Os vices de Andres Sanches nas eleições do Corinthians

Repercutiu mal a falta de solidariedade da Sra. Edna Murad Hadlik, candidata a vice-presidente do Corinthians pelo grupo “Renovação e Transparência”, encabeçado pelo deputado federal Andres Sanches (PT), com a ex-companheira de chapa Maria de Lourdes Jacob Mattavo, chutada da disputa pelo parlamentar a pretexto de que o Corinthians não aceitaria duas mulheres em cargo tão importante.

Demonstração inequívoca de atraso e machismo.

Edna Murad não defendeu a ex-companheira, permanecendo na chapa, quando muitos acreditavam que, por decência, renunciaria.

Talvez a necessidade de melhorar a vida financeira (promissora se a vitória de Sanches acontecer), complicadíssima, com direito a Execução Fiscal na Justiça Federal, em ação que tramita desde setembro, sobre dívida ativa de R$ 23.356,52, justifique a omissão.

Assim como as postagens de Edna nas mídias sociais, em que trata o juíz Sérgio Moro como bandido nazista e os condenados do PT, entre os quais o ex-presidente Lula, como mocinhos, traçam bem o perfil e os limites de moralidade aceitáveis para quem tem por objetivo conviver, politicamente, com os hábitos de Andres Sanches:

Edna aceitou ainda, submissa, ser rebaixada na chapa de Andres Sanches, de vice-presidente para segunda vice, fato que somente não concretizou-se por conta de avaliação do grupo sobre o efeito que tal decisão ocasionaria diante do eleitorado feminino alvinegro.

Para o lugar da ex-companheira Maria de Lourdes, o deputado federal não poderia ter feito escolha mais adequada.

Confirmou-se, como adiantado em primeira mão pelo Blog do Paulinho no último sábado (16), o nome do advogado Alexandre Husni, que, em 2007, foi citado em grampo de conversa do ex-presidente do Corinthians, Alberto Dualib, para quem advogava, como comprador de sentença de juízes, conforme revelou a FOLHA de 15 de julho do mesmo ano:

Por falar em suborno, em 2008, Alexandre Husni convidou este jornalista ao seu luxuoso escritório, na rua Canadá, a pretexto de falar sobre Alberto Dualib, porém, em meio ao bate-papo, colocou em cima da mesa um pacote de dinheiro, e, quando questionado desta movimentação, sugeriu:

“(…) sei que você passa por dificuldades para fazer um blog independente… não é o que você está pensando, mas saiba que se tiver uma dor de barriga sempre terá para onde correr”.

Disse ainda:

“Vou à Miami, se quiser algum presente, pode pedir”

O Blog do Paulinho, evidentemente, refutou, com veemência, ambas as abordagens, que remetiam exatamente às práticas acusadas por Dualib no grampo da Polícia Federal.

Nos EUA, o advogado possui duas empresas, absolutamente suspeitas, em seu nome: “Bonerdalle Of Flórida, Inc” e “Alevera Properties, LLC”.

À época, Husni era opositor ferrenho a Andres Sanches, a quem tratava como “bandido”, mas após algum tempo do parlamentar no poder, passou a defendê-lo, muito provavelmente por razões que jamais poderá esclarecer publicamente.

Assim como Edna Murad, o advogado tem enfrentado problemas financeiros, que levaram-no, em exemplo, no ano de 2016, a ser processado por falta de pagamento pelo Condomínio Golden Gard, ação esta que tramita, em apelação, na 31ª Câmara de Direito Privado de São Paulo.

Ontem, questionado pelo whatsapp por associado do clube das razões pela qual aceitou participar da chapa de Andres Sanches, Husni respondeu, sem verdade, que o parlamentar “não tem indiciamento na “Lava-Jato”, depois, questionado pelas ações que tramitam no STF contra o deputado, sem alternativa, emendou: “fala pra ele”.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Uma ideia sobre “Os vices de Andres Sanches nas eleições do Corinthians

  1. na foto a gente ve o espanhol com cara de cu todo sem jeito, o advogado deslocado e a moça deslumbrada. nao tem a menor ideia de onde ta se metendo, ta deixando ser usada e acha que ta abafando. ve se tem condicao desse tipo de gente continuar mandando no clube. a solucao menos pior de todas é o citadine

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.