Advertisements
Blog do Paulinho

Coluna do Fiori

FUTEBOL: POLÍTICA, ARBITRAGEM E VERDADE

Fiori é ex-árbitro da Federação Paulista de Futebol, investigador de Polícia e autor do Livro “A República do Apito” onde relata a verdade sobre os bastidores do futebol paulista e nacional.

http://www.navegareditora.com.brEmail:caminhodasideias@superig.com.br

apito limpo

“A ciência poderá ter encontrado a cura para a maioria dos males, mas não achou ainda o remédio para o pior de todos: a apatia dos seres humanos”

Helen Keller: foi uma escritora e ativista norte-americana

—————————-

Pouco de meu histórico para decoro na arbitragem do futebol

Nunca cometi traições ou inveja, abominei bajulações, defendi no papo, através cartas e na mão grande o nome do SAFESP ante de muitos casos, incluso aqueles que acusavam árbitros envolvidos com esquema eleitoral na época dos “ilibados” José Maria Marin/Eduardo José Farah então dirigentes da FPF; fui contra os árbitros que atendendo pedido do Farah ou prepostos, por terem demonstrando servilismo, deixaram de frequentar a sede da entidade, vindo a fazê-lo tempos depois, com o aquiescer do Farah na presidência da FPF.

Por estas e outras não consigo passar batido ante a indiferença dos ex-associados fundadores do SAFESP, igualmente dos que ainda o são, somado aos atuais, sobretudo aos que depositaram o voto no atual presidente a quem classifico juris171consulto, sua vice e diretoria, acrescido do macular cometido pelos componentes da comissão fiscalizadora por não terem tomado a iniciativa de suspenderem a votação quando da distribuição dos mimos aos eleitores da chapa vencedora acontecidos sobre seus olhares de acordo com vídeo que nos foi entregue.

Débito

A culpabilidade do previsível e triste findar da entidade que quando na ativa e até o presente defendo por ter sido e ainda poderá ser a basilar representante dos árbitros de futebol inscritos nas respectivas federações, igualmente aos árbitros denominados amadores, direciono aos acusadores da gestão Arthur Alves Junior que até o presente nada provaram, ao contrario: temendo sofrer rebotes, num claro demonstrar de rabo preso, estão caladinhos.

Ultimando

Existindo sócio(s) federado ou não que tenha coragem e independência das escalas; recorro que inicie movimento para averiguar o juris171consulto, sua vice e diretores sobre o que fizeram da posse até o presente; não havendo esclarecimento e convencimento, se a lei permitir: que seja apresentado pedido de destituição, nomeação de diretoria provisória e convocação para eleição.

——————————

20ª Rodada da Série A do Brasileirão 2022

Sábado 30/07

Ceará 1 x 2 Palmeiras

Árbitro: Anderson Daronco (FIFA-RS)

VAR

Rodrigo Nunes de Sa (FIFA-RJ)

Item Técnico

Deixou de marcar claríssima penalidade máxima cometida pelo palmeirense Gustavo Gomes no oponente Mendoza e,

Na

Maior cara de pau sinalizou a marca da cal favorável à equipe cearense quando da disputa normal Viña com o palmeirense Danilo

Item Disciplinar

Cartão Amarelo: 03 para palmeirenses e 03 para cearenses

Vermelho: Richardson defensor do Ceará por ter cometido falta no oponente Dudu impedindo a probabilidade de mandar à redonda pro fundo da rede.

Corinthians 1 x 0 Botafogo

Árbitro: Jean Pierre Goncalves Lima (RS)

VAR

Daniel Nobre Bins (RS)

Item Técnico

Não ocorreram lances duvidosos. Trabalho normal dos representantes das leis do jogo

Item Disciplinar

Sem advertência

Domingo 31/07

Internacional 3 x 0 Atlético-MG

Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza (FIFA-SP)

VAR

Daiane Caroline Muniz dos Santos (FIFA-SP)

Item Técnico

Trabalho aceitável dos representantes das leis do jogo

Item Disciplinar

Cartão Amarelo: 01 para gaúcho e 01 para mineiro

Copa Libertadores – Terça Feira 02/08

Corinthians 0 x 2 Flamengo

Árbitro: Patrício Loustau (FIFA-ARG)

VAR

Germán Delfino (FIFA-ARG)

Item Técnico

Não ocorreu infração no momento em que a bola tocou no braço encolhido de um flamenguista, sobrando para Arrascaeta marcar o primeiro gol Rubro-Negro.

Item Disciplinar

Cartão Amarelo: 01 para corintiano e 02 para flamenguistas

Defino

Trabalho bem desenvolvido por Patrício Loustau e assistentes

Quarta Feira 03/07

Atlético-MG 2 x 2 Palmeiras

Árbitro: Facundo Tello (FIFA-ARG)

VAR

Juan Lara (FIFA-CHI)

Item Técnico

1º – Corroborou com o acerto do assistente 02: Gabriel Chade (FIFA-ARG) no exato instante que sinalizou posição de impedimento de um palmeirense no lance antecedente do chute do também Piquerez findado no fundo da rede atleticana, fato confirmados pelo VAR.

2º – No ato, apontou a marca da cal na infração cometida pelo palmeirense Marcos Rocha no oponente Jair;

Penalidade

Batida por Hulk transformada no gol de abertura do placar

3º – Árbitro, assistente 01: Diego Bonfá (FIFA-ARG) e VAR acertaram ao validarem o segundo gol alviverde marcado por Danilo.

Item Disciplinar

Cartão Amarelo: 02 para atleticanos


Confira abaixo o programa “COLUNA DO FIORI”, desta semana.

Nele, o ex-árbitro comenta assuntos, por vezes, distintos do que são colocados nesta versão escrita

*Não serão liberados comentários na Coluna do Fiori devido a ataques gratuitos e pessoais de gente que se sente incomodada com as verdades colocadas pelo colunista, e sequer possuem coragem de se identificar, embora saibamos bem a quais grupos representam.


Política

O fiel da balança

Não seria exagero dizer que o resultado final da eleição de outubro pode depender do desempenho e das escolhas de Ciro Gomes

Poucos políticos brasileiros têm uma trajetória tão singular quanto Ciro Gomes, candidato do PDT à Presidência da República, agora em sua quarta tentativa de chegar ao Palácio do Planalto. Dono de um extenso currículo, Ciro elegeu-se deputado estadual, federal, prefeito de Fortaleza, governador do Ceará e tornou-se ministro da Fazenda no fim da administração Itamar Franco e da Integração Nacional na primeira gestão de Lula. Em um intenso vaivém ideológico, já foi filiado ao PDS (ex-Arena), PMDB, PPS (ex-Partido Comunista), PSDB, PSB, Pros e PDT, migrando com desenvoltura de uma legenda que representava a direita autoritária no Brasil, escolha feita em sua juventude, para siglas mais à esquerda na maturidade — um caminho peculiar.

Ao avesso das negociações e da diplomacia nos bastidores, marcas de políticos clássicos do passado brasileiro, Ciro é conhecido também por ser dono de um temperamento mercurial. Desde o início, ele sempre seguiu a escola do “bateu, levou”, uma característica que já lhe custou caro. Na campanha de 2002, em sua segunda tentativa presidencial, ele quase chegou ao segundo turno — e, se chegasse, teria chances de vitória, de acordo com as pesquisas de opinião pública. Analistas políticos dizem que, naquela eleição, Ciro foi atrapalhado pelo próprio Ciro, ao dar declarações agressivas a um ouvinte num programa de rádio e ao dizer, de modo infame, que a função de sua então mulher, a atriz Patricia Pillar, naquela disputa era apenas dormir com ele. Ciro pediria desculpas pelo arroubo verbal, mas não adiantou.

Duas décadas depois, aos 64 anos, Ciro aparece novamente como um personagem a ser observado. É verdade que a posição nas pesquisas não chega a empolgar seus correligionários. O candidato do PDT tem em torno de 9% das intenções de voto. Mas não seria exagero dizer que o resultado final da eleição de outubro pode depender de seu desempenho e de suas escolhas. Hoje, ele é o único com potencial de romper o favoritismo do atual ocupante do Palácio do Planalto, Jair Bolsonaro, e do ex-presidente Lula. Mas há um dado ainda mais relevante: um ocasional apoio de Ciro ou de seu eleitorado pode inclusive, definir o pleito no primeiro turno.

Pela lógica, seria natural uma aproximação com o PT. Mas as declarações recentes demonstram uma profunda amargura com Lula, a quem responsabiliza pela eleição de Bolsonaro em 2018. Em sua visão, Ciro acha que o PT poderia ter apoiado o seu nome naquela circunstância — e alguns nomes do partido defendiam esse caminho, até mesmo Fernando Haddad, que acabou sendo o escolhido. Evidentemente, endossar Bolsonaro não é uma opção, mas sair de cena pode fazer com que um pedaço significativo de seu eleitorado migre para o capitão ou simplesmente se abstenha. Na reportagem que começa na página 26, a repórter Letícia Casado realiza um profundo mergulho na candidatura de Ciro, conta sua estratégia para subir nas pesquisas e traça cenários, caso ele não chegue ao segundo turno. É difícil fazer projeções faltando ainda dois meses para a votação, mas uma coisa é certa: de um jeito ou de outro, Ciro Ferreira Gomes demonstra grande probabilidade de ser o fiel da balança neste pleito. Convém prestar atenção a todos os seus movimentos.

Publicado em VEJA de 10 de agosto de 2022, edição nº 2801

——————————

Finalizando

Brasil?

Fraude explica.

Carlito Maia: foi um publicitário brasileiro

——————————

Chega de Corruptos e Corruptores

Se liga São Paulo

Acorda Brasil

SP-06/08/2022

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: