Advertisements

O Rollo de Robinho

Orlando Rollo

Esqueçam os nomes envolvidos: um investigador da Polícia Civil de São Paulo, maçom, decide contratar, como funcionário da empresa que faz ‘bico’, um sujeito condenado pela prática de estupro.

Qual seria a reação dos funcionários, principalmente as mulheres, do local de trabalho?

O que pensaria a maçonaria sobre esse nobre gesto?

E a cúpula da polícia?

A vítima, ao ler a notícia, ficará satisfeita?

O Santos Futebol Clube, nas próximas horas, através do policial Orlando Rollo, presidente interino, fechará acordo com Robinho, condenado a nove anos de prisão, na Itália, pelo estupro coletivo de uma jovem brasileira de 18 anos, cometido no ano de 2013.

Antes disso, em 2009, na Inglaterra, o atacante foi acusado pela mesma prática e, indiciado, ficou em liberdade após pagamento de fiança.

O processo, no fim, foi arquivado.

Dois raios, um deles comprovado, na cabeça da mesma pessoa.

Orlando Rollo, apesar de policial, parece não se importar com as coincidências, nem com a gravidade do crime condenado, muito menos no que essa decisão implicará à imagem do clube diante da quase certa indignação das torcedoras alvinegras.

Novo escândalo: Robinho é acusado de estupro coletivo na Itália - RecordTV  - R7 Jornal da Record

Advertisements

Facebook Comments

1 comentário em “O Rollo de Robinho”

  1. A maçonaria não é mais popular. Ninguém mais quer saber de ser maçom. Tem gente abandonando a maçonaria e nas universidades americanas é aconselhado a não falar de maçonaria. A maçonaria está em decadência, nos EUA e no mundo.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: