Advertisements

Os presidentes do Flamengo e as mãos sujas de sangue

Reportagem do UOL, de ontem (09), revelando troca de emails entre funcionários do Flamengo com o diretor Marcelo Helman, afamado ‘Prefeito do Ninho do Urubu’ durante a gestão Bandeira de Mello e também no início do período Rodolfo Landim, a custo de R$ 60 mil mensais, são provas incontestes de que o clube tinha ciência, desde, no mínimo, nove meses antes da tragédia que vitimou mais de uma dezena de garotos, das condições precárias das instalações.

Pior: nada fez para corrigi-las.

Os dois presidentes são culpados.

Bandeira por permitir o local funcionando em meio a um sistema de manutenções amparado em ‘gambiarras’.

Landim pelo fato de dar sequência ao estado de incivilidade e, depois das mortes, ‘esconder’ Helman, apesar do que já se sabia sobre seus atos.

Parece covardia, até mais de Bandeira do que do sucessor, dizer que ‘não sabia’ das condições do Ninho, principalmente porque os mandatários faziam uso político da imagem do local – agora, sabe-se, deturpada – o que implica em assumir, também, as lambanças.

Sem contar que Helman era muito próximo do ex-presidente, tornando inverossímil que nunca tenha lhe pedido auxílio para melhorar o local.

É fato que muitas mãos flamenguistas estão sujas com o sangue das crianças do Ninho, seja pela culpabilidade explicitada na referida matéria ou, posteriormente, por conta do evidente descaso com os familiares.

Advertisements

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: