Advertisements

Bolsonaro não decepcionou na cerimônia de posse

Ontem, em seus dois discursos de posse como Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro entregou à população exatamente o que dele se esperava (admiradores e oposicionistas): palavras dissonantes, preconceituosas e autoritárias.

Falou em respeitar religiões, mas deixou claro que somente se seguirem as tradições “judaico-cristãs”.

Esbravejou contra o que tratou, em diversos momentos, como “ideologias” a serem combatidas, desde que sejam as de opositores ou simplesmente dos que, democraticamente, possuem direito (não se sabe, no Brasil, até quando) de pensar diferente do raciocínio inserido nas limitações intelectuais do novo Chefe de Estado e demais apoiadores (principalmente os que possuem interesse comercial em difundir preceitos de suas ‘religiões”).

Pouco se falou de soluções práticas para o país, com Bolsonaro preferindo, genericamente, discursar para a “claque”, que aplaudia e urrava “mito” a cada demonstração de intolerância e populismo.

Enquanto, no Congresso, o novo presidente buscou a aproximação (em discurso politicamente preparado), no púlpito, em que falou de acordo com seu raciocínio, preferiu insuflar o “nós contra eles”, a necessidade de combater o contraditório, de tratar como inimigos, não adversários, os que ousarem, segundo seus preceitos (e preconceitos) atentar contra os interesses “da família”, estes indicados pelas doutrinas de notórios estelionatários da fé que bancaram-no em apoio durante a campanha.

A esperta Primeira Dama, antes da fala do marido, soube desviar as atenções para a emotividade – ainda assim com ideias alinhadas à intolerância do novo grupo gestor nacional – desarmando parte da mídia, que trocou o senso crítico (deste momento) pela adesão à comoção.

Entre beijos no Presidente, sorrisos e afagos à população, subliminarmente o apoio aos preconceitos foi reafirmado.

Qualquer semelhança com procedimentos de seitas tratadas como religiosas – da qual Michele Bolsonaro é adepta (em que antes de tomar a grana dos “fiéis” os “pastores” arrancam-lhes as lágrimas) pode não ser mera coincidência.

Iniciou-se assim o Governo de Jair Bolsonaro, amparado na idolatria de um povo que insiste em não enxergar detalhes indicadores das confusões que estão por vir, entre os quais: delitos de um motorista/assessor que abastecia as contas da “família Real” quando em tempos de vacas magras, doações da JBS, tratadas como propinas em todas as investigações da “Lava-Jato”, mas amenizadas quando na conta do atual Presidente, além do Chefe da Casa Civil, corrupto confesso, mas não condenado porque “se desculpou”, sem contar os trambiques notórios – na vida profissional – daquele que tem por função colocar o País, financeiramente, nos trilhos.

Resta saber se o “trem” seguirá na linha do alardeado crescimento ou seus vagões levarão opositores ao castigo da câmara de gás.

Advertisements

Facebook Comments

5 comentários em “Bolsonaro não decepcionou na cerimônia de posse”

  1. Será uma espécie de ditadura à lá João Calvino. O Brasil vai se tornar uma Genebra religiosa.

  2. Eu tenho cachorro chamado Dirceu, ele late melhor o portugues que o presidente eleito.

  3. Graças à Deus (creio sim na Força Divina, sou casado com uma mulher e sempre fui pagador de impostos) nem perdi meu tempo assistindo, ouvindo ou lendo essa encenação.

    E aos infantilizados que insistem em citar “danh, Venezuela, comunismo, socialismo…”

    Vocês se mostram tão patéticos e limitados intelectualmente, que esses fracos contra-argumentos, só causam risos.

    Não é porque existem pessoas que não apoiam esse ser desprezível chamado Jair, que são Pró-Lula ou PT.
    Mas entendo e lamento que existam tantas pessoas que só consigam ‘raciocinar’ de forma binária: “1 ou 0”
    O que hoje está presente no Governo da Nação, é a personificação de vários preconceitos e desvios da sociedade.

    Mas, Boa sorte ao ser que se elegeu através de táticas descritas no Livro “A Arte de Guerra”, explorando emocionalmente a facada que levou (lamentei muito a falha na missão por parte do perturbado agressor) e fugindo dos debates e confortos em entrevistas.
    Temos agora um presidente ex-militar e todo “machão”, mas que se manifesta e pensa via Twitter…

    Oh homem de coragem esse Messias!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: