Advertisements

Bolsonaro vai comemorar o 7 a 1

Da FOLHA

Por RENATO TERRA

Ministério do Planejamento divulgou um calendário de cerimônias pelo Twitter

Empenhado em implementar uma nova política inédita, na qual assume a oposição contra si mesmo, Jair Bolsonaro lançou nesta quinta as bases da Semana Nacional da Cortina de Fumaça.

“Nossa ideia é criar uma programação de impropérios, tuítes desastrosos e desencontros para atrapalhar a reforma da Previdência na semana em que ela for votada”, explicou Carlos Bolsonaro, usando o perfil do porta-voz da Presidência no Twitter.

Décimos de segundo depois, o próprio perfil do Twitter de Carlos Bolsonaro retuitou a mensagem e acrescentou: “Essa vai para os isentões e as prostitutas do sistema que insistem em dizer que o governo não tem planejamento”.

Numa ação coordenada, o Ministério do Planejamento, pelo Twitter, divulgou um calendário de cerimônias festivas para gerar debates acalorados que tirem o foco de qualquer projeto relevante.

“Neste ano, vamos celebrar a calvície, a cãibra, a turbulência em aviões, a celulite, a insônia, o uso prolongado da buzina, a frieira, a brochada e vamos criar a 1ª Festa da Pedra no Rim.”

Na postagem seguinte, o ministério denunciou: “O conluio dos que são contra a maneira diferente de governar farão barulho na imunda mídia. Tirem suas conclusões!”.

Antes da Semana Nacional da Cortina de Fumaça, Jair Bolsonaro prometeu agir para abafar o pacote anticrime de Sergio Moro. “Acabei de mandar um áudio no WhatsApp para o pessoal da CBF estimulando as comemorações pelo 7 a 1 assim que o projeto do Moro entrar em pauta.”

Carlos Bolsonaro, usando o perfil de Juca Kfouri no Twitter, postou: “David Luiz é maior do que Pelé”.

De acordo com a agenda oficial, Jair Bolsonaro tinha o compromisso de passar o resto da tarde olhando as modas nas vitrines de um shopping em Brasília.

O líder do governo na Câmara, no entanto, conseguiu surpreender a segurança e, num fato raro, se postou diante do presidente para cobrar pessoalmente uma articulação da reforma dos militares.

Bolsonaro, de pronto, colocou a mão na coxa. “Senti uma fisgada no músculo adutor”, lamentou, enquanto saía de maca.

Advertisements

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: