Advertisements
Anúncios

Coluna do Fiori

fiori - dicunto

FUTEBOL: POLÍTICA, ARBITRAGEM E VERDADE

Fiori é ex-árbitro da Federação Paulista de Futebol, investigador de Polícia e autor do Livro “A República do Apito” onde relata a verdade sobre os bastidores do futebol paulista e nacional.

http://www.navegareditora.com.brEmail:caminhodasideias@superig.com.br

apito limpo

“Gente de caráter é igual abelha. Tem ferrão, mas produz o mel”

Adágio de: Tukley – cantor, compositor e guitarrista brasileiro

———————————————————–

VAR/FIFA e Assistentes de linha

Observando o movimento do assistente 02: John Alexander Leon, fiquei atônito ao ver que, bem posicionado, deixou de erguer a bandeirinha quando do impedimento do palmeirense Deyverson, na contenda diante do Boca Juniors, referente à Copa Libertadores

Não contente

Na tarde do dia seguinte conversei com pessoa de minha credibilidade, sendo informado que a FIFA orienta aos assistentes que assinalem impedimentos bem claros; os que tenham pouco distanciamento entre atacante e defensor, deve ser resolvido através o VAR

Discordei

Argumentado que desta forma seria melhor tirar os representantes das leis do jogo para colocar varias câmeras, vez que: em assim sendo, será o velório: O futebol perderá e muito sem os bate-bocas

————————————————————-

31ª Rodada da Série A do Brasileirão – 2018

Sexta Feira 26/10

Vitória 0 x 1 São Paulo

Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)

Item técnico

Trabalho aceitável dos representantes das leis do jogo

Item Disciplinar

Cartão Amarelo: 01 para defensor do Vitória e 02 para defensores do São Paulo

Cartão Vermelho: Após o encerramento da contenda para o goleiro são-paulino Jean, por provocações aos torcedores da equipe oponente

Vasco 1 x 1 Internacional

Árbitro: Igor Junio Benevenuto de Oliveira (MG)

Item Técnico

Avaliei dois lances sobre o desempenho do assoprador de apito:

– Não fez mais que o dever de ter corroborado com o assistente 01: Felipe Alan Costa de Oliveira (MG), quando da marcação da posição de impedimento do atacante Nico Lopes da equipe do Internacional

– No primeiro minuto do acrescentamento de cinco, o Internacional vencia 1 x 0: vergonhosamente, o Boto-Branco assopra a latinha para marcar inexistente penalidade máxima quando da explicita encenação do atacante vascaíno Kelvim, no momento que:

– intuindo que iria perder a posse da bola, se joga pra cima dos oponentes

– Penalidade batida por Maxi López, convertida no gol de empate

Item Disciplinar

Cartões Amarelos: 03 para defensores do Vasco e 05 para defensores do Internacional

Cartão Vermelho: Edenilson, defensor do Internacional, por ter ofendido o assoprador de apito após o termino da refrega

Sábado 27/10

Santos 3 x 0 Fluminense

Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)

Item Técnico

Realço que a marcação da penalidade sofrida e cobrada por Gabriel, que originou o primeiro gol da equipe santista, deve ser creditada ao adicional 01: William Machado Steffen (SC), porquanto, de pronto, o árbitro não sinalizou

Item Disciplinar

Cartão Amarelo: 02 para defensores santistas e 03 para oponentes

Corinthians 2 x 1 Bahia

Árbitro: Pericles Bassols Pegado Cortez (PE)

Item Técnico

Acertou por ter sinalizado a penalidade máxima cometida por Danilo, defensor corintiano, no momento que agarrou o oponente Nilton. Batido por Clayton profundo da rede corintiana

Item Disciplinar

Cartão Amarelo: 03 para corintianos e 03 para defensores do Bahia

Copa Libertadores da America-2018 – Fase Semifinal

Terça Feira 30/1

Grêmio 1 x 2 River Plate

Árbitro: Andrés Cunha (FIFA-URU)

Item Técnico

Foi correto por consultar o árbitro de vídeo e determinar a cobrança da penalidade máxima favorável ao River Plate,

– no momento que Bressan defensor gremista, tendo o braço esquerdo erguido no sentido horizontal, desvia a trajetória da bola chutada por seu oponente Scocco

– Penalidade batida por Pity Martínez, transformada no segundo gol da vitória da equipe argentina

Item Disciplinar

Cartões Amarelos: Paulo Miranda, Bruno Cortez, Bressan, Cícero (GRE) e Enzo Pérez, Javier Pinola (RIV)

Cartão Vermelho: Bressan (GRE), após receber o segundo amarelo quando do desvio da redonda

Quarta Feira 31/10

Palmeiras 2 x 2 Boca Juniors

Árbitro: Wilmar Roldan (FIFA-COL)

Item Técnico

– Após rever o lance do defensor palmeirense Deyverson,

– que passou para Dudu tocar para Bruno mandar profundo da rede adversaria;

– após consultar o VAR, corretamente, determinou a cobrança de impedimento, vez que:

– No momento que recebeu e tocou na pelota, Deyverson passou do impedimento passivo para ativo

– Acertou por ter marcado a penalidade máxima em cima do palmeirense Dudu,

– batida por Gomes, marcando o segundo alviverde

Item Disciplinar

Cartões amarelos: 04 para defensores da equipe mandante e 02 para defensores da equipe visitante

—————————————————————–

Política

E agora?

É hora de tratar as divergências próprias do jogo democrático segundo as regras deste jogo

A eleição terminou e Jair Bolsonaro está eleito democraticamente. Não foi minha opção, mas foi à opção da maioria dos brasileiros, e temos de respeitá-la.

Mas o Brasil está rachado, e, se nada for feito, o fosso entre os dois lados pode se ampliar ainda mais, não apenas azedando as relações sociais, mas também dificultando a superação da crise econômica que vivemos.

Agora é hora de criar condições para que o debate democrático siga seu rumo de forma civilizada e que o País faça as mudanças necessárias para que o crescimento econômico seja recuperado de forma sustentada.

É hora de tratar as divergências próprias do jogo democrático segundo as regras deste jogo, mesmo que não gostemos do resultado. Se a agenda do governo contemplar medidas das quais discordamos – como facilitar a aquisição de armas de fogo ou fragilizar a legislação ambiental –, vamos nos opor e defender nossas posições no Congresso Nacional. E se o resultado não for o que esperamos, buscar revertê-lo nas próximas eleições.

É hora de entender que a superação da crise econômica que estamos vivendo exige medidas duras de ajuste das contas públicas, a começar pela reforma da Previdência, e uma agenda de reformas voltadas a ampliar o potencial de crescimento do Brasil no longo prazo. Sei que é quase impossível que isso ocorra, mas a oposição não deveria sair criticando de forma oportunista medidas que sabe que seu candidato teria de adotar se fosse eleito. Desse ponto de vista, é admirável a atitude assumida pelo senador Tasso Jereissati, antes do primeiro turno das eleições, reconhecendo que o PSDB não deveria ter apoiado, no governo do PT, medidas que sabia que seriam ruins para a economia.

No entanto, se a oposição tem um papel a desempenhar, a construção de uma trajetória que não acirre ainda mais os ânimos nos próximos anos depende essencialmente do presidente eleito e da incorporação – em seu discurso e em sua prática – de um claro compromisso com os princípios republicanos.

É hora de Bolsonaro entender que a oposição é essencial para a democracia e que só pode ser vencida no debate e nas urnas. É hora de reforçar a importância de uma imprensa livre, e não buscar reprimir ou retaliar os críticos de sua campanha e de seu governo. É hora de aceitar incondicionalmente os princípios constitucionais democráticos e a independência dos Poderes, e não buscar distorcê-los a seu favor.

É hora, sobretudo, de abandonar o discurso de ódio que pautou sua campanha e mostrar que o governo não admitirá qualquer forma de intolerância e violência contra minorias e contra seus oponentes. É hora, em suma, de Bolsonaro provar que os temerosos com sua eleição – entre os quais eu me incluo – estavam errados.

Temos instituições que podem servir como contrapesos e impedir que uma atuação vingativa do Executivo comprometa a permanência do Estado Democrático no Brasil. Mas, neste momento, isso não seria suficiente para impedir que o clima político no País azedasse ainda mais.

Não é hora de a oposição apostar no “quanto pior, melhor”, pois, ao fazê-lo, valida uma postura intolerante do governo, além de prejudicar a implementação de medidas importantes para a superação da crise. No fim, quem paga a conta são todos os brasileiros.

Mas é hora, sobretudo, de o presidente eleito mostrar que vai atuar para reduzir as tensões no País. Sem uma sinalização clara de que irá abandonar o discurso de destruição de seus opositores e de que irá atuar dentro das regras do Estado de Direito, Bolsonaro estará legitimando um posicionamento intransigente de seus opositores.

O dissenso faz parte da democracia. O ódio – de lado a lado – faz parte de outra esfera da política. Talvez o aprofundamento da vala que se abriu entre os brasileiros seja inevitável. Eu espero que não.

Autor: Bernard Appy – Diretor do Centro de Cidadania Fiscal – Publicado no Estadão do dia 30/10/2018

————————————————————–

Finalizando

“O meu ideal político é a democracia, para que todo o homem seja respeitado como indivíduo e nenhum venerado”

Albert Einstein – foi um físico e matemático alemão

—————————————————————-

Chega de Corruptos e Corruptores

Se liga São Paulo

Acorda Brasil

SP-03/11/2018

Confira abaixo o programa “COLUNA DO FIORI”, desta semana, que foi ao ar em nosso canal do YouTube.

Nele, o ex-árbitro comenta assuntos, por vezes, distintos do que são colocados nesta versão escrita:

*A coluna é também publicada na pagina Facebook:  “No intervalo do Esporte”

*Não serão liberados comentários na Coluna do Fiori devido a ataques gratuitos e pessoais de gente que se sente incomodada com as verdades colocadas pelo colunista, e sequer possuem coragem de se identificar, embora saibamos bem a quais grupos representam.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: