Por que a direita brasileira defende Donald Trump?

orelhas-de-burro

Da FOLHA

Por RAQUEL LANDIM

Ainda não consegui entender por que publicações nas redes sociais no Brasil contra as medidas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, provocam uma reação tão apaixonada de parte dos internautas.

Qualquer análise, post ou tuíte sobre o tema é respondido com uma saraivada de comentários críticos e até raivosos, como certamente será o destino dessa coluna.

Na semana passada, escrevi que os americanos pobres acabarão pagando a conta do muro que Trump pretende construir na fronteira como o México —aliás, o que costuma acontecer com medidas protecionistas.

Os comentários dos leitores pró-Trump variavam de “desonestidade intelectual”, “opinião enraizada no socialismo” a “jornalismo vendido para a esquerda”.

E isso está muito longe de ser exclusividade desse espaço. Vêm ocorrendo em publicações dos mais diversos jornalistas, economistas ou qualquer um que se aventure sobre o tema.

Sem tentar cercear os leitores, que são livres para criticar o que e quem quiserem, e lembrando que a liberdade de expressão é um dos pilares da democracia, falta substância a esses comentários.

Os conceitos de direita e esquerda estão cada vez mais fluidos, mas defender uma agenda de direita na economia é apoiar o liberalismo. Significa ser a favor da meritocracia e do livre mercado e ser contra o protecionismo e o intervencionismo.

Os defensores de Trump hoje foram críticos ardentes da ex-presidente Dilma Rousseff pelo desastre que sua administração provocou na economia brasileira, ao tentar controlar preços, subsidiar setores e reduzir o lucro das empresas.

Nas suas primeiras semanas no cargo, a agenda de Trump é muito parecida com a de Dilma. Para cumprir suas promessas populistas, o mandatário americano vem ameaçando as empresas.

Qualquer transnacional americana que abrir mais uma fábrica em outro país está sujeita a uma reprimenda direta da mais alta autoridade dos EUA —algo impensável tempos atrás. Difícil ser mais intervencionista do que isso.

As promessas de Trump incluem ainda uma forte redução de carga tributária, o que realmente é uma agenda liberal, mas também falam em gastos bilionários em infraestrutura para aquecer o mercado, uma medida keynesiana.

Do ponto de vista estritamente econômico, alguém que era contra Dilma não pode ser a favor de Trump. Meu palpite é que o americano esteja encantando um público conservador no Brasil, não pela condução da economia, mas por sua política de imigração que desrespeita os direitos humanos. Nesse caso, isso não é ser de direita, é ser racista.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.