Advertisements
Anúncios

Auditoria das contas do Arena Fundo, gestor do estádio de Itaquera, revela que Corinthians não quitou dívida com a Odebrecht

Com atraso de dois anos, o Arena Fundo FII, gestor das contas do estádio de Itaquera, teve as contas, dos exercícios 2017 e 2018, reveladas em auditoria.

O resultado, desconhecido dos conselheiros do Corinthians (até a presente data), segue nebuloso, para não dizer preocupante.

Observa-se que, além dos quase R$ 400 milhões em CIDs, o clube repassou ao Fundo R$ 109,6 milhões em arrecadações da Arena, retendo, porém, R$ 54,9 milhões, indevidamente.

Até então essa contabilidade nunca havia sido detalhada.

O relatório apresentado não esclarece, com exatidão, o destino desses recursos.

Diferentemente do que disse o presidente Andres Sanches, em reunião do Conselho, a auditoria, no item ‘Eventos Subsequentes’, que retrata o repasse integral dos CIDs à Odebrecht, observa que houve quitação PARCIAL, e não total, da dívida do Corinthians com a construtora.

Abaixo, trechos de três ‘ressalvas’ e duas ‘ênfases’, inseridas no documento:


RESSALVAS (das contas de 2017 e 2018)

  • Propriedades para investimentos (Estádio Arena Corinthians)

Conforme nota explicativa nº 8a, essas propriedades, no valor de R$711.791 milhões em 31/12/2018 (R$ 820.993 milhões em 31/12/2017), estão avaliadas ao seu valor justo pelo método conhecido como “Capitalização de Renda”.

Nesse método foram utilizadas expectativas de receitas e despesas futuras ajustadas a valor presente que consideram premissas de receitas relacionadas a bilheterias, contratos de camarotes, contratos de cadeiras PSL, locações de espaços, publicidade, “naming rigths” e custos de administração e despesas relacionadas aos jogos de futebol.

Em nosso processo de auditoria nós não obtivemos evidência suficiente de realização das receitas, custos e despesas que foram utilizadas para determinadas projeções realizadas pela administração da Arena e por seus consultores especialistas, que pudessem suportar o valor justo.

Consequentemente, pode haver impactos no valor justo e, desta forma, eventuais ajustes contábeis poderão ser necessários, visando adequar a avaliação da propriedade para investimento do Fundo, quando da revisão das premissas de expectativa de geração de receitas futuras e os correspondentes custos e despesas fossem projetados com base no crescimento histórico.

As referidas premissas e cálculos não tinham sido reprocessadas, dessa forma, não podemos nos assegurar, quais seriam os eventuais efeitos nas demonstrações financeiras do Fundo nesse exercício

  • Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento – CID detidos pelo Fundo

Conforme a Nota Explicativa nº 8b, o Fundo possuiu registrado em 31/12/2018, o montante de R$261.143 milhões (R$291.788 milhões em 31/12/2017), referente a Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento – CIDs, não atualizados por indicadores econômicos.

Durante o exercício findo em 31 de dezembro de 2018, o Fundo realizou vendas de CIDs, as quais geraram um resultado positivo líquido de custos de R$13.426 milhões (R$9.368 milhões em 31/12/2017).

Em nosso processo de auditoria nós não obtivemos evidências suficientes que demonstrem que os saldos registrados nas demonstrações financeiras estejam registrados pelo seu valor justo nessa data.

Consequentemente, não nos foi possível quantificar os potenciais efeitos, se houver, do valor justo das CIDs nas demonstrações financeiras do Fundo, para o exercício findo em 31/12/2018.

(NOTA DO BLOG: em 2019, o Arena Fundo desfez-se dos CIDs remanescentes, conforme adendo publicado ainda nessa auditoria, que o leitor poderá ler ao final do texto)

  • Incerteza sobre existência e valorização do saldo de Contas a Receber por direitos de rendas de jogos na Arena – Resposta de confirmação externa com valor divergente 

Conforme nota explicativa nº 6 as demonstrações financeiras, em 31/12/2018 o Fundo possui valores a receber do Sport Clube Corinthians Paulista relativos a contas a receber por direitos de rendas de jogos no estádio no montante de R$28.311 milhões.

Como procedimento de auditoria, a Administração do Fundo procedeu com o procedimento de confirmação externa por meio de envio de “carta de circularização”.

A carta resposta desse procedimento apresenta valor 0 (zero) e não foi identificado procedimento de conciliação entre as partes envolvidas, sendo assim, nós ficamos impossibilitados de avaliar, por meio de outros procedimentos de auditoria, a existência e adequação do referido saldo
a receber.


ÊNFASES

  • Incertezas quanto à continuidade operacional e cumprimento do cronograma financeiro

As demonstrações financeiras do Fundo foram preparadas nos pressupostos de sua continuidade operacional e no cumprimento do cronograma financeiro de amortização das suas Quotas Seniores, o qual para serem efetivamente atendidos depende da confirmação das projeções de receitas realizadas pela Administração do Fundo.

  • Contrato de agenciamento celebrado com o Sport Club Corinthians Paulista (parte relacionada) 

Conforme descrito na nota explicativa nº 16 esse contrato compreende a negócios relacionados à exploração da Arena pelo Clube para a realização de seus jogos e quaisquer outros eventos, sendo que no exercício findo em 31/12/2018 o Fundo pagou a esse Clube R$66 milhões (R$1.051 milhão em 31/12/2017) a esse título.

Esse contrato foi celebrado em condições pactuadas entre as partes e poderia ter sido diferente se fosse acordado com uma parte não relacionada (terceiro).


Após essas explicações, a auditoria anexou o balancete do Arena Fundo, do qual observamos os seguintes dados:

  • Receitas a receber (calote do Corinthians no repasse da arrecadação da Arena) em 2017: R$ 26,6 milhões
  • Receitas a receber (calote do Corinthians no repasse da arrecadação da Arena) em 2018: R$ 28,3 milhões
  • Custos e despesas diretos da Arena em 2017: R$ 10,9 milhões
  • Custos e despesas diretos da Arena em 2018: R$ 8,9 milhões
  • Taxa de administração do Fundo (somados 2017 e 2018): R$ 2,4 milhões
  • Consultorias e assessorias (2017 e 2018): R$ 1,4 milhão
  • Honorários advocatícios (2017 e 2018): R$ 1,1 milhão (detalhe: segundo a auditoria, pagos ao escritório Machado Meyer pelo trabalho em apenas um processo, a Ação Civil Pública nº 0020681-12.2012.8.26.0053, promovida pelo MP-SP)
  • Auditoria (2017 e 2018): R$ 543 mil
  • Valores que o Corinthians repassou ao Fundo sobre as arrecadações da Arena de Itaquera (somados 2017 e 2018): R$ 109,6 milhões
  • Dívida com a Odebrecht em 2017: R$ 331,2 milhões
  • Dívida com a Odebrecht em 2018: R$ 288,7 milhões
  • A Odebrecht Participação e Investimentos emitiu R$ 350 milhões em debentures à Arena Itaquera S/A, acionista do Fundo, que venciam em 28/11/2014 e não foram quitados, gerando despesa, em juros, de 117% da Taxa DI

Os auditores, por conta da proximidade do final de 2019, apesar de ainda não auditados, incluíram no documento, no Item ‘Eventos Subsequentes”, as seguintes informações:

  • Em 13 de junho de 2019 o Fundo (devedor) efetuou a quitação parcial do Contrato EPC com as entregas de 1.691 CIDS que totalizaram R$ 116.469 milhões.
  • Em função da publicação da transferência dos CIDs publicados no Diário Oficial da Cidade de São Paulo, em 8 de janeiro de 2019, foi efetuado pelo Fundo (devedor), a quitação parcial do saldo devedor referente ao Contrato EPC (valor principal) por meio da transferência de CIDS, na entrega de 4.076 CIDs, que monta R$ 259.555 milhões.
  • Durante o período subsequente, o Fundo realizou 100% das vendas dos CIDS ao mercado, sendo que até a data da emissão do relatório, o valor a receber monta R$ 6.182 milhões.

Para ter acesso à íntegra da auditoria das contas do Arena Fundo basta clicar no link a seguir:

Auditoria do Arena Fundo FII – 2017 e 2018

 

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

2 comentários em “Auditoria das contas do Arena Fundo, gestor do estádio de Itaquera, revela que Corinthians não quitou dívida com a Odebrecht”

  1. ENTÃO AQUELA LOROTA DE QUE TODO DINHEIRO QUE ENTRA NA CONTA DO FUNDO É MAIS UMA MARMOTA DO ESPANHOL MAFIOSO DA VILA DOS REMEDIO. PRECISA ENTENDER O FLUXO DESSE DINHEIRO. O FIO DA MEADA TA NA TAL DA OMNI. A GRANA DOS INGRESSOS DEVE CAIR NUMA CONTA DELES QUE REPASSA PRO CLUBE E O CLUBE PRO FUNDO E NESSE FLUXO VAI FICANDO DINHEIRO PELO CAMINHO. MAS QUEM TEM INTERESSE EM DESTRINCHAR O CAMINHO DISSO ? O CONSELHO VENAL ??? PAULINHO, O CLUBE TA FALIDO E NINGUEM REPAROU NISSO ?? FALTA O QUE PRA CHEGAR A CONCLUSÃO QUE ESSE ESPANHOLÃO DE ITAQUERA, O ESTADIO MAIS CARO ABAIXO DA LINHA DO EQUADOR FEITO SOB ESQUEMA DO BARBA NUMERO 1, O “CHEFE” E SUA QUADRILHA NÃO TEM COMO SER PAGO ???? E ESSE CONSELHO VENAL VAI DAR MAIS QUANTOS ANOS PRO ESPANHOL CONTINUAR MANDANDO E DESMANDANDO COM SUA QUADRILHA DE ANDREZINHO DA VILA, MANE DA CARGA, DONATO DO PO E DA ERVA, EDU GAGO GAVIAO E ASSECLAS ???? DEVIAM DERRUBAR O ESPANHOL JA NO COMEÇO DO ANO E COLOCAR ALGUEM COM CORAGEM PRA COMEÇAR A ARRUMAR A CAIXA, EXPLODIR A CAIXA PRETA DA ARENA E TAMBEM DO CLUBE. UMA VERGONHA O QUE TA ACONTECENDO E NINGUEM FAZ NADA

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: