Anúncios

Trump, risco mundial

hillary e trump

EDITORIAL DA FOLHA

Os Estados Unidos parecem encaminhar-se para uma insólita eleição presidencial em 8 de novembro, sob um clima de aguda polarização ideológica.

Na quinta-feira (28), o Partido Democrata oficializou Hillary Clinton como a primeira mulher a postular o cargo por uma das duas grandes agremiações. Sua capacitação e experiência são vistas, por parcela do eleitorado, como profissionalismo robótico.

Seus adversários ressaltam os elos da senadora por Nova York com o establishment financeiro, e pairam dúvidas sobre sua conduta em episódios cruciais no período em que foi secretária de Estado do presidente Barack Obama.

Por esses motivos ou outros, a ex-primeira-dama é alvo de altas taxas de rejeição eleitoral, próximas às de seu rival, o empresário Donald Trump. Mas a semelhança termina aí.

Trump é um aventureiro que tomou de assalto o Partido Republicano ao cavalgar uma surpreendente onda de ressentimento étnico e de populismo nacionalista, apresentando-se como candidato anti-establishment.

Age com truculência e vulgaridade inauditas na política americana, marcada pela disputa áspera, mas cordata. Pouco se sabe de seu programa, exceto por fanfarronadas como a construção de um muro na fronteira com o México, a ser pago pelo país vizinho, já esbulhado em metade de seu território no século 19.

O cerne do eleitorado de Trump parece estar nos estratos inferiores da imensa classe média norte-americana, fragilizados pela profunda crise econômica do fim da década passada.

Conforme essa linha de análise, a recuperação em curso, que permitirá a Obama encerrar seu mandato com boa aprovação, é lastreada em ganhos de produtividade relacionados à destruição de empregos naqueles estratos.

A polarização acentuou-se agora, mas vem crescendo há décadas, mesmo após a extinção do antagonismo com o bloco soviético. Segundo outra linha de interpretação, o processo refletiria o aumento da desigualdade de renda no país, com relativo estreitamento das camadas médias.

As pesquisas eleitorais sugerem que os postulantes estão empatados, com ligeira vantagem para a democrata. Pelo que Donald Trump representa em termos de risco internacional, dados seu alarmante despreparo e a xenofobia beligerante de sua campanha, vê-lo derrotado não configura uma questão partidária, nem se reduz ao âmbito norte-americano, mas convém ao mundo inteiro.

Anúncios

6 Respostas to “Trump, risco mundial”

  1. Luiz Carlos Luchetta Says:

    A Foice de São Paulo? A Falha do Foro de São Paulo?
    Francamente. Otavinho, Otavinho…
    Não li, mas se o “risco mundial” é uma guerra, o Estado Islâmico já a declarou. O Ocidente está em guerra e está perdendo por WO. Perdemos muitas vidas de inocentes.
    Que venha o Trump e detone com o EI, que esses vagabundos socialistas encrustados na América do Norte e na Europa deixaram crescer e se transformar no monstro que é hoje.
    Melhor o Trump do que um paspalho socialista francês dizendo “que precisamos aprender a conviver com o socialismo”. O quê precisamos é extirpar esse câncer antes que acabem com o Ocidente.

  2. tavares41 Says:

    O Mundo esta cheio de loucos psicopatas!!!!!

  3. Edu Pavim Says:

    Outro lixo de texto. Melhor se limitar a desmascarar o Clube do PT para não perder usuários mais sensatos.

  4. André Brockhof (@brockhof) Says:

    Como sempre esse lixo de jornal, vergonhoso não só as matérias que cada dia estão mais ridículas mas também o nível dos ditos profissionais que estão lá, analfabetismo funcional é pouco!
    Agora fala sobre o Trump? O muçulmano destruiu os EUA nesses últimos oito anos e a população esta de saco cheio, ele tentou fazer o que o pinguço fez aqui e agora esta colhendo o mal, fomentou o separartismo entre classes, gêneros e no fim do mandato quando já não quer fazer nada vem chorar pelos policiais brancos mortos! É tanto erro que a população esta dando o troco com um pseudolouco, que não é mas a imprensa faz tenta colocar como sendo.
    O problema desse bando de esquerdopatas é que destroem tudo por onde passam, pode ser um município, estado e pior país, a história sempre foi assim esquerdopatas destroem e depois a população acorda do hipnotismo populista que estavam e elegem algum representante da direita para por as finanças no lugar, ficam no pode durante um período e ai com tudo estável a população acha que deve eleger um esquerdopata para tentar fazer o socialismo, que nunca deu certo e nunca dará, e o circulo vicioso continua, os esquerdopatas destruindo e os direitistas consertando.
    Enquanto não fizerem um bem para a humanidade e extirparem o socialismo com todas vertente do mapa nunca iremos melhorar!

  5. chapolas Says:

    Boa é a Hillary né??? Não faça como o Juca…. fale de futebol, que é o que vc conhece…

  6. Renato (@galenoeu) Says:

    Quer dizer que aqui tem aqueles que acham Hillary é melhor do que Trump e tem aqueles que acham que Trump é melhor do que Hillary!

    Não me façam rir.

    Leiam esse artigo e saibam porque temos que eliminar os políticos da sociedade:

    Trump vs. Hillary – qual o seu planejador central favorito?

    http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2480

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: