Advertisements
Blog do Paulinho

Coluna do Fiori

FUTEBOL: POLÍTICA, ARBITRAGEM E VERDADE

Fiori é ex-árbitro da Federação Paulista de Futebol, investigador de Polícia e autor do Livro “A República do Apito” onde relata a verdade sobre os bastidores do futebol paulista e nacional.

http://www.navegareditora.com.brEmail:caminhodasideias@superig.com.br

apito limpo

“Se você agir sempre com dignidade, pode não melhorar o mundo, mas uma coisa é certa: haverá na Terra um canalha a menos”

Millôr Fernandes: foi um desenhista, humorista, dramaturgo, escritor, poeta, tradutor e jornalista brasileiro

—————————————————

Insuperável entendedor e praticante do direito que preside o SAFESP

Anos atrás, após fusão APAFUP/APFESP, constituíram o SAFESP, que continuou com sede na casa até então alugada pela APFUP situada na Rua Dos Bororos na Bela Vista; passado algum tempo, com muita luta, compramos  o sobrado localizado no mesmo bairro, na travessa da Rua São Joaquim;

Depois de anos

Na segunda administração José Assis Aragão ocorreu à venda seguida da compra do imóvel situado na Rua Thomaz Edson 273, na Barra Funda.

Estamos

Em dezembro, mês natalino; onde perdura a confraternização e presenteamentos.

Entre neste clima!

Converse com sua vice, diretores, e, juntos; preparem e assinem

O pedido de  Exoneração

————————————————————–

37ª Rodada da Série A do Brasileirão 2021

Domingo 05/12

Corinthians 1 x 1 Grêmio

Árbitro: Bruno Arleu de Araújo (FIFA-RJ)

VAR

Rodrigo Nunes de Sa (FIFA-RJ)

Item Técnico

Tanto o principal, quanto, assistentes não tiveram influência no resultado

Item Disciplinar

Cartão Amarelo; 01 para corintiano e 03 para gremistas

Amarelou

Apesar de ter sido contestado por gremistas com dedo em riste em algumas decisões; o boto-branco ligeiramente saia do local e segue o jogo. Fosse obediente aos ditames das leis do jogo, em uma delas Rafinha receberia o cartão vermelho.

Segunda Feira 06/12

São Paulo 3 x 1 Juventude (RS)

Árbitro: Bráulio da Silva Machado (FIFA-SC)

VAR

Rodrigo Dalonso Ferreira (FIFA-SC)

Item técnico

Aceitável

Item Disciplinar

Cartão Amarelo: 05 para defensores do Mais Querido e 03 para o Verdão Gaúcho da cidade de Caxias

38ª e Ultima Rodada – Quinta Feira12/12

Juventude 1 x 0 Corinthians

Árbitro: Rodolpho Toski Marques (FIFA-PR)

VAR

Emerson de Almeida Ferreira (MG)

Item Técnico

1º – A contenda estava 0x0 quando apontou empurrão do corintiano Jô no costado do oponente que estava à frente, no lance findado com o cabecear do corintiano profundo da rede:

No ato

Não entendi infração, o mesmo ao rever o VT

2º – após cobrança de escanteio bola desviou no braço esquerdo e pouco aberto do corintiano Gabriel Pereira e jogo seguiu;

Na

Paralização, VAR solicitou que árbitro fosse rever no monitor, na volta sem pestanejar, apontou a marca penal;

Chico

Bateu, decretando a vitória e permanência do Juventude na Série A do Brasileirão 2022

Item Disciplinar

Cartão Amarelo: 01 para defensores alviverdes e 02 para alvinegros

Vermelho: Absolutamente correto para o defensor corintiano Fagner, no momento que o jogo estava paralisado com o oponente João Vitor no solo, conscientemente lhe desferiu violento chute na pança.


Confira abaixo o programa “COLUNA DO FIORI”, desta semana.

Nele, o ex-árbitro comenta assuntos, por vezes, distintos do que são colocados nesta versão escrita:

*A coluna é também publicada na pagina http://esporteformigoni.blogspot.com

*Não serão liberados comentários na Coluna do Fiori devido a ataques gratuitos e pessoais de gente que se sente incomodada com as verdades colocadas pelo colunista, e sequer possuem coragem de se identificar, embora saibamos bem a quais grupos representam.


Política

Um ‘cristão’ de vários senhores

Segundo o ‘Evangelho’, só se pode servir a um senhor; e o ‘terrivelmente evangélico’ Mendonça tem ao menos quatro.

Em 10 de julho de 2019, o presidente Jair Bolsonaro disse, em culto evangélico na Câmara dos Deputados, e depois repetiu no plenário, que indicaria um “terrivelmente evangélico” para vaga no Supremo Tribunal Federal (STF). “Terrível”, segundo o dicionário Aurélio, vem do latim terribile e quer dizer “que infunde ou causa terror”. Ou ainda: “muito ruim, péssimo” (página 1.951). “Evangélico”, segundo a mesma fonte, “relativo ao Evangelho; ou a seus ditames” (página 854). Esse foi o argumento usado por ele ao indicar o pastor presbiteriano André Mendonça para a vaga no STF com a aposentadoria do decano Marco Aurélio Mello, em julho último.

Em momento algum Sua Excelência referiu-se aos ditames da Constituição para a seleção do nome para completar o “pretório excelso”, conforme o artigo 101 da Constituição revisada: “O Supremo Tribunal Federal compõe-se de 11 ministros, escolhidos dentre cidadãos com mais de 35 e menos de 75 anos de idade, de notável saber jurídico e reputação ilibada”. Há dúvidas se o membro escolhido pelo chefe do governo e saudado pela primeira-dama em língua indecifrável por humanos, por mais poliglotas que sejam, abrigue em seu currículo esses predicados. De sua obra jurídica, a mais notória é a coordenação de um livro em homenagem aos dez anos de presença de Dias Toffoli na casa em que será acolhido. Não se pode dizer que seja justo, mas grato, certamente, o é o funcionário com carreira apadrinhada na Advocacia-Geral da União (AGU) pelo ex-chefe.

Em 30 de outubro de 2002, quando exercia a função na repartição no norte do Paraná, o pastor tido como jurista assinou na Folha de Londrina artigo intitulado O Povo Se Dá uma Oportunidade sobre a vitória do candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) à Presidência da República. Pontificou: “Temos o primeiro presidente eleito do povo e pelo povo”. Rasurou a História. O pernambucano Aristides Inácio da Silva, pai de Lula, foi ensacador no Porto de Santos, e estivadores não ganham salário mínimo. Em setembro passado, um desses trabalhadores nesse porto ganhava, em média R$ 7.501 mensais, o triplo do que o governo do Estado de Minas Gerais paga, em média, a professoras, ofício de Júlia Kubitschek de Oliveira, mãe do telegrafista, médico, prefeito de Belo Horizonte, governador de Minas Gerais e presidente da República Juscelino. Quando Mendonça entrou no serviço público, o idolatrado em seu artigo tinha deixado de ser operário (qualificado) da Villares para assumir um posto de direção no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema, hoje do ABC, com uma jornada de trabalho muito menor e um salário superior ao de um operário privilegiado de montadora de automóveis.

A militância impressa e assinada leva o observador mais atento a lembrar algo mais comprometedor na biografia do novo ocupante da cúpula do Poder Judiciário nacional. Indicado pelo patrono da vida inteira, Dias Toffoli, advogadinho do PT desde o estágio, Mendonça foi feito chefe da AGU por Michel Temer, a pedido de Jair Bolsonaro, que tinha acabado de derrotar o candidato-poste do partido de Toffoli & Mendonça. Desde então, passou a desafiar um preceito do Evangelho. “Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou há de odiar um e amar o outro ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom” (Mateus, 6:24). Mamom, nos estudos bíblicos, define não apenas dinheiro, como registram as traduções mais conhecidas, mas também tudo o que diga respeito a patrimônio de bens materiais. Restará ao reverendo a desculpa de que ele não ofende o preceito de Nosso Senhor, de não ter dois senhores, por servir a, pelo menos, o que é público e notório, quatro: Toffoli, patrono de suas promoções na casta burocrática; Lula, líder de ambos, agora em nova disputa pela Presidência; Bolsonaro, que com este disputará a própria permanência no cargo; e Gilmar Mendes.

Comemorado pelo pranto festivo de Michelle Bolsonaro, André Mendonça herdará, ao assumir o gabinete do primo de Fernando Collor, várias causas que cuidam de interesses da famiglia presidencial. Uma delas repousa no berço esplêndido da dúvida da origem de R$ 89 mil depositados na conta de madame por Fabrício Queiroz, subtenente da PM fluminense e suspeito de ser pau-mandado de milicianos.

Deus é testemunha de que o indicado anterior pelo capitão na Presidência, Kássio Nunes Marques, tem negado sistematicamente o brocardo segundo o qual ministros do STF se dispensam de fidelidade a padrinhos ao longo do exercício. Porque não mais podem ser alcançados pelo alfanje da demissão. Talvez nem a infinita sabedoria divina será capaz de profetizar que ginástica absurda o fâmulo de Mamom terá de praticar para servir aos senhores que dele esperam, no mínimo, gratidão eterna enquanto dure.

Por enquanto, tudo indica que os quatro desejam a derrota de Sérgio Moro no primeiro turno. Mas em outubro de 2022, se Bolsonaro realizar o sonho de disputar o segundo com Lula e vice-versa, a que causa se dedicará o servidor de Mamom?

José Nêumanne: Jornalista, poeta e escritor – Publicado no Estadão dia 09/12/2021

—————————————————————

Finalizando

“Não há quem seja mais desprezível do que aquele que cobiça, pois até a sua alma vende”

Textos Judaicos

—————————————————————–

Chega de Corruptos e Corruptores

Se liga São Paulo

Acorda Brasil

SP-11/12/2021

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: