Advertisements
Anúncios

Lançamento de Andres Sanches como candidato à presidência do Corinthians esfriou os ânimos de seu grupo

Andres Sanches e Luiz Moura

Após semanas de divulgações diversas, o lançamento, previsível, do nome de Andres Sanches para disputar, novamente, a presidência do Corinthians, teve repercussão e presença de público abaixo do esperado.

O teatro OMNI encheu, mas não lotou.

Noutros tempos haveria gente de fora, brigando para participar.

Dos que compareceram, além dos funcionários do clube – que foram obrigados a fazê-lo, todos, ameaçados de demissão, estavam representantes de chapas que concorrem ao Conselho, alguns poucos associados com direito a voto e, para “encher linguiça”, até funcionários do gabinete de Andres Sanches, desviados do trabalho sob a desculpa de que o local estava inoperante devido a ação criminosa de bandidos que teriam invadido o local e levado computadores, etc.

Houve quem se alarmasse com a história, mas também os que duvidaram, sem contar os que fizeram piadas com a frase “cem anos de perdão”, retirada de ditado popular.

Entre os “forasteiros” do clube, Andres Sanches recebeu apoio e posou para fotos com o notório malfeitor, ex-deputado Luiz Moura, que o MP-SP diz ser político à serviço do PCC, sujeito que sublocou seu gabinete parlamentar, ao arrepio da Lei, razão também das desconfianças, por razões óbvias, da contada ação criminosa.

Em declarações no evento, e depois para a imprensa, Sanches alegou ter sido chamado por seu grupo para disputar o pleito, o que é verdade, por conta da necessidade destes manterem seus negócios, lícitos ou não, no Parque São Jorge, mas disse também que, no início de sua trajetória como presidente, em 2007, “resgatou o clube da Série B do Brasileirão.

Trata-se, esta declaração, de inverdade histórica.

Sanches assumiu o poder no Corinthians quando o clube ocupava a 8ª colocação do campeonato, resolveu não mexer na estrutura do futebol, em reunião testemunhada por muitos e conhecida de todos no Parque São Jorge, sob argumentação de que “se rebaixar, a culpa será do Dualib, daí nós seremos os resgatadores da segunda divisão”.

Foi o que aconteceu, à época com grande revolta da torcida, que o interpelou no Parque São Jorge, ocasião em que foi hostilizado, agredido com uma cusparada e somente não de maneira mais grave pela ação de correligionários que trataram de protegê-lo, como compravam as imagens abaixo:

Se na primeira eleição a presidente, Andres Sanches inventou uma biografia com a ajuda de um grupo de loroteiros profissionais (Luis Paulo Rosenberg, Olivério Junior, etc), presentes, novamente, nesta nova empreitada (histórias que caíram por terra após diversas investigações criminais), nesta tenta se reinventar como único salvador de problemas construídos por si e pelo seu grupo (pagamentos do estádio, dívidas fiscais, etc), sem, porém, a mesma credibilidade doutrora, esvaída diante de tantas promessas descumpridas e o evidente, mas não comprovável, aumento de seu patrimônio.

O deputado não revelou, ontem, quem seriam seus candidatos à vice-presidente, deixando a porta aberta para os Ex-Obsessivos, agora “Corinthians Grande”, que lançaram Felipe Ezabella a presidência, com a declaração de que “parte do nosso pessoal decidiu montar outro grupo”; mas também, especula-se, deseja composição com Paulo Garcia, dono da Kalunga.

Se nenhuma das tentativas de acordos der resultado, fontes garantem que Andres Sanches dividirá os cargos para um apoiador mais recente (fala-se em Osmar Basílio, dono da Faculdade Drummond, que sentou a seu lado no lançamento de candidatura), e um da “turma do apelido”, parceiros antigos de clube (os notórios contraventores Jaça e André Negão foram citados).

Por fim, a ausência, inclusive de manifestação, do atual presidente alvinegro, Roberto Andrade, é indicador de que os relacionamentos seguem desalinhados na “Renovação e Transparência”, e que se o mandatário vier, no final, explicitar o apoio da gestão, somente o fará por conta das histórias interligadas, algumas inconfessáveis, que uns possuem dos outros, impeditivas de ações extremadas de independência.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: