Caso Wellington escandaliza escravidão dos jogadores com seus “empresários”

Wellington

Recentemente, a empresa Powerball, do “empresário” de jogadores Valdir Rodrigues Veloso, ingressou com ação judicial para cobrar supostas comissões devidas pelo atleta Wellington, emprestado ao Internacional pelo São Paulo.

Tratava-se de um golpe.

A Justiça, bem documentada, indeferiu, dando ganho de causa ao volante colorado.

Antes de falar sobre o mérito, vale a pena explicitar o grau de escravidão a que o jogador foi submetido, por anos, com o citado “empresário”,

Veloso tinha direito a escandalosos 25% do salário recebido pelo por Wellington, além de 50% sobre seus direitos de imagem.

Ou seja, era quase como se o comissionado fosse o atleta.

Boa parte da grana recebida pelo agente, obviamente, é dividida com dirigentes de clubes “oficialmente” não remunerados.

Sobre a ação, em si, mesmo tendo negociado os direitos – econômicos e de gestão de carreira – do volante para outro empresário, Gustavo Arribas, Valdir Veloso decidiu cobrar comissões que julgava ter direito após a concretização do referido negócio.

Wellington comprovou, então, com documentos, que o ex-feitor não mais poderia, por direito, utilizar a chibata de outrora, encerando juridicamente a questão.

Facebook Comments
Advertisements

14 Replies to “Caso Wellington escandaliza escravidão dos jogadores com seus “empresários””

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.