Advertisements

Coluna do Fiori

FUTEBOL: POLÍTICA, ARBITRAGEM E VERDADE

Fiori é ex-árbitro da Federação Paulista de Futebol, investigador de Polícia e autor do Livro “A República do Apito” onde relata a verdade sobre os bastidores do futebol paulista e nacional.

http://www.navegareditora.com.brEmail:caminhodasideias@superig.com.br

1

24ª Rodada da Série A do Brasileirão – 2013

Sábado 28/09

Botafogo 0 x 1 Ponte Preta

Árbitro: Francisco Carlos do Nascimento (FIFA-AL)

Item Técnico

No transcurso da contenda, inverteu e, deixou de sinalizar a faltas,

Lesou o Botafogo

Indiretamente, Francisco Carlos do Nascimento influenciou no resultado da contenda por ter marcado pênalti inexistente contra a equipe do Botafogo no finalzinho da primeira etapa, quando do claríssimo pisar na bola e posterior caída do atleta Airton, defensor da equipe campineira; Elias cobrou e mandou a bola pro fundo da rede botafoguense

Item Disciplinar

Meia boca

Domingo 29/09

Portuguesa 4 x 0 Corinthians

Árbitro: Rafael Claus (SP)

Item Disciplinar

Apesar de não ter sido muito exigido, acertou quando expulsou o corintiano Gil, por ter cometido agressão no oponente Bérgson

Item Técnico

No 16º minuto da primeira etapa, Moisés, defensor da lusa cometeu penalidade máxima em cima do corintiano Sheik, corretamente marcada; cobrada por Guerreiro, defendida por Lauro, goleiro da Portuguesa

– Por volta do sexto minuto da segunda etapa, sinalizou corretamente impedimento do atacante corintiano Sheik, no instante em que recebeu e tocou a bola pro fundo da rede da Portuguesa;

– No oitavo minuto, acertou por ter marcado impedimento do corintiano Pato, no momento que recebeu e mandou a bola pro fundo da rede da equipe do Canindé

Conclusão

Desempenho aceitável dos representantes das leis do jogo

São Paulo 0 x 1 Grêmio

Árbitro: Heber Roberto Lopes (FIFA-SC)

Item Técnico

Por volta do vigésimo primeiro minuto da segunda etapa,

– próximo da entrada da área defensiva da equipe gaucha, o árbitro,

– sinalizou falta favorável ao São Paulo,

– contando com a presença do atacante Kleber, formou-se a barreira gremista,

– cobrança da falta efetuada pelo são-paulino Reynaldo;

– objetivando impedir a seqüência normal da redonda, Kleber, colocou o braço acima de sua cabeça,

– não deu outra; a bola tomou outro rumo, penalidade máxima não sinalizada,

Arremate

Graças ao subterfúgio da famigerada “interpretação” Heber Roberto Lopes, árbitro da contenda errou feio e prejudicou o São Paulo por ter determinado o prosseguimento da jogada

25ª Rodada da Série A

Quarta Feira 02/10

Coritiba 0 x 2 Flamengo

Árbitro: Paulo Cesar de Oliveira (FIFA-SP)

Germano, atleta do Coritiba foi expulso corretamente; no todo da refrega, os representantes das leis do jogo desenvolveram suas funções com tranqüilidade

Corinthians 2 x 0 Bahia

Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)

Item Técnico

Deixou de sinalizar faltas praticadas por atletas dos dois litigantes

Item Disciplinar

Apesar de ter advertido com cartão amarelo, 3 dos defensores corintianos, e 6 da equipe baiana; poderia e deveria ter sido mais exigente

Concluindo

Árbitro e assistentes, não influenciaram no resultado

Santos 3 x 0 São Paulo

Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (FIFA-MG)

A expulsão do santista Alison, logo após ter dado o conhecido carrinho por trás do são paulino Douglas, foi correta.

No todo, árbitro e assistentes, desenvolveram trabalho aceitável.

Política

Verdade

2

Em Tempo:

Nas eleições de 1986, Antonio Ermírio de Morais disputou o governo do estado de São Paulo; lutador e correto, na data da votação, Antonio Ermírio recebeu meu voto, vez que para os eleitores mais esclarecidos, seu opositor Orestes Quércia, não merecia confiança

Resultado

Antonio Ermírio ficou no segundo lugar, houvesse segundo turno, certamente, derrotaria o trapaceiro Orestes Quércia, outro, dos diversos profissionais da política, que nada possuía, quando morreu, deixou fortuna incalculável

Ladrões

3

4

Inicio dos assaltos nos bolsos dos contribuintes da capital

5

 

Justiça

STF

Você sabe a diferença entre Joaquim e José?

MINISTROS JOAQUIM BARBOSA   e  JOSÉ A. TOFFOLI

É BOM SABER QUEM É O RELATOR DO MENSALÃO:

o Ministro Joaquim Barbosa!

Joaquim Barbosa nasceu em Paracatu, noroeste de Minas Gerais. É o primogênito de oito filhos. Pai pedreiro e mãe dona de casa; passou a ser arrimo de família quando estes se separaram. Aos 16 anos foi sozinho para Brasília, arranjou emprego na gráfica do Correio Brasiliense e terminou o segundo grau, sempre estudando em colégio público. Obteve seu bacharelado em Direito na Universidade de Brasília, onde, em seguida, obteve seu mestrado em Direito do Estado.

Foi Oficial de Chancelaria do Ministério das Relações Exteriores (1976-1979), tendo servido na Embaixada do Brasil em Helsinki, Finlândia e, após, foi advogado do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) (1979-84).

Prestou concurso público para procurador da República, e foi aprovado. Licenciou-se do cargo e foi estudar na França, por quatro anos, tendo obtido seu mestrado e doutorado ambos em Direito Público, pela Universidade de Paris-II (Panthéon-Assas) em 1990 e 1993. Retornou ao cargo de procurador no Rio de Janeiro e professor concursado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro –  UERJ. Foi “visiting scholar” no Human Rights Institute da Faculdade de Direito da Universidade Columbia em Nova York (1999 a 2000) e na Universidade da Califórnia Los Angeles School of Law (2002 a 2003).

Fez estudos complementares de idiomas estrangeiros no Brasil, na Inglaterra, nos Estados Unidos, na Áustria e na Alemanha. É fluente em francês, inglês, alemão e espanhol. Toca piano e violino desde os 16 anos de idade.

E O SEU COLEGA NO STF:

Nome: José Antonio Dias Toffoli

Profissão (atual): Ministro do Supremo Tribunal Federal /STF- Suprema Corte.

Idade: 41 anos

Breve histórico de seu Currículo, para entender a “coisa:”

– Formado pela USP

– Pos Graduação: nunca fez

– Mestrado: nunca fez

– Doutorado: também não!!!

– Concursos: 1994 / 1995 foi REPROVADO em concursos para juiz estadual em São Paulo.  (é estadual e não Federal, não vá se confundir).

– Depois disso, abriu um escritório e começou a atuar em movimentos populares. Nessa militância, aproximou-se do deputado federal Arlindo Chinaglia e deu o grande salto na carreira ao unir-se ao PT…

* Em Brasília:

– aproximou-se de Lula e Jose Dirceu;

– que o escolheram para ser advogado das campanhas 1998, 2002 e 2006;

– Com a vitória de Lula, foi nomeado subchefe assuntos Jurídicos da Casa Civil, então comandada por José Dirceu;

– Com a queda do chefe, pediu demissão e voltou a banca privada;

– Longe do governo, trabalhou na campanha à reeleição de Lula, serviço que lhe rendeu 1 milhão de reais em honorários.

– No segundo mandato, voltou ao governo como chefe da Advocacia-Geral da União;

– Toffoli é duas vezes réu. Ele foi condenado pela Justiça, em dois processos que correm em primeira instância no estado do Amapá. Em termos solenemente pesados, a sentença mais recente manda Toffoli devolver aos cofres públicos a quantia de 700.000 reais – dinheiro recebido “indevidamente e imoralmente” por contratos “absolutamente ilegais”, celebrados entre seu escritório e o governo do Amapá.

– Um dos empecilhos mais incontornáveis para ele é sua visceral ligação com o PT, especialmente com o ex-ministro José Dirceu, o chefe da quadrilha do mensalão. De todos os ministros indicados por Lula para o Supremo, Toffoli é o que tem mais proximidade política e ideológica com o presidente e o partido. Sua carreira confunde-se com a trajetória de militante petista – essa simbiose é, ao fundo e ao cabo, a única justificativa para encaminhá-lo ao Supremo.

*Posse na “cadeira dos sonhos”:

No dia 23/10/2009, ocorreu à posse de Dias Toffoli como ministro do STF, indicado pelo Presidente Lula.

Deu para perceber a diferença?

Chega de Mentira, de Corruptos e Corruptores

Se Liga São Paulo

Acorda Brasil

sp- 05/10/2013

Advertisements

Facebook Comments

Deixe uma resposta


%d blogueiros gostam disto: