Advertisements

Toma que o filho é teu, Jair!

Da FOLHA

Por REINALDO AZEVEDO

Ameaçado pela investigação sobre Flávio, Bolsonaro ensaia discurso ‘filho não é parente’

O presidente Jair Bolsonaro ensaiou nesta quinta (19) o discurso “filho não é parente”. Indagado sobre a folia no parquinho, onde Flávio Bolsonaro se dedicava aos folguedos da rachadinha em companhia de seus amiguinhos milicianos e de parentes do papai, respondeu: “Problemas meus, podem perguntar que eu respondo. Dos outros, não tenho nada a ver com isso”.

Epa! Toma que o filho é teu, Jair!

No dia 16 de maio, a perspectiva era outra. Sobre o mesmo assunto, respondeu o presidente com a idiopatia gramatical já conhecida: “Querem me atingir? Venham para cima de mim! (…) Grandes setores da mídia, ao qual vocês integram, não estão satisfeitos com o meu governo que é um governo de austeridade (…) é um governo que não vai mentir e não vai aceitar negociações, não vai aceitar conchavos para atender interesse de quem quer que seja. E ponto final”.

É tanta moralidade que a gente tem até certa vertigem do excesso. A realidade se adensou. Os fantasmas se agitam no armário. E o destemido “Mito” agora implora: “Não venham para cima de mim”.

Convém que se lembre aqui: o parágrafo 4º do artigo 86 da Constituição blinda o presidente de ser responsabilizado por atos anteriores ao exercício do mandato. Jurisprudência do Supremo, no entanto, resolveu fazer a criativa distinção entre “ser responsabilizado” e “ser investigado”. Assim, nada impede que se apure o que fez o mandatário no passado, sob demanda da Procuradoria-Geral da República e controle da corte.

É certo que Augusto Aras, procurador-geral da República, não o fará por ora. É óbvio, no entanto, que isso não serve para garantir a Bolsonaro o sono dos justos. Lembrei aqui no dia 6 deste mês que ele está como um Macbeth do Cerrado: mataram o seu sono.

Desde que veio à luz o relatório do Coaf com as lambanças de Fabrício Queiroz, Bolsonaro cometeu o erro de chamar para si o problema. Escalou seu porta-voz para anunciar que os filhos são “sangue do meu (seu) sangue”. Formam uma unidade. Tanto é assim que decidiram ter seu próprio partido. O presidente da legenda é Bolsonaro. O vice é o filho investigado. Contra a velha política! Em nome de “João, 8:32”, aquele da verdade que liberta.

Flávio não é o “o outro”. Flávio é o mesmo.

O terreno está minado. Qualquer movimento em falso que caracterize obstrução da Justiça, e o presidente pode, a um só tempo, cometer crime comum e crime de responsabilidade. As circunstâncias determinariam a saída. Em qualquer caso, Bolsonaro precisaria se entender com a Câmara ao menos. Em seu mais recente movimento, resolveu jogar a tigrada contra o Congresso, ameaçando vetar o fundo eleitoral.

O escorpião que pega carona nas costas do sapo não entendeu as virtudes do pragmatismo. É movido por sua natureza.

Encerro observando que movimentos nada sutis já se percebem no mercado propriamente e no mercado de ideias e informação. Mais do que nunca, é hora de “comprar Paulo Guedes” para se proteger da volatilidade que colhe Bolsonaro. É preciso convencer os interlocutores de que a garantia da estabilidade não está com o presidente, mas com o ministro da Economia. Em 2005, na crise do mensalão, a operação de “hedge” tinha Antonio Palocci como objeto. As crises fazem os ídolos morais.

Numa entrevista concedida na quinta (18) ao programa Central GloboNews, Guedes evidenciou inconformismo com a imprensa que noticia a morte de um índio, comparou as queimadas da Amazônia ao incêndio na Notre Dame e refletiu: “É muito mais importante um recurso de saneamento aqui, onde estão morrendo pessoas, e não lá, onde morreu uma árvore”. Uma humanista! Não será por falta de ídolos do reacionarismo que deixaremos de atingir a grandeza. Desde que escapem da polícia.

Advertisements

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: