Advertisements
Anúncios

Polícia investiga se “dinheiro sujo” do estádio de Itaquera circulou em “offshore” ligada a Paulo Preto

Paulo Preto e Andres Sanches

Não está nada fácil a vida de Paulo Preto, investigado pela Polícia Federal e pelo MPF como operador de propinas dos governos tucanos em São Paulo.

Mas, ao que parece, não só para eles.

Preto, que tentou ser conselheiro do Corinthians nas últimas eleições, aproximou-se bastante do deputado federal Andres Sanches, desde o período das obras do CT da Ayrton Senna, para a qual, fala-se no clube, teria contribuído com desvio de materiais de construção de contratos da DERSA, mas também quando o estádio de Itaquera estava sendo erguido.

Não é segredo para ninguém que, aos menos, três dirigentes alvinegros fora delatados como recebedores de “vantagens” da Odebrecht: Andres Sanches, André Negão e Vicente Cândido; existindo, ainda, grande possibilidade doutros, atuantes tanto na operação do empreendimento, quanto na facilitação das assinaturas de contratos, entrarem juntos para “dançar no baile”, principalmente Luis Paulo Rosenberg e Raul Corrêa da Silva.

A Polícia Federal acredita que R$ 500 mil desta suposta “propina” teria sido paga, em espécie, na residência de André Negão.

Outra parte, pode ter sido dissimulada como doações eleitorais para a campanha de Andres Sanches.

Novos documentos, enviados pela justiça suiça aos investigadores brasileiros, revelam a ligação de Paulo Preto com a “offshore” Vivosant S/A, que opera nas Bahamas, através do procurador da empresa, Norman Albert Barr, seu sócio noutra empresa fantasma, a Groupe Nantes Ltd., sediada no Panamá.

Delações da Odebrecht indicam, justamente, a Vivosant como um dos locais de “desova” de propinas da construtora.

Soubemos, por fonte ligada à Justiça Federal, que a “Operação Lava-Jato” vasculha documentos ligados a todos os citados com objetivo de confirmar a informação, recebida há algum tempo, de que parte da propina paga na obra do estádio de Itaquera teria circulado pelo Panamá e depois, por ação de Paulo Preto, chegado ao bolso dos verdadeiros destinatários.

O trabalho é comprovar a operação e identificar os beneficiados.

Talvez, é o que esperam os investigadores, provável delação premiada de Paulo Preto – que a coluna de hoje da jornalista Mônica Bergamo, na FOLHA, diz estar cada vez mais próxima de acontecer, possa complementar as peças faltantes em mais um “quebra-cabeça” da corrupção.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: