Anúncios

V(W)anderlei(y) Luxemburgo assina acordo para quitar dívida com ex-árbitro de futebol

maio 22, 2017

Ex-árbitro de futebol, Rodrigo Martins Cintra lutava, há quase uma década, para receber indenização por dano moral, vencida na justiça, contra o ex-treinador em desatividade V(W)anderlei(y) Luxemburgo.

A frase, proferida em entrevista, que motivou a sentença, foi a seguinte:

“O juiz apitava e olhava pra mim em toda falta que marcava. Ele não parava de olhar. Eu não sou veado. Talvez seja pela minha camisa rosa”.

O valor da pendência, corrigido, ultrapassava os R$ 150 mil.

Por conta da dívida, bens e demais acessos bancários de Luxa estavam penhorados.

Para resolver a questão, agora com o bolso preenchido após esquisita passagem pelo futebol chinês, Luxemburgo tratou de acertar não apenas o dinheiro que devia ao árbitro, mas outros problemas mais, que dificultavam-lhe a vida social, entre os quais a ação de cobrança movida por um cassino de Las Vegas.

Anúncios

Não basta jogar de bandido, tem que ser mal-educado

maio 21, 2017

Andres Sanches, investigado pela Operação Lava-Jato e pelo MPF por crimes diversos e Jaça, diretor das categorias de base do Corinthians, preso diversas vezes por contravenção ligada ao Jogo de Bicho, mas nunca preso por acusações ainda mais graves

Blog do Paulinho #106

maio 21, 2017

Documento do MPF gera suspeitas sobre áudio de Temer. Apuração da rádio CBN aponta veracidade

maio 21, 2017

Entre versões distintas de peritos, que não conseguem garantir, de maneira inquestionável, se existiu ou não manipulação nos dados da gravação realizada por Joesley Batista com o presidente Michel Temer, dois fatos importantes chamaram a atenção do Blog do Paulinho.

Antes, porém, faz-se necessário dizer que, independentemente de ocorrência ou não de cortes, há trechos do áudio que garantem, no mínimo, a prevaricação presidencial, e, em consequência, o impeachment por crime de responsabilidade.

Voltemos aos fatos.

Documento do MPF enviado ao STF dá conta da utilização do aplicativo “Audacity” para verificação de possíveis edições no material sonoro da conversa (o blog também costuma fazer uso do programa, que é muito bom), mas ao revelar que o diálogo “encontra-se audível, aparentando sequência lógica”, escorrega, não se atentando, nem explicando, as razões do encontro de Temer e Joesley ter sido realizado no dia 07 de março, mas o arquivo analisado ter sido datado, automaticamente, no dia 14 de março, uma semana após.

Muitas podem ser as conclusões:

  • Joesley pode ter descarregado o áudio no computador pessoal e, posteriormente, regravado o arquivo (com ou sem edição), o que implicaria e dizer que o material do MPF não seria o original;
  • O MPF não realizou a perícia no gravador original (se o tivesse feito a data de gravação do arquivo seria a de 07 de março ou, se a conversa tivesse ultrapassado a meia noite, de 08 de março).

Faz-se necessário o esclarecimento, que não implica em dizer que a cópia do áudio é infiel ao original, apenas que Joesley, por razões desconhecidas, teria, em vez de entregado o aparelho gravador aos promotores (para perícia) o fez apenas com o arquivo, que copiou da fonte primária.

O fato não altera o ato de imoralidade do presidente, mas judicialmente, pode beneficiá-lo.

Por fim, outro argumento relevante, e que precisa ser analisado com seriedade, corrobora para a autenticidade do teor da gravação, ou seja, que ela não teria sofrido edições.

A CBN, inteligentemente, cronometrou o tempo de início do áudio, que se dá dentro do veículo de Joesley, aproveitando-se de que a programação da emissora é ouvida com clareza, até o final, em que, novamente, no interior do carro, escutasse os locutores da rádio em ação.

Segundo a CBN, o tempo da gravação corresponde, em exatidão, ao que foi colocado no ar, o que garantiria, em tese, que não houve edição (cortes) no referido material.

Certamente é uma linha de perícia que não pode ser descartada.

Confira abaixo documento do MPF demonstrando que a data do arquivo de áudio utilizado não corresponde à da reunião em que a gravação efetivou-se:

 

Fútbol y sobornos en el país de Temer

maio 21, 2017

Andres Sanches e Flavio Godinho

Un caso semejante es el de Andrés Sánches, ex presidente del Corinthians y actual diputado federal por el PT. Ejecutivos de Odebrecht declararon haberle pagado 2,5 millones de reales como aporte a su campaña política en San Pablo, según el diario Folha. Acaba de saberse también que JBS le aportó 550 mil reales por el mismo concepto. Godinho y Sánches son apenas un par de dirigentes entre miles que se beneficiaron con dineros turbios. Representan a los dos clubes más populares del país.


Do PÁGINA 12 (ARGENTINA)

EN BRASIL, LOS EMPRESARIOS DE ODEBRECHT LES PONÍAN NOMBRES DE CLUBES A LOS PARTIDOS POLÍTICOS QUE CORROMPÍAN

Por GUSTAVO VEIGA

https://www.pagina12.com.ar/39096-futbol-y-sobornos-en-el-pais-de-temer

Michel Temer disimuló más tiempo con éxito su simpatía por un equipo de fútbol que su imagen de presidente corrupto. Hasta el año pasado, casi nadie sabía en Brasil que es un parco seguidor del San Pablo. Con esa cara de vinagre que tiene, no daba señales de identificarse con una camiseta. Tampoco había demasiados indicios hasta 2016 de que era un informante de la embajada de Estados Unidos, como lo denunció Wikileaks. Pero con el Lava Jato triturando reputaciones políticas, se le terminó de caer la careta. Y ratificó la evidencia de que en el país vecino, la clase dirigente brasileña se engolosina cobrando sobornos igual que los jóvenes manejan una pelota con destreza. Tal era la desfachatez de los empresarios de Odebrecht para pagar coimas, que utilizaban los nombres de clubes de fútbol para disfrazar los de aquellos partidos políticos que corrompían. El PT significaba Flamengo, el PMDB se llamaba Inter de Porto Alegre, el PSBD equivalía al Corinthians y hasta los funcionarios sin filiación partidaria recibían un apodo sin connotación deportiva: el de ABC. Los sobornadores fueron impiadosos con el fútbol hasta en estos detalles.

Ahora denunciado con una prueba contundente, el presidente Temer ya había sido juzgado por el pueblo brasileño. Lo repudió en los Juegos Olímpicos de Río de Janeiro, también en el velorio colectivo de los jugadores del Chapecoense fallecidos en el accidente de aviación en Colombia, y en cada acontecimiento público donde se presentaba. El “Fora Temer” se convirtió en clamor popular y arreció con más fuerza desde la última semana.

Su discreción para ocultar la simpatía por el San Pablo se transformó en una anécdota, igual que su pronóstico fallido de una victoria brasileña en la semifinal del Mundial 2014. Dijo esa vez: “Además del apoyo de la hinchada, nuestros cracks van a jugar con más garra para compensar la ausencia de Neymar. Apuesto un Brasil 2 Alemania 1”. El partido terminó con el resultado más catastrófico que se recuerde para la rica historia del fútbol brasileño. Un 7 a 1 que depositó a los europeos en la final con la selección argentina. La ganaron 1 a 0 en tiempo suplementario.

El Lava Jato permitió descubrir cómo hizo metástasis la corrupción en la democracia brasileña. En ese contexto donde los partidos eran llamados con nombres de equipos de fútbol, los políticos también estaban etiquetados con las posiciones que ocupan los jugadores adentro de una cancha. El presidente de la Nación era el centrodelantero, un diputado federal jugaba de volante, un senador de marcador de punta, un diputado estadual de zaguero, y cualquier militante de base o sin cargo alguno de arquero. En una formación así, Temer hubiera sido un número nueve goleador, aunque nunca se mostró demasiado interesado en el juego. El ex director de la compañía Odebrecht, Luiz Eduardo Soares, fue quien delató la peculiar manera en que el denominado Departamento de Propinas (Coimas en español) utilizaba los nombres de clubes o puestos de futbolistas para intentar disimular los sobornos que pagaba.

La lista llegaba a los 18 equipos: Flamengo (PT), Internacional (PMDB), Corinthians (PSBD), Sport Recife (PSB), Cruzeiro (PP), Vasco da Gama (PTB), Palmeiras (PPS), San Pablo (PR), Fluminense (DEM), Atlético Mineiro (PSOL), Bahía (PCdoB), Náutico (PSC), Botafogo (PSD), Santos (PRB), Gremio (PDT), Santa Cruz (PROS), Curitiba (Partido Verde) y Remo (Rede). La empresa de la carne JBS, la más grande de Latinoamérica, aportó a la Justicia brasileña los nombres de 1.829 políticos y funcionarios que recibieron sus sobornos. Pertenecen a 28 partidos. Pero no son todos los que hay en el país.

Entre los escándalos que brotan a diario en Brasil, el fútbol tiene los suyos y no porque a Odebrecht se le ocurra comparar a un diputado federal con un mediocampista en su lista trucha. En enero de este año fue detenido el vicepresidente de Flamengo, Flavio Godinho, implicado en el pago de coimas al ex gobernador de Río de Janeiro, Sergio Cabral. El dirigente trabaja o trabajaba para Eike Batista, un empresario acusado de lavar dinero y quien llegó en 2011 a acumular la mayor fortuna de su país. Unos 30 mil millones de dólares, según Forbes. La Justicia lo acusa de haberle entregado 16,5 millones de dólares a Cabral en 2010.

Godinho fue detenido primero y liberado después. Pasó de la cárcel de Bangú a estar bajo el régimen de prisión domiciliaria. Su caso se enmarca en el Operativo Eficiencia, un apéndice judicial del Lava Jato en Río de Janeiro. El Flamengo le soltó la mano y atribuyó las sospechas de corrupción sobre su vice a un tema personal y ajeno al club.

Un caso semejante es el de Andrés Sánches, ex presidente del Corinthians y actual diputado federal por el PT. Ejecutivos de Odebrecht declararon haberle pagado 2,5 millones de reales como aporte a su campaña política en San Pablo, según el diario Folha. Acaba de saberse también que JBS le aportó 550 mil reales por el mismo concepto. Godinho y Sánches son apenas un par de dirigentes entre miles que se beneficiaron con dineros turbios. Representan a los dos clubes más populares del país.

La obra pública que Brasil destinó a la organización de la Copa del Mundo en 2014 está cruzada por las corruptelas. La mitad de los estadios que fueron sedes del torneo no pudieron zafar de las imputaciones de irregularidades en su construcción. Seis de 12.

La empresa brasileña Andrade Gutiérrez tiene ejecutivos detenidos en la causa del Lava Jato. Es socia de IECSA en la Argentina para la obra pública, la compañía que este año fue vendida por el primo del presidente Macri, Angelo Calcaterra. En Brasil, aquella denunció a dos ex gobernadores del estado de Amazonas por recibir sobornos para autorizar el levantamiento del estadio Arena Amazonia de Manaos. Las coimas se extendieron también a la construcción del escenario más caro del Mundial, el Mané Garrincha de Brasilia. No se salvó de las sospechas de corrupción el mítico Maracaná de Río de Janeiro. Su costo trepó sin escalas de 280 millones de dólares a los 400 finales que salió la obra de remodelación. Son tres ejemplos de los estadios que quedaron en la mira porque se pagaron sobreprecios. Los restantes son el Arena Corinthians de San Pablo, el Arena Castelao de Fortaleza y el Arena Pernambuco de Recife. La propia Odebrecht que embadurnó con dinero sucio cada ladrillo que colocó, fue la misma que difundió cómo edificó esos templos del fútbol. Se estima que al país le costaron 1,5 billones de reales.

EM TEMPO: para ler o artigo em português basta utilizar a plataforma de tradução do Google, localizada na barra lateral direita do blog, logo abaixo do banner de publicidade.

O “Lava-Jato”, o “herói” e os “Fora Dualib”

maio 21, 2017

Ontem, no Parque São Jorge, personalidades distintas da vida do Corinthians, algumas mais importantes, outras sem relevância alguma, encontraram-se para, em meio a conversas despudoradas, celebrar um projeto social alvinegro.

A foto que ilustra a matéria, para quem conhece os bastidores do clube, simboliza bem o “vale-tudo” pornográfico da vida política alvinegra, salvo raras exceções, poucas vezes retratado, em exatidão, pela imprensa esportiva nacional.

Observa-se, a priori, o vice-presidente André Negão, acusado pela Polícia Federal no âmbito da Operação Lava-Jato de receber propina da Odebrecht para desfrute próprio e de seu mentor, o deputado federal Andres Sanches (PT).

Abraçado a ele está Basílio, tratado como “herói” por conta do gol de 1977, apesar de ter vendido a camisa da conquista ao primeiro que apareceu, não se constranger em embolsar dinheiro dos jogos de masters do clube (depósitos são efetuados em sua conta) e posar ao lado de gente acusada de roubar o Corinthians.

No flanco direito, está o ex-diretor de futebol Edu “Gaguinho” Ferreira (ligado a Andres Sanches) abraçado com Donato “da Erva” Votta, que diziam-se indignados com a corrupção enquanto encabeçavam o movimento “Fora Dualib”, mas não mais a combateram após aceitar cargos nas gestões posteriores, mesmo após promessa de que jamais o fariam.

Descobriu-se, depois, que o “Fora Dualib”, que se dizia “apolítico”, era patrocinado com dinheiro do empresário de jogadores Kia Joorabchian, repassado por Andres Sanches, que se tornou chefe de todos eles.

“Renovação e Transparência”, que é o nome do grupo político do qual alguns deles fazem parte, diante desse contexto e doutras revelações bem mais graves ao longo da última década, bem poderia ser nome de prostíbulo, local em que desfrutáveis fazem de tudo em troca de dinheiro.

Tostão defende Paulo Autuori

maio 21, 2017

“(Paulo) Autuori é um técnico com muitos conhecimentos, sério e que tem senso crítico.”

“Por contestar a CBF, o que é raro entre os treinadores, é criticado pelos amigos da entidade.”

(trecho da coluna de TOSTÃO, na FOLHA)

Ricardo Teixeira vai delatar

maio 20, 2017

O ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira, está negociando acordo de delação premiada com o Departamento de Justiça americano.

A informação é da coluna Radar, da Veja.

Diferentemente do que ocorre no Brasil, em que a delação proíbe a mentira, mas não pune a omissão, nos EUA o acordo somente é ratificado se as checagens constatarem que o delator está, de fato, despejando todas as cartas à mesa.

Pelo que se sabe do submundo que cercou sua longa gestão na Casa Bandida, muita gente, além de Marco Polo Del Nero, poderá ter problemas futuros para viajar.

Políticos, cartolas, jornalistas e empresários relevantes do setor de comunicação ajudaram, de alguma maneira, a manter o reinado que, comprovadamente, era alicerçado na prática sistemática de corrupção.

Andres Sanches (PT) recebeu R$ 550 mil da JBS

maio 20, 2017

Andres Sanches, Nilza Fiuza (chefe gabinete Dilma Rousseff em SP) e Edinho Silva

“Como a gente procedia? O Edinho trazia as demandas, eu pegava as demandas… Dinheiro de propina… Os bilhetes estão aqui… Tem que depositar tanto no PT nacional, tanto na Dilma presidente, tanto no PT dos estados…Todas doações dissimuladas. O que estou falando aqui é que o dinheiro da campanha, nenhum é dinheiro limpo.”

(JOESLEY BATISTA, dono da JBS, em delação premiada ao MPF)


O deputado federal Andres Sanches (PT) recebeu R$ 550 mil em doações de campanha oriundos, segundo o proprietário da JBS, de propina paga pela empresa aos políticos do partido.

A quantia, conforme descrito por Joesley Batista, era paga endinheiro aos diretórios do PT e depois distribuídas aos receptores finais.

Era função de Edinho Silva, à época tesoureiro de campanha de Dilma Rousseff, hoje Prefeito de Araraquara, escolher o destino dos pagamentos indevidos, mas formalizados para dar ar de legalidade à operação.

Vale lembrar que Silva, conforme revelou o Blog do Paulinho, no mesmo período, ajudou a movimentar dinheiro de Andres Sanches em gráficas que hoje, sabe-se, tratavam-se de empresas de fachada, em operação investigada pela Operação Lava-Jato da Polícia Federal como “lavagem de dinheiro”.

https://blogdopaulinho.com.br/2016/07/28/despesas-de-campanha-de-andres-sanches-sao-desviadas-para-empresas-fantasmas-do-pt-e-a-uma-laranja-de-19-anos-2/

Foram cinco depósitos, segundo prestação de campanha oficial do ex-presidente do Corinthians, protocolada no TSE:

  • R$ 100 mil em 19/09/2014, pagos pelo cheque nº 850107, do Diretório Estadual Distrital, com a anotação “JBS S/A”;
  • R$ 100 mil em 25/09/2014, pagos pelo cheque nº 851541, do Comitê Financeiro Único, com a anotação “JBS S/A”;
  • R$ 100 mil em 30/09/2014, pagos pelo cheque nº 851619, do Comitê Financeiro Único, com anotação “JBS S/A”;
  • R$ 100 mil em 01/10/2014, pagos pelo cheque nº 852022, do Comitê Financeiro Único, com anotação “JBS S/A”;
  • R$ 150 mil em 16/10/2014, pagos pelo cheque nº 854989, do Comitê Financeiro Único, com anotação “JBS S/A”.

Somente o empresário Paulo Garcia, dono da Kalunga, com R$ 635 mil, doou à campanha de Andres Sanches, oficialmente, mais do que a JBS, e, em contrapartida, além de favorecer os negócios do irmão, Fernando Garcia, agente de jogadores no Parque São Jorge, em sequencia indicou três dirigentes ao clube: Flavio Adauto (futebol), Antonio Rachid (secretaria da Presidência) e Emerson Piovesan (financeiro).

O Brasil e seus sócios

maio 20, 2017

BRASIL (letra e música do genial Cazuza)

Não me convidaram
Pra essa festa pobre
Que os homens armaram pra me convencer
A pagar sem ver
Toda essa droga
Que já vem malhada antes de eu nascer

Não me ofereceram
Nem um cigarro
Fiquei na porta estacionando os carros
Não me elegeram
Chefe de nada
O meu cartão de crédito é uma navalha

Brasil
Mostra tua cara
Quero ver quem paga
Pra gente ficar assim
Brasil
Qual é o teu negócio?
O nome do teu sócio?
Confia em mim

Não me convidaram
Pra essa festa pobre
Que os homens armaram pra me convencer
A pagar sem ver
Toda essa droga
Que já vem malhada antes de eu nascer

Não me sortearam
A garota do Fantástico
Não me subornaram
Será que é o meu fim?
Ver TV a cores
Na taba de um índio
Programada pra só dizer “sim, sim”

Brasil
Mostra a tua cara
Quero ver quem paga
Pra gente ficar assim
Brasil
Qual é o teu negócio?
O nome do teu sócio?
Confia em mim

Grande pátria desimportante
Em nenhum instante
Eu vou te trair
(Não vou te trair)

Rosenberg utilizou-se de preposto para trazer patrocinador enrolado na justiça ao Corinthians

maio 20, 2017

O UOL revelou, ontem, que a Universidade Brasil, empresa do grupo UNIESP, absolutamente enrolado na Justiça, com dezenas de denúncias que variam desde crimes ligados ao estelionato até calotes milionários (somente num processo a execução é de R$ 40 milhões), com TACs descumpridos junto ao MF e também à AGU, além de objeto de CPI na Assembleia de Deputados em São paulo, foi trazida ao Corinthians pelo ex-vice-presidente alvinegro Luis Paulo Rosenberg.

https://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2017/05/19/parceiro-com-historico-de-fraude-foi-ao-corinthians-com-andres-e-rosenberg.htm

Participou da operação, também, o “dono do clube”, Andres Sanches, com anuência do presidente Roberto “da Nova” Andrade, que desde o acordo firmado com o deputado, que garantiu-lhe êxito em recente processo de impeachment, não consegue negar pedido algum do parlamentar.

Todos negam recebimento de vantagens.

Porém, bastidores da negociação indicam, no mínimo, procedimentos suspeitos no episódio.

A UNIESP foi trazida a Andres Sanches por um de seus benfeitores políticos, Osmar Basílio, presidente do CORI (órgão que, em tese, deveria fiscalizar o Corinthians), por conta da amizade que mantém com Fernando Costa, proprietário da Instituição.

O deputado, então, colocou Rosenberg no circuito, que dialogou com o marketing alvinegro e tratou de, no mínimo em duas reuniões, tocar o fechamento do negócio.

Não haveria, diante deste quadro, a necessidade de intermediários para alinhavar o acordo, muito menos pagamento de comissionamento a terceiros, levando-se em consideração que todos os nomes ligados ao Corinthians negam os recebimentos.

Porém, conforme revelou o Blog do Paulinho durante a semana, existiu uma empresa que intermediou, oficialmente, o negócio (apesar de sequer ter sentado à mesa), sob comissionamento (pago pelo Corinthians), de nome Brazilian Sports Management Consultoria Esportiva Ltda, que, em verdade, tratava-se de uma revendedora de cosméticos denominada “Egydio Zeppelini Junior Representações Ltda”, fundada em 1998, mas que teve o objeto social e o nome alterados, convenientemente, quatro meses atrás, em janeiro de 2017.

Seu proprietário é o associado do Palmeiras, Cesar Zepellini, membro da Chapa Academia (que concorreu ao conselho palestrino), mentor do sistema financeiro (criação de um Fundo) que orquestrou o empréstimos do ex-presidente Paulo Nobre ao Verdão.

https://blogdopaulinho.com.br/2017/05/18/patrocinador-do-corinthians-foi-investigado-em-cpi-da-assembleia-legislativa-de-sao-paulo/

O empresário é parceiro comercial de Luis Paulo Rosenberg.

Coincidência semelhante somente no negócio “Poá Textil”, que depois virou “SPR”, gestora das franquias que negociam produtos com a marca do Corinthians, que tem Caio Campos, braço direito de Rosenberg enquanto dirigente alvinegro, na condição de CEO da empresa, ou seja, principal operador administrativo e comercial.

JBS depositou R$ 1,8 milhão em conta ligada a Antonio Palocci (PT)

maio 20, 2017

Revelamos, recentemente, as quebras de sigilos bancários, pessoal e das empresas, do líder petista Antonio Palocci, ex-Ministro nos Governos Dilma Rousseff e Lula.

https://blogdopaulinho.com.br/2016/09/26/integra-do-relatorio-das-movimentacoes-bancarias-de-antonio-palocci-pt-2/

Dentre diversas anotações suspeitas, consta depósito de R$ 1.848.845,00 oriundo da empresa JBS, que acaba de delatar pagamento de propinas a diversos políticos nacionais.

A conta agraciada pertence à Projeto – Consultoria Empresarial e Financeira Ltda, com sede fiscal na cidade de São Paulo, composta societariamente por Antônio Palocci Filho (98%), André da Silva Palocci (1%) e James Adrian Ortega.

A empresa, segundo investigações da PF, era utilizada pelo petista para emitir notas fiscais em troca de propina, quase sempre dissimuladas em contratos fajutos de palestras e consultorias que nunca aconteceram.

Conselheiros do Palmeiras criticam Cuca por priorizar campeonatos

maio 20, 2017

O Palmeiras enfrentará a Chapecoense com sua equipe reserva, logo mais, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro.

A escolha de Cuca por priorizar a Libertadores vem sendo criticada por diversos conselheiros palestrinos.

O argumento é de que o clube não pode dispensar premiações por resultados expressivos na Copa do Brasil, Brasileiro e Libertadores que, somadas, podem atingir valores próximos a R$ 80 milhões.

“É 1/4 do faturamento anual do clube com o futebol”, disse um destes conselheiros em conversa com o blog.

A pressão se dá também entre adeptos da gestão.

Em seu blog, Gilto Avallone, que é membro do COF palestrino, declarou:

“Há bônus também dos patrocinadores, da camisa que investiram uma enxurrada de dinheiro em contratações e as suas marcas tem que ser vitoriosas junto com a equipe, em todas as competições, não nos esquecendo do fornecedor de material esportivo.”

Os próximos resultados do Palmeiras serão decisivos para amenizar ou esquentar de vez o clima dos bastidores.

Coluna do Fiori

maio 20, 2017

fiori - dicunto

FUTEBOL: POLÍTICA, ARBITRAGEM E VERDADE

Fiori é ex-árbitro da Federação Paulista de Futebol, investigador de Polícia e autor do Livro “A República do Apito” onde relata a verdade sobre os bastidores do futebol paulista e nacional.

http://www.navegareditora.com.brEmail:caminhodasideias@superig.com.br

apito limpo

“Enfrentar preconceitos é o preço que se paga por ser diferente”

Luiz Gasparetto – é um psicólogo de formação, médium psicopictográfico, escritor e locutor brasileiro.

—————————————————————

Honra

Por ter encarado e continuar encarando os comandos da CBF, FPF e entidades de classe quanto às comprovadas mazelas do ontem, e possíveis do hoje, meu afamar de pirado continua sendo vomitado por componentes da extensa e interminável patota dos dependentes e incapazes que se sobressaíram e sobressaem nos imundos corredores da arbitragem do futebol

—————————————————————

Primeira Rodada da Série A do Brasileirão – 2017

Sábado 13/05

Corinthians 1 x 1 Chapecoense

Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha (CBF-GO)

Item Técnico

Deixou de marcar faltas, invertendo outras

Item Disciplinar

Anteriormente advertidos com cartão amarelo, durante a segunda etapa, por duas, ou três vezes, em fatos distintos, Fagner, defensor corintiano e Wellington, atacante da Chapecoense foram acintosos ao discordar das suas decisões, mesmo assim, na cara dura, o principal representante das leis do jogo deixou passar batido

Rematando

Como sempre! Arbitragem meia boca do conhecido Elmo Resende Cunha

Domingo 14/05/17

Fluminense 3 x 2 Santos

Árbitro: Wagner Reway (FIFA-MT)

Item Técnico

A penalidade máxima que deu origem ao segundo gol do Fluminense não aconteceu, naquele momento a contagem apontava 1 x 1, sem titubear, vendo que perderia a posse da bola, o atacante do Fluminense colocou o pé para traz com objetivo de impedir que seu oponente alcançasse à redonda, este fato, provocou o choque em seu pé, e, malandramente se lançou ao solo

Palmeiras 4 x 0 Vasco da Gama

Árbitro: Rodolpho Toski Marques (FIFA-PR)

Item Técnico

Correto por ter sinalizado as duas penalidades máximas em cima do palmeirense Dudu, que, pós-batidas, embrenharam-se na meta adversaria

Item Disciplinar

Muito papo e pouca ação, vez que, apesar de ter amarelado dois dos defensores vascaínos, deixou de fazê-lo aos palmeirenses

Politica

O Brasil decente não livra ninguém

Os seguidores de seitas políticas, acostumados a simular revolta em função das “injustiças” cometidas contra o chefe com a desfaçatez de um jogador malandro que mergulha na área para fingir ter sofrido pênalti, e a cobrar tratamento idêntico a quem consideram estar do outro lado da contenda por eles inventada ainda que Temer tenha sido escolhido e votado pelos petistas, terão de criar novos argumentos. O Brasil decente jamais pregou justiça seletiva, tampouco alimenta bandidos de estimação.

Qualquer político, ocupante do cargo que for pego com a mão na massa, tem de ser punido de maneira exemplar. Somente os tolos congênitos e os idólatras de delinquentes se apegam a questões ideológicas para exigir punições ou a ausência delas de mão única. Delações premiadas, até ontem desqualificadas por essa tribo, agora são reverenciadas. A cobertura do que chamam de “mídia golpista” agora é válida. Ao menos para isso já serviu. Ainda é cedo para se examinar com profundidade a notícia que abalou o Brasil nesta quarta-feira, afirmações mais contundentes agora seriam até irresponsáveis, mas, ao que parece, é tudo isso mesmo, e a primeira impressão é de que não há muita margem para desmentidos.

Seja como for, qualquer brasileiro decente quer a punição de todos, todos mesmo que, alojados no poder, comportaram-se de maneira, como está na moda dizer, nada republicana. Que o presidente Michel Temer, o senador Aécio Neves e outros literalmente menos votados respondam por seus atos e sejam punidos de acordo com a gravidade do que tenham cometido.

Ninguém com o mínimo de bom senso é contra isso. Mas que não se iludam os defensores de Lula, porque o delinquente-mor marcha célere a caminho da cadeia.

Eliziário Goulart Rocha – Jornalista e escritor

—————————————————————–

Preferência

Na hipótese do presidente Temer renunciar ou for deposto, creio que a eleição será indireta; com isso, continuaremos a ser usados por maioria dos deputados e senadores que escolherão o novo presidente em voto secreto. Certamente! Aquele que oferecer melhores condições$$$$$$$$$$ saltara do congresso para o planalto

—————————————————————–

Finalizando

Chega de Corruptos e Corruptores

Se liga São Paulo

Acorda Brasil

SP- 20/05/2017

Ouça abaixo os programas “COLUNA DO FIORI”, desta semana, que foram ao ar pela rádio Rock n’ Gol

*A coluna é também publicada na pagina Facebook:  “No intervalo do Esporte”

*Não serão liberados comentários na Coluna do Fiori devido a ataques gratuitos e pessoais de gente que se sente incomodada com as verdades colocadas pelo colunista, e sequer possuem coragem de se identificar, embora saibamos bem a quais grupos representam.

STF autoriza penhora das contas de Andres Sanches para pagamento de dívidas com a Receita Federal

maio 19, 2017

Desde 2012, a Fazenda Nacional, através de ação de Execução Fiscal impetrada na justiça de São Paulo, tenta receber R$ 12,7 milhões do deputado federal Andres Sanches, seu parentes e “laranjas”, referentes à sonegação de impostos oriunda de “golpe de arara”, tratado como tal, oficialmente, em relatório da Receita Federal.

O crime consiste em utilizar-se de empresas de “fachada”, no caso a Orion Embalagens, colocá-las em nome de “laranjas” para usufruir, anonimamente, de empréstimos junto ao sistema financeiro e compra vultuosas com fornecedores, sem o objetivo de honrar os referidos compromissos.

A ação da Fazenda, por conta do foro privilegiado do parlamentar, foi anexada a outro procedimento, criminal, no STF, que investiga os crimes referentes a este negócio, sob julgo do Ministro Alexandre de Moraes.

Antes, porém, Sanches havia conseguido, em 2015, suspender a execução até julgamento do mérito.

Agora não mais.

O STF decidiu levantar o impedimento, enviando oficio ao TJ-SP, reiniciando imediatamente a cobrança, penhoranado as contas do ex-presidente do Corinthians e seus parceiros de negócios.

Diz trecho de despacho, datado de 03/05/2017, na ação nº 0001479-84.2012.8.26.0106:

“Não vislumbro mais razão para manter o processo suspenso, diante do decidido pelo STF. Defiro a penhora on-line requerida, cumprindo a Serventia o necessário.”

O valor atualizado da dívida é de R$ 17,6 milhões.

Ao autorizar a Execução Fiscal contra Andres Sanches, subtende-se que o STF desconsiderou argumentação do deputado, que, em defesa no procedimento criminal em trâmite alegou não ser proprietário da Orion Embalagens, indiciando provável condenação futura, que poderá, em sendo confirmada, retirar-lhe o foro privilegiado, complicando-lhe ainda mais a vida noutro processo em que está sendo investigado, acusado de receber propina da Odebrecht para facilitar a vida da construtora nas obras do estádio de Itaquera.


%d blogueiros gostam disto: