Archive for novembro \28\UTC 2014

Crime de morte deve ser punido com prisão perpétua

novembro 28, 2014

bandido-encapuzado1-275x300

Calejado pela vida, raramente este jornalista se espanta com o que observa nos principais noticiários policiais da televisão brasileira.

Ontem, porém, senti enorme repulsa, indignação e desejo de premiar com a pena de morte – da qual sou contra – três menores de idade que barbarizaram um garoto de 16 anos, executaram-no com requintes de crueldade e filmaram tudo no celular, em cenas que foram exibidas, em parte, pelo programa do Datena.

Esse “jovens” são inadequadamente protegidos pelo Estatuto do Adolescente.

São marginais irrecuperáveis, protagonistas de um crime sem volta, que é tirar a vida de alguém.

As leis devem, sim, proteger menores de idade que, eventualmente, cometam delitos leves – desde que não reincidam – encaminhado-os para tratamento ou exercício de reabilitação.

Tratar menores monstruosos, como os exibidos pela matéria do Datena, com o mesmo peso de um pequeno infrator é submeter a sociedade ao convívio com bandidos ainda mais cruéis do que os adultos, que, ao menos, ainda temem alguma punição.

Faz-se necessário, com urgência, uma revisão profunda no Código Penal brasileiro, com a introdução da pena de prisão perpétua para quem tira a vida de um ser-humano.

Seja o criminoso de que idade for.

É a única maneira de minimizar – porque jamais será reparada – a dor de uma família com parente assassinado por monstros, que, quando não protegidos pelo “bom comportamento” na cadeia, que atenua as penas, o são pelo Estatuto do Adolescente, que coloca no mesmo balaio bandidos sanguinários e adolescentes problemáticos.

Parceiro de Pescachaça, julgado por estelionato, processa Palmeiras na Justiça, e perde

novembro 28, 2014

image

Izidoro Lopreto Filho, julgado pela Justiça por Estelionato, membro da Mancha Verde, ingressou com ação de Medida Cautelar contra o Palmeiras, na última terça-feira.

A intenção era a de tumultuar as eleições.

No mesmo dia, a 1ª Vara Civil, em despacho do juíz Arthus Fucci Wady, indeferiu a liminar.

Vale lembrar que em recente vídeo, amplamente difundido na internet, o candidato a presidente do Palmeiras, confessadamente embriagado, não por acaso apelidado “Pescachaça”, revelou sua proximidade com a referida personalidade, ao incumbir-lhe a tarefa de aproximar sua gestão, caso eleito, das facções criminosas “organizadas” que se dizem torcedores do Palmeiras:

“O que vocês precisarem, o Izidoro vai fazer o meio-de-campo”.

Convenhamos, o Palmeiras, que já está em situação tão difícil, não merece cair nas mãos de gente com nível tão lamentável.

isidoro 2

EM TEMPO: vale lembrar que o diretor de futebol do Palmeiras, em caso de vitória de Pescachaça, será Carlos Degon, que dispensa apresentações no Palestra Italia, tamanha imundice de procedimentos, entre os quais agressão ao sócio João Carlos Mani, intimidação e truculência de grupos rivais, e promiscuidade com as “organizadas”.

Estômago de Roberto Vieira não aguentou bastidores do Náutico

novembro 28, 2014

roberto vieira

Em 04 de novembro, o poeta Roberto Vieira, de caráter a toda prova, caiu na cilada de aceitar o cargo de Coordenador de Comunicação do Náutico.

Obviamente, pelo amor que sente e demonstra pelo clube.

A aventura, conforme temor que explicitamos em postagem no mesmo dia, não durou sequer um mês.

https://blogdopaulinho.wordpress.com/2014/11/04/roberto-vieira-e-o-novo-coordenador-de-comunicacao-do-nautico/

Educado, Vieira saiu do clube, mas limitou-se a explicar o episódio de maneira protocolar, evitando tumultuar ainda mais um ambiente absolutamente impróprio para quem tem por hábito a honestidade.

Em nossa apuração, podemos dizer que o estômago do poeta, acostumado ao lirismo dos gramados, não suportou o cheiro desagradável dos bastidores.

“Valdivia é um vagabundo da bola”, diz Muller após informação que chileno não enfrentará Internacional

novembro 27, 2014

PAL SÃO PAULO 22/04/2011 - ESPORTES - PALMEIRAS - Treino do Palmeiras na Academia de Futebol preparativo para jogo contra o Mirassol.FOTO SERGIO

“O Valdívia é um vagabundo da bola. Não é jogador para o Palmeiras”

Poucas vezes concordamos com o ex-jogador Muller em comentários a respeito de futebol, mas, desta vez, é impossível não lhe dar os parabéns pela franqueza e acerto nas colocações.

A declaração aconteceu durante um desses programas de baixo nível, da BAND.

Valdívia está fora da decisiva partida do Palmeiras, em vias de seu terceiro rebaixamento, contra o Internacional.

Não se sabe, por dor na unha ou fratura no cabelo.

Sequer viajará com o grupo, mesmo recebendo salário milionário e posando de craque – que nunca foi – do time.

Qualquer diretoria séria, absorveria o prejuízo financeiro – que nunca mais será recuperado – daria-lhe um pé nos fundilhos e o expulsaria do Palestra Itália.

“Vagabundo”, como definiu Muller, é um termo até ameno para tratar um dos maiores embustes da história do futebol palmeirense, muito mais preocupado em jogar nas boates da vida do que honrar a camisa de um clube que lhe alçou para a indevida fama.

Irmão de Paulo Garcia cobrou 10% para emprestar dinheiro ao Botafogo. Quanto terá cobrado do Corinthians ?

novembro 27, 2014

paulo garcia e irmãos

Ontem, matéria do Globo Esporte escancarou, com documentos, os procedimentos do grupo de empresários de atletas, liderados por Fernando Garcia, irmão do dono da Kalunga, Paulo Garcia, para emprestar dinheiro aos clubes de futebol.

10% de comissão, além dos juros, acima das taxas cobradas em mercado.

A prática dá margem a diversas interpretações, inclusive a de divisão de valores com os avalistas de empréstimos dos respectivos clubes.

Vale lembrar que, além da operação financeira, os dirigentes de futebol contratam os jogadores do “emprestador”, e, com a desculpa de “quitar a despesa”, concedem-lhe, ainda, percentuais de jovens promessas.

No Botafogo, documento comprovou R$ 6 milhões em empréstimos – em duas operações – com a cobrança de 10%.

As dúvidas são:

– quanto Fernando Garcia cobrou para emprestar muito mais dinheiro ao Corinthians ?

– Até onde sabe, Fernando Garcia é, também, dono de empresa ligada a comercialização e fabricação de materiais escolares, de escritório e assemelhados. Não estaria praticando crime de agiotagem ao agir como instituição bancária ?

– Paulo Garcia, candidato a presidente do Corinthians, que já defendeu as práticas empresariais do irmão em negócios com o clube, e é seu sócio na Kalunga e na Spiral, sabia dessas práticas de aparente agiotagem ? Ou pior, as aprova ? Vai defendê-las ?

– No Botafogo os documentos estão escancarados. Quando o Corinthians mostrará a seus conselheiros os detalhes dos empréstimos realizados, irregularmente, segundo Estatuto Alvinegro, por Garcia ao clube de Parque São Jorge ?

contrato bota 1

contrato bota 2

Derrota do São Paulo ratificou mais um fracasso de Pato na carreira

novembro 27, 2014

pato e raul

O São Paulo, com ótima atuação na segunda etapa, merecia ter se classificado para as finais da Copa Sul-Americana, em meio a bolas na trave e jogadas inspiradíssimas de Paulo Henrique Ganso, autor do gol Tricolor.

Mas as penalidades, com direito a escorregão de Alan Kardec, não permitiram.

Acontece.

Mas para quem assistiu a partida, ficou absolutamente clara mais uma tentativa decepcionante de dar rumo à carreira, absolutamente fracassada – não financeiramente, diga-se de passagem – de Alexandre Pato.

Quando um treinador do gabarito de Muricy Ramalho, precisando vencer, lança mão de todas as armas possíveis ao final do jogo, e, mesmo próximo da decisão por penais, sequer aventa a possibilidade de tirar Pato do banco, fica demonstrada a inutilidade do atleta e a falta de confiança em seu poder de decisão.

Os próximos meses serão complicados para dar novos rumos à carreira do jogador.

Todos os envolvidos falarão bem do atleta pela mídia, evitando desvalorizá-lo, mas ninguém vai querer assumir o mico, tentando, quem sabe, empurrá-lo para algum desavisado do Leste Europeu, local em que pouco importa o futebol, mas a porta aberta para lavagem de dinheiro.

Se nem assim as coisas de resolverem, caberá ao Corinthians continuar arcando com as despesas, até que o vínculo se encerre e os mais de R$ 40 milhões – R$ 15 milhões em comissões – não mais possam ser recuperados.

Corinthians: choro e desânimo depois do “churumelas”

novembro 27, 2014

palhaço triste melancolia

Ontem, menos de 24 horas após o jantar da “Confraria dos Churumelas”, aliados de Osmar Stabile demonstravam, nas mídias sociais, extrema preocupação com os rumos da campanha política de seu grupo, que aposta no nome de Paulo Garcia como candidato a Presidente.

Leonel Valdir de Oliveira, o Bola, “manda-chuva” da sauna no Parque São Jorge, desabafou, em mensagem enviada ao Dr. Haroldo Dantas, braço direito de Stabile:

“É Dr. Haroldo Dantas… tentei o máximo. Depois de ontem joguei a toalha. E você sabe o que estou falando… Pra mim o navio afundou…”

Na sequencia, quem respondeu, com alguma melancolia, foi o comerciante Eduardo Lopes, também presente ao evento:

“Eu particularmente, não gosto desses termos: cacique, índio, comandante… prefiro: candidatos, eleitores, associados, coordenadores, simpatizantes, amigos…

Também não gosto do termo INIMIGO.

Inimigo é para a guerra, a gente quer matar, se não é você que vai morrer. Prefiro chamar de concorrente… Deixa pra lá…”

Por fim, o associado Carlos Alberto Patono resumiu bem a tônica do sentimento de todos:

“Estão dando risada da gente”…

Resta saber de quem falava.

Se do grupo de Paulo Garcia, que insiste em adiar seu posicionamento, e, para os aliados de Osmar diz “estamos juntos”, enquanto nos bastidores, em meio aos seus, alega “estar junto por necessidade”, ou dos situacionistas, representados pelo que há de mais lamentável da política alvinegra, desde bicheiros até “alaranjados”, que, silenciosamente, se aproveitam da confusa atuação do dono da Kalunga.

O esporte a serviço da lavagem de dinheiro

novembro 27, 2014

Bicheiros, negociatas, documentos falsos: saiba como V(W)anderlei(y) Luxemburgo está pegando dinheiro do Flamengo

Por JOSÉ CRUZ

http://josecruz.blogosfera.uol.com.br/2014/11/o-esporte-a-servico-da-lavagem-de-dinheiro/

A “Operação Trevo” da Polícia Federal está desmontando uma quadrilha de lavagem de dinheiro que agia em 13 estados e usava o esporte como disfarce.

O grupo promovia sorteios semanais a partir da venda de títulos de capitalização, repassando parte da arrecadação para entidades beneficentes de fachada ou federações de tênis.

O ponto de partida da ação policial foi Pernambuco, com 12 mandados de prisão temporária, 24 de prisão preventiva, 57 de busca e apreensão e 47 mandados de sequestro de valores foram cumpridos.

capssPara a polícia, os valores arrecadados eram repassados às entidades filantrópicas de fachada ou instituições esportivas, fazendo com que o dinheiro ilícito retornasse ao grupo, numa operação que caracteriza lavagem de dinheiro.

Em 2012, a parceria dos sorteios era com a Confederação Brasileira de Tênis (CBT). A partir de 2013, as beneficiadas foram as federações estaduais. Porém, não se tratava de “capitalização”, mas sorteio, apenas. Na própria cartela havia um aviso, em letras minúsculas: o dinheiro “capitalizado durante o ano” seria destinado integralmente à federação de tênis dos estados envolvidos.

Além de Pernambuco, a operação da polícia se estendeu por Alagoas, Amazonas, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande do Sul. Em Brasília, a Federação de Tênis já esta sendo investigada pela Polícia Civil do Distrito Federal.

Depois do escândalo dos bingos, proibidos por lei, essa é a nova forma de usar instituições esportivas para lavagem de dinheiro. É assim que a Confederação de Tênis, filiada ao Comitê Olímpico do Brasil (COB), e federações estaduais filiadas, acabam fortalecendo a ação de quadrilhas criminosas de lavagem de dinheiro.

O novo livro de Valdir Appel

novembro 27, 2014

appel livro

Galo ganha sua primeira, e mais festejada, Copa do Brasil

novembro 26, 2014

galo copa brasil

Por JUCA KFOURI

Um dia, quem sabe, os legisladores brasileiros se darão conta de que a obrigatoriedade de se tocar o Hino Nacional antes de quaisquer jogos de futebol pelo Brasil afora acaba como um tiro pela culatra, um desrespeito, por não fazer parte de nossa cultura e pela banalização do ato.

Não se ouviram os acordes hoje no Mineirão, como acontece com frequência pelos estádios espalhados pelo país afora.

Mas vamos ao jogo, que é o que interessa.

O 149o. clássico mineiro no mau gramado de um estádio da Copa do Mundo, começou com o Cruzeiro de branco e o Galo de branco e preto.

O Mineirão, fruto da mesquinhez e da burrice de nossa cartolagem, não estava nem perto de estar lotado.

E com o Galo no ataque.

O Cruzeiro sem Mayke, mas com Ceará, e com Nilton em vez de Lucas Silva.

O rival ainda sem Guilherme e, ousado, com Rafael Carioca em vez do marcador Pierre.

O sétimo Cruzeiro x Galo do ano, três vitórias atleticanas e três empates, tinha o Alvinegro dando as cartas.

Aos 12, bola roubada de Nilton, Luan deu para Marcos Rocha fazer o gol fatal e Fábio impediu, com o rebote sobrando ainda para Diego Tardelli que bateu na rede pelo lado de fora.

Três minutos depois, uma bola vadia em ligação direta do goleiro Fábio sobrou para Ricardo Goulart que pegou mal e desperdiçou ótima chance.

Aos 24, Tardelli, de joelho, não só perdeu o gol debaixo da trave como evitou que Jemerson, atrás dele, fizesse.

Por ironia, Tardelli não jogava bem, errava passes sem parar e, por azar, Luan se machucou e foi substituído por Maicosuel, aos 30.

Quatro minutos depois, troca de empurrões na intermediária do Galo.

Sim, o jogo era tenso, mas leal, em gramado pesado.

Aos 40, um cruzamento de Dátolo desviou no ombro de Ceará e quase entrou, saindo a escanteio.

Dois minutos depois, Maicosuel viu Fábio sair aos seus pés em ótimo passe de Tardelli e, no rebote, Dátolo mandou nas nuvens.

O Cruzeiro agradecia ao céu o empate no primeiro tempo que, no entanto, dava o título inédito da Copa do Brasil ao rival: 2 a 0 não seria injusto.

E o 1 a 0 foi justíssimo porque se Tardelli não jogava o que se esperava dele, aos 47 ele escorou de cabeça um ótimo passe de Dátolo e o Galo foi para o intervalo na frente.

Sim, 3 a 0 para o Galo. A Raposa teria de fazer quatro.

O Galo estava pertíssimo de ganhar a mais festejada das Copas do Brasil desde a primeira, em 1989, e a mais difícil desde 2001 porque, nesta 26a. edição, com os participantes da Libertadores.

Willian Farias voltou no lugar de Henrique, também machucado, no time azul, isto é branco nesta noite.

Logo aos 6, por pouco, Maicosuel não ampliou.

O Cruzeiro dava sinais de cansaço, a torcida de desânimo e, aos 16, Dagoberto entrou no lugar de Willian.

Chovia em Belo Horizonte quando faltavam 25 minutos para o Galo ser campeão e, de quebra, voltar à Libertadores.

Aos 24 foi a vez de Rafael Carioca se machucar.Pierre entrou.

Seis minutos depois, Dátolo carimbou o travessão de Fábio, de fora da área.

A tríplice coroa ia para o espaço na quarta vitória de Levir Culpi em 2014 sobre o tri vice-campeão da Copa do Brasil, o estupendo Marcelo Oliveira.

Julio Baptista entrou no lugar de Ceará depois que o Cruzeiro quis mão na bola de Leonardo Silva em lance de bola na mão.

A vitória era mais que justa e por menos do que deveria embora o empate pudesse ser um consolo para o campeoníssimo Cruzeiro, que via escapar o penta.

Aos 39, Leandro Donizete foi expulso por agredir Dagoberto e Eduardo entrou no lugar de Tardelli, herói da noite.

O Galo festeja com todos os méritos.

Crônica de um mentiroso arrependido

novembro 26, 2014

pinoquio6

*republicado em homenagem às divertidas incursões judiciais de Mentirosos Natos e seus advogados amestrados

Paulinho, muito obrigado pelo espaço.

Nunca imaginei escrever em seu blog fantasma.

Desculpe-me por ter apoiado o Kia Joorabchian quando ele te ofendeu em comunicado oficial da MSI.

Ele me dava dinheiro para falar bem de jogadores dele.

Espero que me entenda.

Fiquei chateado com você quando escreveu aquele artigo me criticando, por isso pedi para que o seu blog fosse retirado do ar na primeira vez.

Confesso ter sido fácil, eles me patrocinavam.

Achei que ia cortar o mal pela raiz, mas me enganei.

Quando ficou amigo do meu ídolo no jornalismo perdi a linha.

Porque ele te dava atenção e me desprezava ?

Já não bastava a amizade dele com aquele cara que faz o programa com ele ?

A inveja me consumia.

Justo eu que falei um dia que ele era uma referencia de ética na profissão.

Eu o idolatrava.

E ele parou de falar comigo só porque vendi meu caráter.

Comecei a fazer propaganda.

Minha ganância foi maior do que a razão.

Fiquei rico, mas tive que fazer muita coisa errada.

Pensa que é fácil ?

Tive que aprender a conviver com o desprezo dele.

Não suportei.

Comecei a atacá-lo, menti de maneira compulsiva.

Entrei em depressão, mesmo assim ele não me deu bola.

Meu lado sujo começou a sobressair.

Tinha que competir com ele.

Comecei a me corromper.

Aceitei dinheiro do Wagnão, empresário de jogador, para falar bem de um atleta que saiu de uma equipe pequena da capital paulista, fez uma ponte rápida em um grande clube e teve como destino final a Alemanha.

Paulinho peço que me entenda.

Se você tivesse recebido R$ 100 mil em dinheiro para falar bem de um jogador por apenas duas semanas teria a coragem de recusar ?

Até hoje não sei como descobriu.

Você me deixou apavorado.

Ligou até para o atleta na Alemanha.

Por que fez isso comigo ?

Tenho certeza que se pudesse teria me prejudicado.

Mas são águas passadas.

Minha carreira está uma porcaria.

Fui convidado a me retirar da emissora evangélica.

Logo eu que beijei por diversas vezes a mão do Bispo.

Deve ser castigo.

Eu fiz maldade com aquela rádio que trabalhei por décadas.

Coloquei-os na justiça, fraudei documentos, menti para o juiz e ainda consegui ganhar uma causa trabalhista.

Quanta ingratidão com um lugar que me deu de comer.

A vida tinha que cobrar um dia.

Eu não sou um cara ruim, mas depois que as pessoas de bem viraram a cara pra mim só arrumei amigo da pesada.

O “171 do Vale do Paraíba” é meu parceirão.

Me deixa escrever naquela lata de lixo que ele trabalha.

Às vezes coloco alguma coisa dele no meu site também.

Vou te confessar outra mentirinha.

A audiência lá ta meio ruim.

Se não fosse as propagandas já tinham me dado um pé.

Outros amigos meus são gente fina.

Tem o cara que saiu algemado da CPI, o promotor incapez, o empreiteiro dos estádios, o Madureira, o advogado dos bandidos, o homem da sinuca, o amigo do Kia…

Tudo gente de nível.

Tem uns invejosos que falam que, se juntarem todos, a polícia prende por formação de quadrilha.

Mas agora tudo passou.

Pedi pelo amor de Deus para um amigo publicitário comprar um horário em uma rede de TV pra mim.

Devo estrear logo.

Quero te agradecer por ter me deixado falar a verdade aqui.

Não estou acostumado.

Sou um Mentiroso Nato.

Com a vida corrompida.

Com a moral comprometida.

E com uma baita inveja daquele que difamo.

Fazer o quê ?

A gente colhe o que planta.

Cautela na renovação: Guerrero é o melhor do Corinthians, mas não é o craque que a imprensa inventa

novembro 26, 2014

guerrero

O Corinthians não pode cometer a insanidade de renovar contrato com Guerrero, pagando-lhe R$ 5 milhões de luvas, acrescidos de R$ 500 mil mensais, além de bonificações por vitórias e conquistas.

No geral, quase R$ 1 milhão de salários, contando os encargos, por três anos de vínculo.

Guerrero é o melhor jogador de um Corinthians mal administrado no futebol, que realizou contratações suspeitas, e não tem opções de alta qualidade no elenco, mas está muito longe de ser o grande craque pintado em evidente exagero pela imprensa.

Além disso, o novo contrato parte com um atacante na casa dos 31 anos de idade, que, naturalmente sofrerá decréscimo físico, com provável consequencias técnicas, até chegar ao final, em avançados 34 anos.

Mais correto seria, se o intuíto é valorizar o empenho do atleta, que já não ganha pouco – R$ 350 mil – aumentar-lhe, ano a ano, a retirada, sempre com a avaliação no período de se vale a pena ou não estender o vínculo negociado.

Fazer apenas a vontade do jogador, que, convenhamos, somente foi notado com algum prestígio quando chegou ao Corinthians, já com a idade avançada, é reduzir demais a importância alvinegra na vida de qualquer de seus atletas de futebol.

Farsa livra Orlando Rollo de expulsão no Santos. Mas corregedoria da Polícia pode complicar vida do conselheiro

novembro 26, 2014

orlando-rollo.jpg

Conforme adiantado em matéria de ontem, o Conselho Deliberativo do Santos se reuniu para assistir a uma farsa que resultou na absolvição do conselheiro Orlando Rollo, torcedor “organizado”, vice da FPF e candidato a presidente do clube, pela acusação, com farto material comprobatório, de participar do episódio que ficou conhecido como “falsificação das carteirinhas”.

https://blogdopaulinho.wordpress.com/2014/11/25/comissao-de-inquerito-do-santos-enrolla-para-nao-punir-orlando-rollo-no-caso-da-falsificacao-de-carteirinhas/

Após a ratificação da inútil advertência, que proporcionou a Rollo continuar na disputa eleitoral do Peixe, muitos conselheiros, indignados, abandonaram a reunião, e os que sobraram, mesmo assim, inocentaram-no por pequena margem: 52 a 50.

Porém, os “rollos” do dirigente não param por ai.

Além da espera da conclusão do inquérito policial, sobre o mesmo assunto, que pode ainda resultar noutra solicitação de exclusão do candidato no clube, há duas investigações correntes na corregedoria da Polícia sendo acompanhadas pelos conselheiros.

Uma delas indica possível associação de Rollo com o crime organizado.

Currículo, digamos, adequado para os cargos que ocupou, tanto na FPF quanto nas facções formadas por “torcedores”, mas absolutamente imoral a quem deseja comandar uma agremiação com a história do Santos, e vive posando de “maçon” em mídias sociais.

Justiça nega “sigilo” em processo que revelou condenação de Andres Sanches por golpes em empresas

novembro 26, 2014

paulo e andres

Recentemente, divulgamos processo movido por ex-funcionária do agora Deputado Federal Andres Sanches (PT), indicando que o dirigente foi condenado, pela Receita Federal, por aplicar golpes na praça e em instituições bancárias, utilizando-se de “laranjas” em empresas de fachada.

O caso repercutiu e foi parar no TRE-SP, local que, em breve, deverá ser analisado.

Porém, temerosos de que este jornalista voltasse a ter acesso às movimentações, advogados das partes solicitaram “segredo de justiça”, que, em tese dificultaria, mas não impediria, de fato, nossa investigação.

No último dia 19 de novembro, a Justiça negou o pedido, preservando o direito do cidadão de saber a verdade sobre esse tipo de gente.

E o dono da Kalunga, e também da ex-MTV, Paulo Garcia – que não tem o hábito de rasgar dinheiro – mesmo sabendo de tudo o que a Justiça descobriu, e também o que nunca descobrirá – encontrou motivações (quais seriam?) para abastecer a campanha política de um Andres Sanches, “golpista”, segundo a Receita Federal, com mais de R$ 600 mil.

 

processo andres sigilo

A grande Final

novembro 26, 2014

levir e marcelo

Da FOLHA

Por TOSTÃO

A final da Copa do Brasil confirma a supremacia dos times mineiros nos últimos dois anos

Nos dois últimos anos, o Cruzeiro, bicampeão brasileiro, e o Atlético-MG, campeão da Libertadores de 2013 e da Recopa de 2014, foram os maiores destaques entre os times brasileiros. A final da Copa do Brasil confirma essa supremacia.

O Cruzeiro, por ter quase toda a torcida no Mineirão, por desejar demais a conquista da Tríplice Coroa, contra o grande rival, e por estar aliviado, após ganhar mais um Brasileiro, tem razoáveis chances de ser campeão. Do outro lado, o Atlético, com uma ótima vantagem de dois gols, querendo também muito este título inédito, ainda mais contra o Cruzeiro, tem maiores possibilidades de êxito.

O Cruzeiro possui uma equipe eficiente, definida, desde o ano passado, com um estilo clássico, uniforme, sem exageros e sem sobressaltos. Assim como existem jogadores que driblam de uma mesma maneira e não são desarmados, o Cruzeiro tem tido sucesso com uma estratégia bastante conhecida por todos.

A principal jogada da equipe, difícil de ser marcada, são os cruzamentos pelos lados, feitos pelos laterais ou meias. Marcelo Moreno e Ricardo Goulart são excelentes nas jogadas aéreas. A presença de Mayke, veloz, ofensivo e com ótimos cruzamentos, é importante para o Cruzeiro. Existe um grande esforço e uma boa possibilidade de ele jogar. Se não atuar, deve entrar o zagueiro Léo, improvisado, ou um volante (Henrique ou Willian Farias). Outra alternativa, corajosa e arriscada, é colocar, de lateral, um atacante rápido, acostumado a jogar como ponta e a marcar.

Everton Ribeiro acrescenta ao estilo clássico e uniforme do time a beleza, a improvisação, a fantasia e os efeitos especiais de sua maneira barroca de jogar.

O Atlético deve jogar com dois volantes, Rafael Carioca e Donizete. Os dois são mais habilidosos que Josué e Pierre. As melhores atuações do Atlético aconteceram com Dátolo de segundo volante. A solução, em qualquer time, para se ter um meio-campo mais criativo, não é ter apenas um volante. É ter dois –ou pelo menos um– que marquem e que gostem de ficar com a bola e comandar o jogo.

Com o crescimento de alguns jogadores, como Jemerson e Luan, e a contratação de Douglas Santos, bom lateral, titular da seleção olímpica, o Atlético melhorou, após a chegada de Levir Culpi. Antes, Luan era apenas um menino maluquinho. Continua maluquinho, mas com inteligência coletiva e boa técnica.

Os momentos espetaculares do Atlético, com Levir Culpi, aconteceram na vitória por 2 a 0 sobre o Cruzeiro, no Independência, e, principalmente, nas viradas heroicas contra Corinthians e Flamengo. Hoje, é uma situação oposta. É o Atlético que tem a vantagem de dois gols. Em vez do estilo Galo Doido, corajoso e arriscado, o Galo, provavelmente, será um time mais racional, prudente, sem loucuras. Isso é perigoso.


%d blogueiros gostam disto: