Bandidos da Mancha Verde, que agrediram Luxemburgo, beneficiam-se com prescrição da pena

No dia 14 de novembro de 2008, o então treinador do Palmeiras, V(W)anderlei(y) Luxemburgo, foi agredido, covardemente, no Aeroporto de Congonhas, por diversos integrantes da facção criminosa Mancha Verde.

Destes, identificou: Paulo Rogério de Aquino, vulgo “Paulo Serdan” (que teria sido o mandante), Leandro Nóbrega Bafume, André Guerra Ribeiro, Neilo Ferreira e Silva, Luiz Carneiro da Silva Filho e Luiz Henrique Alves dos Santos, além do então adolescente Claudio Silva Fernandes e Souza.

Exame de corpo de delito constatou as agressões.

Depois de nove anos em diversas e infrutíferas tentativas de citar os marginais, a Justiça, enfim, decidiu fazê-lo por Edital.

Porém, o efeito é nulo, já que, apuramos agora, a prescrição já está efetivada, tornando a causa sem efeito com o processo sendo extinto, dias depois, por consequência.

Triste retrato de uma Justiça penal rápida para citar jornalistas, mas extremamente morosa no que diz respeito a casos mais graves, envolvendo, de fato, a bandidagem.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

One Reply to “Bandidos da Mancha Verde, que agrediram Luxemburgo, beneficiam-se com prescrição da pena”

  1. Esses caras são as mesmas figuras de sempre. Seja qual for a agremiação, e não fazem nada para acabar com isso. A defesa deles, para os abusos, que estão falando em nome da torcida!

    O verdeiro torcedor, fica com raiva do seu clube por um resultado ou perda de um campeonato, mas vai pra casa, cuidar da sua família e para trabalhar no dia seguinte.

    Não tem tempo de ir em aeroporto, invadir dependência dos clubes, bater em jogador, depredar ônibus… definitivamente, esses não são torcedores e não me representam.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.