assoprador de latinha agiu dentro do: Não sei, Não vi e Não ouvi

——————————————————————-

Politica

Foro privilegiado

Para os problemas mais complexos, o senso comum sempre inventa uma solução óbvia, plausível e absurdamente equivocada, mais ou menos como afirmou o jornalista americano H. L. Mencken no livro Prejudices, publicado em 1920. Diante do maior escândalo global de corrupção, a solução óbvia é prender já todos os políticos depravados, a começar pelos que estejam no extremo oposto do espectro político.

E a lei? Quem se importa? Off with their head! (A frase “corte a sua cabeça!”, que aparece em Shakespeare e em Lewis Carrol, remete ao estado de exceção contínuo na Inglaterra pré-Revolução Gloriosa (1689), em que à revelia da lei e do processo legal, os detratores da monarquia eram condenados sumariamente à pena de decapitação.)

Prender os corruptos sem observar o Direito vigente é corrupção. E é providência inócua, porque o Brasil consegue produzir mais corruptos que cadeias. Diante da escassez de vagas, a tentação de poupar bandidos que se alinham comigo politicamente pode ser irresistível.

Max Weber subordinou a eficiência de qualquer sistema político a seu grau de legitimação social. Já a eficiência econômica seria função da racionalização dos processos produtivos. Só teriam completado a transição para a modernidade os países que experimentaram uma convergência simbiótica entre o estado da arte na política e o estado da arte na economia.

O eixo que sincroniza as engrenagens da democracia e as do capitalismo é o artifício da lei. A ordem política estruturada por norma jurídica criada pelos próprios destinatários produziria coesão social sem paralelo na História moderna.

Com a emergência do Estado de Direito, a lei conquistou a dignidade necessária para estabilizar expectativas e desembaraçar o funcionamento do contrato. A ponte entre a racionalidade política e a econômica se completou.

Essa transição para a modernidade ainda está pendente no Brasil. Aqui é desacreditada a ficção democrática de que a lei é ato da sociedade, porque a norma jurídica opera com sinal trocado, a perpetuar privilégios.

A lei genuína é em si mesma aniquiladora de vantagens subjetivas, pois só consegue operar de maneira impessoal. Qualquer conduta perturbadora da coesão social é punida com o mesmo rigor, qualquer que seja a posição de classe do agente.

Essa neutralidade da lei é absolutamente necessária ao capitalismo, avesso a qualquer retribuição desvinculada da eficiência econômica. A democracia e a economia de mercado nisso se retroalimentam.

A esta altura do argumento já deve estar clara e distinta a absoluta incompatibilidade do malsinado foro por prerrogativa de função com a democracia e o capitalismo. O privilégio de jurisdição encastelado na nossa Constituição cidadã só tem hoje uma utilidade: escancarar a natureza oligárquica do nosso sistema político, perfeitamente engrenado com nossa economia mercantilista-estamental.

O foro privilegiado não é um corpo estranho na República brasileira. Tem equivalentes funcionais por toda parte: o preconceito racial, privilégio inato do branco; o preconceito de gênero, o outro lado da moeda da hegemonia heteromasculina; incentivos creditícios e fiscais para financiadores da política, imunidade anticoncorrencial.

Se a luta do brasileiro é contra o privilégio não é de esperar (O privilégio de jurisdição escancara a natureza oligárquica do nosso sistema jurídico) grande coisa do Judiciário, do Ministério Público e de outras castas de servidores estatais.

Talvez não seja bom negócio para o desenvolvimento institucional da República o simples rodízio de elites, a troca de oligarcas eleitos por oligarcas vitalícios. Mas por onde começar a cruzada nacional contra toda sorte de privilégios?

Muito simples: basta, como se fez na Revolução Americana (1775-1783), remover a mais patente trava à neutralidade do enforcement da lei. Os fundadores dos Estados Unidos compreenderam bem que a República implica objetividade impessoal na formulação e na aplicação da lei. Por isso estabeleceram o rule of law, que pressupõe absoluta objetividade no enforcement da lei. De que adianta produzir leis equitativas e aplicá-las escalonadas?

Por grave mal-entendido, a “revolução” que proclamou a República no Brasil assimilou da experiência americana dispositivo constitucional que extinguia todos os privilégios. Com o passar do tempo, porém, muitos desses privilégios, que não tomaram conhecimento da lei, foram repristinados. O foro privilegiado, perseguido na França, na Itália e até em Portugal, apareceu desavergonhado, à contramão da História, na Constituição cidadã de 1988.

Lei assinada pelo então presidente Fernando Collor, em 1992, estabeleceu no Brasil a jurisdição universal para crimes de improbidade. No governo Fernando Henrique, alterou-se o Código Penal para anular esse avanço, mas em decisão corajosa o Supremo Tribunal Federal impediu a manobra.

Como não existe privilégio de foro para crimes de improbidade, não faz sentido mantê-lo para crimes comuns. O máximo que se poderia admitir é que, no caso do presidente da República, o processamento de ação por crime de responsabilidade ou por crime comum no curso do mandado dependesse de autorização da Câmara dos Deputados.

O pensador francês Alexis de Tocqueville, que viajou pelos Estados Unidos na primeira metade do século 19, ficou muito bem impressionado com a jovem democracia americana. Criticou, porém, o risco de o senso comum impor ao sistema político seus pitacos óbvios, plausíveis e absurdamente equivocados.

Hoje podemos até aplaudir os excessos da Operação Lava Jato, ainda mais quando enviesados politicamente, pois para os nossos amigos, tudo; para os nossos inimigos, o rigor da lei. Amanhã, todavia, podemos concluir que essas transgressões, por motivos ululantes, postergam a reforma mais efetiva demandada pelo sistema político: a revogação pura e simples do foro privilegiado

Publicado no Estadão. Autor: Edvaldo Fernandes – Professor de graduação e pós-graduação em direito no centro universitário de Brasília

——————————————————————

Delinquência

No dia 06/07/2014, pouco antes das eleições, enviei e-mail para o gabinete do então senador Eduardo Matarazzo Suplicy, em quem votei nas vezes anteriores, expondo uma série de fatos que me levaram a decepção quanto sua conduta no exercício do mandato.

Publicado

O completo do e-mail foi publicado neste espaço, no dia 07/08/2014, dentre os itens abordados, citei o desprezo dado por ele e seus consortes do famigerado direitos humanos quando da morte de policiais na defesa das leis

https://blogdopaulinho.com.br/2014/08/07/coluna-do-fiori-carta-aberta-ao-senador-eduardo-suplicy-pt/

Nada mudou

luto

O tempo passou, de lá pra hoje, muitos policiais foram mortos por bandidos “Di menó” e maior de idade, na Quinta Feira 21/07/2016, no exercício de sua função, ou seja, na defesa das leis e da sociedade; Osmar Bernardini, 50 anos, Investigador da Policia Civil do estado de São Paulo, teve sua vida ceifada, ao confrontar-se com um dos seus protegidos

Desamparo

Sim! É assim que ficaram e ficarão financeira e psicologicamente os familiares dos policias civis e fardados

—————————————————————

Finalizando

“A maior das homenagens que podemos prestar à verdade é utilizá-la”

Ralph Waldo Emerson – foi um escritor, ensaísta e filósofo norte-americano

—————————————————————-

Chega de Corruptos e Corruptores

Se liga São Paulo

Acorda Brasil

SP- 23/07/2016

*A coluna é também publicada na pagina Facebook:  “No intervalo do Esporte”

*Não serão liberados comentários na Coluna do Fiori devido a ataques gratuitos e pessoais de gente que se sente incomodada com as verdades colocadas pelo colunista, e sequer possuem coragem de se identificar, embora saibamos bem a quais grupos representam.

Prefeitura renova alvará da Arena em Itaquera

julho 22, 2016

fielzão vazio

O estádio de Itaquera, utilizado pelo Corinthians, teve alvará renovado, ontem, pela Prefeitura de São Paulo.

A ação tramitava desde 2015, sob nº 2015/17596-00.

Pelo documento, a capacidade máxima de torcedores permitida é de 47.605.

Em verdade, por conta de obras inacabadas da Odebrecht (que o clube, à época, não reclamou), e a ineficiência nas vendas de camarotes e afins, o estádio comportou, por vezes, o máximo de 40 mil, deixando de arrecadar boa soma nos sete mil lugares que nunca foram comercializados.

O Palmeiras não é campeão mundial. E sabe disso…

julho 22, 2016

palmeiras 1951

(publicado, originalmente, em 10 de agosto de 2014)

Anuncia-se, para os próximos dias, uma constrangedora divulgação de que o Palmeiras seria “oficializado” como Campeão Mundial de 1951.

Chega a ser ridículo.

Primeiro porque até os palmeirenses sabem que, apesar de importante (pela presença de boas equipes), o torneio era amistoso, sem qualquer tipo de chancela ou critério oficial para organização e escolha dos participantes.

A Copa das Confederações é um bom parâmetro de comparação, e, mesmo orquestrada pela FIFA, com todos os times vencedores de seus respectivos continentes, não transforma o ganhador num campeão mundial.

O Palmeiras, de passado glorioso, não precisa de farsas montadas em escritórios de cartolas para ser grande, muito pelo contrário.

Deve sim, preocupar-se com o presente, que, da maneira como vem sendo tocado, não lhe garantirá bom futuro.

Triste ver um clube de tantas glórias e tradições ter, no ano de seu centenário, como única motivação, comemorar um título de 1951, mentindo a seu torcedor, muitos deles, carentes, ávidos para serem enganados.

Se a disputa mundial existisse, no período, o Verdão provavelmente a conquistaria, assim como ocorreria com o Uruguai, nos anos 20, em que dominou o futebol mundial com duas conquistas olímpicas – à época o mais relevante campeonato de seleções – mas deu azar da Copa do Mundo ter sido iniciada apenas em 1930.

Deu tempo para os celestes ganharem o primeiro torneio, sem implorar pela oficialização dos feitos anteriores, e, nem por isso, ter a história, magnífica, esquecida ou desmerecida.

Dalmo Pessoa fala sobre corrupção nas Arenas e ironiza honestidade de Andres Sanches

julho 22, 2016

dalmo

“O Sr. Andres Sanches, deputado, deu uma entrevista dizendo o seguinte… falou de futebol, falou de política e disse o seguinte: “teve roubalheira nas Arenas de futebol”… no Corinthians não teve… até porque o Andres é honesto, né ?”

(Dalmo Pessoa)

——————————————————————————————-

Em participação no programa “Gente que Fala”, da rádio Trianon, ancorado por Zancopé Simões, o jornalista Dalmo Pessoa não deixou pedra sobre pedra ao falar sobre corrupção nas construções das Arenas para a Copa do Mundo 2014.

Citou nomes, valores e até a “Operação Lava-Jato”.

Entre os dados levantados está o valor do seguro contratado para o estádio de Itaquera, que indica o valor real da obra em R$ 1,2 bilhão , diferentemente do discurso oficial, que fala em pouco mais de R$ 900 milhões.

O leitor do blog pode acessar todas as documentações do estádio no link: https://blogdopaulinho.com.br/2016/06/07/itaquerao-relatorio-do-bndes-e-todos-os-contratos-do-corinthians-com-a-caixa-incluindo-seguros/

Por fim, Dalmo ironizou a entrevista que Sanches concedeu a uma tv comunitária de Rio Claro, ocasião em que admitiu ter havido “roubalheira nas Arenas de Futebol”: https://blogdopaulinho.com.br/2016/07/19/a-estarrecedora-entrevista-de-andres-sanches-pt-para-tv-comunitaria-de-rio-claro/

CONFIRA ABAIXO TRECHO DA PARTICIPAÇÃO DE DALMO PESSOA NO “GENTE QUE FALA”, COM A DEVIDA TRANSCRIÇÃO:

“Quanto custou o estádio do Corinthians, hein ? É um enigma… ninguém consegue descobrir… um fala uma coisa, outro fala outra…”

“(…) eu acho que deve ter alguma coisa debaixo dos tapetes e o contrapiso é aquele mármore negro e branco da Grécia… gente rica é outra coisa, né ?”

“Quanto custaram os estádios ?”

“Governador que recebu 5%… tá aí a “Lava-Jato”, o Sérgio Moro dizendo: “Olha, o Maracanã deu 5% de propina para o Governador”… propina não sei aonde…”

“Na Bahia, o estádio da Fonte Nova, R$ 460 milhões de “over price”, de sobrepreço…”

“O de Brasília, aquele Agnelo Queiroz…”

“Até o outro lá do DEM, meteu o dedo no pudim, como dizia Ferreira Neto… todo mundo meteu o dedo no pudim e não acontece nada !”

“Pantanal de Mato Grosso…. bloquearam R$ 28 milhões…”

“Bloquearam R$ 178 milhões na Bahia… R$ 460 milhões de “over price” no estádio lá da Fonte Nova…  terra do senhor Jaques Wagner, né ? Está lá, deve ser uma figura proeminente…”

“E aqui ? O estádio do Corinthians custou quanto ? Alguém sabe ?”

“Porque falaram que era R$ 400 mil, depois passou para R$ 600 mil, depois passou para R$ 800 mil…”

“Recentemente a Folha… a Camila Mattoso, a repórter, publicou que o custo vai ficar R$ 1,64 bilhão… só que ela misturou obra e remuneração de capital, o empréstimo, aquilo não é de graça. Não sei se vão pagar… ai é outra história…”

“Agora, eu tenho uma informação que o estádio está segurado por R$ 1,2 bilhão… esse é o custo verdadeiro, né ? Pelo jeito…”

“E vão pagar, dizem que vão pagar em 28 anos, até 2028… um contrato de 15 anos… eles falam 12… por que falam 12 ? Porque toda grande operação de BNDES você tem três anos de carência… só que a carência você tem que pagar, e o Corinthians está discutindo agora, nos órgãos competentes, o seguinte: “olha, a carência nossa foi reduzida, então nós queremos mais 17 meses para fazer caixa e pagar.”

“Sabe quanto custa ?”

“Aliás, eles fizeram negócio com a Odebrecht, uma empresa realmente ótima, excelente…”

“O Sr. Andres Sanches, deputado, deu uma entrevista dizendo o seguinte… falou de futebol, falou de política e disse o seguinte: “teve roubalheira nas Arenas de futebol”… no Corinthians não teve… até porque o Andres é honesto, né ?”


%d blogueiros gostam disto: