Advertisements
Anúncios

Aécio resiste no Sindicato do Chopp

Do UOL

Por RENATO TERRA

Perigote do Senado exala carisma e virilidade no bar em frente à praia

Assim como Lula em São Bernardo, Aécio Neves escolheu um sindicato que representasse sua vida pregressa para simbolizar a resistência aos desmandos da Justiça. Desde terça, quando virou réu, o perigote do Senado vem exalando carisma e virilidade no bar Sindicato do Chopp, na zona sul do Rio, em frente à praia.

Logo na primeira hora, foi seguido por uma multidão de três pessoas: Alexandre Accioly saiu do mar direto para a mesa 7. Ronaldo Fenômeno, faminto, perguntou se o filé aperitivo era Friboi. Zezé Perrela, o último a chegar, veio de helicóptero assim que soube da heroica resistência. Luciano Huck ainda não se manifestou.

José Serra chegou para prestar apoio. Entrou pelos fundos. Ao ser informado que o bar não adotava mais o nome de Sindicato do Chopp, franziu a testa. “Ué, mudou?”, perguntou, antes de sair de fininho.

Na quinta à noite, um carro de som começou a tocar em frente ao bar “Sweet Dreams (Are Made of This)”. O furdunço reuniu um animado grupo de turistas argentinos.

Aécio subiu no carro de som para dar um tostão de sua voz: “Querem me condenar porque sou um cara família. Já provei isso construindo um aeroporto no terreno do meu tio e aderindo a uma sociedade na rádio Arco Íris com minha irmã e minha mãe. A rádio, inclusive, recebeu verbas de publicidade estatal enquanto eu era um governador exemplar, que zelava por aqueles que ama”.

E completou: “Sou só um homem de bem que faz tudo pelos familiares, sou o genro que a pátria-mãe sempre almejou”.

Ao notar a presença de uma equipe de TV, que chegou ao local sem ser agredida, Aécio se empertigou: “Câmeras, close”. E anunciou: “Não vou mais gastar com advogados os R$ 2 milhões que peguei emprestados com o Joesley. Ou seja: chope liberado até domingo! Venham de verde e amarelo! Tragam suas famílias!”

Acostumado a magnetizar olhares femininos e semear a invídia dos mancebos, o esbelto senador tirou a camisa e distribuiu adesivos com os dizeres “Enlarge your patrimônio. Pergunte-me como”.

No fim da tarde, ligou para um amigo empresário e pediu empréstimo em dinheiro, sem contrapartidas, assim que olhou o cardápio de pizzas.

CONTADOR

Estamos trabalhando há 37 dias sem saber quem matou —e quem mandou matar— Marielle Franco.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: