Anúncios

Archive for abril \29\UTC 2014

Associado vence São Paulo, novamente, na Justiça

abril 29, 2014

juvenal bravo

No dia 30 de abril de 2013, a pauta da da reunião ordinária do São Paulo previa, em seu item 6º, a votação para definir a expulsão do quadro associativo do clube do Sr. Joaquim José Lacerda Ribeiro.

A acusação era de inadimplência.

O associado, então, ingressou com Ação Judicial, que obrigou, em decisão liminar,  o Tricolor a retroagir, sob penalização de R$ 10 mil, após evidências de que o clube não permitiu ampla defesa, e parou de enviar os boletos, dificultando qualquer possibilidade de quitação.

https://blogdopaulinho.wordpress.com/2014/01/08/conselheiro-do-sao-paulo-paga-divida-e-consegue-reverter-expulsao-na-justica/

O São Paulo recorreu, mas a liminar foi mantida, no último dia 24 de abril.

A ação deve seguir, agora, para julgamento do mérito.

Anúncios

O espantoso analfabetismo funcional de alguns torcedores do São Paulo

abril 28, 2014

asno

Não foram todos, mas um volume suficiente para justificar essa postagem.

Analfabetos funcionais, que se dizem torcedores do São Paulo, ao lerem a matéria “Aidar negocia com Kia Jorabchian, não conseguiram entender, apesar da clareza do texto, que o documento postado indicava o serviço prestado pelo presidente do Tricolor à MSI no ano de 2010, nada tendo a ver com qualquer tipo de negociação atual.

Peço desculpas, a maioria inteligente que frequenta o Blog do Paulinho, por ter que desenhar para meia duzia de toupeiras, antes que contagiem os desinformados com deduções equivocadas.

Burrice tem limite.

Tomara, agora, tenham entendido.

Aidar negocia “parceria” com Kia Joorabchian

abril 28, 2014

aidar

O presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar, começa a colocar em prática sua promessa de campanha, lamentável, de aproximação com empresários de futebol.

Primeiro se “acertou” com o empresário de Alan Kardec, em negócio que pode ser sacramentado nos próximos dias.

Agora, tenta inserir no clube o complicado Kia Joorabchian, de quem já foi advogado, defendendo a MSI, empresa sem escritório, acusada de ligações com a Máfia Russa.

Iraniano que tem por hábito ser ‘generoso” com dirigentes que facilitam suas transações.

Andres Sanches, ex-presidente do Corinthians, que o diga.

Triste, porém nada inesperado início de gestão, de quem um dia já foi idealista, com os “Menudos” do Morumbi, mas agora trabalha apenas para movimentar o “sistema”, e dele, tudo indica, se beneficiar.

ABAIXO DOCUMENTO QUE COMPROVA TRABALHO DE CARLOS MIGUEL AIDAR PARA A MSI, EM 2010

msiprocuraçãooriginal3

“Agora nós temos passaporte”, diz Mario Gobbi, presidente do Corinthians, na Câmara de Vereadores

abril 28, 2014

gobbi roberto duilio

Na última semana, em Sessão Solene na Câmara de Vereadores de São Paulo, o presidente do Corinthians, Mario Gobbi, realizou mais um de seus discursos, digamos, desastrados.

Raivoso, atirou contra tudo e todos, demonstrando seu complicado estado emocional, abalado não apenas pela política interna alvinegra, mas preocupado, também, com o inquérito que levou à prisão o traficante “Padrinho”, com quem mantém proximidade.

Porém, o que mais desagradou aos corinthianos presentes ao local foi a má colocação de uma frase, que tinha como objetivo exaltar os resultados de sua gestão, mas tratou de relembrar uma máxima utilizada por adversários para denegrir a imagem do clube:

“Agora nós temos passaporte ! “, disse em alusão a conquista do título mundial no Japão.

É o que dá esquecer que o Corinthians não foi fundando em 2007, ano em que o grupo que cerca o dirigente chegou ao poder, minimizando títulos relevantes do passado, como, por exemplo, o Mundial de Clubes de 2000.

Torcedores adversários, presentes ao local, sequer se deram ao trabalho de esconder a satisfação pelo deslize do mandatário alvinegro.

Conselheiros do Corinthians garantem “plaquinha” no “Fielzão”

abril 28, 2014

macacos

A reunião do Conselho Deliberativo do Corinthians, realizada no último sábado, foi das mais importantes da história do clube, autorizando empréstimo de R$ 350 milhões para suposto pagamento de dívidas do “Fielzão”.

Valor próximo de toda a dívida alvinegra, acumulada em mais de 100 anos de história (excetuando-se o estádio).

Mesmo assim, os dois personagens mais importantes da diretoria, presidente e diretor de finanças, que assinam os cheques alvinegros, não compareceram.

Delegado Mario Gobbi e contador Raul Corrêa da Silva.

O que restou, além da Nota de Repúdio do ex-presidente Andres Sanches contra os atuais gestores, foi uma espécie de convenção da bajulação, com poucos questionamentos, quase todos sem base ou coragem de aprofundamento.

Se para aprovar o maior endividamento da história do Corinthians os conselheiros não se prepararam, noutro assunto, porém, foram absolutamente incisivos: a exigência de colocação de “plaquinha” no estádio com “agradecimento” a diretores e conselheiros, com a obrigatoriedade de citação nominal de todos, um por um.

Sem dúvida, uma pauta bem mais “importante”.

Como de costume, venceu a vaidade, perdeu o Corinthians.

Traficante “Padrinho” (ou Fusca, para o PCC) defende Lula em texto localizado pela Polícia Federal

abril 28, 2014

lula dops

O texto abaixo, localizado pela Polícia Federal, foi publicado, em mídia social, pelo traficante Ângelo Canuto, preso após enviar quatro toneladas de cocaína ao exterior, tratado como “Padrinho” no mundo do futebol – inclusive pelo delegado Mario Gobbi, presidente do Corinthians, com quem fez negócios –  mas conhecido pela alcunha “Fusca”, entre aliados do PCC.

Por ANGELO CANUTO, o “Padrinho”

Lula lutou, insistiu, foi perseguido, preso, torturado física e psicológicamente.

Sua dignidade por muitas vezes lhe foi tirada.

Ao longo de sua militância aprendeu que nem sempre a força é a solução, e ceder as vezes é a forma perfeita pra se chegar mais longe.

Sem formação acadêmica, teve como primeiro diploma o de Presidente de nosso país.

Chegou ao Governo desacreditado, mas nosso país ia tão mal que muitos de seus votos foram daqueles que já não tinham fé em mais nada, essa foi a oportunidade de Lula.

Em meio a turbulentas realidades de corrupção em seu Governo, ele ainda assim conseguiu virar a mesa e tirar nosso país das garras do FMI, onde tínhamos uma das maiores dívidas do país; hoje somos credores com boas importâncias monetárias.

Moral do assunto: nosso país é carente de heróis, sabe por que ?

Porque não valorizamos nossa gente, não valorizamos os esforços dos nossos guerreiros, daqueles que fazem a diferença mesmo que diante de tantas dificuldades.

A história de Lula, em qualquer país europeu ou de primeiro mundo seria supervalorizada, e nosso discurso seria mais ou menos assim: “precisamos de um presidente assim”, mas, como é brasileiro, o produto não tem valor !!!

Tal feito aos nossos PRODUTOS, que sempre perdem espaço para PRODUTOS importados simplesmente porque tem o rótulo gringo.

Tenham orgulho de seus conterrâneos de nação, daqueles que lutam ou lutaram, que atravessaram vales da sombra da morte.

Não esperem que eles morram para ser valorizados, porque mesmo assim podem correr o risco de não entrarem para a história por consequencia de nossa cultura equivocada de discriminar pobres, negros e favelados.

Brasil, carência de heróis.

Por mim (sic) Ângelo Canuto.

Em tempo: a foto de Lula, que ilustra a postagem, é a mesma escolhida pelo traficante, e está anexada a mensagem original.

Jogadores da base do Corinthians começam a ser desviados para Portugal

abril 28, 2014

afonso-armonia

O escritório que o Corinthians montou em Portugal, capitaneado pelo ex-roupeiro do Palmeiras, Afonso Armonia, começa a mostrar trabalho, embora sem proporcionar lucratividade ao clube.

Pelo contrário.

Armonia, quando nas categorias de base do Corinthians, foi acusado, diversas vezes, de desviar jogadores e fazer esquemas com empresários.

Sua “experiência” no assunto, e a cooperação de aliados no setor, além dos olhos sempre fechados do Diretor Fernando Alba, agora, “oficializarão” a empreitada.

Sabe-se lá a que critério, atletas da base serão levados, gratuitamente, ao Boa Vista de Portugal.

Clube que acabou de subir, da terceira para a primeira divisão local, no tapetão.

O rebaixamento à segundona ocorreu na temporada 2007/2008, com acusações de coações e possível compra de arbitragem.

Na sequencia, novo rebaixamento, desta vez dentro de campo, seguido por tentativa frustrada de acesso, ano passado.

Com as acusações retiradas, recentemente, o Boa Vista, assim como ocorreu com o Fluminense, voltará a disputar o campeonato da elite, em Portugal.

Ou seja, um parceiro de histórico perfeito para o grupo de “corinthianos” em Lisboa se esbaldar.

Citadini ironiza disputa de São Paulo e Palmeiras por Alan Kardec

abril 28, 2014

citadini-charge

Por ROQUE CITADINI (em seu twitter)

Mas afinal, por que é mesmo que Palestra e tricolores estão brigando?

Algum ” fora de série” ?

Se foi pro SPFC precisa ver se tem todos os dentes, é culto, de boa familia e religioso.

Pessoal do Palestra, calma!

E se o dentista encontrar um dente com cárie?

Mela o negócio.

Agora a regra é clara: antes de qualquer coisa vamos ver o que diz o dentista.

Seu veto encerra qualquer questão.

Uma banana para o racismo

abril 28, 2014

daniel alves

Daniel Alves deu o tom da inteligência ao tratar o imbecil racista que lhe jogou uma banana com absoluta ironia.

Na sequencia, Neymar, seu amigo de Barcelona, também mandou bem, complementando o deboche.

Essa gente, doente de alma, mas ávida por holofotes, tomou um tapa de mão aberta em suas faces lamentáveis.

Dignos de pena, humilhados publicamente por dois brasileiros que souberam ser fortes, e demonstraram superioridade intelectual, atingindo exatamente o ponto fraco de quem se considera mais do que os outros, apenas por ter nascido com a pele branca.

Expor os racistas ao constrangimento foi uma solução simples, e, por isso, genial.

Tomara seja prática constante, daqui por diante, até que o tempo e a natureza tratem de eliminar essa espécie nociva da sociedade.

neymar banana

Políticos brasileiros, rogai por nós

abril 28, 2014

renan papa

Por WANDERLEY NOGUEIRA

ESTOU muito feliz em ajudar a pagar todas as despesas de Renan Calheiros e mais um monte de políticos em Roma.

Nos últimos dias eles estão participando da canonização de José de Anchieta, João Paulo 2* e João 23.

Não é fácil passar vários dias na capital italiana.

Sem nenhum lugar visitar e com poucas opções de gastronomia.

Mesmo assim, eles estão lá.

Firmes, convictos, rezando por mim.

Humildes, franciscanos, sem ostentação, querem a minha felicidade, torcem pela minha saúde para que eu possa continuar ajudando a pagar futuras viagens de demonstração de fé.

E, seguramente, não estão pensando só em mim.

Todos eles, juntos, devem estar mergulhados em orações, rogando para que toda a população brasileira alcance a prosperidade.

A sinceridade desses nossos representantes deve estar tocando o coração do papa Francisco.

Renan e seus colegas foram especialmente para a canonização de Anchieta, mas aproveitaram para prestigiar também os papas Santos.

E eles sabem que a fé não pode discriminar.

Santo brasileiro, polonês, italiano… todos merecem o nosso respeito.

Esses políticos, confesso, me emocionaram.

Nem quero saber quanto gastaram com transporte, alimentação estadia, locomoção.

Valeu a pena pagar parte de tudo isso.

Só peço, humildemente, que continuem rezando por mim.

Andres Sanches faz ato de repúdio a Diretor Financeiro do Corinthians em reunião que aprovou empréstimo de R$ 350 milhões

abril 27, 2014

andres areia mijada

“O Raul Corrêa precisa entender que para ser dirigente do Corinthians, é preciso arcar com o ônus e o bônus das escolhas e do cargo. Raul só quer saber do “bônus”.

Em reunião extraordinária do Conselho Deliberativo, o Corinthians, como era de se esperar, aprovou novo empréstimo para o “Fielzão”.

R$ 350 milhões, com taxas de juros previstas entre 17,25% e 18% ao ano.

Uma temeridade, levando-se em consideração, ainda, que os valores, se conseguidos, serão depositados na conta da BRL Trust, que destinará, a seu critério, a melhor, ou pior, utilização dos recursos.

Porém, duas situações, graves e importantes, chamaram a atenção durante o encontro.

Primeiro a ausência, inacreditável, do presidente alvinegro, delegado Mario Gobbi – que chegou após tudo terminado, com a desculpa de que assistia a missa do Padre Marcelo, no Parque São Jorge – e a do Diretor Financeiro Raul Corrêa da Silva, este sem dar explicações, mesmo sabedor de que seria tratado um assunto de sua alçada.

Ficou a impressão de que a omissão de ambos teria sido proposital, evitando possível constrangimento com questionamentos de conselheiros sobre endividamento e planejamento financeiro para pagar a nova responsabilidade.

Durante a reunião, por consequencia, os conselheiros puderam fazer perguntas apenas a Andres Sanches, diretor do estádio, e ao representante da Odebrecht.

Ao final, apesar de satisfeito com a aprovação do empréstimo, o ex-presidente do Corinthians, demonstrou sua revolta com a ausência dos principais nomes da atual gestão alvinegra, solicitou a palavra, subiu ao palco, e fez um pronunciamento nervoso, que tratou como “Nota de Repúdio”, contra o Diretor Financeiro Raul Corrêa da Silva:

“O Raul Corrêa precisa entender que para ser dirigente do Corinthians, é preciso arcar com o ônus e o bônus das escolhas e do cargo. Raul só quer saber do “bônus”.

Sem dúvida um desabafo, forte, e que dá margem a diversas interpretações.

“O diretor financeiro não comparecer numa reunião que trata sobre assunto de aprovação de empréstimo é um absurdo ! Inaceitável. Para ser dirigente do Corinthians o cara tem que se dedicar, largar família, trabalho, amigos e tudo mais..”

“Esse Raul, que fica me enchendo o saco pedindo documentos, explicações, e chega na hora “H” foge da reunião ? Não é atitude digna de dirigente do Corinthians.”

Apesar de não citar o presidente Mario Gobbi em sua Nota de Repúdio, Sanches demonstrou seu absoluto descontentamento com o dirigente nos bastidores, em que chegou a trata-lo como “filho da puta” e “vagabundo”, ao comentar a ausência na reunião do Conselho.

Pacaembu e Corinthians – despedida e arrependimento

abril 27, 2014

andres pacaembu

O Corinthians, embora deva ainda jogar uma vez ou outra no estádio, realiza, logo mais na partida contra o Flamengo, uma despedida simbólica do Pacaembu.

Local que, nas alegrias e tristezas, sempre foi o porto seguro dos mais Fieis alvinegros.

Na prática, um casamento que deu certo.

Porém, nos últimos anos, seduzido por uma nova “conquista”, em Itaquera, o clube, que poderia ter reformado a velha casa por valores que corresponderiam a um quinto do que já se gastou no “Fielzão”, rendeu-se à tentação e deixou de lado o juízo, abandonando quem sempre esteve ao seu lado.

O Pacaembu, mais charmoso, melhor localizado, e menos oneroso, além de não tomar recursos do clube, poderia, ainda, servir-lhe de espaço de arrecadações milionárias, sempre lotado, aliás, como estava acontecendo.

Agora, na distante e quase indígena Itaquera, tirante a euforia inicial – que deve lotar, por algum tempo, o “Fielzão” – virá na sequência a dura realidade.

O clube terá que escolher entre pagar o estádio ou montar uma equipe competitiva – não há margem financeira para ambas as coisas – razão principal de estímulo para comparecimento de um torcedor no campo de futebol.

A montagem de um esquadrão aquém da história do Corinthians, aliada às dificuldades do torcedor em chegar ao estádio – seja pelo transito das vias de acesso ou até mesmo os horários de pico do metrô – a quase certa cobrança de ingressos caríssimos, além dos riscos que o local oferece, sem demagogia, um centro de criminalidade, podem, aos poucos, desestimular o comparecimento do público, deixando o clube em situação financeira ainda mais desconfortável.

Daí, a lembrança do Pacaembu, onde a felicidade, mesmo nas derrotas, era latente, se transformará em arrependimento, de um tempo sem dívidas, com grandes esquadrões no gramado e o charme que, apesar dos banheiros de mármore, entre outros luxos, o “Fielzão” dificilmente igualará.

EM TEMPO: antes que revoltados se insurjam contra o termo “indígena” para retratar  Itaquera, faz-se necessário esclarecer que o apelido que moradores da Zona Leste, em média, de classe pobre, se referem ao bairro é o de “Indiaquera”.  As razões são óbvias.

O primeiro equívoco (?) de Carlos Miguel Aidar no futebol do São Paulo

abril 27, 2014

aidar

Carlos Miguel Aidar, ainda deslumbrado em retornar ao poder do São Paulo, já iniciou sua gestão na administração do clube com uma atitude pra lá de equivocada.

Se é que se tratou de apenas um erro.

Oferecer R$ 400 mil mensais a um jogador absolutamente comum, como é Alan Kardec, depõe contra o discurso de campanha de realizar um mandato moderno e transparente.

Pior ainda é ter comprado uma desnecessária briga com o rival Palmeiras, que, acertadamente, parece não interessado em cometer loucuras para acertar com o jogador, e, principalmente, com seu “leiloeiro” empresário.

Resta saber se o interesse de Aidar no negócio, ruim, é puramente técnico ou se rendeu-se, também, a aceitar as taxas de “retorno” da comissão do intermediário do atleta, aceitas, segundo informações, por José Carlos Brunoro, dirigente do Verdão, e que só não foram levadas a cabo porque o presidente Paulo Nobre, de maneira sensata, pelo menos até o momento, não se rendeu aos números propostos.

Os dilemas do Palmeiras

abril 27, 2014

palmeiras segunda

O Palmeiras vive dilemas importantes, no ano de seu centenário, e que, se mal resolvidos, podem comprometer o futuro de sua história.

Em primeiro lugar, o de não ceder aos apelos de torcedores – alguns “organizados” e pagos para reclamar – acertando contrato milionário com o fraco Alan Kardec, alçado a “Salvador da Pátria” diante da mediocridade do futebol brasileiro.

Se o fizer, não mais poderá seguir com a acertada política imposta pelo presidente Paulo Nobre de não mais pagar salários acima da capacidade financeira do clube.

Outro problema é aceitar que sua atual equipe de futebol é risível, lamentável, e indigna de suas tradições – com ou sem Kardec.

Ou seja, sonhar com títulos no centenário, apesar de desejável, é abrir a porta para novo rebaixamento.

A inteligência, neste momento, seria atuar de acordo com a realidade, fechadinho, evitando derrotas humilhantes, tentando conquistar o máximo de pontos possíveis, para, ao menos, se colocar em posição honrosa no campeonato.

Sim, o clube é grande, tem história, mas não pode manchá-la, novamente, por querer mostrar o que, há tempos, não possui mais.

Não se constrói casa sem alicerce, e o do Palmeiras está mais do que corroído, vítima de gestões lamentáveis de incompetentes que hoje pagam os “organizados” para criar o clima de inferno, no anseio de retornar para demolir o que restou de suas desadministrações.

Enquanto o presidente do clube, seja ele Paulo Nobre ou outro qualquer, precisar emprestar do bolso dinheiro ao caixa do Palmeiras, não há como pensar grande, apenas a necessidade de trabalhar para voltar a crescer.

Arnaldo Tirone prometeu “dar” R$ 450 mil anuais, em jogadores, a dirigente que avalizou empréstimo de R$ 21 milhões ao Palmeiras

abril 27, 2014

patetas palmeirastrês patetas

Em vídeo, o “benfeitor” Antenor Angeloni, dirigente do Criciúma, que diz ter aceitado ser avalista de empréstimo de R$ 21 milhões para o Palmeiras, utilizados para contratar o jogador Wesley, com o único objetivo de estreitar relações com o clube, fez outras revelações, entre ofensas ao atual gestor, Paulo Nobre, que demonstram a absoluta incapacidade do antecessor, Arnaldo Tirone, e também de seus dirigentes mais próximos.

“Eles me prometeram “dar”, todo ano, três jogadores de R$ 150 mil.”.

Ou seja, além de ter que quitar uma pendência até agora mal explicada, apesar de documentada, de R$ 21 milhões, acrescidos de juros, com o dirigente, o clube teria que ceder, gratuitamente,  segundo o credor, R$ 450 mil anuais em patrimônio, ou seja, jogadores de futebol.

O Conselho Deliberativo palestrino precisa assistir ao vídeo abaixo, e cobrar, posteriormente, as devidas explicações:


%d blogueiros gostam disto: