Advertisements

‘Democracia em Vertigem’ suscita dúvidas sobre o futuro

Da FOLHA

Por FERNANDO HADDAD

Filme de Petra Costa revela o recente efeito corrosivo que se espalhou pelo país

“Democracia em Vertigem”, filme de Petra Costa, utiliza uma inovadora técnica de condensação. O que bem poderia ser assunto de uma série é tema de um único longa-metragem.

Com flashbacks de momentos da nossa história mais remota, o filme encadeia, sem grandes pretensões analíticas, cada um dos inúmeros episódios que marcaram a vida nacional no período 2013-2018. A profundidade vem da sequência. Um episódio se explica pelo seguinte e assim por diante. O efeito é asfixiante.

A narrativa é sóbria, mas sem concessões. A arriscada estratégia de entrelaçar eventos históricos com vida pessoal soa natural. Algumas tomadas até parecem retiradas de filmes caseiros.

Filha de militantes de esquerda e neta de empreiteiro, a diretora dialoga com um sentimento que perpassou a vida de famílias da sua provável audiência. Ao final, a dúvida sobre as reais possibilidades de superação diante do descalabro.

Bolsonaro continua emitindo sinais de que desconhece a democracia; ou de que a despreza.

Numa briga de gente grande, Trump informou o norte-coreano Kim Jong-un que tinha um botão nuclear maior do que o dele. Bolsonaro, sempre atento ao macho alpha, imitou-o em escala própria: disse que tinha uma caneta mais poderosa do que a de Rodrigo Maia.

Na ocasião, afirmou que governaria por decreto, como tem feito. Sobre armas, o governo já editou sete decretos. Alguns ilegais. Conselhos de participação social, criados por lei, também foram extintos por decreto. O ímpeto autoritário foi parcialmente contido nos dois casos, pelo Senado e pelo STF, respectivamente

Em outro caso, inconformado com decisão do STF que criminaliza a homofobia, Bolsonaro afirmou que indicaria à corte suprema um evangélico. Em 2017, já demonstrava nenhuma familiaridade com princípios republicanos, ao afirmar que, com ele, não tinha “essa historinha de Estado laico” (sic) e que as minorias teriam que se curvar para as maiorias.

Outras esferas sociais vão sendo afetadas. Lideranças sociais, desde sempre perseguidas por jagunços e milicianos, agora são alvo de prisões arbitrárias sem fundamento legal.

A extrema direita não tem poupado sequer jornalistas conservadores, intimidados ou demitidos não por sua atuação profissional, mas pela demora em ajustarem-se aos novos tempos.

Não é da natureza da extrema direita mover-se nos marcos da institucionalidade.

“Democracia em Vertigem” revela um processo de debacle resultante não de um “coup d’État” clássico, mas de uma sucessão de casuísmos e arbitrariedades que corroem as instituições por dentro e nossa capacidade subjetiva de reação.

Advertisements

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: