Coluna do Fiori

fiori - dicunto

FUTEBOL: POLÍTICA, ARBITRAGEM E VERDADE

Fiori é ex-árbitro da Federação Paulista de Futebol, investigador de Polícia e autor do Livro “A República do Apito” onde relata a verdade sobre os bastidores do futebol paulista e nacional.

http://www.navegareditora.com.brEmail:caminhodasideias@superig.com.br

apito limpo

“O estado nada mais é que um “grande bando de ladrões”, uma máfia. Só que muito maior, mais opressiva, e mais perigosa”

Santo Agostinho

——————————————————–

CPI da Máfia do Futebol  

pizza

Balanço

O relatório da CPI da Máfia do Futebol foi apresentado na segunda-feira (8), um dia do prazo final dos trabalhos. A comissão recebeu diversas denúncias que, segundo o relator, deputado Fernando Monteiro (PP-PE), mostram que as práticas da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) privilegiam relações pessoais em detrimento de critérios técnicos de contratação, e incentivam propinas e subornos, prejudicando toda a cadeia futebolística brasileira

Lei Pelé

O texto do relator sugeriu dois projetos de lei. O primeiro pedia mudanças na Lei Pelé, “para tornar mais transparente e democrática a gestão nas entidades esportivas”. A segunda proposta tipifica o crime de corrupção privada, ou seja, a corrupção praticada em empresas ou entidades que não são públicas

Frustação

O deputado Fernando Monteiro se diz frustrado por não ver o relatório final aprovado pela CPI. Ele disse que vai se dedicar agora à aprovação dos projetos sugeridos : “Já que estamos passando a limpo o Brasil com novas leis anticorrupção, eu vou me dedicar a isso de agora em diante – criminalizar a corrupção privada que foi o motivo pelo qual nasceu essa CPI. Lutar daqui pra frente, tentar aprovar essa lei que muda toda geografia do futebol e acaba com as agências que fazem intermédio entre CBF e patrocinadores etc.”

Completo

O insucesso do deputado e relator da CPI da Máfia do Futebol sobre as falcatruas cometidas por dirigentes, empresários, políticos e outros que tais; terminou conforme esperado, ou seja: uma grande e saborosa pizza recheada com o vil metal e presentes ofertados por dirigentes da CBF, federações e clubes

———————————————————–

Expurgação

O acima é mais um dos múltiplos motivos para que se banque com urgência, adequada e autônoma Operação Lava Jato nas administrações do futebol brasileiro

———————————————————–

19ª Rodada da Série A do Brasileirão – 2016

Domingo 08/08

América-MG 1 x 0 Santos

Árbitro: Pablo dos Santos Alves (ESP-PB)

Item Técnico

Inverteu e deixou de marcar faltas

Item Disciplinar

Depois de ter acertado em marcar a falta cometida por Vanderlei, goleiro santista, no oponente Vitor Rangel, o árbitro foi devagar e bem devagarzinho para tomar a decisão se o expulsava ou não; no fim deste lento raciocínio, ou, medo de tomar decisão, ao menos no meu entender, tomou a apropriada, expulsando o defensor santista

Em Tempo

Mesmo com a alteração efetuada na lei do jogo, cabe ao árbitro decidir se o goleiro teve a finalidade de impedir ou não, o seguir do oponente. Não nos esqueçamos do famoso “meia bola e meio adversário”.

Palmeiras 2 x 1 Vitória

Árbitro: Braulio da Silva Machado (ASP-FIFA-SC)

Item Técnico

Deixou de marcar claríssima penalidade máxima no palmeirense Erik

Item Disciplinar

Aceitável

———————————————————————

Segunda Feira 08/08

Corinthians 1 x 1 Cruzeiro

Árbitro: Dewson Fernandes Freitas da Silva (FIFA-PA)

Item Técnico

Somente o árbitro, não “viu” e deixou de marcar a irrefutável penalidade máxima cometida por Cássio, goleiro do Corinthians, no oponente Ábila

Item Disciplinar

Não gostei, como principal, houvesse acatado, o corintiano Cássio seria expulso quando da falta penal não marcada

———————————————————————-

Politica

Temer é só o que temos para o jantar

No impeachment de Dilma, Lewandowski atua como mordomo conferindo a despensa

No impeachment de Dilma, Lewandowski atua como mordomo conferindo a despensa

Por que Michel Temer foi vaiado na abertura da Olimpíada Rio 2016? Porque no Maracanã “vaia-se até minuto de silêncio”, como constatou Nelson Rodrigues? Porque ele é o mais poderoso membro da impopular elite dirigente política nacional? Porque está comandando um “golpe branco e manso” contra a presidente reeleita em 2014? Das hipóteses acima é possível apostar apenas na última, não por ser verdadeira, pois não é, mas porque 32% da população brasileira, ou seja, menos de um terço, acredita nessa bazófia. Os fatos conspiram contra as outras: Médici foi aplaudido unanimemente por torcidas antagonistas na época mais brutal e menos democrática da História de nossa insana República. E na noite de 5 de agosto houve aplausos de delírio para Giselle Bündchen, ídolos da Música Popular Brasileira ou para a pira olímpica que virou sol.

Saiba quem ouviu a vaia e calou (consentindo-a?), mesmo sem considerar os aplausos, que os houve, que Temer é só o que “temos para o jantar”. Se Dilma Rousseff, do PT, for mesmo impedida, o vice, do PMDB, eleito juntamente com ela pelos mesmos 54 milhões de eleitores que a preferiram a Aécio Neves, do PSDB, em novembro de 2014, assume seu lugar por ser essa sua obrigação funcional, conferida na Constituição vigente. Apenas se voluntariamente ele se negar a cumprir seu dever se considerará a hipótese de substituição pelo vencedor de uma eventual eleição, direta se for este ano e indireta (ou seja, pelo Congresso) se convocada a partir de 2017. Talvez essa seja uma boa causa para os apupos, se se considerar que ele foi cúmplice da má gestão da titular da chapa, responsabilizada pela maior crise ética, econômica e política da História.

Desobrigada pelo afastamento, Dilma, ela mesma vaiada e xingada na abertura do Mundial da Fifa de 2014, ausentou-se do estádio para evitar esse dissabor. Do qual, aliás, não escaparia nenhum mandatário de nenhum dos Poderes republicanos. Nem mesmo alguns colegas de ofício do popular Sergio Moro seriam poupados.

Salvo a exceção, que inspira imitadores, do citado Moro, o Judiciário também não goza de boa fama, mormente após seu ápice de popularidade, durante a transmissão pelas TVs por assinatura das sessões do julgamento do chamado mensalão. Joaquim Barbosa, então herói, antecipou a aposentadoria, deixou sem justa causa seus fãs órfãos e os dispersou ao assumir a defesa da causa mais impopular da História republicana, “Fica, Dilma”, não defendida sequer pelos militantes contra o “golpismo”, que só usam como cavalo de batalha o “Fora, Temer”. Para complicar, o desacreditado antagonista do relator no mensalão, Ricardo Lewandowski, assumiu a presidência do Supremo Tribunal Federal (STF).

Após ser tido pelo público como defensor avançado da causa dos petistas acusados de corrupção, o ministro indicado pelo amigo de longa data em São Bernardo do Campo Luiz Inácio Lula da Silva, sob cuja égide foi eleito e reeleito o poste Dilma e uma organização criminosa perpetrou o saque ao Tesouro, passou a comportar-se como chefão sindical de pares e servidores. Porta-bandeira de reivindicações salariais de funcionários e ministros em plenos quebradeira de empresas e desemprego de operários, ele se permitiu funcionar como supremo árbitro de todas as querelas, deixando a impressão de abusar das próprias prerrogativas de chefe de Poder.

Nesse afã, omitiu sutilezas do passado, ao assumir o comando do processo de impeachment da presidente afastada, que devia ser aberto pela Câmara e julgado no Senado. A inércia dos parlamentares o ajudou: por 66 anos, estes nada fizeram para reformar uma circunstância específica da Constituição de 1946, que transferiu o comando do julgamento do processo político de impedimento do presidente para o chefão do Judiciário, já que o vice era presidente do Senado e, como parte interessada, não poderia comandar a votação.

Para tanto contou com cumplicidade generalizada. Como ninguém atentou para o detalhe, ele não se fez de rogado em rebaixar a encarregada apenas de dirimir dúvidas de técnica processual a árbitra intrometida de questiúnculas regimentais. Sob sua presidência, os colegas do STF massacraram o direito democrático elementar da candidatura avulsa de parlamentares, tão eleitos pelo povo quanto a chefe do Executivo, para atender aos interesses dela na composição da comissão da Câmara que decidiu sobre a abertura do processo.

E não precisou de cumplicidade dos outros dez colegas para se intrometer em questões internas da comissão do Senado, ao decretar o sugestivo total de 40 testemunhas de defesa, decretando uma paródia de “abre-te, Sésamo”, que acaba de repetir ao ampliar de cinco para seis o novo número de testemunhos em prol da acusada, depois da aprovação de sua pronúncia pela maioria simples dos senadores.

Em nome do precedente Collor, que adotou a lei sem nexo à falta de outra, atua como mordomo diligente, a conferir a despensa do palácio, cuidando de cada minúcia, sem repetir o exemplo discreto de Sydney Sanches, presidente do STF em 1992. A comissão da Câmara, composta no figurino de Dilma-Cardozo, derrotou essa dupla por 38 a 27. As 40 testemunhas não evitaram o 14 a 5 da comissão do Senado a favor do voto do relator, Antonio Anastasia. Mas o causídico da “presidenta” conta com novas intervenções do STF para desautorizar a maioria de dois terços no julgamento final, apesar de Lewandowski presidi-lo, a pretexto de evitar nova enxurrada de recursos. Por essa razão, o julgamento de Dilma só será realizado após decorrer o triplo dos 90 dias usados para depor o Carcará Sanguinolento.

Os caprichos de Lewandowski ainda podem alongar esse prazo para setembro. Para alívio de pelo menos dois terços de Câmara, Senado e cidadãos, ele não poderá postergá-lo para depois de 10 de setembro, quando já terá empossado Cármen Lúcia em seu lugar.

Publicado no Estadão do dia 10/08 – Autor: José Nêumanne Pinto, jornalista, poeta e escritor brasileiro

————————————————————–

Finalizando

“A liderança é uma poderosa combinação de estratégia e caráter. Mas se tiver de passar sem um, que seja estratégia”

Norman Schwarzkopf – foi um general do Exército dos Estados Unidos

—————————————————————

Chega de Corruptos e Corruptores

Se liga São Paulo

Acorda Brasil

SP-13/08/2016

*A coluna é também publicada na pagina Facebook:  “No intervalo do Esporte”

*Não serão liberados comentários na Coluna do Fiori devido a ataques gratuitos e pessoais de gente que se sente incomodada com as verdades colocadas pelo colunista, e sequer possuem coragem de se identificar, embora saibamos bem a quais grupos representam.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.