Advertisements
Anúncios

E a Globo perdeu a guerra

Por SEBASTIÃO NERY

De repente, não mais que de repente, como diria o poeta, a Globo começou uma guerra de manhã e de noite já tinha perdido. A Bolsa disparou, o dólar apavorou, o mercado faturou, mas nada mais aconteceu. O presidente não caiu e a Globo assustava a nação com manchetes alarmantes o dia inteiro. Acionaram todo seu exercito gráfico repetindo as ordens da Lopes Quintas.  Por mais que labutassem nada acontecia. De manhã o Globo mixava nas bancas.

A madre superiora entregou os cristãos aos lobos. O mascote do camarote saltitou dia e noite de redação em redação procurando amarrar as ideias e não conseguia. As doces e alopradas globetes  chegaram a exaustão. A outra, sádica, ligou a carretilha  e não desligou mais. A ruiva verbosa deu azar: estava no pedaço em dia que não era de férias. A que não é prima apareceu tarde na tarde, perdeu tempo, no ar até hoje. A paulista do mensalão comandava a infantaria.

A tarde passou e quanto mais a Globo repetia a renuncia esfriava as notícias.

A solução foi pedir socorro ao janota que todo dia promete à Folha nova artilharia pesada.

Não se pensa em construir o Brasil do futuro, cultiva-se o Brasil arcaico, onde as ideias não florescem e em seu lugar o ódio, a raiva e a incompetência encontra terreno fértil. A sociedade torna-se amorfa alimentando sua esperança em falsos salvadores da Pátria. Caminho seguro para vender sonhos em um estado paternalista que possa mobilizar a população. É caminho certo para o desastre se as propostas populistas prevalecerem no cenário político de 2018, quando das eleições presidenciais. É rota segura para nos levar ao naufrágio, ao invés da prosperidade.

O professor Roberto Romano, de Ética Política da Unicamp, analisando o Legislativo, foi certeiro: “As chamadas bancadas do Congresso são reuniões de lobbies que vão de interesses econômicos a religiosos. São pessoas que não representam o eleitor indiferenciado, formal, mas interesses materiais muito específicos e opostos a outros interesses que foram preteridos. Isso traz problemas sérios, até mesmo ao desenvolvimento econômico.” Em tradução direta significa que a ação política praticada, em vastos setores, não tem compromisso com a população. Mas é preciso destacar que nela ainda habitam homens e mulheres honestos, competentes e dotados de espírito público. A restauração da verdadeira política tem neles a esperança de construção de realidade diferente do presente que vivemos. Enxergando o futuro.

Ante os escândalos recorrentes de corrupção que vem marcando o tempo atual no Brasil, o professor José de Souza Martins, da USP, constata que somos muito originais: temos a “corrupção altruísta”, a “corrupção cívica”, que pode dilapidar o patrimônio do Estado e a “corrupção Robin Hood”, que visaria o bem comum. Com ironia afirma: “Corrupção de esquerda não é corrupção. Corrupção de esquerda é corrupção para o bem, não é para enriquecimento privado. Há esse equívoco permeando todo esse processo. Isso é um tremendo equívoco, porque é corrupção do mesmo jeito.”

Encarneirada nessa realidade, onde corrupção é adjetivada, boa parte da classe política está mais preocupada com o seu destino e não com a sociedade que se fazem representar, submetem-se as Odebrechts e JBSs. Os interesses do País são secundários. Sanear contas públicas, modernizar o Estado com reformas, garantindo a retomada do crescimento econômico, deixa de ser programa de governo.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: