Advertisements
Anúncios

Certos acontecimentos transcendem a objetividade

Da FOLHA

Por JUCA KFOURI

IDIOTAS DA OBJETIVIDADE, para seguir na trilha de Nelson Rodrigues, seria o rótulo de quem imputou à arbitragem o milagre de Camp Nou, ou o dia em que Neymar pôs Lionel Messi em patamar subalterno.

Que o juiz alemão errou o repeteco mostrou à exaustão, mas o videotape é burro, como ensinou o mestre.

O zagueiro escorregou e Neymar tropeçou nele; Marquinhos não tocou em Suárez o suficiente para derrubá-lo; Mascherano derrubou Di Maria; Mascherano meteu o braço na bola na área no primeiro tempo.
Pronto: Barcelona 4, PSG 3.

Os catalães estão fora da Liga dos Campeões e os franceses eliminaram os rivais a quem jamais haviam vencido em mata-matas.

Mas não.

Houve também um pênalti em Neymar quando o jogo estava 1 a 0 e, só para ilustrar a burrice do videotape, Zico, ao comentar para o Esporte Interativo, achou que ambos os pênaltis assinalados para o Barça aconteceram.

Ou seja, há controvérsias e a opinião de Zico, que conhece porque esteve lá, tem peso, muito peso.

Pois veja a rara leitora e o raro leitor, cá estamos perdendo tempo e espaço ao falar do juiz qual um idiota da objetividade.

Falemos, então, do Sobrenatural de Almeida.

Sim, ele estava lá, disfarçado, no Camp Nou atômico.

Aquela energia que pairou sobre a Catalunha não pode ser reduzida a eventuais erros do apito porque também ela impediu que Cavani fizesse o segundo gol e liquidasse com os anfitriões.

Uma energia que não contaminou o gênio de Messi a ponto de ele abrir mão de bater uma falta e um pênalti que normalmente seriam de sua responsabilidade porque, cético, ou realista, já dera os anéis e os dedos por perdidos.

Neymar não!

O brasileiro não desiste nunca, mentira que gostamos de contar para nós mesmos, mas que, na noite do miracle (em catalão), era verdade.

Neymar havia visto Suárez abrir o placar nem bem a epopeia começara.

Viu o calcanhar genial de Andrés Iniesta provocar o segundo gol, contra, ainda no primeiro tempo e fez as contas das peladas em Santos: dois vira, quatro acaba, o bastante para a prorrogação.

Tropeçou no escorregão de Meunier, o alemão não deu, prova de que má intenção não havia, mas o auxiliar dele, atrás do gol, acusou. Messi fez 3 a 0 e Neymar vibrou, acreditou, aliás, como todos nós.

Então veio o balde de água congelada dos Pirineus, na fronteira da Espanha com a França. Gol de Cavani.

Neymar, ao contrário do resto da humanidade, não achou que o fim do mundo tinha, enfim, chegado.

Fez o quarto gol aos 43 ao bater falta como se fosse arremesso de três pontos. E era. E ele pareceu saber.

Porque fez o quinto três minutos depois, de pênalti, como se fosse um lance livre.

Faltava o sexto gol. Faltavam ainda mais quatro minutos. Uma eternidade num jogo de bola ao cesto.

No 50º minuto antes do nada, falta quase no meio de campo, na zona morta e no goleiro(!)Ter Stegen.

Neymar bate e a bola volta. Ele avança. Em vez de devolver à área ou chutar da intermediária, dribla um rival, levanta a cabeça e põe a bola no pé de Sergi Roberto: 6 a 1.

Cesse tudo o que a musa antiga canta que outro valor mais alto se alevanta!

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: