Advertisements

Grupo de empresários ganha R$ 1 milhão de Felipe Anderson, na Justiça

Em junho, o Santos negociou o jogador Felipe Anderson com a Lazio, da Itália, por 7,8 milhões de Euros, algo em torno de R$ 22.6 milhões, à época.

50% desse montante ficou com a Doyen Sports Investments Limited., fundo inglês que tem Kia Joorabchian como um de seus investidores principais, e Renato Duprat – aquele que faliu a UNICOR e trouxe a MSI ao Corinthians – como representante no Brasil.

Antes mesmo da negociação ser finalizada, outro grupo de empresários ingressou com ação de cobrança de comissionamento contra o atleta, alegando que não estavam recebendo os valores conforme combinados.

São eles, GR2 Gestão e Marketing ltda., Gabriel Martinez Massa, Traffic Talentos e Frederico Andrade Pena.

Dentro do que foi comprovado, a Justiça condenou Felipe Anderson a realizar os seguintes pagamentos:

a) A quantia de R$ 256.5 mil, relativa ao contrato de mediação, a ser corrigida monetariamente pelos índices constantes da Tabela de Atualização do Tribunal de Justiça deste Estado desde o ajuizamento (agosto de 2.012) e acrescida de juros de mora de 1% ao mês, contados desde a citação (setembro de 2.012 folha 99);

b) a quantia de R$ 280 mil, relativa ao contrato de prestação de serviços, a ser corrigida monetariamente pelos índices constantes da Tabela de Atualização do Tribunal de Justiça deste Estado desde o ajuizamento (agosto de 2.012) e acrescida de juros de mora de 1% ao mês, contados desde a citação (setembro de 2.012 folha 99);

c) das diferenças relativas a majorações da remuneração oriunda de seu contrato de trabalho junto ao Santos Futebol Clube, no curso de seu cumprimento, que deverão ser apuradas em execução, através de liquidação por artigos;

d) ao pagamento das custas e despesas processuais, bem como de honorários advocatícios, equivalente a 10% (dez por cento) da condenação.

Tratando-se de condenação líquida, o depósito respectivo, pelo réu, deve ser realizado em até 15 (quinze) dias, contados do trânsito em julgado, sob pena de incidência da multa de 10%, prevista no artigo 475-J do Código de Processo Civil. P.R.I. – preparo no valor de R$ 11.432,31 – porte de remessa no valor de R$ 29,50.

No montante final, entre pagamentos já fixados, multas, juros, e o que ainda será calculado, algo em torno de R$ 1 milhão.

Advertisements

Facebook Comments

10 Responses to “Grupo de empresários ganha R$ 1 milhão de Felipe Anderson, na Justiça”

  1. guedes Says:

    Olá Paulinho. Falar bem a verdade, se não houver uma mudança radical, esses empresários e/ou grupos empresariais (seria essa, a denominação correta para essa raça?!) ainda vão acabar com os clubes e com os próprios jogadores. Pelo teor da decisão, eles ganham não só pela prestação dos serviços, em si, mas também para para a tal de mediação, além de usufruírem dos aumentos que o jogador recebe do clube em que joga (ou seja, a relação de emprego entre jogador e clube, não parece ser pessoal/personalíssima). Enfim, os jogadores deveriam contratar só a prestação dos serviços. A meu ver, não tem sentido o trabalhador “dividir” as verbas oriundas de seu contrato de trabalho, pois é relação que diz respeito apenas ao empregado x empregador.

  2. Peixoto-Pres.Prudente/SP Says:

    San78s?????/ então NÃO teremos mais de 10 comentários….kkkkkk

  3. neli faria Says:

    Viva a cancerosa lei Pelé

  4. Santástico Says:

    Enquanto lia isso, GOL DA PORTUGUESA, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  5. MOSQUETEIRO II Says:

    Pessoal, vamos dar uma força a reportagem do san7os, escrevam qualquer bobagem pra ver se chega ao record de 10 comentarios

  6. Lampião - Odaliscas da Fiel, a torcida curicana! Says:

    12345

    Só para aumentar o numero de comentarios

  7. pepiss Says:

    Poderíamos dizer que esses “empresários” são verdadeiros chupins, mas só por conseguir vender um perna de pau desses por R$ 22.600.000,00 merecem uma graninha.

  8. Leandro C Says:

    Muito estranha essa venda, um jogador fraquíssimo, nunca vi atuar bem, e chance nunca faltou.
    Cada vez mais será comum esse tipo de transferência elevada envolvendo jogadores agenciados por pessoas ligadas aos grupos russos.
    Até países onde a justiça deveria ser séria estão fazendo vistas grossas aos esquemas de lavagem, e a entidade que deveria regular e fiscalizar esse tipo de situação é tão suja quanto ou pior.
    Cada vez mais o futebol se torna um negócio lucrativo para pessoas de baixos escrúpulos, e o pior é constatar que pouco a pouco a alegria de torcer vai se esvaindo.
    O futebol do interior, por exemplo, acabou faz tempo (hoje em dia empresários fazem reuniões antes dos torneios e espalham jogadores pelas equipes de acordo com a visibilidade), e gradativamente o mesmo vem acontecendo com os grandes.
    Nota-se que jogadores assinam com determinado clube às pencas, e todos vindos de um mesmo grupo de empresários, muda o ano e aqueles que não serão vendidos darão lugar a novas “promessas”, e os poucos que servirão para comércio são logo inflacionados pela mídia comprada, e vendidos posteriormente para saciar a ganância dos envolvidos.
    É um círculo vicioso, e quem perde são os torcedores, que passam a acompanhar o declínio vertiginoso de um esporte tão apaixonante e celebrado.
    Como que um jogador que no auge de sua forma era no máximo mediano e esforçado (Léo) ainda consegue ter vaga num time da estatura do Santos? Dá desgosto, e o pior é que o nível dos outros mais jovens é tão baixo que ele acaba merecendo tal vaga…
    Não é à toa que desde que o Neymar saiu não consigo terminar de assistir uma partida sem cochilar em frente a TV (confesso que tive dificuldades na partida contra o SP, pois o narrador não parava de gritar gol).
    Um abraço Paulinho, continue com o ótimo trabalho, saiba que sua coragem serve de inspiração para muitos!

  9. Olgin Says:

    enquanto isso gol do gilberto da barcelusa..kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  10. Jonny Santista Says:

    essa base do santos…o clube faz muito marketing em cima dela e tem as consequencias…

Deixe uma resposta


%d blogueiros gostam disto: