Advertisements
Anúncios

Justiça decide que acusar Gabriel Chalita (PMDB) de receber propina tem fundamento e não pode ser tratado como calúnia

dilma  chalita

Recentemente, o analista de sistemas Roberto Grobman acusou o Deputado Federal Gabriel Chalita (PMDB), com farto material comprobatório, de receber propina e enriquecer de maneira ilícita enquanto ocupou o cargo de Secretário Estadual da Educação, em São Paulo.

Chalita processou seu acusador por calúnia, injúria e difamação, exigindo ainda R$ 135 mil de reparação.

Perdeu.

Em brilhante decisão, o Juiz Carlos Aleksander Goldman disse que Grobman se baseou em fortes indícios de irregularidades contra Chalita, portanto, sem nenhuma intenção de atentar contra sua honra, mas sim, de esclarecer a verdade.

Vale lembra que o Deputado é investigado  pelos crimes do qual é acusado não apenas pelo Ministério Público, mas também pela Procuradoria Geral da República.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

13 comentários sobre “Justiça decide que acusar Gabriel Chalita (PMDB) de receber propina tem fundamento e não pode ser tratado como calúnia

  1. eu votei nesse canalha porque ele tinha um programa na cançao nova,pois e mais um que se esconde atras da igreja

  2. Não se acusa ninguém por calúnia, difamação e injúria. Ou é calúnia, ou difamação ou injúria… Os três juntos não. E esse Chalita aí, com essa cara de ‘olha, sou bom moço’ nunca me enganou.

  3. Será que o Peixoto ou outros curicanos/petistas comentarão algo nesse post???

    PMDB é aliado do PT….

  4. Lampião o PMDB tem por característica ser aliado d quem está no poder e não de um só partido.

    E outra, existe um Homem envolvido no rolo do Chalita q trabalha dentro da empresa de previdência e plano de saúde do Metrô de SP.

    Por aí se vê q ngm é santo, independente de partido tds q entram na política querem “tirar uma casquinha” com o nosso $$$$.

    Enquanto tivermos essa mentalidade partidária não conseguiremos mudar nosso município/estado/país, infelizmente.

  5. DG Disse:

    outubro 29, 2013 às 10:47 am

    Meu caro

    Somente fui irônico, sou apartidário.
    Esse Peixoto insiste que o PT é a moral de partido…uma beleza

  6. PERFEITO DG

    “Por aí se vê q ngm é santo, independente de partido tds q entram na política querem “tirar uma casquinha” com o nosso $$$$.”

    SÓ PETRALHA QUE DEFENDE O INDEFENSÁVEL E AINDA ACUSA OS OUTROS DE SEREM IGUAIS A ELES

  7. Paulinho, deixa eu entender:
    Ele foi secretário do governo do PSDB e você vincula ele ao PT?
    Eu sei que é difícil, mas tente ser neutro e fale sobre a notícia somente.

  8. Paulinho, o que vc tem a dizer sobre o propinoduto tucano, referente ao metrô e aos trens metropolitano? Isso vem desde o Governo Covas.

  9. Parece que ainda existem alguns magistrados que ainda não foram contaminados pelo populismo Tapuia que assola o pais.;

  10. Esquece Israel, esse assunto de propinoduto tucano, não entra aqui neste blog pelo Paulinho. Ainda mais que o Portella andou meio que aparecendo em algumas reportagens.

  11. Pq a foto é com a Dilma, se as acusações têm origem no período em que ele era secretario do Alckmin?

  12. Os brasileiros precisam entender que as siglas partidárias são tudo farinha do mesmo saco, que os candidatos, depois de eleitos, a grande maioria, se vende para os mensalões ou mensalinhos. Que as bancadas religiosas deveriam ser impedidas de concorrer, que político honesto é quase lenda urbana, mas existe, por isso, independente de partido, o que deve contar é o histórico do indivíduo, se já está em exercício, o que tem feito pelo povo? se a resposta for, votou sempre pelos seus interesses e ferrou o povo, é só não reeleger a tranqueira. Parem de criticar A ou B, se não presta é só não confiar seu sagrado voto a quem já provou não o merecer. Acorda Brasil!!!

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: