Advertisements

Como uma trapalhada poderia levar à Terceira Guerra Mundial

Da FOLHA

Por PATRÍCIA CAMPOS MELLO

Imagine você ser acordado de madrugada com sirenes e a seguinte mensagem de texto no seu celular : “Alerta de míssil! Alerta de míssil! Você deve se abrigar em uma construção sólida ou subterrânea.”

Foi assim que os japoneses da ilha de Hokkaido e mais algumas localidades no país foram despertados na madrugada de terça-feira (29), enquanto um míssil lançado pela Coreia do Norte passava sobre suas cabeças para depois, felizmente, cair no mar.

Grande parte das guerras começam por acidente ou descuido, e não intencionalmente. O líder norte-coreano, Kim Jong-un, quis fazer uma demonstração de força ao lançar o míssil sobre o Japão, indicando que poderia facilmente bombardear Guam.

Mas vamos imaginar, só por um instante, que os militares da Coreia do Norte tivessem errado os cálculos ou o míssil não cumprisse a trajetória esperada por algum motivo ou o Japão não o interceptasse. O míssil cairia em território japonês.

Estaríamos agora em plena Terceira Guerra Mundial.

Em 1960, no âmbito da Guerra Fria, o Japão e os Estados Unidos assinaram um tratado de cooperação e segurança. O tratado estabelece que os EUA são obrigados a proteger o Japão em caso de ataque e permitiu a instalação de várias bases militares americanas em território japonês.

Além disso, o Japão é um país parceiro da OTAN, e os países membros da aliança poderiam, eventualmente, invocar o famoso artigo 5 –um ataque contra um aliado é um ataque contra todos.

Aí então os EUA entrariam em ação, provavelmente bombardeando bases militares na Coreia do Norte. Kim Jong-un poderia reagir lançando mísseis -convencionais ou nucleares- contra a Coreia do Sul. A Coreia do Norte tem centenas de mísseis estacionados na fronteira com seu vizinho do sul, que poderiam acertar Seul, por exemplo, uma cidade de 10 milhões de pessoas.

E a China? A China também tem um acordo que a obriga a proteger a Coreia do Norte, embora haja dúvidas de como o governo chinês iria interpretá-lo. De qualquer maneira, a China não quer uma Coreia unificada, cheia de bases americanas e com 30 mil soldados dos Estados Unidos na sua fronteira, por isso continua apoiando o líder norte-coreano, embora com menos entusiasmo.

Se a China resolvesse proteger o aliado contra ataques americanos, o que ocorreria?

É melhor nem imaginar.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: