Advertisements
Anúncios

Vírus revela o país sob os escombros do Mito da Caserna

Da FOLHA

Por REINALDO AZEVEDO

Correção de caminho durante a pandemia será feita a um custo imenso

O ministro Luiz Henrique Mandetta, da Saúde, citou o Mito da Caverna no seu Dia do Fico Mais ou Menos (7). Platão é biscoito fino demais para a patuscada em curso. Se a gente quer chegar ao mundo inteligível, precisa pensar o desastre a que está nos conduzindo o Mito da Caserna. Não é um jogo de palavras, mas um erro de caminho. A correção, se vier, será feita a um custo imenso.

“Tenho certeza de que a grande maioria dos brasileiros quer voltar a trabalhar. Essa sempre foi minha orientação a todos os ministros, observadas as normas do Ministério da Saúde.” É trecho do pronunciamento desta quarta do presidente Jair Bolsonaro. Uma coisa (voltar ao trabalho) exclui a outra (‘normas’ do ministério). É esperteza rasa.

É só um modo de tentar se distanciar da montanha de cadáveres. Aproveitou a fala para desfraldar a bandeira da cloroquina e assumir a paternidade das medidas compensatórias em curso. Nem horizonte nem direção. Nos estados, os leitos de UTI vão se apinhando, e a Covid-19 ainda mal visitou os pobres. Não obstante, os governadores são fustigados por milícias verdadeiramente criminosas nas redes sociais.

Como se chegou a esse ponto? Ora, Bolsonaro venceu porque teve mais votos. Fez-se um candidato viável com seu antipetismo estridente, em aliança informal com a Lava Jato, e dois trunfos ditos infalíveis: Paulo Guedes, a cloroquina do mundo das finanças, e o Partido Verde-Oliva.

Durante a campanha eleitoral, em conversas com empresários e outros integrantes da elite econômica, ouvi mais de uma vez que o escandaloso despreparo intelectual de Bolsonaro tomava a conversa: ‘Fique tranquilo! Os militares saberão contê-lo’. Havia também a crença de que eles assegurariam a qualidade técnica da gestão. É mesmo?

As Forças Armadas, e o Exército em particular, têm certa ambição de tutela da sociedade que vai além do que lhes garante o artigo 142 da Constituição. A desordem politicida provocada por Sergio Moro e companhia, sob o pretexto de caçar e cassar corruptos, despertou o sentimento adormecido da ‘pátria ferida em sua honra’, a pedir, então, uma solução fora da política.

Bolsonaro, um formidável vazio de ideias habitado por insultos e anacolutos, abria as portas para a missão salvacionista. Mais uma vez, os corruptos estavam na mira, e a extrema direita se encarregou de ressuscitar a ameaça comunista. Estavam dados os motivos morais para uma nova restauração, como em 1964, mas, desta feita, por intermédio das urnas. Como se isso pudesse existir.

O Mito da Caserna tentava um processo de aggiornamento, com a possibilidade, desta feita, de tutelar também um presidente eleito. Ou capitão não bate continência para general? Bolsonaro sabe que não contará com os militares para o sonhado autogolpe. Mas é mentira que esteja sob vigilância dos generais da razão.

Eles o aconselharam, sim, a não demitir Mandetta, mas o presidente manteve o ministro no cargo porque quis. E porque é o que recomenda o sinistro gráfico dos mortos. Nem tutela nem qualidade de gestão. Militares e Guedes, as duas âncoras garantidoras de Bolsonaro, foram obrigados pelo vírus a se ver face a face e a acertar contas com a mais implacável de todas as verdades reveladas: os fatos. Dada a crise, foram tomados pela paralisia e pela perplexidade.

Está marcada para a próxima segunda (13) a votação no Senado da chamada PEC do Orçamento de Guerra, aprovada na Câmara no dia 3. Fornece ao governo os instrumentos econômicos, técnicos e jurídicos para responder às várias frentes da crise. Antes dela, só havia escuro.

Trata-se de um instrumento originalmente pensado pelo economista José Roberto Afonso, muitos milhares de quilômetros distante do governo. Ele o debateu originalmente com o ministro Gilmar Mendes, do Supremo. Este, por seu turno, procurou Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, que mobilizou seus pares.

Paulo Guedes e os militares enxergavam não mais do que sombras na caverna. Bolsonaro vituperava contra o mundo. Todos eles sob os escombros do Mito da Caserna.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

1 comentário em “Vírus revela o país sob os escombros do Mito da Caserna”

  1. Vamos esperar. Esse presidente idiota vai sentir a pica que está crecendo. Usou o PSL e depois deu um chute na bunda do partido. Se vier uma ditadura militar estamos todos fodidos.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: