Advertisements

Política brasileira é versão mixuruca de ‘House of Cards’

Da FOLHA

Por CLAUDIA TAJES

O que vivemos é um filme de fluxo com roteiro escrito pelo Carlucho

Mixuruca. Adjetivo de dois gêneros. De má qualidade; sem valor; barato; pobre; reles; sem atrativos, sem graça; aborrecido; desenxabido; ruim.

Há quem compare as idas e vindas da nossa política com a série americana de ficção “House of Cards”, que mostrava os bastidores da Casa Branca. Só se for na versão mixuruca. Ralé. Bagaceira. Está aí o mais recente pronunciamento à nação do presidente para passar o atestado de insignificância que faltava.

Pronunciamento ou lamento? Nos 45 minutos que só serviram para disparar uma avalanche descontrolada de memes, faltou citar o soco que tomou de um coleguinha no primário. A menina que não quis namorá-lo na segunda série. O autorama que não ganhou em um Natal qualquer.

Um presidente se lamuriando em rede nacional, ocupando o tempo das brasileiras e brasileiros para se fazer de vítima em meio a uma pandemia. Onde está o valentão que ofende mulheres, destrata jornalistas, ameaça os outros poderes? Nem a egípcia que levou do então juiz de Curitiba em um aeroporto ficou de fora. Não podia faltar um coração partido no enredo.

Para justificar a demissão do agora desafeto, evocou mulheres de Araraquara, os crushes do zero quatro, a eletricidade desligada na piscina olímpica aquecida por energia solar, o Queiroz, os filhos sempre perseguidos pela mídia e a ingenuidade da sogra que, em lugar de fazer uma cirurgia plástica, preferiu remoçar dez anos na certidão de nascimento.

Teve até a desfaçatez de se comparar a Marielle Franco —vidas importam, mas a do presidente importa mais. “House of Cards” xexelento.

E o elenco? Dessa vez nosso protagonista se fez acompanhar por um bando de homens brancos inexpressivos, iguais na cara e na roupa.

Cotas: três mulheres para lá de coadjuvantes e um negro na figuração. Brilhando entre os desconhecidos, o chanceler que alertou para o perigo comunista do coronavírus e o astronauta, estrela da propaganda dos travesseiro da Nasa.

Um toque de nonsense, como se precisasse, foi o elogio à atuação do ministro da deseducação. Roubando a cena, Paulo Guedes apareceu de máscara. No futuro, poderá dizer que não era ele naquela foto.

“House of Cards” chinelão é pouco. O que vivemos é um filme de fluxo com roteiro escrito pelo Carlucho e caminhando para o “the end”.

Advertisements

Facebook Comments

1 comentário em “Política brasileira é versão mixuruca de ‘House of Cards’”

  1. A ditadura militar assassinou Juscelino kubstchek só porque ele queria um governo civil, e ele nunca foi comunista.. Milícia, só no Brasil é que existe esse tipo de coisa. Milícia se mete até em briga de marido e mulher. Expulsa pessoas de suas casas e mata se a pessoa não tiver dinheiro para pagar a extorsão. O Brasil é uma sociedade doente.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: