Advertisements

Bispos, dinheiro e ‘africanidade’

De O GLOBO

Por DEMÉTRIO MAGNOLI

Igreja Universal passou a ser vista, em Angola, como potencial ameaça

Há uma guerra em curso, em Angola, entre o poder terreno e o poder espiritual. Dias atrás, o governo angolano ordenou o fechamento de diversos templos da Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), sob as acusações de evasão fiscal e lavagem de dinheiro. Atrás do véu das aparências, ocultam-se tensões políticas profundas, que envolvem o Brasil, além dos múltiplos usos do discurso da “africanidade”.

A Universal construiu um império com cerca de 300 templos, 500 mil fiéis e receitas anuais de US$ 80 milhões no país lusófono africano. No passado recente, a influência dos bispos de Edir Macedo não assustava o regime autoritário de José Eduardo dos Santos. A Iurd era aliada dos governos petistas — que, por sua vez, operavam como parceiros econômicos e diplomáticos do homem forte angolano, especialmente pela concessão de financiamentos do BNDES a obras da Odebrecht.

Mas tudo mudou, nos dois lados do Atlântico. Do lado de lá, João Lourenço tomou o lugar de José Eduardo dos Santos, deflagrando expurgos no MPLA, o partido dirigente, eliminando os dirigentes ligados ao antecessor. Do lado de cá, Bolsonaro substituiu o PT, rompendo a parceria com Angola. A única coisa que não mudou foi o “governismo de resultados” de Edir Macedo, que estabeleceu aliança com o presidente brasileiro de extrema-direita. Daí, a Iurd passou a ser vista, em Angola, como potencial ameaça ao sistema de poder de João Lourenço.

Regimes autoritários incomodam-se, sempre, com a presença de focos alternativos de influência. A ofensiva contra a Iurd inscreve-se nessa moldura genérica. Contudo as formas singulares que assume oferecem uma pequena aula sobre a narrativa da genuína “africanidade”.

Ano passado, sob a liderança do bispo Valente Bezerra Luiz, um vasto grupo de pastores angolanos cindiu com o comando brasileiro da Iurd, representado na África pelo bispo Honorilton Gonçalves. Os dissidentes formaram um centro dirigente local, a “comissão reformada”, e lançaram dois tipos de acusações contra a direção “universal”. De um lado, emergiu o tema do dinheiro: transferência ilegal de recursos angolanos ao Brasil. De outro, surgiu o da “africanidade”: o predomínio “racista” dos pastores brasileiros sobre os de Angola.

A igreja “universal” viu-se diante da questão nacional, uma encruzilhada que, ao longo da história, atormentou os partidos e movimentos internacionais. A guerra esquentou no fim de junho, durante a quarentena da Covid, quando os seguidores da “comissão reformada” invadiram templos vazios em quatro províncias, hasteando bandeiras angolanas nos púlpitos. Então, o grupo dissidente atacou residências de bispos brasileiros, enquanto os dirigentes oficiais organizaram uma milícia para recuperar os templos.

A cisão religiosa acompanha, como uma sombra, tanto a campanha de João Lourenço contra a facção de seu antecessor quanto o distanciamento geopolítico de Angola em relação ao Brasil. Valente e os seus ofereceram ao governo angolano os pretextos legais para deflagrar a ofensiva contra a Iurd. Repentinamente, as práticas financeiras habituais dos bispos “universais” chamaram a atenção de um regime que, antes, fingia nada saber.

O discurso da “africanidade” desempenha, mais uma vez, seu papel legitimador. Desde as independências africanas, regimes autoritários o utilizam para calar opositores, rotulados como “antiafricanos”, “imperialistas” ou “neocolonalistas”. Em nome da “africanidade”, a Aids foi ignorada por duas décadas na África do Sul e, sempre em nome dela, diversos países africanos aplicam leis de origem colonial para reprimir os LGBTs. Agora, em Angola, o argumento identitário funciona como ferramenta para uma reforma religiosa: a estatização disfarçada do neopentecostalismo.

“Todos nós fazíamos parte do sistema”, admitiu João Lourenço, referindo-se à ditadura cleptocrática de José Eduardo dos Santos, na qual ocupou o Ministério da Defesa. A Iurd fazia parte do “sistema”, que a considerava suficientemente “africana” para participar da repartição do butim. Hoje, o “sistema” mudou — e a Iurd tornou-se “estrangeira”.

Advertisements

Facebook Comments

1 comentário em “Bispos, dinheiro e ‘africanidade’”

  1. A igreja evangélica mata a fé verdadeira das pessoas. La dentro existe calúnia e adultério. Eles pretendem ter uma nação evangélica. A igreja evangélica está pregando ambição de dinheiro e poder na mente de pessoas simples, desse jeito as pessoas vão colocar o mal no coração e não chegarão em lugar nenhum. Se o famigerado do Bolsonaro botar ditadura, vai entregar tudo na mão dos evangélicos. Aí vai ser um inferno pior do que já está. Evangélico é tudo bandido.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: