Advertisements
Anúncios

Tite, por escolha dele mesmo, se tornou refém de Neymar

(trecho da coluna de JUCA KFOURI, na FOLHA)

O jogo contra os Estados Unidos serviu, também, para revelar como Tite, por escolha dele mesmo, se tornou refém de Neymar.

O popstar se apresentou à seleção vestido como se fosse banana e, ao virar capitão do time, apesar de ridicularizar seus novos companheiros com brincadeiras típicas de moleques nas redes antissociais, igualou o técnico à fruta que usou como roupa.

Ora, ninguém tem nada a ver com a indumentária de nosso craque que rolou como a melhor piada da última Copa do Mundo, na Rússia.

Nem com o fato, segundo o próprio, de ele preferir calar ao ser criticado, esquecido de que falou, mas em anúncio de lâmina de barbear, porque a cara é de pau, mas o bolso é de ouro.

Todos podem, no entanto, lembrar de Bellini, de Mauro, de Carlos Alberto, de Dunga e de Cafu, os capitães que ergueram as taças do pentacampeonato, e ressaltar, com ponto de exclamação: “Que diferença!”.

Ou recordar de outros capitães, mesmo derrotados, como Sócrates, na Espanha, ou, na Rússia, de Miranda: “Que diferença!”.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: