Corinthians desvia milhões dos esportes olímpicos para bancar “máquina” de negócios dos dirigentes

‘Em seis meses, o Corinthians gastou R$ 26 milhões para financiar penduricalhos do clube social, que arrecada R$ 11 milhões, e apenas R$ 700 mil com esportes olímpicos’


O Corinthians, desde 2007, quando da entrada do grupo “Renovação e Transparência”, de Andres Sanches, ao poder, tem por hábito manter sob cabresto eleitores, concedendo-lhes cargos, empregos e possibilidades de negócios.

Somente no Parque São Jorge, existem pelo menos 400 “assessores” de carteirinha.

Boa parte destes, precisa do clube para sobreviver.

O reflexo se dá no balancete, recentemente publicado, dando conta do dinheiro jogado ao ralo, enquanto o clube social alvinegro segue às traças, sem a execução de serviços básicos, nem investimentos.

Na última semana, em exemplo, decisão judicial autorizou a Prefeitura a lacrar as portas do Parque São Jorge, que funciona, no momento, sem alvará por conta da falta de condições mínimas de segurança, higiene e acessibilidade.

Não à toa, a arrecadação bruta do clube durante 180 dias (seis meses), dono de um complexo gigantesco, extremamente bem localizado, no caro bairro do Tatuapé, às margens da Marginal Tietê, é de apenas R$ 11 milhões.

Destes, R$ 7 milhões são oriundos de contribuições de associados (duas arrecadações da Arena de Itaquera), risível R$ 1 milhão em exploração comercial e R$ 3 milhões em “Licenciamentos e franquias”, que não se sabe, ao certo, do que se tratam.

Somente para bancar a “máquina” de negócios (cabresto eleitoral) da “Renovação e Transparência”, o Corinthians gastou, no primeiro semestre, R$ 26 milhões:

  • R$ 14 milhões em salários (R$ 3 milhões a mais do que toda a arrecadação);
  • R$ 5 milhões em serviços terceirizados (quase sempre executados por empresas recém constituídas, ligadas a conselheiros e associados);
  • R$ 6 milhões discriminados, sem explicações ou detalhamento, como “despesas gerais e administrativas”;
  • R$ 1 milhão é apontada como “Depreciação” do patrimônio.

Em contrapartida, o esporte olímpico, gerador de prestígio e, se bem administrado, de receitas para o clube, recebeu a ínfima quantia de R$ 700 mil, menor do que o salário mensal de Alexandre Pato, contratado a peso de ouro pelo futebol profissional, em passado recente.

Por falar em futebol, leitura do balancete revela, apesar do dinheiro arrecadado com recentes negociações de jogadores, que o departamento teve prejuízo de R$ 17 milhões, boa parte, evidentemente, fruto de desvio de recursos para o contrato com a OMNI (que leva 50% da arrecadação do estádio de Itaquera) e do acordo com a Odebrecht (que fica com o restante do dinheiro das entradas das partidas de futebol).

No geral, a dívida total anunciada pelo Corinthians (clube+futebol) ampliou-se, em apenas seis meses, de preocupantes R$ 425 milhões para desoladores R$ 472 milhões (prejuízo de R$ 46 milhões), sem que o clube possua meios importantes para abatê-la, a curto prazo.

Os direitos de televisão, recebidos da Rede Globo, estão comprometidos pelas próximas duas gestões, a arrecadação do estádio, por trinta anos, será dividida entre Odebrecht e Caixa, para quitar a pendência da construção (com dívida próxima de R$ 2 bilhões, que não consta do balancete) e outra pendência (também fora das contas apresentadas aos conselheiros), a fiscal, algo em torno de R$ 600 milhões, oriunda de falcatrua que levou quatro dirigentes a indiciamentos criminais no STF (Andres Sanches, Roberto Andrade, Raul Corrêa da Silva e André Negão) está parcelada pelo PROFUT.

Manobra de dois conselheiros alvinegros na Câmara, com aparente aval do Governo, Andres Sanches e Vicente Cândido, ambos deputados federais investigados por receber propina na construção da Arena de Itaquera, objetivando que a carência de pagamento das dívidas seja ampliada, sugere que o Corinthians, um dos beneficiados, não estaria apto a honrar com o acordo firmado, empurrando, assim como ocorre noutros setores do clube, mais dívidas aos próximos gestores.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.