Advertisements

Banalização da maldade

Do ESTADÃO

Por MARCELO RUBENS PAIVA

Costumes de uma sociedade tolerante são condenados. Já se pediu até a censura

Era 6 de setembro de 2018. Na esquina da Rua Batista de Oliveira com Halfeld, em Juiz de Fora, a população carregava nos ombros o segundo colocado nas pesquisas eleitorais para a Presidência, candidato peculiar, sem partido, sem dinheiro, com discurso homofóbico, misógino, xenófobo, personagens de programas populares, por conta das declarações incomuns e bombásticas.

Apesar de escoltado por agentes da Polícia Federal, um desempregado, Adélio Bispo de Oliveira, dizendo-se a mando de Deus, seguiu o cortejo com uma faca de cozinha na mão embrulhada num jornal. A confusão era enorme. Em torno do candidato, ecoavam gritos de “mito”.

Muitos filmavam e tiravam fotos daquele até meses antes desconhecido e irrelevante no cenário político, deputado federal que se tornava uma celebridade por conta do discurso agressivo e anacrônico, que surpreendentemente enaltecia a tortura dos tempos da ditadura e dizia que os militares mataram pouco.

Adélio tentou por trás. Não conseguiu. Deu a volta. Ficou de frente. O relógio marcava 15h40. Deu uma estocada rápida, certeira. A vítima gritou, inclinou-se, desabou. E mudou a história do País. Como se cortasse a artéria do ódio e da insanidade que circulavam entre grossas paredes e jorraram como um poço de petróleo descoberto.

Então, o leitor para aqui e começa: Ele é petralha, de esquerda, preferia o roubo do PT? Assim, o debate se mantém na chapa fina da guerra ideológica. Não sou petralha, sou de esquerda, e também considero escandaloso o que se faz na Petrobrás, JBS, Odebrecht e tantas outras, num Estado gerador de propina, por conta da dependência do setor privado a ele.

Em 6 de setembro, o efeito foi imediato: quem estava na dúvida, ganhou certezas, quem queria um Brasil diferente, encontrou seu voto, quem não acreditava nas instituições, achava todas elas corruptas, vestiu a camisa. A facada lesionou a veia mesentérica superior, o intestino grosso e delgado. A vítima perdeu quase a metade do seu sangue. Se fosse centímetros mais à esquerda, morria. O Brasil perdeu o bom senso.

O roteiro era perfeito demais para ser verdade. Surgiram dúvidas. Um vídeo, A Facada no Mito, viralizou. Muitos se lembraram do atentado contra o também verborrágico e também em campanha (para deputado federal) jornalista Carlos Lacerda, em 5 de agosto de 1954, na Rua Tonelero, Rio de Janeiro, um crítico agressivo e contumaz, mais letrado, do presidente Getúlio Vargas. Lacerda sobreviveu. Assim como a polarização. Seu ajudante, major Vaz, não.

Outra vítima foi o próprio Getúlio, que se matou 19 dias depois. Na investigação, os culpados apontavam para gente do Palácio do Catete, especialmente o chefe da sua segurança, Gregório Fortunato, e o filho (sempre eles) Lutero Vargas.

O gesto dramático de Getúlio manteve aliados políticos no poder por um tempo. Juscelino Kubitschek debelou duas tentativas de golpe. João Goulart não teve a mesma sorte. O atentado em 1954 reverberou por dez anos, até culminar numa impiedosa ditadura cívico-militar.

A facada nos trouxe de volta a cultura dos tempos de chumbo, que a maioria abomina. Um artificial patriotismo é exaltado. Brasil Acima de Tudo tem uma levada fascista, que considera que o Estado é superior ao cidadão (Deutschland über alles). Costumes de uma sociedade progressista e tolerante são condenados. Já se pediu até a censura. Alimenta-se um discurso de ódio inédito na nossa história, praticado por assessores palacianos.

Imprensa, mídia, movimentos sociais, ideias de igualdade de gênero, casamento do mesmo sexo, o contraditório e o futuro foram atacados. Madeireiros colocaram fogo na Amazônia. Governantes culparam ONGs. Culparam o Green Peace por um vazamento de óleo. Garimpeiros invadem reservas indígenas e o meio ambiente. Lideranças são mortas. A mulher do presidente francês, destratada. Perguntou-se a um descendente de asiáticos: “Tudo tão pequeno por aí?”.

“Você tem uma cara de homossexual terrível”, foi dito a um jornalista. A adolescente ambientalista virou pirralha, e Paulo Freire, energúmeno. A grosseria se estendeu para o presidente da OAB, cujo pai é desaparecido político, o trabalho infantil, nordestinos, chamados pejorativamente de paraíbas. O presidente disse que não tinha fome no País, defendeu um filtro na Ancine, criticou a jornalista Miriam Leitão. Sobrou até para o Inpe, cientistas, veganos. Incentivou o turismo sexual. Tudo isso durante o mandato. “O Brasil não pode ser um país do mundo gay, temos famílias, pô.”

Em seu governo, universidades viraram plantações extensivas de maconha, Fernanda Montenegro, sórdida e mentirosa, o País foi o único que obstruiu o acordo da conferência sobre o clima, COP25, o prefeito de Nova York foi chamado de “toupeira”, a monarquia foi enaltecida, o Dia da Consciência Negra, criticado, os ditadores Stroessner (“um homem de visão”) e Pinochet, elogiados, o novo governo argentino, debochado, o Holocausto contra os judeus, perdoado, e o AI-5 foi chamado de volta. Danem-se os escrúpulos.

Recentemente, um mineiro e um paraense foram vistos em lugares públicos com suásticas nos braços. No domingo, o aposentado Adel Abdo foi preso em flagrante depois de disparar três vezes com um revólver calibre 22 no contador Rafael Dias, seu vizinho. Segundo testemunhas, teria dito: “Viado tinha que morrer”. O feminicídio vira epidêmico.

“Este é um governo absolutamente agressivo, que cria um clima horroroso no País. Tudo que é ligado à ciência e à arte está sendo demonizado. Artistas, cientistas e professores sofrem um bombardeio diário de mentiras, de assassinatos de reputações. O grupo que está no poder quer calar as vozes dissonantes”, disse Marcelo Adnet, humorista vítima de seguidores do presidente, à Folha de S. Paulo.

O Brasil vive sob ataque, precisava de um homem equilibrado, agregador, que respeitasse as diferenças e defendesse as instituições. Ganhamos o inverso. Numa facada que ainda jorrará muita bílis.

Facebook Comments
Advertisements

Um comentário sobre “Banalização da maldade

  1. Renato oliveira

    Tortura nunca mais. Idiotice nunca mais. Ignorância nunca mais. Palhaçada nunca mais.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: