Advertisements
Anúncios

8 de julho de 1983, Estudiantes 3×3 Grêmio, a maior batalha gremista completa 30 anos

gremio estudiantes 1983

Por JOSÉ RENATO SATIRO SANTIAGO

Na primeira fase da Taça Libertadores da América de 1983, o Grêmio eliminou o Flamengo e as equipes bolivianas do Blooming e do Bolívar.

Foram 6 jogos, com 5 vitórias e 1 apenas um empate, com 13 gols a favor e 4 contra.

Nas Semifinais os adversários foram Estudiantes de La Plata e o América de Cali.

Em 8 de julho, o Grêmio encerraria sua participação nas semifinais frente ao Estudiantes em La Plata.

O Imortal Tricolor liderava o grupo com 4 pontos.

O Estudiantes e o América possuíam 2 pontos.

Uma vitória gremista daria a classificação antecipada, sem que fosse necessário esperar pelo resultado do jogo entre América e Estudiantes na semana seguinte em Cali.

O primeiro tempo se encaminhava para o término em 0 a 0, quando o árbitro marcou uma falta a favor do Estudiantes.

Os jogadores argentinos partiram para cima do juiz para reclamar da entrada do gremista China.

Resultado, dois jogadores argentinos expulsos.

Com 9 em campo, a falta acabou por resultar o gol do Estudiantes, 1 a 0, marcado por Gurrieri.

O Grêmio partiu para cima e ainda no primeiro tempo, aos 45 minutos, Osvaldo empatou, 1 a 1.

Muitas reclamações dos jogadores argentinos que partiram para cima do bandeirinha, sob a alegação que o gremista estaria impedido.

Começou o segundo tempo, e aos 7 minutos, o Grêmio virou o marcador através de César, 2 a 1.

E muita reclamação argentina, com nova alegação de impedimento.

Aos 18 minutos, Renato Gaúcho marcou o terceiro, um golaço, 3 a 1 para o Grêmio.

A classificação estava bem encaminhada.

O jogo seguiu até o bandeirinha ser agredido com uma pedra.

No meio da confusão, mais um jogador argentino foi expulso.

Agora o Estudiantes tinha apenas 8 jogadores em campo.

Mais alguns minutos, Renato Gaúcho deu duas sequências de dribles e foi agredido.

Mais um jogador argentino expulso.

Faltavam 15 minutos para acabar a partida.

O Estudiantes tinham apenas 7 jogadores em campo.

O Grêmio vencia por 3 a 1.

O clima era de guerra.

Segundo registros da época, os jogadores gremistas passaram a ser ameaçados pelos torcedores.

Aos 31 minutos do segundo tempo, Gurrieri diminuiu para os argentinos, 2 a 3.

O que se viu a partir daí foi mais que uma “panela de pressão”.

Os brasileiros correram risco de vida.

Chegaram a marcar o quarto gol legal, anulado pelo bandeirinha, o mesmo que tinha sido agredido anteriormente.

Pouco depois, a torcida argentina acertaram o goleiro Mazaropi.

Aos 42 minutos, os argentinos chegaram ao empate, 3 a 3.

Após isto não houve jogo.

Bola fora de campo e a torcida gritando “Argentina Argentina”

Cabe lembrar que os portenhos viviam ainda o pesadelo que fora a Guerra das Malvinas frente os britânicos.

Com este resultado, tudo ficaria na dependência do último jogo.

Uma vitória simples em Cali daria a classificação ao Estudiantes.

Já aos colombianos do América restava uma goleada.

Os brasileiros torceriam por um empate.

E foi o que aconteceu.

Um 0 a 0 acabou dando vaga da final para o Grêmio.

Mais algumas semanas, viria seu primeiro título da Taça Libertadores, frente o Peñarol.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: