Palmeiras… cai o treinador e permanece o contratador

Chegou ao fim a aventura do treinador Eduardo Baptista no Palmeiras, demitido após a derrota para Jorge Wilstermann, da Bolívia, pela Copa Libertadores da América.

Seu trabalho não deixará saudades.

Mas, certamente, não se trata do único culpado pela desempenho aquém das expectativas de um clube que gastou horrores na montagem do elenco.

Eis o problema, mascarado no ano passado por conta do trabalho de Cuca (cotado para retornar), acertando o que estava desacertado, salvando a cabeça dos que, sem o menor critério técnico, mas cientes dos objetivos comerciais, trouxeram jogadores de “baciada” ao Palestra Itália.

Enter os quais o dirigente, Alexandre Mattos, que mesmo diante de tantos equívocos (alguns com dinheiro do clube, outros, da Madame), e algumas espertezas, parece intocável no Palmeiras.

Cuca ou outro qualquer salvarão mais uma vez ?

Em Tempo: Mustafá Contursi, o dono do presidente palestrino, quer V(W)anderlei(y) Luxemburgo… 

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

3 Replies to “Palmeiras… cai o treinador e permanece o contratador”

  1. O sep fez o que spfc e sccp fizeram ano passado… Contrataram um treinador que a torcida e contra… O cara nao vai tao mal e é injustamente demitido…. Ai apos sair a torcida comemora…. Ser president de clube é facil

  2. A culpa nao e’ do Matos e’ deste presidente incompetente que o Palmeiras tem atualmente.. O Matos e’ um funcionário e deve satisfações a presidência.
    O trabalho do Eduardo foi muito ruim, nem tem a ver com expectativas e demandas, nao mostrou um minimo de evolução ou futebol.. Os únicos jogos bons foram contra o SP e contra a Ferroviária, isso pq ele imitou o esquema tático e jeito de jogar do Cuca (time do ano passado).. Tem uma outra coincidencia q nao consegui matar a duvida ainda, vai dar para ver agora na libertadores.. Os jogos bons do Palmeiras ocorreram com a ausência do Felipe Melo..

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.