Advertisements

Clubes de futebol do Brasil já têm donos

Da FOLHA

Por JUCA KFOURI

Quando se discute futebol-empresa, surge o temor de alguém comprar nossa paixão

Basta surgir o tema clube-empresa para logo aparecer quem seja contra com o argumento, ponderável, sobre a possibilidade de algum milionário comprar o objeto da paixão do torcedor.

Não se trata de teoria da conspiração, nem de medo infundado. Basta ver a situação dos clubes ingleses, franceses, italianos.

No Brasil, soa como heresia. Afinal, todos os clubes têm uma torcida, mas no Corinthians é a torcida que tem o time, dizia o saudoso jornalista José Roberto de Aquino com o olhar romântico dos apaixonados.
Fosse assim mesmo, fosse possível a torcida tomar para si os destinos de seu clube, o futebol se aproximaria do paraíso.

Infelizmente não é, e, na verdade, os nossos clubes têm, sim, donos, quase sempre deletérios.

Para ficar só em exemplos recentes: o Vasco não foi por um tempão de Eurico Miranda? O Corinthians não está há quase 15 anos sob o domínio de Andrés Sanchez? O São Paulo não foi de Juvenal Juvêncio? O Palmeiras não foi de Mustafá Contursi e, em breve, não será de Leila Pereira? O Cruzeiro não foi dos Perrelas?

Veja o que está em vias de acontecer com o Flamengo, ao negociar o patrocínio da manga do Manto Sagrado da Nação com uma empresa que, além de ter sido condenada por sonegação fiscal, tem sua imagem colada à do governo genocida.

Admitamos ser o problema com o fisco o menor, pois não será nem o primeiro, nem o último caso, basta olhar para o que acontece no Parque São Jorge.

Mas o Flamengo precisa emporcalhar sua camisa com a marca que causa asco em tanta gente neste país polarizado?

Ora, esse patrocínio é muito melhor para o patrocinador do que para o patrocinado.

Receber coisa de 900 mil reais por mês da Havan acrescenta tanto ao Flamengo? Não haverá outra empresa disposta a fazer propaganda numa camisa tão amada? Para que acirrar os ânimos com patrocínio insalubridade?

Quem faz tudo por dinheiro, quem é capaz de emporcalhar profissões como a dos jornalistas que vendem cerveja ou fake news, ou a dos médicos que propagandeiam cloroquina, acha que está tudo bem, tudo bom, mas não está.

O presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, o que se dizia amigo de Dilma Rousseff e se pendurou no inominável, age exatamente como se fosse dono do Flamengo e, admitamos, é coerente com sua predileção política.

Fosse o rubro-negro uma empresa e seus acionistas jamais aceitariam tal patrocinador (até porque foi só estampar a marca dele na camisa do Vasco e o clube caiu para a Série B).

Como não aceitariam vender o patrocínio para a Coreia do Norte, porque a questão transcende esquerda e direita, tem a ver com aceitação e rejeição.

Lembremos que, quando o Corinthians se vendeu para a máfia russa, o argumento era o de que não importava a origem do dinheiro.

Certos temores são resolvidos pelas leis internas dos clubes. Proibições como mudar o nome, as cores, de sede, limitam poderes e estabelecem condições para gestões modernas e responsáveis, as mesmas que têm carradas de motivos para não investir fortunas se não puderem administrá-las.

Por paus ou por pedras, o debate continua.

Só não vale o argumento contra a possibilidade de os clubes terem donos, porque a maioria deles já os tem.

É a sua paixão, rara leitora, e a sua, raro leitor, que há décadas enriquecem a cartolagem que esvazia os cofres de cada um dos clubes, com as exceções de praxe.

Facebook Comments
Advertisements

Um comentário sobre “Clubes de futebol do Brasil já têm donos

  1. FCH

    Dono não delapida o patrimônio da própria empresa. Os clubes parecem estatais em que um mandrilhão manda por determinado tempo e foda-se o que acontecer depois.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: