Advertisements
Anúncios

Pobres de São Paulo abominam o “rolezinho” e apoiam ação da PM, divulga DATAFOLHA

rolezinho

Pesquisa da DATAFOLHA, divulgada hoje, serve para calar os profetas da sociologia, gente que só conhece a pobreza nas teorias dos bancos de faculdade, tratando como “discriminação social” tudo o que não conseguem entender de maneira adequada.

82 % dos paulistanos desaprovam o “rolezinho”, que, na verdade, é um método moderno de arrastão, desenvolvido pela criminalidade, para atuar em Shoppings Centers do Estado.

Na Zona Leste, local mais pobre da cidade, apenas 8% aprovam a prática.

Cai por terra, portanto, o discurso, inflamado politicamente pelas redes sociais, de que os Shoppings Centers estariam discriminando os menos favorecidos, por grana, raça ou seja lá o que for.

Pura mentira.

Não há um Shopping de São Paulo que adote essa prática, ainda mais os da Zona Leste.

Pelo contrário, esses estabelecimentos adoram os pobres, que tem entrada liberada, até porque costumam gastar mais em lazer e alimentação do que os tratados como ricos, mais compradores de mercadorias.

Donos de Shoppings, assim como qualquer comerciante, ou cidadão de bem, não gostam é de vagabundos que se juntam para badernar, roubar e incomodar quem, de fato, se porta com civilidade.

Sejam eles pobres ou ricos.

Outro dado interessante é que 73% da população, pobres em sua maioria, apoiam a ação da PM, e até desejam que ela seja chamada pelos lojistas, também apoiados em 80% quando decidem fechar seus comércios para evitar saques.

Ou seja, a população, principalmente a que mora na periferia vive a realidade, conhece os seus, e sabe muito bem do que são capazes, sejam os marginais e também os cidadãos de bem, diferentemente dos que, apesar da formação universitária, precária, se baseiam em teorias tão frágeis quanto os copos de cerveja, ou as sedas de baseados, mais frequentes em suas vidas de estudantes do que os livros, que deveriam servir de referência para evitar tamanha imbecilidade.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

41 comentários sobre “Pobres de São Paulo abominam o “rolezinho” e apoiam ação da PM, divulga DATAFOLHA

  1. Eu posso até discordar de alguns pontos do seu texto, Paulinho.

    Mas o último parágrafo matou a pau! Perfeito!

  2. Paulinho, perfeito !!!
    Só não entendo como esses imbecis utilizam o furado argumento de racismo nesse caso. Ninguém proíbe a entrada deles no Shopping, só não podem fazê-lo a algumas centenas de pessoas juntas….simples.

  3. Tá bom! Eu acredito nessas balelas, ou melhor, nessas pesquisas furadas da folha. Se bobear… essa mesma folha coloca o candidato preferido (queriam o mentiroso do Serra, mas, vai de Aebrio Never mesmo) a frente da Dilma. Oras….a real e’ que as elites estão sendo encurraladas, e a pobreza tbm busca seu espaço, inclusive nos shoppings. Mas, sou contra tbm (caso haja), brigas, arrastões, roubos…. mas, barrar a pobreza na porta eu tbm não concordo. Há muita hipocrisia em torno disso. Seria mais ou menos, como muitos riquinhos por ai’ que discriminam os usuários de crack, pois, qual a diferença entre um viciado em cocaína e um usuario de crack? Eu sei a diferença: social, de $$$, e claro, de punições e justiça. O que vemos hj e’ nada mais, nada menos, que a herança maldita de Portugal, que nos deixaram: ranço escravagista (por isso 90% ganham mal), uma elite egocêntrica e nojenta, que se acham donos dos espaços onde frequentam (vide os shoppings), ou seja, nos deixaram a ignorância. Esta elite consevadora só estão colhendo o que plantaram, deixando milhões, por séculos, as margens da pobreza e estudos. E isso e’ só a ponta do iceberg. Ou essa elite nojenta se insere numa nova realidade brasileira e mundial, ou, irão pagar caro.

  4. Vou colocar esse texto em uma moldura e destacar com marca texto as partes “profetas da sociologia, gente que só conhece a pobreza nas teorias dos bancos de faculdade”, “diferentemente dos que, apesar da formação universitária, precária, se baseiam em teorias tão frágeis quanto os copos de cerveja, ou as sedas de baseados, mais frequentes em suas vidas de estudantes do que os livros”.
    Perfeito!

  5. É óbvio que a maioria esmagadora não aprova esses rolezinhos, todos sabem que 90% dos que estão infiltrados nisso são marginais, não se trata de “pessoas que não tem pra onde ir e se divertir”. Nunca existiu isso em Shoppings, estão fazendo isso pra aparecer e estão conseguindo. É uma vergonha termos que abrir diálogo com esses bagunceiros e baderneiros. Os próprios moradores das regiões mais pobres não apoiam isso, sabem que são bagunceiros que se aproveitam dos poucos bons cidadãos. Tem que repudiar mesmo e nada de dar “moral” pra esse povo. Nossos governantes estão de “cú” fechado porque não querem que a opinião pública os critiquem e ficamos a mercê desses ordinários, Onde estão os Malufistas e Janistas, precisamos de políticos com pulso forte, não digo em Ditadura, mas bem próximo a isso. A policia não pode bater no meliante, os que são presos não duram semanas na cadeia, ninguém tem medo de ser preso, ninguém está nem ai pra nada. Nosso país virou de ninguém.

  6. No dia em que a PM entrar na casa do Maluf dando com o cassetete nas pernas dele, talvez eu leve em consideração as bobagens que acabaste de escrever. Se os pobres aprovam a ação da PM, batendo em quem não estava fazendo anda, como aqueles que estavam descendo pela escada rolante, fugindo do tumulto e correria que a própria PM criou, provavelmente já estão conformados com a forma que são tratados. Quem confunde discriminação social com racismo já começa mal. Vou chamar a PM quando os crentes se reunirem na praça e começarem de gritaria. Vamos ver qual vai ser a reação dos cassetetes. Pois aquilo também é baderna. Sobre dizer que houve arrastões, por favor… Onde estão as queixas dos primeiros “rolezinhos”? Ninguém deu queixa de furto ou roubo em Dezembro. Depois, quando virou bagunça, por culpa de mais uma ação desastrada da PM, como em Julho, os marginais infiltrados viraram maioria, claro. Tsc, tsc, tsc… Lamentável.

  7. Nossa Paulinho, esse papao ja deu, muda a pagina, niguem mais quer saber de ” ROLEZINHO” vira o disco.

  8. Sem proselitismo a quem faz Rolês ou a quem não faz: Qual credibilidade tem o DataFolha? Entretanto, ainda que tenha alguma, tirar conclusão de um universo de 799 pessoas que residem na Zona Leste de SP(que deve ter bem mais de 5 milhões de habitantes). E o pior de tudo:Quanto à questão do preconceito, o que mais se discute — especialistas de toda espécie — é o preconceito em relação aos jovens de periferia ou aos mais carentes ou aos que não têm acesso a bens de consumo etc., e a pergunta da pesquisa é: Shoppings agem ou não como preconceito de cor de pele? Ora, é tomar uma parte pelo todo, ou seja, a cor de pele é sim — e sempre foi, em vários lugares do mundo — um fator de preconceito, mas não é o único e em especial nessa questão de rolezinhos — que vamos e venhamos já ganham muito destaque em vista de seu impacto social. O alimento da atenção é se dar mais atenção do que o devido. Este é um caso clássico.

  9. João, a polícia não vai “entrar na casa do Maluf dando com o cassetete nas pernas dele”, porque o Maluf já é um protegido do Lula e da elite esquerda caviar do PT.

    A maioria dos funcionários que trabalham em Shoppings Centers são pessoas pobres. Os vagabundos de esquerda é que tentam capitanear esse tal de “rolezinhos” para a causa terrorista deles.

  10. João Disse:
    janeiro 23, 2014 às 9:23 am

    João o país está assim por culpa das leis que tipos como o Maluf criaram e você deve ter votado nele. Quanto a PM é despreparada, como todo serviço público do país, que é caótico.

    Outra coisa frequento shoppings e NUNCA vi ninguém ser barrado por cor da pele, roupa ou cara de pobre , agora tu hás de convir que é assustador um bando entrar correndo, gritando, cantando funk, pulando escada rolante, empurrando pessoas e alguns depredando, assaltando, isso para mim não é reivindicação, mas sim formação de quadrilha.Se querem ir ao shopping vão, mas sem aglomeração, sem tumulto. Chega deste papinho de excluídos. Os verdadeiros excluídos são moradores de rua, sem teto e estes não andam com celular de última geração, conectados nas redes para marcar rolezinho.

  11. João, no dia em que entrarem na sua casa, levarem tudo o que vc suou pra conquistar em anos, ou enquanto estiver no Shopping com sua família e começar a correria em direção a sua filha ou mesmo queimarem sua filha dentista viva dentro de seu consultório você mudará de ideia. Enquanto não acontece com a nossa pele está tudo certo, se vc não está fazendo nada e não aprova essa baderna vc não estaria no meio dessa bagunça. Pessoas de bem não se misturam então não participe da Zona. A Policia só aparece quando acontece algo fora do normal, ninguém bate em ninguém se estiver em sua total ordem, não fale bobagens. Vem me dizer que a PM causou tumulto é muita idiotice. Vc dentro de sua casa pode escrever um monte de bobagens, mas estar lá pra ver o como é acredito que nunca esteve porque vc não deve participar dessa baderna, então não aprove isso também. Amigão, a PM tem que colocar ordem e hoje em dia não se coloca ordem conversando porque essa mulecada conhece “seus direitos” e essa merda de Direitos Humanos e esses que se dizem a favor de projetos Sociais pra bandidagem só aparecem nessa hora pra estarem na mídia e nossos Governantes não podem fazer nada porque já estiveram do outro lado. Se respeitassem a PM era só o carro aparecer no estacionamento pra todos saírem de lá, mas não, eles ficam e “peitam” e policia, ninguém tem sangue de barata. Nossas cidades estão a mercê de bandidos e a policia não pode fazer nada, então quem fará? Direitos Humanos? Vc prende um desgraçado e logo ele estará solto, o que fazer? cadeia com escola, ar condicionado, igreja, café da manhã, almoço e jantar, chá das 5h, cama box e TV de Led? Vamos parar de hipocrisia. se todos tivessem MEDO da cadeia e respeito pela policia não existiriam arruaceiros de Shopping, ninguém entraria na sua casa sem autorização. É necessário trabalhar duro na cadeia, plantar pra ter o que comer, construir sua própria cama e se queimá-la que durma no chão, não ter contato com outro preso e assim por diante. MEDO de ser preso, dessa forma os “fora da lei” nunca mais iriam querer voltar lá. Não estou dizendo em “botar Terror” e sim trabalhar, serem úteis. Que nossa lei seja igual a dos EUA, lá sim a coisa é diferente, nosso Brasil não sabe o que é Democracia, todos acham que tem direito a tudo e que Democracia é baderna. Precisamos de um governante de peito e que coloque ordem na casa, mas pelo que estou vendo não tem ninguém com esse perfil. Aqui temos pessoas que dão sei dinheiro para livrarem dívidas de trambiqueiros, vide Genuíno de sua turma. São um bando de trochas mesmo. Então esse é o nosso País e o nosso Povo.

  12. Olha, essa situação do rolezinho só mostra como o povo brasileiro é preconceituoso, falastrão e revoltadinho. Povo da retórica. Estou vendo vários e vários discursos sem sentido. Apenas alguns: 1)Esse rolezinho só tem bandido, trombadinha e arruaceiro. Resposta: A média de idade é 14-17 anos, na sua grnade maioria estudantes, vide que os rolezinhos acabaram assim que acabaram as férias escolares. Até o momento apenas UM meio de comunicação divulgou fatos reais de roubo e furtos, ocorridos no terminal de itaquera no rolê de 12/01. Tumulto e correria ocorrem sempre após a repressão dos seguranças/PM. Se você só assiste isso através da grande midia, certamente só vê imagens de correria pós-repressão. 2) Absurdo essas meninas com roupas obscenas e esses muleques tipo “ostentação”. Resposta: essa é a pior. Quem tem entre 14-17 anos hoje nasceu entre 97/2000. Tinha 8 ou 10 anos em 2006/2008. Eles nasceram de pais que “ficavam” nas baladinhas e “beijavam muitos e muitas” a cada noite.Cresceram vendo que o sexo é normal, pois passa até na novela e no BBB. Vivem onde no Google vc digita “mulher pelada” e vem 1 milhão de sites. Vivem onde seus idolos ostentam e a TV mostra que dinheiro faz muito bem. Moram em uma cidade que dobrou o número de shoppings em 10 anos e incentiva cada vez mais o consumo.
    Para finalizar, ainda vem gente compartilhar no facebook mensagens moralistas para rolês em agencia de emprego/doação de sangue/capinar roça, etc… Pô, quem aqui queria fazer essas coisas com 14-17 anos??? Ainda mais nas férias de Dezembro/Janeiro??? Que hipocresia gente… Vir dizer que esse é o caminho se vcs certamente não seguiam quando jovens. Esses rolês sempre existiram, mas nunca nessas proporções. Ponto! É isso. Com as redes sociais, ao invés sde 15/20 amigos, juntam-se 1000/1500 conhecidos. Finalmente, os problemas reais são: COMO lidar com essa novidade social? Como identificar os baderneiros no meio da grande maioria que só quer curtir? Qual é a educação que estamos dando para jovens que chegam nessa idade com o nivel de lingua portuguesa tão baixo??
    Reflitam. Não incorporem o espirito de “reclamador por natureza” do brasileiro médio e mudem para “consciente dos problemas e ciente do que EU posso fazer para melhorar”.

  13. Nem vou perder meu tempo em falar sobre “rolezinho”

    Nessa época do ano, era para essa galera estar se matando de estudar para passar no vestibular e entrar em uma boa universidade…..

    Eram para estar indo aos Shoppings comemorar suas entradas nas faculdades prestadas….uma coroação do esforço de uma vida

    Rolezinhos é o sinonimo de uma falta de perspectiva e incentivo de mtos jovens da periferia dessa cidade….Perspectiva, mas não de oportunidade….Basta querer!!

    Estudei minha vida inteira em escolas publicas….. Me matei de estudar, pois sempre concorri em desigualdade contra alunos q podiam pagar bons colégios….Venci, sou formado e estou na minha 2ª pós….

    Paciência….Pais onde o “Pão e Circo” é implantado como política voltado aos sem perspectiva e aos bovinos alienados, sobram rolezinhos e a falta do que fazer!!

    E, ainda querem liberar a maconha!!!

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  14. Rolezinho é cassete e bala de borracha. A PM tem que bater primeiro e perguntar depois. Moleque de boné de aba reta e bermuda colorida tem que ser tratado, preventivamente, como bandido. Prenda meia dúzia pelo crime de vadiagem que essa mulambada volta pra casa.
    Chega de bolsa família e pão e circo. Vamos deixar o Brasil para quem paga imposto de renda.

  15. Ridiculo esse tal rolezinho, eh coisa de petistas querendo ganhar voto desse povo imbecil que acha que vao ganhar alguma coisa fazendo baderna. Os shoppings vao continuar existindo e esses babacas continuarao pobres de espirito, educacao, moral. Fazer rolezinho nas escolas, bibliotecas, nos hemocentros ninguem, bando de inuteis.

  16. Boa Paulinho, esta canalha principalmente formadas nos complexos USP (FEFELECHE) e PUC, têm de parar falar merda.
    Estes playboys tratados a leite ninho e sucrilhos deveriam é trabalhar de verdade. Pode analisar a maioria vira professor destas universidade, para continuar a desfrutar das cervejas e coisa e tal, e mamar dinheiro público.

  17. Esses Lambe-Ovos do Luladrão não tem nem vergonha de defender esses criminosos inventores desse arrastão disfarçado… Olhem para seus filhos e criem vergonha na cara antes que seja tarde cretinos divulgadores da ignorância!! Nada sobrará pra vcs além de sustentar mensaleiros corruptos e sujos com nosso dinheiro de impostos!!

  18. Simples quando entrarem para o role só deixar sair com os pais ou policia se quebraram algo paguem.

  19. A policia tem que baixar o cacete nesses vagabundos que ficam se escondendo atras de um teclado e pensam que são manifestantes.

  20. Mas aí é que tá, Paulinho. Esses “sociólogos” de araque defendem o pessoal do rolezinho por terem muita coisa em comum com eles.
    Além da preferência PolíTica, os dois grupos são adeptos dos copos de cerveja e sedas de baseados.

  21. Algumas respostas idiotas que sucederam meu comentário apenas ratificam o que falei. É apenas preconceito. Meu, dizer que eu votei no Maluf, dizer que isso ou aquilo é coisa de esquerda, dizer que no dia que alguém entrar na minha casa e mimimi… Por favor. Sobre ser barrado em shoping, conheço quem já foi barrado. E eram brancos. Foram barrados por estarem com camisetas de rock, pretas. Não eram nem funkeiros, nem negros. Mas se vocês acham tolerável que a polícia bata sem motivo a torto e a direito, que sejam felizes, até o dia que apanharem também. Não confundam pobres com bandidos. Esse erra é clássico e preconceituoso. Nos primeiro rolezinhos não houve crime algum. NENHUMA queixa na polícia. Mas eu devo ser petista, ou esquerdista. Tenho mania de achar que a polícia não deve bater em inocentes.

  22. E outra, pego ônibus superlotados sem ar-condicionado todos os dias e não vejo a polícia interceder nos tumultos e discussões diárias dentro dos coletivos. Muito menos aparecer na TV. Mas daí pode. O incômodo é só para a ralé.

  23. Sandro, já entraram na minha casa e a PM não fez porra nenhuma. Colocar ordem e espancar são duas coisas distintas. A PM deveria se espelhar na polícia inglesa, sueca… Aquilo é ORDEM. Todos os problemas relacionados às manifestações de 2013 começaram pelo despreparo da polícia. O mesmo vale para os estádios de futebol. DESPREPARO. Só apanha quem não está no bolo. Quem diz o contrário, é porque nunca esta lá.

  24. o cara se faz de proletário pacifista, fica querendo enfeitar e falar bonitinho, “politicamente correto”, mas vejam só como o revolucionário esquerdista deixa a máscara cair:

    “E outra, pego ônibus superlotados sem ar-condicionado todos os dias e não vejo a polícia interceder nos tumultos e discussões diárias dentro dos coletivos. Muito menos aparecer na TV. Mas daí pode. O incômodo é só para a ralé.”

    ou seja, o ‘companhêro João’ defende a idéia de que a polícia (força armada do Estado) intervenha nos assuntos mais banais possíveis e seja onipresente. se alguém xingar o outro dentro de um ônibus, no instante seguinte já aparece por osmose um agente do Estado para enquadrar os cidadãos. o Big Brother de George Orwell.

    ‘companhêro João’ não é bobo, ele é filiado ao ‘partidão’ e por isso defende (de maneira subjetiva, claro, pois se falasse abertamente com todas as letras o que defende de verdade, seria escorraçado) um Estado (o partidão) mais forte, totalitário, como sempre acontece nos regimes comunistas. faz parte do processo desqualificar a imprensa (99% da mídia é sustentada pelo governo e mesmo assim dizem que a mídia é golpista, trabalha contra… vai entender) dizendo que a pesquisa é uma farsa e apoiar o caos (essas manifestações todas têm de ocorrer. não podemos ser preconceituosos e impedir os coitados jovens da periferia de se expressar).

    afinal todos sabemos que para o totalitarismo ser implantado, é preciso que não haja vozes críticas na mídia, só propaganda e que o clima na sociedade esteja envolto por uma completa bagunça, desordem social, cada um fazendo o que quer, para legitimar assim uma presença mais forte do Estado no dia-a-dia. o que ‘companhêro João’ quer é todo o poder nas mãos do ‘partidão’ do qual ele é filiado e que o resto se dane. quem for contra, vai pro campo de concentração igual na antiga URSS.

  25. kasparaitis, nem terminei de ler o seu comentário de tão idiota. Quando me referi aos ônibus, quis dizer que ninguém dá bola para isso. Ninguém chama a polícia quando vê um ônibus transbordando de gente. Vem querer falar em imprensa??? Onde critiquei a imprensa? Se são justamente setores da imprensa que estão sendo criticados pelo Paulinho por mostrarem o outro lado, não por mim. Nunca votei no PT. NUNCA. Você critica o estado totalitário mas defende a violência seletiva da polícia, principal característica dos regimes totalitários. Que se foda o PT. Você é mais um alienado de apartamento. A polícia está certa. Tem que bater, mesmo… Só que no dia que sobrar para você, como já sobrou para mim, não venha reclamar. Vamos manter os pobres no lugar deles. É por pessoas como você que os Bolsonaros da vida são eleitos. Tsc, tsc, tsc…

  26. E kasparaitis, sobre banalidade, a polícia “intercedeu” sem ter havido crime algum. Apenas uma grande multidão. Mas boa sorte com seus argumentos…

  27. Paulinho, vc poderia mostrar as provas que identificam os rolezinhos como arrastões?

    Assim como vc ficou indignado quando tentaram tirar o seu blog com acusações falsas, o que eu estou de pleno acordo, acho que vc não deveria usar dos mesmos recursos que pessoas como neto, andares sanches, ricardo teixara e demais usam!

    Vc tem todo o direito de não concordar com os rolezinhos, agora falar que são marginais e ladrões apenas por citar opiniões não é nada diferente do que as pessoas no mundo do futebol que vc tanto combate fazem!

  28. Alex, é isso que o pessoal não entende. É esse tipo de generalização que “legitima” esse tipo de ação desastrada da polícia. E tem gente que acha correto. Mas criticar a polícia é coisa de esquerda.

  29. Joao tem razao ateh certo ponto… E tambem to curioso igual esse Alex pois ateh agora soh vi alegaçoes de arrastao nesses ocorridos…

  30. Meus filhos não participam de “rolezinhos”, sabem por que? Porque eles estudam e trabalham – eles estão sem tempo, entenderam?

  31. FUNKEIROS, CURICANOS, FAVELADOS E MALACOS DEFENDENDO O TAL ROLEZINHO. BANDO DE VAGABUNDOS !!!

  32. O brasil é engraçado: Sociólogos querem fazer o papel da policia, a policia quer fazer o papel da imprensa e a imprensa quer fazer o papel dos sociologos.
    Sou contra aglomerações, tumultos e afins, mesmo que em caráter pacífico, quando essa ação prejudica um terceiro (no caso, o conjunto de lojas privadas).
    E por favor, discutam idéias, e não façam ataques pessoais!

  33. Desde quando o que o povo acha ou deixa de achar invalida qualquer teoria sociológica Paulinho?
    Segundo voce, se mais de 50% da população desaprova os rolezinhos eles são automaticamente eventos ruins. Seguindo sua lógica, se mais de 50% aprovam nossos políticos porque votam neles nosso país é uma Suécia sulamericana.
    Eu também sou contra rolezinhos, mas tu falou bobagem demais generalizando quem faz humanas.
    Em tempo: seu amigo imaginário, Juca Kfouri, fez ciencias sociais.

  34. ‘companhêro João’, pode deixar que eu acredito piamente que você não é mais um dos comunistóides de facebook. assim como acredito em coelhinho da Páscoa. o mais legal é que vocês brigam contra fatos e falam que os contrários à bagunça e desordem só apresentam opiniões. tem vídeo no youtube dos caras fazendo baderna e espancando segurança, tem comentários em redes sociais com fotos de nego se vangloriando por ter roubado X produtos durante a baderna, relatos de gente presente que foi intimidada e hostilizada gratuitamente…

    mas não, para o olhar seletivo de vocês nada disso existiu, foram apenas circunstâncias ocasionais né. os jovens tem direito de fazer o que quizerem, onde quizerem, como quizerem. tentar reprimir isso e exigir um pouco de respeito ao próximo é preconceito, é fascismo.

    já disse para o ‘companhêro Peixoto’ e digo o mesmo pra você: vou pegar uns amigos e fazer um ‘rolêzinho’ no quintal da sua casa qualquer dia desses pra ver sua reação. na propriedade privada alheia tudo bem né.

  35. kasparaitis, se você acredita em tudo o que você vê na internet, ou em generalizações de apartamento, não duvido que acredites em coelhinho da páscoa também. Sobre a minha propriedade privada, se ela estiver com os portões abertos com uma placa de “conjunto de lojas” ou “centro de compras”, você terá todo o direito de convidar seus amigos do condomínio para vir passear aqui. Do contrário, será invasão. Coisa que não ocorreu em nenhum shoping pois os mesmos se propõem a receberem o público. Mas, felizmente, você já tem a sua opinião formada. Boa sorte.

  36. Claiton Cesar, que papo de esquerdista. Deixa isso para lá. Isso nunca acontece. É papo de sociólogo… A polícia está certa. Tem que bater primeiro e perguntar depois. São tudo bandido fazendo arrastão e poluindo o ambiente. Não existe discriminação social no Brasil. Existe só vadiagem… Trabalhador não sofre discriminação. Baixa a cabeça e trabalha. Pobre consciente é aquele que sabe o seu lugar. Deixa assim… Tsc, tsc, tsc.

  37. Não há dúvidas de que o funk está estragando cada vez mais as periferias do Brasil. Aliás, não só as periferias pois já está atingindo até as elites.
    Trata-se de um estilo “musical” que só serve para empurrar os jovens para o crime, drogas e promiscuidade. Vejam as letras de início de carreira do tal MC Daleste (Matar os polícias(sic) é a nossa meta…).
    Outros “cantores” expõem nas suas letras serem verdadeiros pedófilos, com letras que vão de provocativas a explicitamente pornográficas.
    Por fim, o pessoal da ostentação. Cultuam o luxo e o status, algo que, na cabeça de um jovem pobre, dificilmente o fará estudar e trabalhar pra se dar bem. O efeito imediato é transformar essa garotada em ladrões e traficantes.
    Esse meio é o que compõe boa parte do público do rolezinho. Os que não são mergulhados no submundo do funk, acabam se aproximando apenas em busca de aceitação social. Infelizmente, os funkeiros já são maioria nas “quebradas”.
    Não são jovens gritando por lazer, igualdade e consumo. São projetos de criminosos bancando a gangue do Coringa, cujo objetivo é apenas ver o circo pegar fogo.

  38. Polícia de Alckmin faz sua obrigação. Mas a extrema-esquerda também faz… sua obrigação. No caso, apoiar criminosos.

    http://lucianoayan.com/2014/01/25/policia-de-alckmin-faz-sua-obrigacao-mas-a-extrema-esquerda-tambem-faz-sua-obrigacao-no-caso-apoiar-criminosos/

    Conforme amplamente noticiado, na quinta-feira a tarde a Polícia Civil foi à cracolândia e conseguiu prender vários traficantes. Em resposta, a extrema-esquerda está reclamando aos píncaros, dizendo que isso prejudica o programa Braços Abertos, criado por Haddad. Neste programa, usuários de crack recebem uma ajuda de custo de R$ 15 por dia, mais alimentação e moradia, e trabalham como garis.

    Segundo a extrema-esquerda, a ação policial, prendendo traficantes, atrapalha o programa Braços Abertos. O problema é que essa argumentação nunca sequer é completada, sendo baseada apenas em frases jogadas ao léu como “a ação da Polícia é feita para a prejudicar o programa Braços Abertos”. Só não explicam como isso prejudicaria o programa, e nem o motivo para existir um prejuízo.

    Vamos aos fatos. Se existe um programa para ajudar usuários de crack, ele não depende, em absoluto, da impunidade de traficantes de droga. Qualquer pessoa em sã consciência sabe que existe uma diferença criminal entre traficante e usuário. Além do mais, se a ideia era “tirar os usuários do crack do vício” então prender traficantes é sempre uma boa opção.

    Não para Fernando Haddad e sua tropa. Do lado do PT, todos começaram a protestar contra uma ação policial que, segundo eles, “estragou tudo”. A partir daí, os petistas passaram a tratar os traficantes como coitadinhos, “vítimas da opressão policial”.

    Há claramente uma distorção dos fatos praticada pelo PT. Na verdade, a polícia foi prender traficantes, e vários de seus clientes resolveram se insurgir contra a polícia. Os fatos eram claros: os usuários de crack queriam proteger aqueles que lhe forneciam os produtos. O problema é que cúmplice de criminoso é criminoso. Não há como fugir disso. Se existem usuários de crack que merecem ser tratados como vítimas da sociedade, com certeza não são aqueles que resolvem agredir policiais para proteger um traficante.

    Segundo a Carta Capital, o Secretário Municipal dos Direitos Humanos, Rogério Sottili, disse: “O que aconteceu hoje foi uma barbaridade inaceitável, uma violência que expôs não só os beneficiários da Operação de Braços Abertos, mas também a rede de assistência social, a rede de saúde, os funcionários públicos, as pessoas que passavam por aquele local, de forma violenta, absurda, descabida. O que aconteceu hoje à tarde na Cracolândia é uma coisa completamente inaceitável”.

    Só que não há nada de “violento, absurdo e descabido” em uma ação policial que prende traficantes e não causa uma vítima fatal sequer. Pelo contrário, a ação é um exemplo de poucos danos causados na prisão de criminosos. (Devido aos movimentos de esquerda, que adoram proteger criminosos, é importante não dar pretexto para eles, portanto, se o criminoso violento conseguir ser preso ileso, tanto melhor.)

    Todo o showzinho da extrema-esquerda termina sendo uma verdadeira ode à arte da hipocrisia. Os usuários de crack que apoiaram os traficantes são criminosos, e se a polícia não prendesse os aliados dos criminosos, seria omissa com a população. Se os usuários de crack da operação Braços Abertos “só aceitam receber tratamento se os seus traficantes não forem presos”, é sinal de que o governo do PT deliberadamente decidiu fazer o eleitor de trouxa, e esse tipo de safadeza intelectual deve ser denunciada.

    Em suma, não há argumento de defesa para o discurso do PT contra a ação policial na cracolândia, a não ser que eles forneçam um argumento coeso mostrando o motivo pelo qual uma ação para dar tratamento a usuários de crack depende da omissão da polícia quanto a traficantes, dando-lhes impunidade.

    Não há outra conclusão que podemos tirar disso tudo que não o óbvio ululante: mais uma vez a extrema-esquerda finge defender os “oprimidos” quando na verdade protege suas agendas ocultas, em especial a da tolerância aos criminosos. Enquanto a polícia de Alckmin faz sua obrigação, de prender os criminosos, a extrema-esquerda também faz sua obrigação com afinco: proteger os criminosos.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: