Advertisements

Sobre as transmissões em vídeo das rádios que narram futebol

Faz algum tempo, as emissoras de rádios brasileiras adaptaram-se às novas tecnologias, principalmente as de transmissão pela internet, proporcionando a seu público não apenas o som, mas também imagens de seus programas.

A rádio Jovem Pan pensa até em criar o PanFlix, aplicativo que, inserido nos televisores conectados, proporcionará ainda mais alcance e conforto a seus ouvintes/telespectadores.

Porém, como ocorre quase sempre com as novidades, existe a necessidade de ajustes.

Não há o que justifique, em exemplo, as narrações esportivas, ao vivo, com a câmera posicionada, em close, no rosto de narrador e comentaristas.

É ruim para todos.

O público, após alguns minutos, deixa de observar o vídeo e passa a escutar apenas o áudio, o que, certamente, não deve ser o objetivo da transmissão.

Para os profissionais, a falta de liberdade proporcionada por quase duas horas de uma câmera direcionada a seus rostos, obviamente, incomoda.

Nem mesmo a TV tradicional, salvo um ou outro momento, comete esse tipo de bobagem.

Seria mais inteligente – lembrando, antes dos questionamentos, que as rádios não podem mostrar o jogo por conta de direitos de transmissão – virar as câmeras para o público, focando, de acordo com o ataque de determinada equipe, o seu torcedor.

Em vez da mesma imagem, com poucas variações, pelo longo período da partida, teríamos sempre novidades na telinha, sem perder o objetivo principal, o de escutar, na voz dos profissionais que nos agradam, narração e comentários.

Se quisessem ousar ainda mais, as emissoras deixariam um repórter em cada lado do estádio, com câmera na mão, para, a pedido da chefia, entrevistar, ao vivo, torcedores, dirigentes e outras pessoas importantes em meio ao jogo de futebol.

O rádio, que sempre se fez importante pela agilidade, não se representa no atual sistema de transmissão de partidas pela internet, que, mesmo com a participação de profissionais relevantes, é marcado pela chatice e falta de imaginação nas imagens.

Advertisements

Facebook Comments

1 comentário em “Sobre as transmissões em vídeo das rádios que narram futebol”

  1. Sem contar com a chatice do dele, que na maioria das vezes supera os 15 segundos.
    Já se a radio estiver no campo, o dele é contra a TV, que a imagem aparece depois da narração do locutor da radio.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: