Advertisements
Anúncios

O futebol do Corinthians está nas mãos de quem não é do ramo

A pífia gestão dos mais variados departamentos de futebol do Corinthians – profissional e de base – tem explicação absolutamente lógica, fácil de ser demonstrada.

Os “profissionais” que tem a responsabilidade de geri-los não são do ramo.

Todos os cargos foram distribuídos para que atual gestão alvinegra pudesse agradar seus pares políticos.

Nenhum por meritocracia.

No futebol profissional, tirante o treinador Tite, absolutamente competente – talvez, por isso, boicotado – os outros dirigentes são pura enganação.

O diretor de futebol, Roberto Andrade (da Nova) – cargo de maior responsabilidade no Corinthians – que aparece cotado à presidência do clube, nunca foi gestor de coisa alguma – embora parte da mídia tenha comprado a mentira de ex-administrador.

Na verdade, era vendedor de carros, ainda assim, não dos melhores.

Duílio Monteiro Alves (do Bingo), diretor adjunto, como o próprio apelido remete, de jogo só conhece a “jogatina”, local em que, vez por outra, carrega, inadequadamente, algum jogador do elenco.

Além disso, seu pai, Adilson Monteiro Alves, enquanto no Governo paulistano, também se metia a dar ordens no DETRAN, período em que o atual presidente do Corinthians, delegado Mario Gobbi, além de seus parceiros, pintaram e bordaram no local.

Ou seja, sua nomeação nada mais é do que gesto de pura gratidão.

Na base, que deveria ser a “galinha dos ovos de ouro”, mas que nada fornece de jogadores ao elenco principal desde que o goleiro Julio Cesar foi revelado, em 2005, ainda na gestão Dualib (que também foi campeão mundial pelo clube), o responsável, Fernando Alba, é dono de estacionamentos, e, como “experiência” em esportes, ocupou o cargo de diretor de “piscinas”.

Não poderia mesmo dar certo.

O que dizer, então, do presidente Mario Gobbi, que, se fosse do ramo, poderia tentar colocar ordem na casa ?

Suas próprias palavras, em reuniões do Conselho Deliberativo, dizendo que “não gosta de futebol”, e “que não frequenta estádios”, dão a tônica de como o problema alvinegro não é de fácil solução.

O resumo da ópera é simples: contratações – milionárias – mal realizadas, gestão de crise ineficiente, dinheiro jogado no ralo, além de falta de alicerce (jogadores jovens) para recorrer no caso de necessidade.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: