Advertisements
Anúncios

Quem quer legalizar o jogo

Aécio Neves e Ciro Nogueira
Aécio Neves e Ciro Nogueira

Da FOLHA

Por JUCA KFOURI

BRIGAM AS IDEIAS, não os homens, é o que diz o manual do politicamente correto. Seria o ideal, mas nem sempre é possível.

Como na volta da discussão sobre a legalização do jogo no país.

De cara é preciso dizer que o esporte deve ficar bem longe da polêmica.

Ao se legalizar o bingo, em 1993, num contrabando enfiado na Lei Zico durante o governo Itamar Franco, uma das justificativas era exatamente a de financiar o esporte.

As entidades esportivas que seriam beneficiadas por se associar a casas de bingo até hoje ou têm de pagar as dívidas da aventura ou estão às voltas com a lenta Justiça brasileira.

O São Paulo foi uma das vítimas e o bingo proibido em 2004. Até CPI dos Bingos foi instalada, chamada de a “CPI do Fim do Mundo”, porque dedicou-se a investigar tudo e não investigou nada.

Era o primeiro escândalo do governo Lula e aconteceu porque Waldomiro Diniz, ex-presidente da Loterj e defensor da legalização dos jogos de azar, assessor parlamentar do então ministro da Casa Civil, José Dirceu, foi flagrado em conversas nada republicanas com o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Acabou condenado a 12 anos de prisão.

A justificativa à época era a mesma de agora: melhor legalizar e recolher impostos do que combater o jogo ilegal, esforço, de fato, semelhante ao de enxugar gelo.

Antes, em outro escândalo envolvendo bingos e caça-níqueis, caíra, no governo FHC, o ministro do Esporte e do Turismo, Rafael Greca.

Eis que o novo projeto é apresentado pelo senador piauiense, e presidente do notório PP, Ciro Nogueira, figura carimbada da bancada da bola, envolvido em escândalos que vão desde sua relação com Carlinhos Cachoeira até a Operação Lava Jato, passando pelo “caso Delta”, de seu íntimo parceiro, o tristemente célebre empresário Fernando Cavendish.

Como não brigar com o proponente?

Os argumentos são os mesmos de sempre.

Escreveu nesta Folha, no último fim de semana, o senador Nogueira : “O crime se alimenta de dinheiro frio, gerado nas sombras. Nada melhor para combatê-lo do que trazer todas as atividades, inclusive os jogos, para o controle da lei”.

Inegável o seu conhecimento sobre a frieza da moeda, mas de fazer corar sua defesa da lei.

Todos os levantamentos sérios sobre o custo/benefício dos jogos de azar nos países que os legalizaram mostram que os gastos em assistência social superam a arrecadação de impostos gerada pela jogatina, até mesmo nos Estados Unidos de Las Vegas.

Mas nem é esta a preocupação da ponderação neste espaço, que apenas quer reiterar a necessidade de se manter o esporte, uma das atividades econômicas mais propícias à lavagem de dinheiro, longe disso.

O esporte já está suficientemente contaminado para que ainda se acrescentem os jogos de azar, invariavelmente envolvidos com a prostituição e o alcoolismo.

Além do mais, no dia em que Ciro Nogueira tiver uma boa ideia para o Brasil e não para ele, o Flamengo de Teresina será maior que o do Rio.

Em resumo: a ideia é ruim e o proponente é péssimo, protótipo de político que desmoraliza o Congresso Nacional.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

1 comentário sobre “Quem quer legalizar o jogo

  1. É simples, todos sabemos que essas “empresas” que querem liberar a jogatina são ricas, o porque de não fazermos no Brasil uma Las Vegas só que no sertão nordestino? Levariamos divisas pro local, empregos, estrutura e somente lá a liberação do jogo…..levantariam hoteis, pousadas, aeroporto, todos centralizados num só lugar….assim como em Vegas.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: