Advertisements

Como fazer política no Brasil de Bolsonaro

Da FOLHA

Por ALVARO COSTA E SILVA

Ir preso é garantia de sucesso nas urnas

Quanto mais atos infames e criminosos, melhor. É assim que certos grupos —todos, incrivelmente, são ou já estiveram ligados a Bolsonaro— fazem política no Brasil. Fugido do governo, pode apostar que o jagunço Weintraub virou candidatíssimo.

Ir preso, de preferência do modo mais midiático possível, é garantia de sucesso nas urnas. Afinal, você pode apelar aos tribunais para fugir da cana dura, não importa se minutos antes estivesse jogando fogos de artifício no STF. O mesmo vale para o empresário que, depois de financiar a fábrica de mentiras que nega a gravidade da pandemia, fica indignado porque agentes da PF entraram em sua casa sem tirar os sapatos, desobedecendo as recomendações sanitárias.

Bolsonaro deu o pontapé inicial na práxis abjeta. Ao lançar a pedra de sua candidatura à Presidência, num movimento calculado para medir até que ponto poderia avançar, aproveitou a fogueira do impeachment de Dilma e declarou o voto “pela família e pela inocência das crianças” e “pela memória do coronel Brilhante Ustra”, catalogado torturador da ditadura militar e condenado pela Justiça.

Muitos fizeram cara de paisagem. No Rio, uma foto mudou a sorte de três aventureiros. Nela, eles apareciam rasgando uma placa em homenagem a Marielle Franco e dando risadas. Apesar de repugnante, a imagem rendeu os votos necessários para a eleição de Wilson Witzel, governador que se prepara para tirar férias em Bangu; de Rodrigo Amorimdeputado estadual acusado de embolsar dinheiro público; e de Daniel Silveira, deputado federal que é alvo do inquérito que apura atos antidemocráticos.

Presidente há um ano e meio, Bolsonaro, o amigo do Queiroz, se envilece a cada dia; com ele, o país. Quando se procurar uma bela paisagem para fingir que o problema não existe, aqui será território de milícia, região devastada, enorme cemitério.

Advertisements

Facebook Comments

1 comentário em “Como fazer política no Brasil de Bolsonaro”

  1. Eu não admito que o Brasil inteiro vire uma favela ou seja controlado por milicianos. Mas brasileiro é muito porra louca, brasileiro não tem cabeça, é estúpido igual o presidente. Vê se numa Dinamarca a polícia mata direto ou existe miliciano? É uma pergunta, tá?

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: