Advertisements
Anúncios

O dia do fogo

Da FOLHA

Por LUÍS FRANCISCO CARVALHO FILHO

Jair Bolsonaro destrói a biodiversidade da Amazônia

É na questão ambiental que Jair Bolsonaro revela sua face mais perigosa e ameaçadora.

O presidente da República espanta o mundo civilizado com declarações negacionistas do aquecimento global, mas não se trata mais de mera controvérsia retórica.

Bolsonaro põe em risco a sustentabilidade da floresta amazônica e de seus povos, flertando, concretamente, com o crime comum e com o crime de responsabilidade.

Assustado com a repercussão interna e externa de seus desatinos mais recentes, o presidente formou um gabinete de crise para tentar gerenciar a imagem corroída pelo desmatamento e pelos incêndios.

Mas o estrago à biodiversidade está consumado e nenhuma atitude futura será capaz de desfazer o rastro de destruição que o seu projeto xucro de poder contempla.

Fazendeiros do sudoeste do Pará celebraram em 10 de agosto o “dia do fogo”. O Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) registrou centenas de focos de incêndio nas margens da rodovia BR-163.

Os manifestantes, “amparados pelas palavras do presidente”, teriam organizado o movimento para mostrar que eles “querem trabalhar” sem autuações e licenças.

Segundo reportagens do jornal Folha do Progresso, editado na região, foram detectados focos em unidades de conservação estadual e federal, em terras indígenas, em florestas e em pastagens.

A resposta do poder público é pífia: alguns boletins de ocorrência registrados para prevenir responsabilidades e um inquérito policial instaurado para inglês ver, considerado “inconclusivo” depois da inquirição de três pessoas.

Celebrar o “dia do fogo” é uma atitude tão repugnante como seria a celebração da violência no “dia do PCC”. Mas, empenhado em preservar seus seguidores políticos, Bolsonaro não teve a grandeza mínima de encaminhar para a região forças policiais necessárias para reprimir e identificar os organizadores da atrevida façanha.

Muito além do diversionismo e da ignorância, do discurso agressivo contra imprensa, pesquisadores e ambientalistas, Bolsonaro desarticula premeditadamente a rede de organismos oficiais de controle e fiscalização.

Certas coisas, “eu mando”, anuncia o presidente, que ambiciona interferir nas ações do Ministério Público, da Polícia Federal e da Receita.

Bolsonaro conspira contra a recuperação econômica do país ao atacar governos estrangeiros e organizações não governamentais envolvidos com projetos preservacionistas —além de sepultar o resquício de uma suposta “agenda modernizadora” que o bolsonarismo romântico ainda tenta encontrar nos corredores do Palácio do Planalto.

Parece exagero dizer, mas Jair Messias Bolsonaro, que já foi comparado a Lord Voldemort, o agente do mal na ficção adolescente de Harry Potter, comporta-se, no mundo adulto, como o Marcola  do desmatamento.

Bolsonaro procede de modo incompatível com o decoro do cargo. Bolsonaro prevarica: não toma providências contra o desastre ambiental e estimula a omissão de seus ministros. Bolsonaro incita a ação de criminosos e faz apologia de delitos ambientais.

Bolsonaro tem inclinação genocida. Se atos e omissões de Jair Bolsonaro resultarem em ataques a povos indígenas, cada vez mais desprotegidos, uma clara violação ao bem-estar da humanidade, a presidência do Brasil poderá entrar na pauta de interesse do Tribunal Penal Internacional, instituído justamente para o julgamento de facínoras e governantes atrozes, ainda que eleitos.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

1 comentário em “O dia do fogo”

  1. Bolsonaro não quer saber de porra nenhuma. Ele não quer largar o osso, que é se certificar que vidas serão destruídas.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: