Advertisements

O dilema de seu Cidones

Da FOLHA

Por GUILHERME BOULOS

Sem ajuda econômica, tem de escolher entre o vírus e a falência

Seu Cidones tem um bar na rua de baixo da minha casa. Há uns meses, quando o comércio ainda estava aberto, desci lá e tivemos uma conversa. Ele, angustiado, contava que se sentia entre a cruz e a espada.

De um lado, as perdas de conhecidos pelo vírus e o medo de ser contaminado. De outro, as contas a pagar, a cobrança dos fornecedores e o medo da falência.

O dilema do seu Cidones é o mesmo de milhões de brasileiros que, com muita labuta, ergueram um pequeno negócio e agora enfrentam as agruras da pandemia. Ele ouvia Bolsonaro desdenhar do vírus e dizer que, se não abrisse seu comércio, morreria de fome. E Doria dizia para que ficasse em casa. A verdade é que nenhum dos dois resolvia seu problema.

Não há dúvidas de que as medidas de isolamento sanitário —que incluem o fechamento do comércio e interrupção de atividades econômicas— são essenciais para conter a propagação da Covid. Aliás, só estamos nessa situação porque isso não foi feito no momento certo e com a coragem necessária, nem por Bolsonaro no país, nem por Doria em São Paulo.

Mas seu Cidones traz para o debate outra importante verdade: não existe lockdown possível sem apoio econômico aos mais vulneráveis, ainda mais num país tão desigual. O pedido para que as pessoas fiquem em casa não é suficiente quando isso significa falência, desemprego ou fome. Ou alguém acha que quem se aglomera todos os dias nas estações de trem ou em ônibus lotados ignora a letalidade do vírus?

Para que o isolamento se torne realidade e possamos reverter a curva da pandemia não basta conscientização ou medidas coercitivas. O auxílio emergencial, agora reduzido a um arremedo, é imprescindível para desempregados e trabalhadores informais. No caso dos pequenos empreendedores, era essencial que o governo federal e governos de estados ricos, como São Paulo, garantissem capital de giro a juro zero e com prazo de carência, adiamento de cobrança tributária e mesmo indenizações, como feito em outros países.

Medidas como essas permitiriam manter os negócios paralisados sem acumular dívidas impagáveis com fornecedores, aluguéis, contas e garantindo o pão na mesa. Levantamento da FGV na primeira onda mostrou que mais da metade dos que solicitaram alguma linha de crédito oferecida pelo governo não conseguiram. Enfim, foram jogados à própria sorte.

A política de Bolsonaro é a grande responsável por quase 320 mil mortos. Mas só pedir para as pessoas ficarem em casa sem alternativa é lavar as mãos. Mesmo com um ano de atraso, é urgente uma política de apoio econômico para o isolamento ser efetivo. A escolha de milhões de brasileiros como Cidones não pode ser entre o vírus e a fome.

Facebook Comments
Advertisements

2 comentários sobre “O dilema de seu Cidones

  1. Renato oliveira

    A doença deveria ser combatida lá no inicio, em março do ano passado. Mas o Bolsonaro desacreditou a doença e nunca fez nada para combater a doença. Na China a situação já está controlada, na Nova Zelândia a doença matou pouco e foi controlada. Porque são inteligentes e organizados. Mas no Brasil e em todo ocidente são todos idiotizados e irresponsáveis. Acreditem bastante em governo de extrema direita, para depois a pica de rinoceronte entrar no rabo de vocês.

  2. Gomes

    Gente, como esse Claúdio parece desocupado e chato.

    De 16 comentários, 11 são do cidadão.
    Amigão, todo mundo já percebeu sua tara do Dória, pode se conter um pouco.

    Esses caras lambedores de políticos são os que levam o país ao que ele é, uma lástima.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: