Advertisements
Anúncios

Os “rolos” entre DIS e Palmeiras

CIPULLO

Durante as gestões Belluzzo, Palaia e Tirone, os departamentos de futebol profissional e amador do Palmeiras serviram como verdadeiros quintais para empresários diversos, com forte incidência da DIS, de propriedade de Delci Sonda.

Todo o tipo de negócio era aceitável, mesmo os inaceitáveis.

Através de uma ação judicial, em que a DIS tenta cobrar o Palmeiras duas vezes pela mesma dívida – e perdeu – (para se ver o nível dos negociantes) tivemos acesso a uma dessas transações.

Em 17/07/2010, por intermediação de Gilberto Cipullo, então vice-presidente de futebol (o mesmo que foi flagrado com cheque de comissão de agente de jogadores em sua conta pessoal), o Palmeiras assinou um contrato com a DIS de empréstimo, no valor de R$ 1,8 milhão.

Valor que foi utilizado, integralmente, na aquisição de 70% dos direitos do jogador Tinga.

Porém, um dos fatores, entre tantos, que gera dúvidas no negócio, é que o atleta pertencia ao grupo em questão.

Ou seja, seria o mesmo que Delci Sonda, que é dono de supermercado, emprestasse dinheiro a qualquer um de nós, porém com a obrigação de fazer a compra do mês em sua empresa, com benefício mais do que evidente a si próprio.

Mas o absurdo não parou por ai.

Segundo o referido contrato, no mesmo dia em que tudo foi concretizado (empréstimo, compra de 70%), Cipullo autorizou a cessão de 50% sobre os 70% adquiridos pelo clube de volta para a DIS, como amortização da pendência.

Porém, em vez de R$ 900 mil, a DIS, benevolente – sabe-se lá por quais razões – amortizou R$ 1 milhão, ficando o clube ainda com pendência de R$ 800 mil.

Com a mudança de presidente, já na gestão Arnaldo Tirone, o Palmeiras acertou parcelamento do montante, nos seguintes termos:

– duas parcelas de R$ 45 mil, mais 16 parcelas de R$ 50 mil. com o total passando de R$ 800 mil para R$ 890 mil.

Como de hábito nos negócios firmados pelo grupo Tirone/Piraci/Frizzo, o acordado foi descumprido.

A DIS, então, ingressou com cobrança judicial no valor de R$ 1.130.674,34, em 08 de abril de 2013.

Um mês depois, a gestão do presidente Paulo Nobre (o terceiro presidente palmeirense no mesmo caso) sentou à mesa com a referida empresa em finalizou nova proposta de acerto sobre o montante devido.

A dívida foi reduzida substancialmente, para R$ 600 mil, a serem pagos com parcela inicial de R$ 100 mil, mais dez vezes de R$ 50 mil, além da permissão do clube para que a DIS negociasse o empréstimo do atleta Souza, também agenciado por ela, ao Cruzeiro.

Espertalhona, mesmo após a transação com o clube mineiro ter sido concretizada, a DIS tentou, por vias judiciais, cobrar a diferença entre o montante devido anteriormente e o que vinha sendo pago pelo clube no novo acerto, “esquecendo-se” de que o empréstimo de Souza fazia parte do negócio.

Porém, precavido, em sua defesa, o Palmeiras apresentou trocas de emails entre as partes, que comprovavam toda a operação.

Um rolo só, iniciado de maneira errada, diria até obscura, pelas mãos do intrépido Gilberto Cipullo – amado pelos empresários – e aparentemente consertado, da maneira que foi possível, pela gestão do atual presidente, Paulo Nobre.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: