Advertisements
Anúncios

O magistrado, a repercussão e os efeitos de seus julgamentos

charge dirceu

Alguns magistrados brasileiros – juízes, desembargadores e ministros – andam esquecidos de um mandamento legal que regula a atividade jurisdicional com prevalência sobre a convicção pessoal ou o assim chamado motivo de consciência.

O Ministro Barroso – o mesmo do contrato sem licitação para prestação de serviços jurídicos, concomitantemente com sua nomeação para o Supremo – afirmou para a imprensa que não se preocupa com a repercussão social de suas decisões.

Parece despreparado para a função de Juiz da Suprema Corte, porque está desobedecendo o mandamento do artigo 5º da Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro, que determina:

“Art. 5º – Na aplicação da lei, o juiz atenderá aos fins sociais a que ela se dirige e às exigências do bem comum.”

(Decreto Lei nº 4.657 de 4 de setembro de 1942, anteriormente “Lei da Introdução ao Código Civil”, que teve a ementa alterada para “Lei da Introdução às Normas do Direito Brasileiro”, e pela Lei nº 12.376 de 30 de dezembro de 2010, sem alteração do Artigo 5º)

E, infelizmente, como se infere de declarações prévias, preparatórias para o desastre que se avizinha, para o desatino que será consumado perante os anseios da nação, parece que o ministro Celso de Mello, ao que tudo indica, vai receber os falecidos embargos infringentes, mandando a pizza para o forno.

Também – apesar de quase 30 anos no Supremo – vai ignorar o mandamento daquela Lei de Introdução, pouco se importando com a repercussão social e as exigências do bem comum, frustrando a expectativa da população de que se faria Justiça contra os envolvidos nos crimes do “Mensalão”.

Segundo a Professora Dra. Maria Helena Diniz, da Faculdade de Direito da USP, em seu renomado livro “Código Civil Anotado”:

“O fim social da norma (art.5º) consiste em produzir na realidade social determinados efeitos que são desejados por serem valiosos, justos, convenientes, adequados à subsistência de uma sociedade, oportunos, etc.”.

Por outro lado, diz a professora:

“O bem comum consiste em preservação dos valores positivos vigentes na sociedade…”

Ressalta evidente que ressuscitar os embargos infringentes importará em defender réus em detrimento da sociedade.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: