Advertisements

Das Diretas ao impeachment já!

Da FOLHA

Por DOMINGOS LEONELLI

Não impedirão a luta do povo pela democracia

Claro que a história não se repete, senão como farsa ou tragédia. Mas os momentos históricos trazem lições nas suas próprias dessemelhanças ou representam uma certa continuidade que vale a pena ser percebida.

A campanha das Diretas Já foi a maior mobilização popular do Brasil no século 20. Realizada praticamente em todo o território nacional, a partir de milhares de manifestações, sem que uma gota de sangue fosse derramada. Sem que uma vidraça fosse quebrada. Isso irritava ainda mais os militares e civis do regime. As agressões verbais e físicas vinham da parte dos próprios generais da ditadura, que classificavam a campanha como baderna e sitiaram Brasília militarmente dias antes da votação da emenda Dante de Oliveira. Na boa tradição fascista, o general Newton Cruz, além de cercar o Congresso Nacional, promovia uma verdadeira arruaça. Distribuía chicotadas do alto do seu cavalo branco de “Napoleão de hospício”, ordenava golpes de cassetete e bombas de gás contra o buzinaço das Diretas. Ridículo e histérico, bradava: “Buzina agora que eu quero ver, seu filho da p…”. Mas o buzinaço não parou. E “Nini”, como era chamado, foi parar no lixo da história.

A maior semelhança das Diretas Já e a campanha do “impeachment já” é uma contraposição à lógica tradicional ou a uma certa racionalidade politica. A primeira teve início como uma proposta de um pequeno grupo de deputados do então PMDB para que se fizesse uma campanha em torno da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) apresentada pelo deputado Dante de Oliveira.

O líder da bancada federal do partido, o corajoso deputado Freitas Nobre, autorizou a formação de uma comissão que formulou um pequeno plano de marketing, depois aprovado pela bancada e levado à direção nacional do PMDB, presidido por Ulysses Guimarães —que, com audácia e habilidade, ganharia os governadores e venceria as resistências “racionais” de alguns dos principais líderes da época. Os argumentos são parecidos aos de hoje em relação ao “impeachment já”; principalmente o de que não teríamos os votos necessários no Congresso.

Mas a verdade é que, ao longo dos “15 meses que abalaram a ditadura”, subtítulo do livro que eu e Dante de Oliveira lançamos em 2004, a campanha das Diretas Já combinou, talvez como nunca na história, uma intensa mobilização popular com uma grande atividade parlamentar e política que culminou com uma votação espetacular no dia 26 de abril de 1984: 298 votos. Faltaram apenas 22 para que a emenda fosse aprovada. O cerco militar a Brasília, o erro de não se fazer uma greve geral, a chantagem explícita e a corrupção conseguiram os 65 votos contra as Diretas Já e as abstenções necessárias para a derrota da emenda Dante de Oliveira. A emenda derrotada no Parlamento seria, entretanto, vitoriosa na história. Poucos meses depois, a ditadura foi definitivamente superada com a vitória de Tancredo Neves em eleição indireta no Colégio Eleitoral, após uma verdadeira campanha popular sob a bandeira de “Tancredo Já”, numa clara referência às Diretas Já.

Hoje, como ontem, as forças democráticas não têm maioria de votos para o “impeachment já”. Em compensação, em vez de uma só PEC, temos mais de 30 pedidos de impeachment. Em 1984, tínhamos um general que preferia o “cheiro dos cavalos ao cheiro do povo”. Hoje, temos um capitão afastado por mau comportamento do Exército que, diante da morte de milhares de brasileiros, pergunta: “E daí?”.

Temos a emergência de um grupo de brasileiros que, embora francamente minoritário, é galvanizado por ideias racistas, misóginas, homofóbicas e de ódio à democracia —neste caso, mais pelas suas virtudes do que pelos seus defeitos. E temos, também, um novo campo de batalha político, inimaginável em 1983 e 1984, que é a comunicação das redes sociais pela internet.

Mas algo me diz que nem a pandemia de Covid-19. nem o vírus do fascismo que contaminou pouco mais de 20% da população brasileira —e nem o envolvimento de alguns militares no governo de Jair Bolsonaro–, impedirão a luta de mais de 70% do povo brasileiro pela democracia, traduzida na palavra de ordem “impeachment já!”

Advertisements

Facebook Comments

1 comentário em “Das Diretas ao impeachment já!”

  1. Sinto muito em dizer, mas militar no Brasil não vale nada. Nos EUA Trump queria usar o exército contra as manifestações contra racismo. O exército foi contrário a Trump. No Brasil onde a democracia engatinha, os militares vivem se metendo na política e tentando tomar o poder, simplesmente para atrasar o Brasil. Canalhas.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: